Fidelizar para crescer
29/08/2016 | 10h06

A fidelização dos clientes depende das aplicações das soluções proporcionada por um trabalho sério de CRM (sigla em inglês para gestão especial de clientes). Inclusive a Microsoft está “internacionalizando” seu software de CRM para 32 países (antes era restrito aos Estados Unidos), o que facilita, e muito, quem utiliza o sistema Windows, pois contará com atualizações online.

O mais interessante é que as empresa de tamanho médio, sabem disso, mas não utilizam essa ferramenta.

Segundo recente pesquisa, somente 1 entre 4 empresas medianas dispõem de algum tipo de software específico para esse importante trabalho, que é de administrar e analisar os dados dos clientes. Isso é fundamental para saber que atitude tomar não só nos momentos de crises, ou campanhas de vendas desesperadas, mas também no futuro da empresa. Ou seja, faz parte, ou pelo menos deveria fazer, de seu planejamento.

O problema é que essas empresas ligam a palavra CRM com altos gastos, como adquirir softwares por exemplo, e pouca aceitação por parte dos funcionários, por ter o trabalho de conseguir recolher esses dados dos clientes, e assim, descartam essa importante ferramenta.

Esse trabalho é necessário dentro das empresas atuais, mesmo que seja uma simples planilha do Excel. Isto é fato. Hoje, são encontrados muitos modelos e exemplos de graça na internet. Pode não ser muito completo, mas já é um começo. Mas antes, é necessário conhecer os pontos fracos da empresa, assim não se surpreenderá com o feedback dos clientes e principalmente, saberá o motivo das respostas, proporcionando assim, um retorno concreto e planejando soluções.

Pesquise no mercado os preços dessa importante ferramenta, e verá que há várias opções e faixas de preço, e o retorno será satisfatório.

Comentar
Compartilhe
Transformando ideias em dinheiro
23/06/2016 | 01h49

Atualmente, a inovação é fundamental para a sobrevivência das empresas. Quem fica parado, achando que em time que está ganhando não se mexe, o bonde passa por cima, como já diria minha avó.

O segredo é buscar a inovação todos os dias, tanto em relação aos produtos que você oferece, como em serviços que você entrega. Isto serve também no âmbito profissional e claro, pessoal. O segredo é reinventar-se diariamente, e este é justamente um dos desafios do marketing, onde este, através do marketing pessoal, pode lhe proporcionar algumas soluções.

Citarei uma frase que gosto muito, de W. Chan Kim (professor de estratégia e gestão internacional da cadeira “Boston Consulting Group Bruce D. Henderson” do INSEAD, na França) em seu famoso e excelente livro “A Estratégia do Oceano Azul”, publicado em 2005, onde escreve: “Não basta ter uma grande idéia, é preciso descobrir como ganhar dinheiro com ela”.

Frase simples, mas que descreve bem a função do marketing atualmente. Muitas invenções, muitas ideias novas, mas que não são divulgadas ou trabalhadas como deveriam ser. O computador pessoal, ou o videocassete, por exemplo, foram criadas por empresas desconhecidas, que fecharam suas portas antes mesmo dos produtos tornarem-se um sucesso.

Mas, esses produtos têm suas criações atribuídas a empresas que os popularizaram, sabendo explorar o potencial dos produtos e utilizando o marketing a seu favor, ganhando dinheiro e fama a custas de invenções alheias.

Claro que depende-se de uma excelente ideia, mas tê-la somente, e não saber o que, ou como fazer para divulga-la da maneira correta e para o publico certo, de nada adianta. Muitas vezes, o que se gasta não só materialmente, mas também fisicamente, não vale a pena.

Comentar
Compartilhe
Qualidades de um líder
16/05/2016 | 11h10
Nos dias atuais, já é muito difícil ter estabilidade e manter-se no emprego, imagine então, ser promovido a um cargo de liderança. Mas caso venha a acontecer, por mérito e trabalho, estar preparado é fundamental, sendo que a liderança requer, a cima de tudo, muito mais trabalho e dedicação. Abaixo, listamos algumas valiosas dicas rápidas, porém, que devem ser entendidas e evoluídas, para uma realidade específica. 1 – Respire fundo: ou seja, não tome decisões de uma hora para outra, de cabeça quente, no calor do momento, ou para demonstrar sua posição, quem é que manda. 2 – Valorize seus funcionários: afinal, eles “fazem” a empresa. Para ser líder, necessariamente tem que haver “seguidores”. E estes, se não sentirem-se importantes, parte do projeto, e valorizados, não há motivos para te seguirem. Invista nas pessoas, tenha uma equipe afiada com o que propõe. 3 - Sintonia: raros conseguem ter uma equipe onde funcionários e diretoria trabalham na mesma batida. Entenda onde está o limite. Seus e dos funcionários. 4 – Prepare-se: estude, seja curioso. Conheça realmente onde atua, e saiba de tudo que o cerca. Não fique com dúvidas, ou demonstre incertezas, afinal, você esta lá para evitar isto. 5 – saiba ouvir e cobrar: sabendo ouvir, você saberá o que, e como cobrar. Ouvir talvez seja uma das mais importantes qualidades de um grande líder. A cobrança por sua vez, é papel do líder, mas saber como fazer é o que faz toda a diferença.
Comentar
Compartilhe
Antes de abrir um negócio próprio
04/05/2016 | 02h46

Em tempos de crise, há um aumento significativo na procura por franquias ou informações para abertura do tão sonhado negócio próprio.

Procuramos o local, escolhemos o nome, layout, avisamos os amigos, escolhemos os produtos e, tudo pronto. Mas muitos, ou melhor, a esmagadora maioria, não faz o básico, o principal, que pode ajudar a proteger seu investimento conquistado com trabalho árduo.

Estamos falando de uma ferramenta de marketing chamada pesquisa de mercado. Conhecida também como pesquisa de marketing, ela serve basicamente, para a orientação do rumo que tomará seu negócio, evitando assim, custos desnecessários ou na pior das hipóteses, a perda do capital investido.

Muitos não fazem nenhum tipo de pesquisa antes de abrir seu comercio, pois acham o investimento caro, preferindo tocar o barco assim mesmo. Alguns (raros) conseguem êxito, mas a grande maioria fecham as portas antes de completarem 5 anos, segundo dados do SEBRAE.

Com a pesquisa, pode-se tentar evitar este destino comum, sendo que ela é a ferramenta mais confiável para a obtenção de informações pertinentes e realmente importantes sobre o seu mercado de atuação.

Ele permite uma análise sobre seus possíveis consumidores, quais são e qual a estrutura das empresas concorrentes, enfim, trazem todas as informações necessárias para o planejamento, com calma, estando preparado para as dificuldades, que, com certeza, aparecerão.

Principalmente para quem não é do ramo, ou nunca trabalhou com os produtos que pretendem vender, como é o caso da maioria das pessoas que adquirem uma franquia, esta ferramenta de marketing ajudará a conhecer as vantagens e desvantagens do mercado, e o custo, no fim das contas, valerá a pena.

Comentar
Compartilhe
Marketing em datas comemorativas
15/02/2016 | 10h35
O carnaval mal acabou e já podemos notar a movimentação em torno da Páscoa. São as chamadas "datas comemorativas", junto com o Natal, dia dos namorados, dia das mães, dia dos pais, dia das crianças, e agora o "dia" mais recente, "Black Friday". Umas com apelos maiores do que outras, mas fato é que nestas datas, há um aquecimento do mercado e, em época de crise, surgem excelentes oportunidades. A seguir, ideias do que fazer, sem gastar muito, para aproveitar este aquecimento: 1 - Em primeiro lugar, conheça realmente, seu público. Nem comesse a planejar, se você não sabe para quem vai direcionar sua mensagem. Em outras palavras, se seu consumidor é essencialmente homens, não gaste todas as fichas no Dia da Mulher. Ferramentas simples, como o cadastro dos consumidores por exemplo, quando bem pensado e diferente do trivial (somente com nome, endereço, telefone, etc.), fornece informações que devem ser usadas para conhecimento de seu público. 2 - Planeje. Agora sim, prepare-se com antecedência. Fique atento principalmente, com o período antes e depois da data. Pode parecer fácil, mas para quem quer economizar na propaganda, lançar campanhas fora do "timing", ou seja, com muita antecedência ou muito próxima, fará com que não atinja seus objetivos, e aumente em muito, o gasto planejado. Às vezes, uma boa ideia é pegar carona nas propagandas de concorrentes já existentes, e lançar a sua na hora do "fecha". Ou seja, o seu segmento já terá sido bem divulgado e despertou o interesse do consumidor, agora faça com que a compra seja na sua loja. 3 - Diferencie-se. Com critério, não invente a roda, mas faça algo diferente. Se não pode competir com propagandas e marketings de alto custo, destaque-se de outra maneira. Lembre-se que datas comemorativas podem ser criadas. Exemplo: meu ramo é esporte no geral (pode ser uma loja, ou um local, um bar, uma fornecedora...). Eu pego a data de um fato importante no esporte, organizo um encontro, ou um cocktail, convido meus consumidores para celebrar, e "aproveito" para mostrar as novidades, promoções e lançamentos. Claro que isso pode ser feitos em datas tradicionais também. O importante é destacar-se. 4 - Ações. O mundo está conectado pela internet. Todos usam. O que faz com que você consiga falar diretamente com seu publico de interesse. Crie paginas no Facebook, mande emails, coloque fotos no Instagram, faça até, páginas do evento/promoção na internet, tudo isso de graça, sem custo nenhum. Pesquise, se informe, e mãos a obra!
Comentar
Compartilhe
O marketing está em todo lugar, inclusive onde não percebemos..
27/01/2016 | 09h48

Resolvi escrever este post de uma forma simples, para se ter ideia de onde a  exploração do marketing pode chegar. Citarei o marketing em livros (mas você pode imaginar outros lugares) onde os autores de sucesso recebem constantes assédios de empresas que administram marcas, querendo colocá-las na história de alguma maneira.

Para exemplificar bem, começamos pelo Best Seller que a maioria leu, mas muitos não perceberam o marketing contido no texto. Os livros de Dan Brown por exemplo, um dos autores de maior sucesso atualmente, estão repletos de propagandas. Em seu livro mais proeminente, O Código Da Vinci, são citadas quase 50 marcas, isso porque muitas dessas empresas administradoras reclamam que teria espaço para muito mais.

Por exemplo, celulares e computadores são usados todo momento, mas não são citadas marcas. A Motorola e Dell devem ranger os dentes em pensar. Também são citados hotéis e restaurantes locais, mas imaginem se o autor tivesse citado o Hilton, Holiday In, Burguer King ou Pizza Hut, o quanto não ganharia em dinheiro? Esta é a política da "balança": já fechou-se a cota, e não passaremos do "aceitável" para não virar balcão de anúncio.

Muitos dizem que o relógio Mickey Mouse foi um erro, sendo que a Disney não precisa desse tipo de propaganda, já tem o necessário. Contudo, pense o que pagaria a Swatch para colocar seu nome no livro. O autor cita também, durante a cobertura de um dos eventos, a BBC, uma organização sem fins lucrativos, mas se fosse citada a CNN, a Fox, Sky..

Os marqueteiros sonham com as aventuras de Robert Langdon em ambientes mais “vendíveis”, como o Hip-Hop e o Rap, ao invés do Vaticano (pouca chance de exploração de marcas), assim poderão encaixar suas marcas mais facilmente.

Este tipo de marketing, ou seja, "escondido" neste caso no enredo de um livro, são os que mais proporcionam retorno, pois tendem a mostrar, ou passam a imagem, que estas marcas fazem parte do nosso cotidiano naturalmente, e são de uso comum, inclusive de um herói, ou personagem extremamente admirado.

Comentar
Compartilhe
Marketing direto no alvo? cuidado..
23/11/2015 | 09h16

O marketing direto, definido por Marcos Cobra em seu livro: Marketing de Serviços – Conceitos e Estratégias, 1986) “é um sistema interativo que usa uma ou mais mídias de propaganda para obter uma resposta mensurável e/ou uma transação em qualquer localização”. Simplificando, visa falar diretamente com o consumidor foco de interesse, sem intermediários, para obter um retorno confiável e direto, buscando sua fidelização.

Não é uma ferramenta barata, mas ao mesmo tempo, evita-se perdas desnecessárias com consumidores que não tenha interesse em seu produto, ou seja, que não são seu público alvo. Está sendo muito utilizado na era digital e é uma ótima ferramenta para aumentar as vendas.

Para potencializar ainda mais esse efeito, ele deve ser combinado com outras plataformas, como por exemplo, as redes sociais, com o twitter, Facebook e Instagram. Segundo alguns estudos, as campanhas de marketing direto associadas a essas redes, ou canais de apoio, aumentam e muito, a resposta e a efetividade de sua propaganda.

Aprofundar-se mais sobre o assunto é o ideal, buscando aprendizado e informações, para realmente saber para quem e como fazer esse envio, sendo que parece uma ferramenta de fácil uso, mas não é. Este é o grande inimigo das ações de marketing que parecem triviais, e aí, corre-se o risco de rasgar dinheiro, literalmente.

Por exemplo: Faça um folder caprichado, chamativo falando sobre seu produto ou sua empresa. Envie-o ao seu público alvo por email, postagem no Facebook e Instagram, ou mensagem direta no Linkedin. Bingo! Ótima propaganda, mas.... se for enviado para as pessoas erradas, o que fazemos? Do que adiantou? Nada. Rasgamos e jogamos no lixo. Conheço homens que tem email com iniciais, onde não fica claro se é homem ou mulher, e recebem promoções todos os dias. De esmalteria!

O problema é que não é raro recebemos propagandas direcionadas a nós, que pouco nos interessam, ou nada tem a ver com nosso estilo de vida.

Comentar
Compartilhe
Lojas: o visual define o sucesso
06/10/2015 | 11h45

O visual de uma loja interfere, e muito, em seu sucesso. Uma loja planejada, bem localizada, com fácil acesso e estacionamento, onde o consumidor sinta-se bem, devido à funcionalidade, iluminação e ao clima ambiente, e tendo seu layout voltado ao público-alvo, está no caminho certo.

O espaço interno tem que ser planejado permitindo o bom tráfego, e os produtos bem expostos, facilitando a venda.  Com isso, cria-se um impulso de compra para o cliente.

Desde a escolha dos pisos, acabamentos e cores usadas, até o uso de equipamentos tecnológicos, se existirem, devem atender as necessidades dos clientes quanto ao conforto e a valorização dos produtos. Assim, é fundamental a escolha das cores, por exemplo, que serão utilizadas. Tons fortes devem ser evitados, ou muito bem planejados, pois em sua maioria causam certos desconfortos aos clientes.

Não à toa que os fast foods usam cores fortes e tons  avermelhados como característica, pois inconscientemente causam sensação de desconforto e “irritação” ao cliente, fazendo com que este coma rápido (daí o nome fast food) e vá embora, dando seu lugar a outro consumidor. Diferente de restaurantes, que usam cores mais claras e iluminação mais amena, fazendo com que os consumidores “relaxem”, ficando mais tempo no local e claro, gastando mais.

As mobílias devem ser de boa qualidade e versáteis, ajustando se preciso, em vários locais da loja. As prateleiras devem estar sempre abastecidas com sua capacidade máxima, transmitindo a sensação de uma loja “forte”, sempre com produtos à disposição no estoque, e não em decadência.

As vitrines merecem uma atenção especial, pois estabelecem o primeiro contato com os consumidores. São elas que fazem “ei, psiu...”, por isso devem passar informações rápidas e diretas, sendo geralmente de cores claras e com produtos que sejam novidades.

Busque esse caminho, e não terá erro!

Comentar
Compartilhe
Personalização (ou customização) dos produtos
26/08/2015 | 03h58

Customização não é só uma brincadeira para agradar alguns consumidores com egos elevados. Ter ou oferecer estes produtos vem se consolidando cada vez mais como um diferencial nos dias atuais. Sim, por que antigamente, quanto maior fosse a escala de fabricação e menor a variedade, melhor seria. Comprava-se o que queriam que comprasse, ou seja, o que tinha disponível e igual para todos.

Empresas que oferecem a possibilidade do possível cliente personalizar os produtos de seu interesse possuem maior número de visitas, frequências e tempo dentro do seu site, em relação a empresas concorrentes que não disponibilizam este serviço. Isso é fato.

Marcas conhecidas como alguns fabricantes de bicicletas e de ternos, já permitem o consumidor construir, ou "criar" seus produtos por inteiro, tomando a frente neste serviço. Aqui no Brasil, uma grande fabricante de móveis do sul do país, já possui máquinas específicas para customização. Ou seja, não basta mais móveis planejados, agora são também personalizados.

A vantagem é que além de ajudarem as marcas a diferenciarem seus produtos, principalmente em uma época onde a qualidade nas grandes empresas é praticamente a mesma, permite que elas interajam mais com seus consumidores, conhecendo seus gostos e desejos, podendo usar estes "dados" ou esta espécie de "feedback" para moldar ou adaptar seus produtos, ao gosto do consumidor, mais rapidamente.

Outra vantagem é o aumento da receita, pois claro, toda customização tem seu valor. A Coca-Cola por exemplo, instalou recentemente em cinemas americanos, mais de 1.500 máquinas de refrigerantes que oferecem mais de 100 combinações de sabores diferentes. O custo? 30% a mais do que as normais.

Até no mercado de imóveis, considerado muitas vezes atrasado em relação a grandes inovações, a ideia de customização é a bola da vez. Já é comum construtoras disponibilizarem para clientes, várias opções de revestimentos (pisos, azulejos e etc) até acabamentos (cubas, bancadas, etc) além de oferecer os serviços de um arquiteto para auxiliar na escolha. Agora, a customização vai além, permitindo que o futuro proprietário escolha uma planta que mais se encaixe com seu estilo de vida, entre várias opções. Assim, permite que em um mesmo edifício, tenha plantas e acabamentos distintos, no ato da entrega das chaves, sendo difícil, muitas vezes, achar um apartamento igual ao outro, o que anos atrás, era inimaginável.

Então não existe crise neste novo serviço? Claro que existe. Opções de mais, interesse de menos, já diria o poeta. Infelizmente nosso tempo está curto e caro, fazendo com que muitos valorizem a praticidade e a rapidez. Além do fato do surgimento das impressoras 3D, onde futuramente ficará fácil seu manuseio, permitindo que você mesmo faça seus produtos no conforto da sua sala.

Comentar
Compartilhe
Significado de marcas famosas
10/08/2015 | 11h13
As marcas representam as empresas, e seus logos são simples de serem reconhecidos, mas poucas pessoas sabem , realmente, seus significados. Abaixo, alguns dos mais interessantes: 1 - Dove: criada exclusivamente para os militares, a marca traz uma pomba em seu logo, simbolizando a paz. 1DOVE 2 - Lacoste: o crocodilo era o apelido do tenista René Lacoste, criador da marca. 2logolacoste3 - Hering: sobrenome do fundador da marca, Hering significa "arenque" (o peixe) em alemão, por isso o símbolo. 3HERING 4 - Nestlé: marca francesa, significa "pequeno ninho". 4nestle 5 - Bacardi: diz a lenda que o local onde se fazia o famoso rum, era frequentado por morcegos.... 5BACCARDI 6 - Java: a marca famosa por seus jogos, tem o café no seu logo, ou seja, hora do descanso. 6java 7 - Bozzano: reparem no B, é o movimento de um homem se barbeando.. 7BOZZANO8 - Credicard: o logo trás um cartão de crédito no centro. 8REDICARD 9 - Mont Blanc: o logo representa um morro na França, visto de cima, coberto de neve. 9montblanc10 - Yamaha: devido a sua origem musical, o logo traz 3 instrumentos de afinações (diapasões). 10YAMAHA  
Comentar
Compartilhe
Próximo >
Sobre o autor

Fábio Pexe

[email protected]