CCZ abandonado?
29/10/2014 | 15h59

Desde que a Prefeitura de Campos dispensou vários dos antigos funcionários do CCZ, os substituindo por novos servidores aprovados em recente e tumultuado processo seletivo, a situação caótica do órgão vem sendo levada ao conhecimento do público. Hoje, recebi a denúncia de que vários serviços prestados pelo CCZ estariam interrompidos, o que poderia prejudicar o controle de endemias no município.

Segundo os denunciantes, funcionários e ex funcionários do órgão, que terão a identidade preservada, a atuação "em campo" dos agentes no combate ao mosquito da dengue estaria praticamente interrompida. A razão da interrupção seria a falta de treinamento dos servidores recém contratados, bem como a suposta falta de materiais. Apenas os carros com "Fumacê" estariam combatendo o mosquito.

A mesma situação estaria ocorrendo nos setores de análise de água e de animais peçonhentos. O setor de roedores seria o único que estaria funcionando de forma um pouco melhor.

A denúncia é grave, sobretudo pelo fato do verão, período de chuvas, estar chegando, o que poderá agravar os problemas da dengue no município.

O espaço fica aberto para que os gestores do CCZ possam se manifestar, apresentando os esclarecimentos que entenderem cabíveis.

Post editado para acrescentar a resposta do gestor do CCZ, Cesar Palma, que encaminhou dois comentários ao blog.

"Caro amigo, infelizmente existem pessoas que deveriam estar trabalhando e crescendo na vida, mas ao invés disto ficam inventando boatos para criarem noticias. Espero de todo o meu coração que estes não estejam recebendo por isto, pois dai, vcs deveriam mudar os informantes pq estão jogando dinheiro fora!!! Isto não passa de um boato, radio tamanco, coisa de quem quer 15 minutos de fama! Para vc ter ideia, o treinamento e capacitação dos novos funcionários foi tao notório, que foi publicado em diário oficial, a capacitação durou nada menos que duas semanas inteiras no colégio 29 de maio, na pecuária, e, teve como testemunha, nada menos que cerca de 600, isto, 600 pessoas, dentre elas, os novos funcionários, os professores, os coordenadores, os técnicos e pessoal de apoio, e por ai vai………

O trabalho dos servidores de la esta tao ruim, que o município de campos registrou este ano, nenhum caso de raiva, nenhum caso de leptospirose, nenhum acidente grave com animais peçonhentos, é referencia no controle da dengue no estado e fora dele, não registrou nenhum caso grave de intoxicação por agua fornecida, e estatisticamente falando, não teve dengue. Cabe ressaltar que o CCZ combate e controla o AEDES e não pernilongos, culex, etc….. Quanto a roedores, nenhum caso de leptospirose e população controlada de roedores. Existem relatos de altos índices de roedores em locais aonde o próprio morador ou grupo de pessoas tornam isto propicio por não darem valor ao que aprenderam com as mães sobre as normas básicas de higiene. Vc prefere um prato de pao com farinha, ou um belo filé a parmegiana????? Rs, isto tb serve para os animais!!!!!"

Comentar
Compartilhe
E o concurso da Câmara?
28/10/2014 | 17h32

No próximo dia 05 de novembro, termina a validade do concurso público realizado pela Câmara Municipal em 2012. Até o presente momento nenhum dos 29 candidatos aprovados foi convocado para tomar posse, apesar de inúmeras decisões judiciais determinando a nomeação.

A comissão criada para apurar os eventuais e inexistentes problemas do concurso até hoje, apesar do fim do prazo inicialmente concedido, não apresentou relatório conclusivo. Apenas os vereadores Rafael Diniz e Fred Machado, para cumprimento das suas atribuições, apresentaram relatório paralelo, apontando a inexistência de empecilhos para convocação dos aprovados.

Nos próximos dias, a Câmara inaugurará sua escola de gestão. Diante disso, indaga-se: Quem serão os servidores que atuarão nesse novo órgão?

Já passou da hora do Presidente da Casa se posicionar a respeito da situação.

Comentar
Compartilhe
OAB Jovem lança banco que reúne currículos e vagas
22/10/2014 | 09h41

A subseção de Campos dos Goytacazes da Ordem dos Advogados do Brasil lançará, na próxima quarta-feira (22/10), o Banco Oficial de Currículos e Vagas. Idealizado pela Comissão de Apoio ao Advogado (OAB Jovem), estagiários, bacharéis e estudantes, o projeto pretende oferecer a escritórios, advogados, bacharéis e estagiários uma ferramenta de busca de novas oportunidades no mercado de trabalho.
O Banco de Currículos e Vagas oferece espaço para vários tipos de cadastros: dos estudantes, advogados e dos escritórios. A OAB Jovem também possui página no Facebook, onde maiores informações podem ser colhidas (www.facebook.com/oabjovemcampos). A proposta é de, futuramente fazer a interligação com outras redes sociais como Twitter e Linkedln, mantendo sempre o sigilo das informações on line.
Para participar, o interessado – candidatos e escritórios com vagas disponíveis - deverão se dirigir a Casa do Advogado, às quartas-feiras, quinzenalmente, às 18h30min e cadastrar diretamente com o responsável, e enviar para o email [email protected], com o assunto: “Banco de Currículos e Vagas”.
Os escritórios cadastrados devem indicar o perfil dos candidatos que buscam, bem como as vagas disponíveis, de forma que o empregador possa fazer uma pré-seleção determinando o tipo de profissional que deseja: estudante, advogado, bacharel, área de empenho, tempo de experiência, dentre outras peculiaridades de seu interesse.
Ao preencher a ficha de cadastro, o escritório conseguirá uma lista de profissionais que se adequam ao perfil procurado. Tal lista com os contatos, será enviada por email ao escritório interessado, com cópia ao candidato que se encaixou no perfil, fazendo, desta forma, a ponte entre as partes interessadas.
Elaborado sob a coordenação do presidente da Comissão de Apoio ao Advogado, Flávia Pinheiro e 1ª secretária Renata Borba, e idealizado pelo membro Cleyse Silva, o projeto teve como relator o advogado Filipe Souza. Conforme Filipe Souza, trata-se de uma proposta diferenciada, com formato inovador. De acordo com Cleyse Silva, o projeto, na forma apresentada (entrega física dos currículos e cadastro físico das vagas), acaba por preencher a necessidade de advogados e escritórios que não procuram candidatos pela internet, mas sim na forma tradicional. De acordo com Flávia Pinheiro, o projeto engloba a todos e conta com ferramentas dinâmicas para alcançar o objetivo pretendido, eis que, por se tratar de área de humanas, onde o contato físico é necessário, a ferramenta apresentada será de grande valia, e de fácil utilização. “Será possível aos escritórios buscar perfis de profissionais que melhor atendam suas expectativas, assim como cada candidato poderá buscar opções mais convenientes”.
Para comissão, a finalidade do Banco de Currículos e Vagas é oferecer espaço para advogados e estagiários colocarem os seus currículos e criar o intercâmbio com os escritórios. Esse projeto é mais uma ferramenta criada pela OAB Jovem para facilitar o acesso do advogado ao mercado de trabalho. A ideia do banco é exatamente desenvolver o mercado de advocacia em Campos.

O lançamento será dia 22/10, quarta-feira, às 18h30min, na casa do advogado, onde já terá início a colheita de currículos e vagas disponíveis.

Dúvidas escrever para [email protected]
Ou na página Oab Jovem Campos Rj no facebook
Entrega do cadastro: quartas-feiras, quinzenais, 18h30min, na casa do advogado. Próximas entregas: 22/10; 05/11 e 19/11

Comentar
Compartilhe
O voto em Aécio
21/10/2014 | 13h31

O PT e seus aliados, na belicosa disputa eleitoral que está sendo travada, tentam colocar na mente do eleitor, que os que preferem o projeto do Senador Aécio neves desmerecem as conquistas sociais dos últimos anos, preferindo o retrocesso, a volta aos padrões do passado.

Eu, particularmente, discordo desse ponto de vista. Primeiramente, importante salientar que fazer uma singela análise entre os governos tucanos e petistas, sem levar em consideração os momentos históricos em que estavam inseridos é leviandade. Ambos os governos, dentro das realidades vividas, tiveram grandes avanços sociais, quer seja através da estabilidade econômica, quer seja através dos programas de distribuição de renda.

Dentro desse contexto, é necessário reconhecer os notórios avanços sociais alcançados nos últimos doze anos dos governos petistas. Por outro lado, é importante reconhecer, também, que ditos avanços foram possibilitados, em boa parte, pelas tortuosas, porém necessárias reformas levadas a cabo pelo governo FHC.

O que penso é que as conquistas sociais dos últimos vinte anos correm o risco de serem comprometidas em razão de políticas equivocadas do atual governo, em especial na economia, e que esse mesmo PT das conquistas sociais não dispõe, no momento, por diversos fatores, das condições necessárias para liderar os novos anseios da sociedade.

É preciso ter em mente que os avanços do País no período pós ditadura, quer seja no campo econômico, quer seja no campo social, não são propriedade de determinados partidos políticos, mas sim fruto do amadurecimento da nossa sociedade, que apesar das suas enormes diferenças, já possui padrões mínimos de que não abre mão.

A sociedade não abriu mão da estabilidade econômica, também não abrirá mão das conquistas sociais que reduziram a pobreza e a desigualdade. Contudo, anseia por novos avanços, por novas ideias, por mudanças de comportamento, por alternância de poder.

É por isso que voto em Aécio. Não por desmerecer ou querer o fim de programas sociais. Mas sim, por entender que o candidato reúne melhores condições para fazer reformas e mudanças – ainda que impopulares – imperiosas para a manutenção dos avanços já alcançados e conquista de outros tantos que ainda são necessários.

Artigo publicado na versão impressa da Folha de 16/10.

Comentar
Compartilhe
"No c.. dos outros é refresco"
16/10/2014 | 13h49

Hoje, a Folha publicou aqui matéria informando a realização de uma reunião, capitaneada pelo líder do governo na Câmara, vereador Paulo Hirano, com o objetivo de tentar reverter a decisão da companhia aérea Azul de alterar os vôos da rota Rio-Campos para o aeroporto Galeão.  Parabenizo o vereador e as entidades presentes pela iniciativa, já que essa alteração efetivamente causa prejuízos para a população campista, principalmente para aqueles que possuem negócios nesse eixo.

Só lamento que não se tenha essa mesma iniciativa e cooperação entre atores da sociedade civil organizada, para cobrar melhorias de outros serviços de transporte, como os prestados pela 1001, utilizados por um número infinitamente maior de passageiros, que faz anos padecem com um serviço de péssima qualidade. Nada é feito para cobrar pontualidade, manutenção da frota, preços justos, dentre outros.

No fim das contas, é aquela história de sempre: "No c.. dos outros é refresco".

Comentar
Compartilhe
A questão do Camelódromo
15/10/2014 | 10h32

A manifestação dos camelôs ocorrida nesta semana retrata diversos problemas da Administração Municipal. O governo, ao mesmo tempo, viola as regras de proteção ao patrimônio histórico - no caso, o Mercado municipal -, e desagrada os feirantes e ambulantes, com falsas promessas e obras atrasadas.

Importante esclarecer ao leitor que, as obras do novo Camelódromo não foram autorizadas pelo COPPAM, Conselho de proteção ao patrimônio histórico, o que já as tornam ilegais. Além disso, os projetos em execução conflitam totalmente com o mercado, impedindo sua visualização. Para que se tenha ideia da gravidade da situação, até a rua que divide o mercado do antigo Shopping popular acabará, para dar lugar a mais bancas de camelôs.

O que penso, é que o prédio do mercado municipal e o seu entorno deveriam ser integralmente preservados e revitalizados. Os Camelôs deveriam ser deslocados para outras áreas. E quando falo em outras áreas, não falo em áreas distantes do centro que inviabilizem suas atividades. O fato é que existem áreas no próprio centro que permitiriam, ao mesmo tempo, uma melhor acomodação dos camelôs e a preservação e revitalização do mercado. O estacionamento que existe na mesma esquina do atual Shopping popular, ao lado da Caixa Econômica, é um exemplo disso.

Na verdade, o que falta é compromisso. Compromisso com a preservação do Mercado e compromisso com os trabalhadores. Enquanto isso, perdem os cidadãos em geral, que convivem com a degradação daquela área da cidade e perdem os trabalhadores, mal acomodados e desamparados.

Comentar
Compartilhe
Carta aberta à oposição
10/10/2014 | 08h56
Como todo opositor ao grupo liderado pelo ex governador Garotinho, estou feliz com a sua derrota nas urnas, não posso negar. Mas não estou preocupado em comemorar sua derrota, muito menos em zombar dela. Estou preocupado, em conjunto com diversas outras pessoas, em viabilizar um novo projeto para a nossa cidade, para que Campos, já em 2016, possa rumar um novo caminho, dissociado de um projeto pessoal de poder. É certo que as eleições ainda não terminaram e que o resultado do segundo turno da eleição pode reforçar os efeitos da derrota de Garotinho, com a reeleição do Governador Luiz Fernando Pezão, ou atenuá-los, com a vitória do Bispo Marcelo Crivella. É certo, também, que a derrota do ex governador, já no primeiro turno e com apenas 39% dos votos em Campos, não é suficiente para afastar a sua forte influência no município, até mesmo pelo fato da sua esposa ainda ser a administradora da pesada máquina pública municipal. De todo modo, a derrota de Garotinho, nos termos em que posta, completamente inesperada, demonstra que a situação do atual governo já não é tão confortável quanto antes, abrindo, dessa forma, novas oportunidades para nós, opositores.

Todavia, de nada adianta as urnas demonstrarem, de certo modo, um esgotamento do modo de governar e fazer política dos Garotinho, que faz mais de vinte anos atravanca o desenvolvimento da nossa cidade, se nós, opositores, não apresentarmos uma alternativa viável e eficaz ao que hoje nos confrontamos.

É hora de deixarmos a vaidade política e os projetos pessoais de lado, para começarmos a discutir um novo projeto para esta cidade. Um projeto verdadeiramente voltado para o município e todas as suas potencialidades que estão diante de nós. É hora de propor um projeto realmente voltado para o bem estar dos cidadãos campistas e que não pense apenas em anseios pessoais de poder, que impedem a cooperação necessária para o nosso desenvolvimento sustentável.

É hora de mostrarmos que há pessoas novas, ideias novas, que possam liderar um novo processo de crescimento social e econômico. É necessário mostrar à população, em especial a mais humilde e sacrificada, que com o orçamento que possuímos podemos avançar, e muito, em todos os aspectos.

Enfim, é hora de pensarmos menos em Garotinho e nas suas derrotas ou vitórias e mais nas pessoas que aqui vivem e que dependem de uma política mais qualificada para se desenvolverem. A população deu o seu recado nas urnas, mostrou insatisfação, cabe a nós criarmos uma alternativa ao que aí está.

Artigo publicado na versão impressa da Folha de ontem (09/10).

Comentar
Compartilhe
Declaração de voto
03/10/2014 | 18h01

Acabo de ver no Blog do jornalista Aluysio Abreu Barbosa (aqui) sua declaração de voto para as próximas eleições. Assim como ele, também estou profundamente desesperançoso com o futuro do país. Esperava mais dessas eleições. Quem vivenciou as manifestações do ano passado, certamente não ficou satisfeito com o resultado do processo eleitoral. Sejam os vencedores quem forem, nós, os cidadãos, já perdemos. Perdemos a oportunidade de fazer diferente. Tudo permaneceu igual. De nada adiantará cobrar depois.

Assim como Aluysio, aproveito o espaço para declarar os meus votos: Para Presidente, Aécio Neves, 45. Para Governador, Pezão 15, para Senador, Cesar Maia, 255.

Com relação ao legislativo, além de declarar o voto gostaria de esclarecer os motivos pelos quais escolhi os dois candidatos.

Deputado Estadual – Comte Bittencourt – 23601: Comte é o presidente estadual do partido ao qual sou filiado, o PPS, e vem garantido, em âmbito municipal, a atuação independente dos seus filiados, em especial do vereador Rafael Diniz. É Corregedor da Alerj e presidente da sua comissão de educação. Educação, aliás, é um dos principais focos dos seus seguidos mandatos e um dos principais motivos pelos quais o escolhi como meu candidato. Ao longo dos últimos dois anos, desde a eleição de Rafael Diniz, pude acompanhar mais de perto sua atuação e a atenção dada aos problemas da nossa cidade, em especial, na luta pela valorização dos servidores da UENF e da FENORTE.

Deputado Federal – Makhoul Moussalem – 1309: Na política, em determinados momentos é necessário deixar eventuais diferenças ideológicas de lado, em benefício de conquistas maiores para a sociedade. Tenho muitas divergências com o PT, mas tenho muitas convergências com Makhoul. Comungamos o desejo de uma cidade com maior qualidade de vida, que não se subjugue a projetos pessoais de poder. Por isso, entendo que a eleição de Makhoul para a Câmara Federal trará inúmeros benefícios para Campos e região.

Comentar
Compartilhe
Não importa o resultado: Perdemos
03/10/2014 | 17h32

Chegamos ao fim do período eleitoral. No próximo dia cinco, tomaremos conhecimento dos resultados de disputas eleitorais ao mesmo tempo imprevisíveis e insossas, em que mais uma vez pouco se discutiu temas importantes para o futuro do país e do nosso Estado do Rio de Janeiro.

A eleição presidencial, que caminhava rumo ao marasmo, numa já cansativa disputa polarizada entre e PT e PSDB, ganhou contornos imprevisíveis, com a lamentável morte de Eduardo Campos e assunção de Marina Silva a candidata. O que prometia marcar um novo período nas disputas presidenciais, contudo, se tornou mais do mesmo, apenas com novos protagonistas. Pouco se discutiu sobre temas essenciais para o desenvolvimento do Brasil, como reforma política, tributária, trabalhista, previdenciária, pacto federativo, dentre outros. Por outro lado, sobraram acusações, troca de farpas, proliferação de mentiras, num lamentável jogo de publicidade de quinta categoria entre os adeptos da política do medo e da pseudo nova política. A disputa ainda está aberta, mas, infelizmente, tudo indica que a Presidente Dilma deva se reeleger.

Já no que diz respeito ao governo estadual, o que se viu foi o já esperado baixíssimo jogo de agressões mútuas. Pezão conseguiu vender bem o seu peixe, se valendo da máquina e do enorme tempo de TV. Garotinho focou no passado, na volta das suas políticas populistas. Com pouco tempo de TV, isolado, sequer conseguiu se valer da sua grande arma, o poder de comunicação. Crivela fez o esperado e o seu resultado também deverá ficar dentro do previsível. Mais uma vez cairá no primeiro turno. Lindberg, para mim, foi a maior decepção. Mesmo não sendo petista, esperava mais dele, pelo seu carisma. São muitos os fatores que decidem uma eleição, mas a prática do voto útil em Pezão e equívocos de comunicação, lhe impuseram uma provável derrota.

No que tange a nossa região, se as previsões se confirmarem, mais uma vez veremos o nosso potencial político ser desperdiçado nas eleições legislativas, em razão de vaidades políticas tanto da situação, como da oposição. O resultado da eleição para governador, contudo, deve trazer um novo horizonte para as eleições de 2016. Quem sabe, seja o início do fim.

Dito isto, preciso confessar que esperava muito mais dessas eleições. Quem vivenciou as manifestações do ano passado, certamente não ficou satisfeito com o resultado das eleições deste ano. Sejam os vencedores quem forem, nós, os cidadãos, já perdemos. Perdemos a oportunidade de fazer diferente. Tudo permaneceu igual. De nada adiantará cobrar depois.

Artigo publicado na versão impressa da Folha de ontem (02/10)

Comentar
Compartilhe