A Espera
29/12/2015 | 20h55
<div><tinymce class="clickTinyMCE" title="{'nm_midia_inter_thumb1':'http://www.folha1.com.br/_midias/jpg/2017/12/20/170x96/1_2_300x300-930719.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5a3ac96d7daa1', 'cd_midia':930719, 'ds_midia_link': 'http://www.folha1.com.br/_midias/jpg/2017/12/20/2_300x300-930719.jpg', 'ds_midia': '', 'ds_midia_credi': '', 'ds_midia_titlo': '', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '300', 'cd_midia_h': '300', 'align': 'Left'}"><figure class="Left" style="width:300px;height:300px;"> <img src="http://www.folha1.com.br/_midias/jpg/2017/12/20/2_300x300-930719.jpg" alt="" width="300" height="300"> <figcaption> </figcaption> </figure></tinymce>Faltam 11 dias para 2016 e um corpo com vida queima junto &agrave; l&iacute;ngua portuguesa. Ardem o gog&oacute;, a bunda, a banguela, a cacunda, o tutano e o calombo. Ardem as palavras, as escadas, os elevadores e acessos &agrave; cultura de miscigena&ccedil;&otilde;es unidas APENAS por uma mesma l&iacute;ngua. Acendem a maconha, a guimba, o cachimbo. Queimam no amarelo do fogo o amarelejo da pipoca, da pamonha, do abacaxi, da cacha&ccedil;a envelhecida e dos quitutes como quindim. Esturricam na encarnada chama a pitanga, a goiaba, a vermelhid&atilde;o das gl&acirc;ndulas salivares doentes de caxumba e da pele pururucada de catapora. Na esta&ccedil;&atilde;o onde reinou a luz, quem rege agora &eacute; o fogo. Que torra as palavras, incendeia os andares e s&oacute; respeita o tempo porque precisa dele para continuar a queimar, a queimar, a queimar. Os ponteiros do rel&oacute;gio, presos a &uacute;nica torre n&atilde;o atingida pelas chamas, ainda giram aproximando-se de um novo ano t&atilde;o almejado pelos que arderam neste 2015.</div> <div>Faltam 7 dias para 2016. As crian&ccedil;as contempladas pelo Papai Noel brincam com seus presentes. Aqueles que tiveram ceia farta na noite anterior comem no almo&ccedil;o uma reinven&ccedil;&atilde;o das sobras, ou UM novo card&aacute;pio de ingredientes in&eacute;ditos. Para os que t&ecirc;m fam&iacute;lia, o dia &eacute; de confraterniza&ccedil;&atilde;o, alegrias, barracos, quebra paus e cobran&ccedil;as. Para aqueles que n&atilde;o t&ecirc;m, pode ser um dia como qualquer outro de folga ou de trabalho. &Eacute; natal e enquanto cada um aproveita o feriado como pode, a lama perdura protagonista no Rio Doce e persiste na sua incumb&ecirc;ncia de invadir mar adentro e explorar qualquer novo espa&ccedil;o que lhe &eacute; permitido. Desde o rompimento das barragens, nada foi feito para combater seu o avan&ccedil;o. Apenas esperamos. Assim como acontece na passagem do ano, onde cada meridiano&nbsp;aguarda com ansiedade a sua vez de saudar o in&iacute;cio de um novo ciclo, as cidades onde permeia o Rio Doce aguardaram a invas&atilde;o da solid&atilde;o alaranjada nas &aacute;guas transl&uacute;cidas repletas de vidas. Alguns peixes puderam ser salvos, algumas pessoas que viviam na ribeira foram removidas, mas contra a inevit&aacute;vel chegada do barro colossal s&oacute; nos restou esperar.</div> <div>Faltam 2 dias para o 2016. O rel&oacute;gio da esta&ccedil;&atilde;o registra, sem ansiedade, o tempo presente. Ele continua sua rotina, sem se comover com as cinzas, com as madeiras carbonizadas, com o corpo queimado j&aacute; sepultado. O rel&oacute;gio minuta&nbsp;o passar das horas, sem esperan&ccedil;a, sem esperar. 2016 ser&aacute; para ele como foi 2015, com a diferen&ccedil;a de um dia a mais, por ser um ano bissexto, mas ele &eacute; rel&oacute;gio, n&atilde;o &eacute; calend&aacute;rio, ent&atilde;o... na pr&aacute;tica isso n&atilde;o muda muito.&nbsp;Trabalha mecanicamente o tempo presente, como o fogo, como a lama. Cada um, na sua singularidade, seguindo seu destino e procurando se alastrar por onde haja ar, por onde haja &aacute;gua, por onde houver espa&ccedil;o que lhe aceite e lhe receba.&nbsp;Eles seguem, sem entender as consequ&ecirc;ncias do que causaram na vida das pessoas. Porque o sentir e o sentido quem d&aacute; &eacute; a gente. &nbsp;</div>
Comentar
Compartilhe
Sobre o autor

Mariana Luiza

[email protected]