As nuvens opacas
22/12/2018 | 15h41
<div><tinymce class="clickTinyMCE" title="{'nm_midia_inter_thumb1':'http://www.folha1.com.br/_midias/jpg/2018/12/22/170x96/1_unknown-1245158.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c1e76bc48e9d', 'cd_midia':1245163, 'ds_midia_link': 'http://www.folha1.com.br/_midias/jpg/2018/12/22/487x377/1_unknown-1245158.jpg', 'ds_midia': 'sopro', 'ds_midia_credi': 'ML', 'ds_midia_titlo': 'sopro', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '487', 'cd_midia_h': '377', 'align': 'Left'}"><figure class="Left" style="width:487px;height:377px;"> <img src="http://www.folha1.com.br/_midias/jpg/2018/12/22/487x377/1_unknown-1245158.jpg" alt="sopro" width="487" height="377"> <figcaption> sopro / ML </figcaption> </figure></tinymce></div> <div>H&aacute; coisas que me acontecem que n&atilde;o sei se ocorrem aos que me cercam.Tenho uma esp&eacute;cie de dom ou defeito de vis&atilde;o, provavelmente decorrente de uma cirurgia para conserto da miopia, que me faz enxergar sombras pretas quando movimento os olhos. J&aacute; ouvi relatos parecidos, mas nenhum igual ao meu. Vejo sombras que formam imagens. Desenhos ora abstratos, ora definidos, que se convertem em verdades e afirma&ccedil;&otilde;es.Um rosto que lembra um amor antigo. Uma curva que me faz recordar uma viagem. Uma letra do alfabeto grego. Uma f&oacute;rmula matem&aacute;tica. As sombras pretas me acompanham diariamente e s&atilde;o mais vis&iacute;veis quando leio ou olho em dire&ccedil;&atilde;o a luz. Outro dia, folheando o jorna pela manh&atilde;, encontrei entre as sombras da minha vis&atilde;o e o emaranhado de letras do jornal, a seguinte not&iacute;cia: &ldquo;As nuvens est&atilde;o mais pr&oacute;ximas da terra&rdquo;. A reportagem n&atilde;o tinha tom alarmante e at&eacute; tranquilizava o leitor mais preocupado ao informar que segundo cientistas da Nasa, a proximidade das nuvens ajudam no resfriamento do planeta, podendo compensar parte do aquecimento global.</div> <div>Eu, que n&atilde;o sou fil&oacute;sofa, tampouco meteorologista, tentei entender a poss&iacute;vel rela&ccedil;&atilde;o entre as nuvens de fuma&ccedil;a produzidas pela queima combust&iacute;veis f&oacute;sseis e a proximidade das nuvens atmosf&eacute;ricas. Ser&aacute; que o nevoeiro que nos cega os olhos e nos faz acreditar em not&iacute;cias falsas (Fake News) tem alguma rela&ccedil;&atilde;o com o fato de vivermos numa &eacute;poca em que as informa&ccedil;&otilde;es s&atilde;o armazenadas nas nuvens?</div> <div>34% dos brasileiros escolheram MUDAN&Ccedil;A como a palavra do ano de 2018. Voc&aacute;bulo comum em anos de elei&ccedil;&atilde;o, que revela o descontentamento com o presente e o desejo por novos ventos que soprem transforma&ccedil;&otilde;es. Vale lembrar que a mesma pesquisa revelou ser CORRUP&Ccedil;&Atilde;O a palavra que melhor definiu o ano de 2017 para n&oacute;s brasileiros.</div> <div>&lsquo;Tem que mudar tudo isso que t&aacute; a&iacute;, t&aacute; ok?&rsquo; propunha o ent&atilde;o candidato, eleito, que nem assumiu e j&aacute; repete os erros aos quais prometeu solu&ccedil;&atilde;o.</div> <div>Mudan&ccedil;a n&atilde;o &eacute; a minha palavra para 2018 e tampouco &eacute; CORRUP&Ccedil;&Atilde;O o meu voc&aacute;bulo para o ano anterior. Mas diante da espessa neblina de ignor&acirc;ncia e da presen&ccedil;a constante do passado que presenteia o cotidiano brasileiro, o meu desejo &eacute; que os ventos dos pr&oacute;ximos anos desfa&ccedil;am a opacidade das verdades equivocadas. E ao inv&eacute;s de levar para longe nosso passado de escravid&atilde;o e desigualdade, nos traga para perto a&nbsp;compreens&atilde;o de que melhor do que varrer para debaixo do tapete &eacute; tratar a ferida. S&oacute; assim, um mudan&ccedil;a verdadeira ser&aacute; poss&iacute;vel.Desejo que em 2019 saibamos distinguir chuvas de ver&atilde;o das chuva &aacute;cidas da destrui&ccedil;&atilde;o. E que o vis&iacute;vel entre as sombras pretas do meu olhar e o nevoeiro das not&iacute;cias espalhadas por WhatsApp sejam facilmente desvendados.</div>
Comentar
Compartilhe
Sobre o autor

Mariana Luiza

[email protected]