PT do Rio pede que secretários deixem o governo
27/01/2014 | 02h22
[caption id="attachment_22133" align="aligncenter" width="500"] Encontro entre o governador Sérgio Cabral e o presidente estadual do PT Washington Quaquá, no Palácio Guanabara, em Laranjeiras. Marcos Tristão/O Globo[/caption]

Após participar de um encontro no Palácio Guanabara com o governador Sérgio Cabral (PMDB) nesta segunda-feira (27), o presidente do PT no Rio, Washington Quaquá, pediu que os dois secretários do partido que integram a gestão peemedebista peçam logo exoneração e não esperem a decisão partir do governador. No fim da tarde, a Executiva estadual da sigla faz reunião para formalizar essa determinação para os dois ocupantes do primeiro escalão e para os demais petistas.

Ao chegar para a reunião, Quaquá carregava um envelope com uma lista de 200 filiados que estão abrigados no governo Cabral. Mas, segundo ele, o número de petistas na administração estadual pode ser maior, mas não mais do que 400. A listagem está menor porque não pegou aqueles que estão há mais tempo nos cargos. Segundo o presidente do PT-RJ, Cabral não informou quando começarão as exonerações. Atualmente, o PT ocupa as secretarias de Ambiente, com Carlos Minc, e Assistência Social e Direitos Humanos, com Zaqueu Teixeira "A determinação do PT é que seja feita a exoneração imediata deles, por ato dos próprios petistas do governo. Vamos fazer uma reunião dizendo isso", afirmou Quaquá, depois de se encontrar com Cabral.

O PT do Rio decidiu que sairia do governo Cabral no dia 28 de fevereiro, mas sábado o peemedebista enviou um email para Quaquá dizendo que exoneraria os petistas no próximo dia 31. Segundo o petista, o texto era cordial. Cabral afirmou ao presidente estadual do PT que queria recompor seu governo. Cabral não se pronunciou sobre o encontro com Quaquá. O PMDB de Cabral quer lançar o vice-governador Luiz Fernando Pezão e o PT do Rio banca a candidatura do senador Lindbergh Farias, o que gerou atrito entre os dois aliados.

Antes do encontro, Quaquá declarou que o partido não adotará uma postura agressiva na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) porque está de saída. Depois da conversa com o governador, ele reiterou que ficou estabelecido o entendimento de não troca de acusações entre PT e PMDB: "Há o entendimento de não haver agressão gratuita. É óbvio que mesmo numa eleição sempre há uma estocada ou outra. Mas a campanha não pode ser um tom de agressão entre os partidos da base do governo federal", disse o petista.

O presidente do PT do Rio disse que não haverá problemas em ver a presidente Dilma Rousseff, que tentará a reeleição, subindo nos palanques dos candidatos cujos partidos integram a base do governo. No Rio, além de Lindbergh, Dilma teria os palanques de Pezão e de Marcelo Crivella (PRB), atual ministro da Pesca. Há ainda a pré-candidatura do deputado Anthony Garotinho, do PR, partido que integra a base do governo federal. "Óbvio que o presidente Lula e a presidente Dilma são filiados ao PT. Nós vamos usar muito esse legado do nosso governo", declarou Quaquá.

Fonte: O Globo 

 
Comentar
Compartilhe
Garotinho diz que vai inaugurar o Porto do Açu
02/06/2012 | 11h26

garotinho na diário

O deputado federal Anthony Garotinho (PR) disse hoje (02), durante o programa “Entrevista Coletiva”, da rádio “Diário FM”, que vai inaugurar o Porto do Açu em 2016. “Quem vai inaugurar o Porto do Açu vai ser Garotinho em 2016. Estou trabalhando para isso”, informou o parlamentar, deixando claro que já está em campanha para voltar ao governo do Estado. A eleição acontece em 2014 e o novo governador assume em 2015. Por enquanto, os pré-candidatos são: Garotinho (PR), Lindbergh (PT) e o vice-governador Luiz Fernando Pezão (PMDB).

“Não sou o dono da verdade” — O deputado também disse que não é o dono da verdade e possui defeitos. “Nosso grupo também erra, eu também tenho defeitos”, disse Garotinho, que não listou quais seriam esses defeitos.

"Compradores de voto estão desistindo" — Segundo Garotinho, políticos com práticas ultrapassadas estão deixando o ambiente eleitoral. “Compradores de voto estão desistindo da eleição. Não tem mais espaço para esse tipo de gente”, disse Garotinho, ressaltando que não estava se referindo ao vereador Jorginho Pé no Chão, que não vai disputar a eleição e alegou um problema de Saúde.

Comentar
Compartilhe
CPI: PMDB tenta evitar convocação de Cabral
01/05/2012 | 02h01

Sergio_Cabral_Governador_Rio_de_Janeiro_be_01

Tranquilos até poucos dias atrás com o tiroteio entre PT e oposição, que mantinha o PMDB distante do alvo central da CPI do caso Cachoeira, integrantes da cúpula do partido começaram a se mobilizar no fim de semana para tentar blindar o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), e evitar que seja aprovada sua convocação para depor logo no início dos trabalhos. Dirigentes peemedebistas não escondem o desconforto e a preocupação com a superexposição das relações de Cabral com o dono da Delta, Fernando Cavendish, em fotos divulgadas pelo ex-governador e deputado federal Anthony Garotinho (PR-RJ).

A avaliação feita em conversas reservadas era de que a CPI começa a caminhar com as próprias pernas, e que a cúpula do PMDB terá que rever sua estratégia inicial de se manter à margem da CPI que nunca quis. Por isso, apesar do feriado de hoje, o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), chega a Brasília para uma reunião com o presidente licenciado do Senado, José Sarney (PMDB-AP), e com o presidente da CPI, Vital do Rêgo (PMDB-PB), para discutir como conduzir o caso e não deixar que o foco da CPI extrapole o objeto de sua criação: o esquema Carlinhos Cachoeira, Delta e o senador Demóstenes Torres (sem partido-GO). "O Renan me deu liberdade para agir de acordo com minhas convicções. E minha convicção é que não vou ser instrumento de lutas regionais. Pode tirar o Garotinho da chuva!", disse Ferraço, ontem, ao GLOBO. Preferindo manter-se no anonimato, um deputado do PMDB faz a mesma avaliação que Ferraço: "A CPI começa a ganhar rumo próprio. Quem é que vai convocar o Perillo e o Agnelo e depois botar a cara lá para defender o Cabral? Quem defender Cabral vira alvo. Como que o Renan, que quer ser presidente do Senado, vai defender isso? Só por baixo dos panos", disse.

Nas conversas de bastidores, peemedebistas avaliaram que a situação de Cabral se complicou muito no final de semana com a divulgação dos vídeos e fotos. Mas a ordem interna é não alimentar essa polêmica. "A CPI é para investigar o Cachoeira e as investigações das operações da Polícia Federal. Se tem outras ramificações, lá na frente a CPI terá que investigar. Temos que aguardar o plano de trabalho da comissão para ver onde e o que tem de ligação com Cachoeira", disse ex-líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), ressaltando que não é da CPI. Cabral, que não tem relação estreita com seus partidários no Congresso, está procurando aproximação maior e sondou pessoas do partido para refutar suspeitas de que privilegiou a Delta.

garotinho

Garotinho passa a ser alvo — Após a divulgação das fotos de Cabral, o deputado Garotinho passou a ter o seu passado analisado por políticos e jornalistas de todo o país. Todos querem descobrir se o telhado dele é ou não é feito de vidro. Nesse embalo, uma matéria publicada no "Contas Abertas" informa que, em 2004, Geraldo Pudim recebeu doações de R$ 300 mil da construtora Delta. Pudim recebia apoio maciço de Garotinho – nas eleições seguintes (2006), o slogan “votar no Pudim é votar no Garotinho” o fez se eleger deputado federal.

O blog "Estou Procurando o que Fazer" publicou (aqui) a página que informa a doação de R$ 300 mil ao candidato de Garotinho.

Agora, além de bombardear Cabral, Garotinho vai ter que reservar um espaço para se defender. E ele já mandou um recado em seu blog. "Só quero avisar aqui Cabral que ameaças não me amedrontam. Quem me conhece sabe que sou um homem de coragem, que sempre enfrentei adversários e inimigos poderosos. Se não recuei até hoje, não será por mais essas ameaças de Cabral que vou me acovardar. Digo mais para que todos saibam: Tudo o que já mostrei e o que ainda vou revelar aqui no blog é aperitivo perto do que vou levar para a CPI", disparou Garotinho.

Fontes: O Globo, Contas Abertas,  Estou Procurando o que Fazer e Blog do Garotinho

Comentar
Compartilhe