Comercial premiado!
31/05/2010 | 17h35

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=fwav6Omlfso[/youtube]

Este comercial é um pouco antigo, mas fez muito sucesso. Foi criado para a marca de salmões enlatados John West (como se fosse o atum em lata), e mostra o que os pescadores da empresa são capazes de fazer para conseguir um salmão de qualidade...

Comentar
Compartilhe
Powerade: a nova bebida da Coca-Cola Brasil
31/05/2010 | 08h58

Escolhida pela FIFA para a hidratação dos atletas durante a Copa do Mundo da África 2010, a bebida Powerade da Coca-Cola finalmente chega ao Brasil depois de estar presente em mais de 70 países.

A embalagem trás o selo Optienergy, indicando que a bebida possui um diferencial na presença de vitaminas do complexo B (B3, B6 e B12), permitindo que o organismo obtenha mais energia.

O produto chegará por aqui no começo de Junho, inicialmente em algumas capitais como São Paulo, Rio de janeiro, Curitiba, Cuiabá e Brasília, e depois se estenderá para todo Brasil.

As campanhas promocionais (bem interessantes) podem ser vistas no endereço: www.youtube.com/powerade

Comentar
Compartilhe
Mala-direta, vale a pena?
29/05/2010 | 08h18

Vocês já repararam que está diminuindo o número de propagandas que recebemos pelo correio (a chamada mala-direta)? Ainda recebemos este tipo de propaganda, denominada marketing direto, principalmente de bancos e supermercados, mas os números de envio vêm caindo.

Muitos consideram que este tipo de propaganda, uma das armas mais consolidadas do marketing em todos os tempos, está com os dias contados.

Isto está acontecendo pois os anunciantes questionam se atualmente, o ROI (sigla em inglês para retorno de investimento), deste tipo de marketing, vale a pena, devido ao surgimento das transações eletrônicas e a vida digital, o que determinou a existência de novos tipos de envio de mensagens, sem o uso de papéis.

Enviar propaganda pelo correio, obviamente é mais caro. Além dos custos para criar a mensagem, tem o custo da impressão, do papel, do envio..., sendo que você pode criar uma propaganda digital e enviar por email ou colocar a propaganda em seu site, o que sai muito mais barato.

Mas, nos casos dos supermercados e suas ofertas, este tipo de marketing parece conseguir um grande efeito, sendo difícil substituí-lo.

Por isso, pense bem antes de investir na mala-direta enviada pelo correio. Veja se seu público e produto se encaixam neste perfil, além do quê, com a correria do dia-a-dia, poucos abrem este tipo de correspondência.

Comentar
Compartilhe
O jeito errado de se fazer marketing.
28/05/2010 | 09h00

Como a maioria sabe, conhecer os clientes é fundamental para que as empresas alcancem o sucesso desejado, pois saberão seus atos de consumos e poderão oferecer o que realmente lhe interessa.

Mas nos últimos dias, temos lido notícias que nos assustam e principalmente, nos preocupam.

No centro de São Paulo, e com certeza nos centros das grandes cidades, são vendidos por cerca de R$ 200,00 CDs com dados sigilosos e particulares de consumidores.

Aparentemente os CDs contêm nomes, dados cadastrais da lista telefônica, dados do INSS, enfim, dados confidenciais de todos que pagam impostos, podendo o “comprador” até saber o quanto o consumidor ganha.

É fato que isto já acontece algum tempo. Sabemos também que até as empresas que possuem esses dados de forma legal, através de sua ficha cadastral por exemplo, os repassam para outras empresas, o que também é abusivo, pois fere o direito à privacidade.

Alguns consumidores sabem disso e tomam atitudes radicais. Quando recebem telefonemas de telemarketing por exemplo, desligam na hora. Muitas vezes, até são informações que possam lhe interessar...

Alguns Estados como São Paulo, Rio Grande do Sul e Espírito Santo, possuem leis reguladoras onde pode inscrever-se para não mais receber esses tipos de ligações.

É importante que os clientes passem os dados para as empresas, pois as que são sérias irão transformá-los em benefícios para os próprios clientes, mas para isso, eles têm que acreditar e confiar no trabalho desenvolvido e, principalmente, enxergar esse retorno nas ações de marketing. Por outro lado, é dever de todas as empresas serem éticas neste assunto.

Comentar
Compartilhe
Garotinho: erro de comunicação o torna inelegível.
27/05/2010 | 16h55

No anseio de sair na frente na corrida eleitoral, alguns candidatos comentem erros de comunicação que podem custar caro.

Um exemplo é mandar fazer pesquisas eleitorais para conhecer o que os eleitores pensam sobre sua candidatura e não acreditar no resultado da pesquisa, em sua grande maioria quando esta não lhe é favorável, ou até mesmo tomar decisões contrárias as indicadas pela pesquisa.

Outro erro comum é o que esta sendo acusado o Garotinho (PR), que foi declarado inelegível pelo TRE (Tribunal Regional Eleitoral) por uso indevido dos meios de comunicação, quando em 2008 sua mulher Rosinha se elegeu prefeita da cidade de Campos RJ. Ainda cabe recurso no TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

O uso indevido dos meios de comunicação pode ser caracterizado pela realização de propaganda eleitoral antecipada e institucional, além da divulgação de programas sociais proibidos pela legislação eleitoral, como por exemplo, a distribuição de bens e serviços.

Comentar
Compartilhe
Começar pequeno é o caminho para aprender.
27/05/2010 | 09h30

Começar como uma pequena empresa ou um microempreendimento é o caminho necessário para o crescimento, percorrido pela maioria das grandes empresas.

Quando o negócio se estabiliza, é hora de começar a crescer. E é aí que surgem os desafios e os verdadeiros problemas.

Segundo alguns especialistas na área de gestão, o planejamento deficiente pode ser o principal problema para o desenvolvimento e crescimento das pequenas empresas, pois muitos não acreditam em seu sucesso ou não esperam crescer, por isso não planejam.

Primeiro, é necessário acreditar no potencial de sua empresa ou projeto e depois, definir um plano de marketing e estratégia de crescimento, pois a empresa crescendo, começam a surgir vários problemas burocráticos além da contratação de novos funcionários, investimento em maquinários ou até mesmo, ampliação do local de funcionamento, o que transforma o tempo do empreendedor escasso, tirando o foco e a sua atenção do negócio principal.

É fato que muitas empresas fecham suas portas devido ao mal ou até mesmo, a falta de planejamento ao médio e longo prazo, deixando faltar mercadorias e serviços, não possuindo métodos de controles e organização.

Assim, antes de abrir um negócio é necessário acreditar realmente em seu sucesso, e só então você achará importante planejar seu crescimento, o que será fundamental para a sobrevivência da empresa.

Comentar
Compartilhe
Prêmio de Responsabilidade Social
26/05/2010 | 11h35

 

[caption id="attachment_1081" align="aligncenter" width="300" caption="Fábio Pexe, Eduardo Leduc (Diretor de Produtos da BASF) e Marcos Chaves"][/caption]

Sempre busco escrever no Blog, a importância de um projeto de sustentabilidade e responsabilidade social para uma empresa, e o retorno que este trabalho traz para seu negócio.

Óbvio que não só o retorno financeiro, mas também a satisfação pessoal de saber que estamos devolvendo à região que atuamos, benefícios visando a qualidade de vida da população e os cuidados com o meio ambiente.

No dia 24/05, tive a honra de participar do XIII Prêmio Mérito Fitossanitário representando a Apoio Distribuidora Agrícola, com sede em Campos dos Goytacazes RJ, ao lado do Diretor da empresa, Marcos Chaves, que aconteceu no clube Sírio, em São Paulo, sendo o coordenador do projeto que ganhou o 1º lugar na categoria Canais de Distribuição (empresas com até 5 CNPJ). O que nos enche de orgulho.

O prêmio é o mais importante do setor agrícola, sendo oferecido pelas mais importantes associações do setor, como a ANDAV, ANDEF, InpEV e FEALQ (ESALQ/USP), e conta com a participação de influentes personalidades do agronegócio, além de representantes das multinacionais Monsanto, BASF, Bayer, Arysta, Du Pont, entre outras.

Parabéns a todas as empresas que participaram com projetos, e um parabéns especial àquelas que ganharam este importante Prêmio de reconhecimento pelo trabalho desenvolvido.

Comentar
Compartilhe
Propaganda premiada!
26/05/2010 | 08h38
[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=LcXfTPsXAQU[/youtube] Mais uma propaganda divertida e criativa da cerveja Heineken. Para mim, os melhores comercias para uma marca de cerveja do mundo. Neste, a culpa nunca é da cerveja....
Comentar
Compartilhe
Dados dos clientes: saiba usá-los!
21/05/2010 | 10h40

É fato que as empresas hoje em dia precisam coletar dados de seus clientes, para conhecê-los melhor e atendê-los de forma adequada.

Muitas empresas recolhem esses dados através de seu cadastro padrão, mas não fazem nada com eles, até por não saberem o que fazer. Apenas usam para contatar seus clientes, abrindo a tela do computador e, simplesmente, olhando esses dados como se fosse uma bela paisagem.

Esses dados têm como objetivo construir uma cadeia eficiente de envio de propagandas, fidelizando assim, os clientes desejados, pois você terá informações sobre eles e poderá estudar a melhor estratégia de comunicação, muitas vezes até os separando por grupos.

Eles nos trazem informações indispensáveis para a criação das campanhas de vendas, pois nos mostram o que buscam e onde compram nossos clientes, permitindo atingir o alvo desejado.

Assim, você poderá fazer uma campanha de qualidade e com um bom estudo desses dados, eliminar informações irrelevantes concentrando-se nos pontos chaves para a criação da campanha de vendas, o que será o sustento da empresa no futuro.

É fato que as empresas hoje em dia precisam coletar dados de seus clientes, para conhecê-los melhor e atendê-los de forma adequada.

Muitas empresas recolhem esses dados através de seu cadastro padrão, mas não fazem nada com eles, até por não saberem o que fazer. Apenas usam para contatar seus clientes, abrindo a tela do computador e, simplesmente, olhando esses dados como se fosse uma bela paisagem.

Esses dados têm como objetivo construir uma cadeia eficiente de envio de propagandas, fidelizando assim, os clientes desejados, pois você terá informações sobre eles e poderá estudar a melhor estratégia de comunicação, muitas vezes até os separando por grupos.

Eles nos trazem informações indispensáveis para a criação das campanhas de vendas, pois nos mostram o que buscam e onde compram nossos clientes, permitindo atingir o alvo desejado.

Assim, você poderá fazer uma campanha de qualidade e com um bom estudo desses dados, eliminar informações irrelevantes concentrando-se nos pontos chaves para a criação da campanha de vendas, o que será o sustento da empresa no futuro.

Comentar
Compartilhe
Classe C: o melhor investimento
20/05/2010 | 11h35

Algum tempo venho escrevendo neste Blog a respeito do crescimento da classe C brasileira. Hoje ela se constitui na melhor fonte de investimento para quem quer abrir um negócio próprio.

Se você se especializar nesta classe, consumidores e potencial de compra não lhe faltarão. Mas lembre-se, são consumidores cada vez mais exigentes, que não aceitam mais qualquer produto ou serviço, e buscam sempre serem bem tratados, em locais com boa estrutura, com TVs de LCD, ambiente decorado e serviços especializados, por exemplo. Pelo menos este é a forma de sucesso de empresas que investem neste segmento.

A classe C no Brasil é considerada classe média, que conta com quase 50% da população nacional, com cerca de 97 milhões de pessoas, que consomem em média quase o dobro da classe A em produtos como alimentos e higiene.

Em 2007 por exemplo, a classe C gastou R$ 70 bilhões em alimentos (muitos deles considerados antigamente como produtos de “luxo”, como iogurtes e chocolates), contra R$ 36 bilhões da classe A.

É óbvio que classe A conta com menos número de pessoas, mas não podemos deixar de lado esses dados.

É importante para as pequenas e médias empresas que querem investir neste filão, que sigam algumas dicas que se transformaram quase em exigências, para se ter sucesso com esta classe. Cuidado na distribuição do produto, que tem que estar sempre disponível e inovado, facilitar o acesso ao crédito, neste caso, o uso de cartões e parcelamento em boletos podem ser uma boa saída, e fazer propagandas direcionadas a esse público específico, com linguagem e imagens de fácil compreensão, que se identifiquem com este público-alvo.

Assim, suas chances de sucesso aumentam, e muito!

Comentar
Compartilhe
Comercial engraçado!
19/05/2010 | 15h44
[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=VksP09fTss8[/youtube]

Esse comercial foi feito para a cerveja americana IBC Root Beer (com raízes fortes), e é muito engraçado, ilustrando o que muita gente já passou, ou escutou...divirtam-se!

Comentar
Compartilhe
Negócio próprio? Não caia no erro comum!
18/05/2010 | 09h36

Muitos brasileiros sonham em montar seu próprio negócio, buscando a independência financeira e a qualidade de vida desejada. Quem nunca escutou aquela frase: “quem trabalha para os outros, não tem tempo de ganhar dinheiro para sí”?

Mas a realidade do empreendimento próprio, é bem diferente do que muitos imaginam. Segundo dados do SEBRAE-SP, 27% das empresas fecham suas portas no 1º ano de vida. No 5º ano, esse número sobe para impressionantes 62%. A maior causa disso? A falta de planejamento.

É fundamental elaborar um plano de negócio para que sua futura empresa transforme-se em realidade. Pesquisas para saber em qual área irá atuar, visando descobrir se o mercado já está saturado, conhecer os concorrentes, conhecer seu público-alvo e se este acha necessário mais uma empresa para atendê-lo e, principalmente, conhecer a fundo a área que irá atuar. Grosso modo, se você trabalhou a vida inteira numa fábrica de biscoito, não adianta abrir uma loja de cosméticos. A não ser que estude muito e siga os passos acima, aí terá chances de sucesso.

Outro fator importante é a contratação correta dos funcionários, sendo estes qualificados para que possam realmente somar e ajudar no crescimento do negócio. A contratação de conhecidos e familiares, às vezes, pode ser uma faca de dois gumes.

Enfim, busque a qualificação e o conhecimento ao máximo, não só dos funcionários, mas também o seu, para que sua empresa não faça parte dos números negativos citados acima, e lembre-se que o conhecimento nunca é demais e está sempre disponível, basta buscar e acreditar.

Comentar
Compartilhe
Marketing Político: tira-teima
17/05/2010 | 09h47

A disputa eleitoral está prestes a começar e com ela, a batalha entre os marqueteiros do PT e PSDB.

O marqueteiro Luiz Gonzáles, será responsável pela propaganda do PSDB, partido ao qual presta serviços há 16 anos, enquanto João Santana representará o PT, numa parceria que dura 10 anos.

Os dois marqueteiros políticos, considerados os melhores do país, por mais contraditório que pareça, são formados em jornalismo e não em publicidade e propaganda.

Eles já se enfrentaram diretamente duas vezes, estando empatados, com uma vitória para cada lado. O 1º encontro aconteceu na corrida presidencial de 2006, onde Santana representando o Lula venceu Gonzáles, que era responsável pela campanha do Alckmin. A vingança veio dois anos depois, na corrida pela prefeitura de São Paulo, onde Gonzáles comandou a campanha do Kassab (DEM), que venceu a Marta Suplicy (PT), comandado por Santana.

A disputa deste ano, além de acirrada, promete ser o desempate entre os dois principais marqueteiros políticos do Brasil. Veremos.

Comentar
Compartilhe
Nestlé: mal entendido na comunicação
15/05/2010 | 06h00

Esse mês foi marcado pelo erro de comunicação de uma gigante, a Nestlé.

Ela lançou seu famoso chocolate Alpino, que possui um grande número de fãs, na versão achocolatado líquido Alpino. Muitos consumidores correram experimentar a novidade, mas estranharam o gosto, não reconhecendo o tradicional gosto do chocolate.

Procurado na embalagem a composição, encontramos a seguinte frase: “este produto não contém chocolate Alpino”. Ué? Alpino sem Alpino?! Imaginem a decepção de muitos fiéis consumidores que, vendo a novidade, correram experimentar e se decepcionaram.

Em última instância, este tipo de erro pode até comprometer o prestígio e a confiança do qual goza a marca Nestlé.

No mínimo, uma “ligeira” derrapada do time de marketing da empresa, ou um erro grave de comunicação.

Abaixo, segue o esclarecimento oficial da Nestlé sobre o caso:

Comunicado oficial da fabricante

"Nestlé esclarece Em respeito aos seus consumidores, clientes, parceiros e ao público em geral, a Nestlé Brasil Ltda. vem esclarecer o seguinte em relação à matéria publicada nesta quarta-feira, 12/5, no jornal Folha de S.Paulo: – O Alpino Fast tem, sim, em sua composição, além de outros ingredientes, a mesma massa do Chocolate Alpino. O sabor do Chocolate Alpino no produto Alpino Fast foi reconhecido por 92% dos consumidores entrevistados pelo Instituto Ipsos, antes do lançamento do produto; – A Nestlé, visando evitar que os consumidores pudessem vir a acreditar que encontrariam o mesmo Chocolate Alpino derretido, ou pedaços do Chocolate Alpino no produto, decidiu incluir as frases "este produto não contém Chocolate Alpino" e "imagem meramente ilustrativa para referência de sabor", que estão gerando controvérsia, mais que esclarecimento. Não há dúvida de que houve excesso de zelo por parte da Nestlé. O objetivo das mensagens foi o de garantir a transparência da comunicação com o consumidor;– Tendo em vista que as frases, em vez de esclarecer, acabaram gerando dúvidas, a Nestlé decidiu retirá-las da embalagem. Portanto, a Nestlé, com 90 anos de Brasil, em nenhum momento lesou seus consumidores ou descumpriu quaisquer dispositivos legais vigentes, em especial o Código de Defesa do Consumidor, uma vez que a identificação do produto Alpino Fast com a sua marca está perfeitamente adequada sob o ponto de vista técnico e sensorial."
Comentar
Compartilhe
Mal entendido engraçado!
14/05/2010 | 17h31
Apesar de não ter muito a ver com marketing (mas não deixa de ser uma bela propaganda), fiz questão de publicar essa imagem que corre pela internet. Um belo de um mal entendido...divertido!
Comentar
Compartilhe
Leo Burnett: Comercial Premiado
14/05/2010 | 08h36

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=LKZCI8VZyTk[/youtube]

Essa é uma propaganda muito antiga, criada para a marca de chocolates Japp, que mostra a “energia extra” quando se consome seus chocolates.

O comercial faz parte de uma série com 3 propagandas usando o mesmo tipo de humor, e foi criado pelo lendário Leo Burnett (1891 – 1971), ícone do mundo publicitário, criador entre outros o “The Marlboro Man” e “Tony o Tigre” (Kellogg’s cereais).

Uma das frases marcantes de sua carreira foi: “Quando tentamos alcançar uma estrela, podemos não conseguir, mas também não acabamos com as mãos cheias de lamas”.

Comentar
Compartilhe
Dados dos clientes? Transforme em ações!
13/05/2010 | 10h02

Como venho escrevendo algum tempo, é muito importante para as empresas conhecerem seus clientes, para saber as atitudes a tomar, como o quê, como e quando vender seus produtos e serviços.

Mas muitas empresas possuem esses dados, mesmo que de uma forma mais simples, mas não sabem o que fazer com eles, não sabendo como aplicar essas informações em suas campanhas de vendas. Muitas não estudando os dados com profundidade, e o resultado é a dificuldade de converter esses dados em ações.

Assim, é importante recolher informações sobre seus clientes, mesmo porque, é fundamental (e premissa básica) conhecer para quem se vende, mas não simplesmente para falar que a empresa possui esses dados, e sim estudá-los para em cima do resultado, tomar atitudes que, realmente tragam benefícios para sua empresa.

Comentar
Compartilhe
Tem uma idéia? Saiba ganhar dinheiro.
12/05/2010 | 09h54

Hoje, a inovação é fundamental para a sobrevivência das empresas. O segredo é buscar a inovação todos os dias, tanto em relação aos produtos, como em serviços. Também no âmbito profissional (pessoal), o segredo é reinventar-se diariamente, através do marketing pessoal.

Citarei uma frase que gosto muito, de W. Chan Kim em seu famoso e excelente livro “A Estratégia do Oceano Azul”, publicado em 2005, onde escreve:” Não basta ter uma grande idéia, é preciso descobrir como ganhar dinheiro com ela”.

Frase simples, que descreve bem a função do marketing atualmente. Muitas invenções, como o computador pessoal, ou o videocassete, foram criadas por empresas desconhecidas, que fecharam suas portas antes mesmo dos produtos tornarem-se um sucesso.

Mas, esses produtos têm suas criações atribuídas a empresas que os popularizaram, sabendo explorar o potencial dos produtos e utilizando o marketing a seu favor, ganhando dinheiro e fama a custas de invenções alheias.

Comentar
Compartilhe
Adaptar-se para sobreviver
10/05/2010 | 09h32

Apesar de parecer natural que uma empresa (e pessoas) quando instalam-se em algum lugar diferente, precisem adaptar-se as culturas e costumes locais para buscar seu lugar na sociedade ou prosperar nos negócios.

Mas às vezes, não é isso que acontece e, se acontece, não é com aquela vontade toda de mudar, o famoso “correr para não chegar”. Não só com as pequenas empresas, mas também com gigantes.

O Nordeste por exemplo, é o xodó dos investimentos atuais. A tendência de crescimento nas receitas e oportunidades de investimentos paras as empresas é promissora para o ano de 2010.

Mas lá, como todos sabemos, os costumes são bem diferentes das demais regiões, e mesmo se uma empresa se dá bem por aqui, não significa sucesso garantido por lá.

Temos o exemplo da gigante do varejo nacional, o grupo Pão de Açúcar, que está presente desde 1974 no Nordeste, mas não com o sucesso esperado. O grupo carrega a fama de ser paulista, com produtos e serviços voltados para a região Sudeste.

Só recentemente, o grupo varejista mudou sua estratégia, montando uma base diretora de tomada de decisões na região, investindo R$ 150 milhões em 18 meses, e planeja investir mais.

Entenderam que no Nordeste em primeiro lugar, vem a relação interpessoal, o contato direto com o cliente, e depois sim, segue os demais processos. Assim, o grupo investiu no conhecimento mais profundo dos consumidores locais e tentou adaptar ao máximo, suas marcas e produtos, e com isso, a chance de aumentar sua participação na região é grande e real.

Comentar
Compartilhe
Sustentabilidade: um diferencial importante.
07/05/2010 | 09h22

Segundo a Brand Finance, líder mundial em avaliação e gestão de marcas, atuando em vários países, o Bradesco foi em 2009, a marca mais valiosa do Brasil, posição que ocupa desde 2008, seguido pelo Banco Itaú. A Petrobrás aparece em 4º lugar, e as Casas Bahia em 7º.

Esse cenário deve sofrer mudanças até o fim de 2010, devido à valorização da Petrobrás e seu pré-sal e as fusões do Banco Itaú com o Unibanco e do Banco do Brasil (3º) com a Nossa Caixa.

Mas o que vem ao caso, é que o Bradesco, além de investir em ações de marketing e inovações, é uma das empresas que mais investem em ações de sustentabilidade no país, e isso já ocorre há anos. O primeiro investimento ocorreu em 1956 quando nem se falava no assunto, com a criação da Fundação Bradesco, que conta hoje com mais de 100 mil crianças em suas 40 escolas.

Patrocina entre outros, a SOS Mata Atlântica e mais recentemente em 2007 criou o Banco do Planeta, visando cuidar dos projetos socioambientais.

Por isso, como venho escrevendo neste blog, investir em ações de sustentabilidade (responsabilidade social) conta, e muito, para o fortalecimento de sua marca, e isso é um diferencial importante para conseguir e garantir seu espaço no mercado.

Comentar
Compartilhe
Gestão Ambiental: bom para a empresa, melhor para a sociedade.
06/05/2010 | 10h27

Hoje, muito se fala em ações de sustentabilidade, que em tese é quando a empresa integra-se a sociedade, exercendo uma gestão ambiental e responsabilidade social.

A empresa que tem esta postura ética, respeitando a comunidade em que atua, possui um grande diferencial. É óbvio que o reconhecimento, não só através de prêmios, mas dos consumidores e colaboradores, cria-se uma vantagem competitiva e, conseqüentemente, alcança níveis maiores de sucesso.

Sim, existem empresas que fazem estas ações visando apenas o retorno financeiro, mas também temos empresas que fazem simplesmente pela consciência em desenvolver seu papel social, que na maioria dos casos, está ligado às lideranças que trabalham nela, que trazem isso dentro de si.

Escrevo este post, pois tenho orgulho em trabalhar numa empresa com este pensamento, inclusive sendo reconhecida através de prêmios. Faço o marketing de uma empresa do agronegócio, a Apoio Distribuidora Agrícola (www.apoioagricola.com.br), sediada em Campos, que tem essa consciência encabeçada pelo seu líder, Marcos Chaves.

Nesse ano de 2010, fomos um dos ganhadores do XIII Prêmio Mérito Ftossanitário, prêmio mais importante do setor agrícola, concedido por uma das mais importantes associações a ANDAV (www.andav.com.br), em conjunto com a ANDEF (www.andef.com.br), o que nos enche de orgulho.

Assim, fica uma dica para empresas, de todos os tamanhos e ramos, para exercerem sua responsabilidade social, que o reconhecimento virá com o tempo, e também o diferencial, pois atrairá clientes conscientes, que com certeza, darão preferência em comprar numa empresa que investe em trabalhos sociais, trazendo retorno para a região em que atua.

Comentar
Compartilhe
Aprendendo sobre marcas.
05/05/2010 | 17h15

Será realizado nos dias 10 e 11 de maio, no São Paulo Renaissance Hotel, na capital paulista, o Brand Brasil 2010. O evento abordará o tema “O Valor da Marca e das Marcas de um país”.

Aqui neste blog, sempre que possível, escrevo sobre a importância de se construir uma marca forte para seu negócio, não importando o tamanho do empreendimento.

O evento contará com estrelas internacionais especialistas em Brand, como Nigel Hollis (EUA), autor do Best-seller Global Brands (2008), além de contar com importantes gestores de marcas nacionais, como Petrobrás e Embraer.

As inscrições poderão ser feitas no site www.aba.com.br e para mais informações, ligar 0800 – 124588.

Vale à pena participar, não só os empreendedores que querem aprender a valorizar suas marcas, mas também profissionais e gestores que prestam consultoria para empresas, aumentando e reciclando seus conhecimentos.

Comentar
Compartilhe
Transformando clientes não rentáveis em rentáveis.
05/05/2010 | 08h00

A maioria das empresas brasileiras, quando detectam que um cliente não é mais rentável, ou seja, não é lucrativo, o primeiro impulso é descartá-lo. Poucas pensam em ter o trabalho de reverter à situação.

A seguir, citarei alguns padrões de idéias difundidas entre o mundo do marketing, que poderão ajudar você a transformar esses clientes em lucrativos.

A princípio, a empresa deve saber o motivo pelo qual vai desfazer-se desse cliente, ou deixá-lo de lado. Saber por que esse cliente não gera mais recurso ou porque ele reduziu sua capacidade de compra.

Depois, é necessário renegociar com esses clientes, ou seja, ambos devem tirar benefícios dessa relação, e não só a empresa. Será que você não está “empurrando” o produto ao cliente? Ele tem a clara consciência dos benefícios e qualidades dos produtos que você vende?

Assim, se necessário, a empresa pode trocar o vendedor que atende esse cliente, e em alguns casos, trocá-lo ate de loja, indicando com jeito apropriado, que ele terá um atendimento especial em uma de suas filiais.

Esse tipo de cliente, quando volta a comprar, é porque recuperou a confiança na empresa e, com certeza, quando isso ocorre, ele não tem mais dúvidas quanto aos valores praticados por ela e voltará a ser um cliente lucrativo.

Comentar
Compartilhe
Propaganda de cerveja sem apelação? sim!
04/05/2010 | 11h08

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=9jZxSvVl5qY[/youtube]

Este comercial é da cerveja inglesa IPA Greene King, de sabor forte e coloração escura. IPA significa Índia Pale Ale, um tipo de cerveja fermentada de modo único, para poder ser exportada para a Índia no passado, sendo conservada durante a longa viagem.

É uma propaganda de cerveja bem diferente e engraçada, ao contrário das propagandas brasileiras que muitos acham apelativas, sempre de mulheres com biquínis...

Comentar
Compartilhe
Marketing em livros. Já reparou?
03/05/2010 | 14h21

Este post é para se ter idéia de onde a exploração do marketing pode chegar. Citarei o marketing em livros, onde os autores de sucesso recebem constantes assédios de empresas que administram marcas, querendo colocá-las na história de alguma maneira.

Citarei um livro, Best Seller que a maioria leu, mas muitos não perceberam o marketing contido no texto. Os livros de Dan Brown, o autor de maior sucesso atualmente, estão repletos de propagandas. No Código Da Vinci, são citadas quase 50 marcas, isso porque muitas dessas empresas administradoras reclamam que teria espaço para muito mais.

Por exemplo, celulares e computadores são usados todo momento, mas não são citadas marcas. A Motorola e Dell devem ranger os dentes em pensar. Também são citados hotéis e restaurantes locais, mas imaginem se o autor tivesse citado o Hilton, Holiday In, Burguer King ou Pizza Hut, o quanto não ganharia em dinheiro?

Muitos dizem que o relógio Mickey Mouse foi um erro, sendo que a Disney não precisa desse tipo de propaganda, já tem o necessário. Contudo, pense o que pagaria a Swatch para colocar seu nome no livro. Ele cita também, durante a cobertura de um dos eventos, a BBC, uma organização sem fins lucrativos, mas se fosse citada a CNN, a Fox, Sky..

Os marqueteiros sonham com as aventuras de Robert Langdon em ambientes mais “vendíveis”, como o Hip-Hop e o Rap, ao invés do Vaticano (pouca chance de exploração de marcas), assim poderão encaixar suas marcas mais facilmente.

Comentar
Compartilhe
Quanto vale sua marca?
01/05/2010 | 07h13

Uma marca forte gera benefícios. Claro.

No passado, tudo era novo, quase não havia concorrentes e os novos empreendedores não encontravam grandes dificuldades em colocar (e impor) suas marcas.

Hoje, a situação mudou. É necessário o fortalecimento de sua marca para sobreviver, seja em seu quarteirão, bairro, cidade ou estado.

É comum ainda, pequenos empresários importarem-se apenas com os produtos que vendem, e não com o nome (marca) de seu comércio.

Para determinar o quanto vale uma marca, é necessário determinar o valor patrimonial (financeiro) e o valor percebido pelos consumidores. Aí está a maior dificuldade, sendo que a marca é um bem intangível.

Alguns pesquisadores defendem que uma marca dure mais que seus produtos. Podemos citar o exemplo daquele boné azul de um banco, usado pelo Ayrton Senna... o banco não existe mais, mas a marca nós conhecemos.

O mais importante em relação ao valor da marca é o quanto ela representa na mente do consumidor. Se a empresa tem uma marca bem posicionada no mercado e, principalmente bem percebida e aceita pelo consumidor, as chances de sucesso aumentam.

Assim, tente transformar sua marca em referência, sendo transparente com seu público, buscando ter a qualidade percebida e valorizada pelos consumidores, que serão fiéis a ela, e muitos a defenderão, ajudando em seu sucesso.

Comentar
Compartilhe
Sobre o autor

Fábio Pexe

[email protected]