Semiologia Médica 4 - Doenças por uma nova ótica
21/12/2017 | 16h26
No último domingo do mês, publico no blog verbetes de um dicionário médico-poético.
Havana, 2016
Havana, 2016 / Mariana Luiza
Ansiedade: É o desespero da espera. O precipitar do precipício. Uma respiração que não cabe no pulmão. O excesso de medos e futuros. A falta de ar e do presente. Recomenda-se colocar os pés no chão, sentir o hoje e respirar mais e mais e mais até que o pulmão retome seu tamanho.
----------------------------------------------------//-----------------------------------------------
Caxumba: Também conhecida como parótide ou papeira, a caxumba é uma infecção viral que inflama as glândulas salivares e sublinguais. As pessoas que não têm papas na língua e falam o que pensam sem medir consequências, são as mais propensas a se infectar com o vírus.
Os sintomas são inchaço e dor na região das papadas. Além das comuns dores ao mastigar e engolir aquilo que não deveria ter sido dito. Uma das complicações da caxumba é a meningite, que causa fortes dores de cabeça. Ela acontece quando o indivíduo, impossibilitado de falar sem limites, devido a complicações da doença, tenta transmitir seus comentários grosseiros e indelicados pela força do pensamento.
Em homens, o vírus da caxumba também pode infectar a região dos testículos, uma vez que alguns indivíduos do gênero também pensam grosserias e indelicadezas com a cabeça de baixo.
Como tratar: A caxumba é como a palavra grosseira depois de proferida. Não tem atenuantes. Recomenda-se apenas repouso e alimentação leve com poucos ou total ausência de ácido para não irritar as glândulas salivares, não incitando-as a proferir palavras que possam agravar e postergar a permanência do vírus no corpo do individuo. Como forma de prevenção existem alguns tratamentos como o tele transporte que leva o paciente a se colocar no lugar do outro, com o ouvido e pensamento, antes de proferir as palavras pensadas.
----------------------------------------------------//-----------------------------------------------
Cálculos renais: São as pedras no meio do caminho. A maior parte dos cálculos se forma sem manifestar qualquer sintoma. Instalam-se sorrateiramente nos rins, nos pensamentos ou nas vias urinárias, provocando o desvio de percursos ou a paralisação total de um projeto ou plano. As pedras, assim como a maioria dos problemas e dos medos, começam pequenas. Encontram no corpo um lugar de repouso e desenvolvimento e crescem ao encontrar alimento naquilo que deveria ser excretado pelas vias urinárias e/ou imaginárias.
Diz-se que a cólica renal é uma das dores mais lancinantes, intoleráveis e desumanas sentida por um corpo. Não é pra menos. A interrupção desistência de um desejo é verdadeiramente atroz com qualquer corpo.
A remoção dos cálculos se dá por cirurgia ou eliminação natural pela uretra com consumo excessivo de água. O solvente universal dos problemas e das pedras nos caminhos chega como enxurradas ou tsunamis carregando pra longe o que impede o sonho.
----------------------------------------------------//-----------------------------------------------
Congestão alimentar: Mal estar súbito provocado pelo acúmulo excessivo de presentes e comidas na noite de natal. O corpo entra em estado de congestão porque o consumo desenfreado muda a direção do fluxo sanguíneo para irrigação do estômago e intestino quando deveria na verdade irrigar o coração e o cérebro.
Chás digestivos como o de simancol ajudam a processar com consciência o sentido do nascimento do símbolo do natal. Jesus Cristo.
Comentar
Compartilhe
Semiologia Médica 3 - Doenças por uma nova ótica
21/12/2017 | 13h00
No último domingo do mês, publico no blog verbetes de um dicionário médico-poético.
Formigamento: Locomoção de um grupo de formigas debaixo do tecido epitelial em busca de alimento. As formigas existem há 100 milhões de anos e constituem a maior população de insetos do planeta. Fora do corpo humano, são conhecidas por consumirem diversos tipos de alimento, tendo preferência por substâncias adocicadas como açúcar, mel, bolos. Dentro do corpo humano, a base alimentar do inseto varia de acordo com sua espécie. Entre as mais comuns estão:
Formiga fantasma (Tapinoma Melanocephalum): Esta espécie se alimenta basicamente de medos e acontecimentos passados não digeridos pelo corpo do paciente. Pessoas pretéritas, presas à saudades, com tendências à alucinações e pensamentos ilusórios são mais propensas a hospedar o formigueiro fantasma, sofrendo por consequência constantes formigamentos em diversas partes do corpo. Estas formigas fazem trilhas irregulares, andam em ziguezague e não se fixam em um lugar por muito tempo.
Recomenda-se exposição do tecido epitelial ao frescor do vento e das chuvas e infinitas sessões de drenagem linfática.
Formiga louca (Paratrechina Longicornis): O nome “louca” é devido ao andar irregular e em semicírculos dessa espécie. A sensação do formigamento é sentida da mesma forma pelo paciente hospedeiro. A formiga louca se alimenta da realidade do paciente. Ela pode desencadear reações variadas como devaneios, arrepios, pirações e delírios.
Se o paciente for cuidadoso e consciente da existência deste tipo de formigueiro, ele poderá fazer bom uso da loucura proporcionada pelas formigas.
Formiga –faraó (Monomorium Pharaonis): Os faraós eram os reis do Egito Antigo. Possuíam poderes absolutos na sociedade decidindo sobre a vida política, religiosa, econômica e militar. Eram considerados filhos diretos do deus Osíris. Portanto, os faraós eram, consequentemente, deuses vivos. A formiga faraó se alimenta de ideias de grandeza, autoritarismo e prepotência. Geralmente se hospedam em corpos adultos com mais de 12 anos, portadores de complexo de superioridade, e com grande necessidade de controle daquilo que é incontrolável, como por exemplo o tempo cronológico, os fenômenos meteorológicos e as vidas alheias.
----------------------------------------------------------//-----------------------------------------------------------
Edemas periféricos: Inchaços dos tornozelos, pés e pernas. A acumulação anormal do peso da vida nos membros inferiores. Excesso de caminhos e falta de caminhadas.
Recomenda-se exercícios físicos e drenagens das preocupações. 
----------------------------------------------------------//-----------------------------------------------------------
Sacudida hipnal: Sacudida forte e breve que a vida dá enquanto dormimos. Muitas pessoas sentem os espasmos enquanto acordadas, uma grande maioria relaciona os mesmos a passagem de algum anjo ou espírito. A escassez de literatura científica a respeito alimenta os mistérios sobre a causa.
Embora muito comum e aparentemente inofensiva, a sacudida hipnal requer cuidados: vale prestar atenção e manter os olhos abertos para os acontecimentos da vida. Principalmente enquanto sonhamos acordados.
----------------------------------------------------------//-----------------------------------------------------------
Dermatite de contato: reação inflamatória da pele devido à exposição a um componente que causa irritação ou alergia. Erupção cutânea (ou dos nervos), coceira, vermelhidão e descamação são sintomas comuns.
A dermatite de contato irritativa é o tipo mais comum. Essa reação ocorre quando a pele entra em contato com uma substância que desencadeia irritação por ação direta. Além da irritabilidade, principal sintoma da patologia, o paciente poderá sofrer de mau humor, desânimo, alterações de apetite e do sono. Fissuras podem se formar nas mãos e no comportamento.
Os agentes causadores mais comuns são pessoas ou atividades preservadas por formaldeído (componente químico utilizado para conservação de cadáveres). Podemos destacar chefes arrogantes, trabalhos não prazerosos, colegas invejosos, problemas de família e relações amorosas com componentes tóxicos.
A gravidade da dermatite de contato irritativa depende do tempo e intensidade de exposição e da capacidade agressora da substância. Se no primeiro contato, a pele apresentar lesão, denomina-se dermatite de contato por irritante primário. Pacientes com sensibilidade à flor da pele apresentam vantagens na identificação imediata do agente causador da irritabilidade (quando o santo não bate).
Para os casos em que são necessárias mais de uma exposição para manifestação da patologia, denomina-se dermatite de contato alérgica. É muito comum o paciente apresentar dificuldades para associar a dermatite ao seu componente causador e por conta disso, pode ao longo da vida, submeter a tratamentos paliativos como antialérgicos, práticas de respiração, meditação e yoga, massagens e cremes com propriedades calmantes e anti-inflamatórias. Estas medidas adiam a possibilidade de cura e mascaram os sintomas da doença.
O tratamento da dermatite de contato bem sucedido consiste basicamente em identificar o que está causando a reação e se manter distante. Se você pode evitar o agente agressor, a erupção geralmente se resolve.
Comentar
Compartilhe
Semiologia Médica 2 - Doenças por uma nova ótica
21/12/2017 | 12h47
No último domingo do mês, publico no blog verbetes de um dicionário médico-poético.
Nevos melanocíticos cogênitos: lesões (conhecidas como marcas de nascença) que representam pequenos tumores das células pigmentadas. Aparentemente inofensivas, podem causar graves transtornos na fase adulta do indivíduo. É nesta fase que as marcas de nascença ficam mais latentes.
De difícil remoção recomendam-se longos anos de análise. Para pacientes afoitos, a remoção por incisão é recomendada.
Há também tratamentos com o uso de ácidos ou por criocirurgia, que consiste no esfriamento do trauma pela aplicação de nitrogênio líquido.
----------------------------------------------------------//-----------------------------------------------------------
Apneia do sono: Mergulho profundo dentro de si. Interrupções de respiração e sensação de sufocamento são comuns a medida que o mergulho se torna mais profundo.
Recomenda-se o experimento por completo da apneia. Sem fuga, nem interrupção. Melhor fazê-lo abraçando o próprio corpo contra o peito. Esta posição melhora o atrito com o externo.
----------------------------------------------------------//-----------------------------------------------------------
Leuconíquia: Pequenas nuvens brancas no interior das unhas.
Materialização do vazio.
Aparentemente inofensivas, as manchas localizadas entre a unha e o leito epidérmico (vulgo unha e carne), são fruto de um processo inflamatório, ou traumatismo, ocorrido na matriz das unhas.
Não há tratamento para traumas ocorridos na raiz de um relacionamento. Recomenda-se uso excessivo de tempo e sessões semanais de terapia para amenizar os danos.
Cuidado com os espaços vazios nas relações de afeto é uma excelente prática preventiva.
----------------------------------------------------------//-----------------------------------------------------------
Agripnia: Ausência de sossego. Excesso de pensamentos, perturbações, emoções e estímulos.
Recomenda-se inalações de paciência, exalações de angústias e altas doses de vento na região craniana.
Muito vento aplicado diretamente nas narinas, ouvidos, bocas e orifícios cutâneos.
Comentar
Compartilhe
semiologia Médica 1 - Doenças por uma nova ótica
21/12/2017 | 12h19
No último domingo do mês, publico no blog verbetes de um dicionário médico-poético.
Oxiurose: Infecção causada por excesso de oxitocina liberada pelo oxiúrus (verme nematódeo com menos de 15mm de comprimento que parasitam corações, cerebelos, cérebros e intestino dos apaixonados).
É uma das doenças parasitárias mais comuns do mundo, atingindo certa de 11-21% da população por ano. A doença é frequente mesmo em países desenvolvidos. Afinal, apaixonar-se não é sinônimo de subdesenvolvimento.
O enterobius vermicularis causa coceira na região retal. Vulgarmente conhecido pelo fogo no rabicó ou paixonite aguda. Não tem cura. Ainda bem!
----------------------------------------------------------//-----------------------------------------------------------
Joelhos Valgos: Joelhos que se encontram. Excessos de caminhos sinuosos na infância. Constantes obstáculos que não permitiram que o indivíduo traçasse sua trajetória de vida em linha reta.
Recomenda-se seguir em frente. Não interessa quão sinuoso o caminho.
Comentar
Compartilhe
Sobre o autor

Mariana Luiza

mariana.luiza@globo.com