Hora de especular e vender o "peixe"
31/05/2015 | 19h35

Faltando um ano e quatro meses para as eleições, começam a surgir especulações sobre prefeitáveis.Oficialmente fora do governo Rosinha, após a exoneração de Carlos Henrique, que respondia pela secretaria der Pesca, nomes ligados ao PRB começa a especular para vender seu "peixe".

Ontem (30), o vereador Dayvison Miranda (PRB) compartilhou em seu perfil no Facebook (aqui) uma montagem com as fotos dos vereadores Alexandre Tadeu (PRB) e Gil Vianna (PR), com a seguinte frase: "Eu acredito no novo".

A ideia é insinuar a possibilidade de dobradinha entre os dois para a eleição de 2016.

Em contato com o blog, o presidente do PRB em Campos, Carlos Henrique, já avisou que o partido só aceita ter o cabeça da chapa. "Contamos com o vereador Alexandre Tadeu como um nome forte, mas o PRB só entra na disputa com o candidato na cabeça da chapa, nada de vice", afirmou.

 
Comentar
Compartilhe
Em Macaé, reforma administrativa vai economizar R$ 34 milhões por ano
30/05/2015 | 13h34
[caption id="attachment_33530" align="aligncenter" width="434"] Prefeito Dr. Aluízio apresentou proposta aos vereadores (Foto: Rui Porto Filho)[/caption]

Se a reforma administrativa da prefeita Rosinha Garotinho (PR) promete uma economia de R$ 14 milhões por ano, no município de Macaé o "corte na carne" é bem maior. De acordo com o prefeito, Dr. Aluízio, a expectativa de economia é de R$ 34 milhões por ano. Ou seja, enquanto Campos pretende economizar cerca de R$ 30 milhões em dois anos, em Macaé a economia vai girar em torno de R$ 70 milhões. Além disso, o prefeito de Macaé também solicitou um corte de 20% do próprio salário, assim como no do vice-prefeito. Em Campos, os salários da prefeita e do vice não sofreram cortes. Desde o início do mandato, o prefeito já cortou mais de 800 cargos de confiança.

A reforma reduz de 62 para 25 secretarias, com os seus respectivos Fundos Municipais, além de sete órgãos da Administração Indireta. "A ideia é economizar cerca de R$ 34 milhões por ano com as medidas. Isso representa, por exemplo, dez unidades do Hospital Público Municipal ou 60 creches. Reduzimos, desde 2013, 736 cargos e, com a reforma administrativa, chegaremos à extinção de 846 cargos comissionados ou função gratificada. A marca total será de 25% de redução. Além disso, economizaremos com encargos e despesas como aluguéis e manutenção predial", explicou Dr. Aluízio.

A administração das pastas municipais será otimizada com a diminuição das tramitações processuais e com o maior controle, devido à simplificação dos processos e à aglutinação de departamentos. O objetivo foi extinguir sobreposições de atribuições e, ainda, oferecer maior eficiência do serviço prestado. De acordo com o prefeito, a reforma administrativa será fundamental para cumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal e, ainda, proporcionar ganhos significativos para a valorização do servidor público, já que permitirá discutir melhores políticas de dissídios e enquadramentos funcionais. O plano permite que os recursos economizados retornem em benefícios para o servidor e em melhores serviços para a população. "O projeto concretiza um diagnóstico iniciado há dois anos, com um trabalho construído internamente por servidores e gestores municipais, sem custos com consultorias e auditorias externas. Além da economia, teremos eficiência na gestão, bem como desburocratização da máquina pública. A proposta de ser uma lei beneficiará esse governo e outras administrações. Com todas essas medidas, em 2016, vou finalizar a prefeitura com R$ 51 milhões em economia", acrescentou.

Projeto na Câmara - Foi lida durante a sessão ordinária da última quarta-feira (27), na Câmara de Macaé, uma mensagem enviada pelo prefeito, solicitando ao Legislativo que tome as providências necessárias para a redução dos vencimentos do prefeito e do vice-prefeito em 20%. A mensagem faz referência ao conteúdo da Reforma Administrativa, questionada por alguns vereadores por esta ação ser de competência exclusiva do Legislativo e, portanto, não poderia partir do Executivo.

A proposta chegou ao Legislativo no dia 12 de maio e tramita em regime de urgência. De acordo com o Presidente da Casa, Eduardo Cardoso, as Comissões de 'Constituição, Justiça, Redação e Garantias Fundamentais' e 'Finanças, Orçamento, Planejamento e Tributação' tinham até a última semana para entregar os seus pareceres sobre a Reforma Administrativa. "Se os relatórios das comissões forem favoráveis, votaremos a Reforma Administrativa na próxima terça-feira (2). Caso contrário, votaremos o parecer das comissões nesta data", informou o presidente.

Seja qual for o posicionamento das comissões, o presidente do Legislativo acredita que a Reforma será votada até a próxima quarta-feira (3). "Acho improvável que qualquer vereador se posicione contra uma proposta que trará mais economia e eficiência para administração municipal".

Comentar
Compartilhe
Festa Junina
30/05/2015 | 09h32

Comentar
Compartilhe
Governadores e dirigentes do PSB querem adiar fusão com PPS
29/05/2015 | 15h28

Pelo menos 12 presidentes de diretórios estaduais do PSB e os governadores da Paraíba, Ricardo Coutinho, e de Pernambuco, Paulo Câmara, querem adiar o congresso nacional do partido marcado para o dia 20 de junho para formalizar a fusão com o PPS.

Em um curto manifesto de uma página a ser entregue nos próximos dias à direção da sigla, dirigentes estaduais socialistas argumentam que há um elevado risco de descaracterização das bandeiras históricas do PSB, legenda do ex-candidato à presidência da República Eduardo Campos, já falecido. Os dissidentes alegam que a intenção do vice governador de São Paulo, Marcio França, é fazer aliança com o PSDB do governador paulista Geraldo Alckmin para as eleições de 2018, movimento rejeitado por parte da cúpula do PSB que pretende lançar candidatura própria. O presidente do partido no Maranhão, Luciano Leitoa, ex-secretário de estado de Eduardo Campos e hoje prefeito de Timon, já se manifestou contra a fusão. O diretório do Rio de Janeiro também assina o documento. Parte do PSB é a favor da reaproximação com o governo Dilma Rousseff e outro segmento quer fazer oposição no Congresso. Um terceiro grupo quer ter atuação independente no Legislativo.

Fonte: Época 

Campos - Em Campos PSB faz parte da bancada de Rosinha e o PPS é oposição. O vereador Rafael Diniz, do PPS, já avisou que, independente de fusão, não abre mão de fazer oposição (aqui).

Comentar
Compartilhe
Caiu
29/05/2015 | 12h59

Após travar uma queda de braço com o vereador Neném (PTB), que vinha fazendo duras críticas, o ex-jogador Pampa não é mais o comandante da Fundação Municipal de Esportes (FME), que agora se transformou em superintendência. O escolhido para substituir o medalhista olímpico foi Paulo Roberto Gomes, ex-jogador de futebol que passou por Americano, Goytacaz e Rio Branco, Flamengo e Fluminense, além de jogar no exterior. Paulo Roberto atuava como diretor de esportes na FME.

Pampa deixa a pasta, mas continua no governo. Ele assume um cargo na secretaria de Educação, Cultura e Esportes, com a missão de captar recursos.

Comentar
Compartilhe
Governo Rosinha: novo organograma com velhos nomes
29/05/2015 | 11h53
Quem esperava uma grande reformulação da máquina municipal, com novos nomes e oxigenação, se deparou com uma reforma administrativa que muda o organograma, mas aproveita as velhas peças, com raras exceções. Foram publicadas no Diário Oficial desta sexta-feira as nomeações, muitas interinas, para diversos cargos comissionados. Confira abaixo o novo organograma com os respectivos comandantes de cada pasta. Como o blog já havia informado, os comandantes de pastas que foram extintas assumiram superintendências. Todos foram nomeados interinamente. A estrutura da Prefeitura manteve as seguintes pastas: Procuradoria Geral do Município - Matheus José Secretaria Municipal de Fazenda - Walter Jobe Secretaria Municipal de Controle Orçamentário e Auditoria - Suledil Bernardino Secretaria Municipal de Saúde - Chicão Oliveira Secretaria Municipal de Educação, Esporte e Cultura - Frederico Tavares Rangel Secretaria Municipal de Governo - Anthony Garotinho Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico - Wainer Teixeira de Castro Previcampos - Renato Queiroz Codemca - Wainer Teixeira de Castro Fundação Municipal de Saúde - Geraldo Venâncio Fundação Municipal da Infância e Juventude - Thiago Ferrugem Gabinete da Prefeita - (Patrícia Alves Barreto Monteiro da Silva– Chefe de Gabinete / Linda Mara Silva – Assessora Particular / Adelaide da Silva Moraes – Superintendente de Programas e Maria Lúcia Pereira Pinto – Chefe de Cerimonial) Novas pastas:  Secretaria Municipal de Infraestrutura e Mobilidade Urbana - Edílson Peixoto Secretaria Municipal de Desenvolvimento Humano e Social - Thiago Ferrugem Secretaria Municipal de Desenvolvimento Ambiental - Jorge Rangel Secretaria Municipal de Gestão de Pessoas e Contratos - Fábio Ribeiro (por enquanto, Fábio continua na secretaria de Administração e Gestão de Pessoas) Superintendentes: Superintendência de Comunicação Social - Sérgio Cunha Superintedência de Paz e Defesa Social - Alcemir Pascoutto Superintendência de Agricultura - Frederico Paes Superintendência de Aquicultura e Pesca: Eduardo Crespo (assumiu o lugar de Carlos Henrique, do PRB) Coordenadoria de Defesa Civil - Henrique Oliveira Superintendência de Justiça e Assistência Judiciária - Paula Azeredo de Souza Superintedência da Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima - Patrícia Cordeiro Superintendência da Fundação Municipal de Esportes - Paulo Roberto Gomes (assumiu o lugar de Pampa) Superintendência de Relações Institucionais - Francisco de Assis Pessanha Superintendência de Trabalho e Renda -  Joilza Rangel Superiontedência do Cesec - Julio Eraldes Oliveira Superintendência do Cidac - Robson Colla Superintendência do Procon - Rosângela Tavares Superintedência do IMTT- Álvaro Oliveira Superintendência do Fundecam - Otávio Amaral Guarda Municipal - Wellington de Souza Levino Postura - Fabiano de Araújo Mariano Superintendência do Procon - Rosângela Ribeiro Tavares Superintendência de Petróleo, Energias Alternativas e Inovação Tecnológica - Marcelo Neves Barreto Superintendência da Igualdade Racial - Jorge Luiz dos Santos Superintendência dos Direitos do Idoso - Gilson Gomes O blog "Na Curva do Rio", da jornalista Suzy Monteiro, publicou nota na manhã de hoje (29) sobre a reforma administrativa: aqui   
Comentar
Compartilhe
Mudança na Saúde: sai José Manuel, entra Geraldo Venâncio
29/05/2015 | 00h55

O médico José Manuel Moreira não é mais o presidente da Fundação Municipal de Saúde. Alegando motivos pessoais, ele deixou a pasta e a sua exoneração foi publicada no Diário Oficial. Em seu lugar entra o médico Geraldo Venâncio, que respondia pela secretaria de Família e Assistência Social.

Quem assume interinamente a secretaria de Família é o atual presidente da Fundação Municipal da Infância e Juventude, Thiago Ferrugem.

Atualização às 11h - 

"Chega uma hora que a gente tem que sair" - Indagado sobre a sua decisão, Dr. José Manuel afirmou que "era a hora de sair". "Lógico que surgem especulações, mas o motivo foi cansaço, mesmo. Saio com a sensação de dever cumprido, mesmo atuando em uma área com demanda infinita, que é a Saúde. Nesta minha passagem de dois anos aprendi muito com os desafios de administrar o HFM, HGG, sete Unidades de Saúde e o Emergência em Casa. Mas chega uma hora que a gente tem que sair", explicou, ressaltando que não houve conflito político. "Já atuei nos governos de Arnaldo e Mocaiber. Nunca misturei a política com a minha atuação solidária e humanitária. Não tenho partido e atendo todas as pessoas, independente de escolha partidária", frisou.

Ferrugem agradece - Em seu perfil no Facebook, Thiago Ferrugem comentou sobre a sua nova missão no governo Rosinha. "Ontem a prefeita Rosinha Garotinho me convidou pra assumir interinamente a Secretaria de Família e Assistência Social. Peço a Deus que nos guie nessa missão, seja o tempo que for, pois sem Ele não somos nada. Obrigado Prefeita pela confiança, pode ter certeza que vou dar meu melhor por nossa Cidade", postou.

Comentar
Compartilhe
Hora da degola: Rosinha vai exonerar todos os cargos de confiança
28/05/2015 | 11h52

A Prefeitura de Campos vai iniciar amanhã (29) a primeira etapa da reforma administrativa, com a exoneração de todos os cargos comissionados (ao todo, são mais de 1.500). As mudanças devem ser publicadas no Diário Oficial de amanhã (29). Porém, engana-se quem pensa que e trata de uma degola definitiva. Aos poucos o "barco" vai receber todos os tripulantes novamente, com algumas mudanças. Serão levados em consideração alguns critérios como: força de trabalho, força política, quem indicou e comprometimento com o grupo.

Com a reforma a prefeita reduziu o número de secretarias (DAS 1) e criou 20 superintendências (DAS 2). Como muitos secretários vão para o segundo escalão, no comando das superintendências, a prefeita resolveu manter o poder de cada um, aprovando projeto que dá poder aos superintendentes. Para a bancada de oposição, vai ter muita gente “com a caneta na mão para manusear milhões”. Já a situação garante que a mudança vai dinamizar a máquina.

Nova estrutura – Entenda como ficou a nova arrumação:  Gabinete da Prefeita (Superintendências de Relações Institucionais, Planejamento, Centro Administrativo, Programas e Projetos, Assessoria Especial, Cidac, Captação de Recursos, Paz e Defesa Social, Postura e Guarda) Secretaria de Gestão de Pessoas e Contratos (Superintendência de Comunicação) Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Superintendências do Fundecam, Agricultura, Pesca e Aquicultura, Trabalho e Renda, Petróleo, Energias Alternativas e Inovação) Secretaria de Desenvolvimento Humano e Social (Superintendências de Justiça e Assistência, Procon, Idoso e Defesa Civil) Secretaria de Infraestrutura e Mobilidade (Superintendência de Iluminação Pública / ficam vinculadas ainda as superintendências do IMTT e EMHAB) Secretaria de Educação, Cultura e Esportes (Superintendências de Igualdade Racial / ficam vinculadas as superintendências da Fundação Oswaldo Lima e Fundação de Esportes) Secretaria de Desenvolvimento Ambiental (Superintendência de Limpeza Pública) Fundação Municipal de Saúde (ficam vinculados os Hospitais Ferreira Machado e HGG)

Segundo o subsecretário de Governo, Thiago Godoy, a reforma reduz os gastos da máquina administrativa e a moderniza. “Essa reforma mostra a determinação da prefeita Rosinha em enxugar os gastos mantendo a qualidade, sem deixar traumas ou criar um colapso administrativo. Essas alterações modernizam a máquina, com destaque para a mobilidade urbana e o desenvolvimento ambiental, direcionando as ações do governo com qualidade, por conta da inserção das superintendências no âmbito das secretarias, trazendo inclusive mais celeridade para a implementação das políticas públicas”, explica Thiago.

Comentar
Compartilhe
De olho em 2016, João Peixoto e Arnaldo articulam
28/05/2015 | 11h29

O deputado estadual João Peixoto (PSDC), que está em seu quinto mandato na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), quer participar ativamente da eleição de 2016. Na última sexta-feira (22) ele esteve no apartamento do ex-prefeito Arnaldo Vianna (PDT) para uma espécie de "café político". Ficou no ar a possibilidade de Peixoto ser vice em uma chapa encabeçada pelo pedetista. Vale lembrar que a ligação entre os dois é antiga, já que Peixoto foi secretário de Agricultura durante o governo Arnaldo.

SFI - Mesmo articulando em Campos, João Peixoto ainda se coloca como pré-candidato à Prefeitura de São Francisco de Itabapoana. Nos próximos meses, ao lado do seu grupo, ele vai definir como as tropas serão posicionadas em Campos e SFI.

Arnaldo já avisou: “só serei candidato se não houver pendência jurídica” - Segundo Arnaldo, dessa vez ele não vai entrar na disputa com pendências jurídicas.  “Se houver qualquer tipo de pendência, não serei candidato. Só disputo a eleição de igual para igual e isso vai ficar bem transparente para os eleitores”, avisou Arnaldo em recente entrevista.

Prefeitáveis da oposição - No grupo da oposição, além de Arnaldo e Peixoto, os prefeitáveis são: os vereadores Rafael Diniz (PPS), Marcão (PT) e Nildo Cardoso (PMDB), o ex-deputado Roberto Henriques (PSD), o médico Makhoul Moussallem, a professora Odete Rocha (PCdoB), o médico sanitarista Erik Schunk (PSOL), o ex-deputado Paulo César Martins (PDT) e o jornalista Fabrício Lírio (PRP).
Atualização às 17h30 - Encontro com Cabral - Amigo de longa data do ex-governador Sergio Cabral, João Peixoto divulgou na tarde de hoje, no Facebook, uma foto após reunião com o peemedebista. Na pauta, articulações visando as eleições de 2016. "Fomos deputados juntos e, quando Cabral foi governador, ele sempre me recebeu com muto carinho e tive a oportunidade de contribuir no desenvolvimento de vários municípios do interior. Com certeza estaremos juntos em novos desafios", disse Peixoto.
Comentar
Compartilhe
Funcionário aponta improviso e descaso no Ferreira Machado
28/05/2015 | 10h48
O médico sanitarista Erik Schunk publicou em seu blog (aqui) o desabafo de um funcionário do hospital Ferreira Machado (HFM). Ele relata falta de leitos, de medicamentos, de equipamentos, pacientes em macas sem colchão e corredor lotado. Confira:

"O que mudou no HFM após a visita do Ministério Público Federal? Nada! Ou melhor, piorou e muito! No Último fim de semana foi um caos, desesperador ! Faltava vaga de UTI, medicação (noradrenalina), monitor cardíaco e os pacientes graves não paravam de chegar! Os plantonistas desesperadamente tentavam falar com os diretores da unidade e pasmem! Ninguém atendeu! Tudo isso está registrado no livro de ocorrência, assinado e carimbado pelos médicos plantonistas! A enfermaria masculina tinha 4 pacientes graves com indicação de UTI, um inclusive entubado e acoplado ao respirador! Tudo na base do improviso sem os corretos cuidados de que necessitam em terapia intensiva!

 
Fato corriqueiro no hospital, a Sala de politrauma e agora o repouso masculino são improvisadas para receber pacientes graves!
Pacientes em macas até sem colchão!

Corredor rotineiramente lotado por pacientes à espera de vagas para internação, cirurgias principalmente ortopédicas que frequentemente não são realizadas por falta de material.

O hospital que tem perfil de atendimento de pacientes graves e politraumatizados, atende de tudo desde uma simples cefaleia até um politraumatizados grave,porém não apresenta no momento condições de absorver toda essa demanda e pacientes graves não estão recebendo os devidos cuidados culminando com o êxito letal (morte)! Se a unidade não possui condições de absorver toda essa demanda que a contrate na rede particular! São vidas humanas perdidas a esmo! A presença do Ministério Público deveria ser diária no hospital, e os verdadeiros responsáveis que são os gestores municipais responsabilizados civil e criminalmente! Os funcionários são tão vítimas quanto os pacientes e ainda tiveram redução de salários! Salvem o Hospital Ferreira Machado!  Desabafo de um funcionário!"

Comentar
Compartilhe
Câmara Federal aprova o fim da reeleição para cargos executivos
27/05/2015 | 23h47

O plenário da Câmara aprovou no fim da noite desta quarta-feira (27) o fim da releição para presidente da República, governadores e prefeitos. A medida não atinge os prefeitos eleitos em 2012 e os governadores eleitos no ano passado. Todos os partidos orientaram a favor do fim da reeleição e a emenda foi aprovada por 452 votos a favor e apenas 19 contra, a mais ampla vantagem até o momento na votação da reforma política.

A prática de deixar os vice-governadores e vice-prefeitos assumirem o cargo nos seis meses antes da eleição para que eles pudessem disputar o posto no cargo, também foi vetada. Quem ocupar o cargo nos seis meses antes do pleito estará inelegível. A emenda ainda precisa passar por votação em segundo turno para seguir para o Senado.

Mais cedo, na votação de outra parte da reforma política e com uma manobra do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a Câmara aprovou a doação de empresas para partidos nas campanhas. A emenda, de autoria do PRB, permite que as empresas doem apenas para os partidos, com a chamada doação oculta, quando os partidos centralizam o recebimento das doações, repassando-as aos candidatos, sem que se saiba que empresa financia a eleição de qual candidato. Pessoas físicas poderão doar aos partidos e aos candidatos. A emenda terá que ser votada ainda em segundo turno.

 Fonte: O Globo 

Comentar
Compartilhe
Câmara sem quórum irrita cidadão: "Uma fortuna para nada?"
27/05/2015 | 17h48
[caption id="attachment_33449" align="aligncenter" width="517"] Em vermelho os vereadores ausentes, já os verdes são os parlamentares que estavam presentes[/caption]

Pelo jeito virou moda. Mais uma vez a Câmara de Campos não vai contar com sessão na quarta-feira.

Na tarde de hoje (27), 14 vereadores não estavam presentes e, por falta de quórum, os trabalhos não foram iniciados. Irritado, um cidadão que estava presente para acompanhar a sessão saiu cuspindo maribondos: "Isso é uma vergonha. Pagamos uma fortuna para nada? Que moleza!".

Quanto custa cada vereador? – Em recente análise, publicada no Facebook, o economista Ranulfo Vidigal informou que “cada vereador em Campos custa mensalmente ao cofres públicos, portanto, pagos com os impostos do munícipes (IPTU,ISS,royalties) cerca de R$ 100 mil”.

Dinheiro na conta - No último dia 20, a Prefeitura de Campos repassou o duodécimo de maio da Câmara de Campos. Valor: R$ 3 milhões.
Atualização às 23h40 - Para o lanche teve quórum? - O blog foi informado sobre um desabafo do vereador Jorge Magal (PR), que após constatar a falta de quórum disparou: "A sala do lanche não estava vazia. Se procurar vai achar mais gente", disse Magal, que recentemente chegou a sugerir três sessões por semana.
Comentar
Compartilhe
Alerj declara guerra ao secretário estadual de Saúde
27/05/2015 | 12h10

A Assembleia Legislativa (Alerj) declarou guerra ao secretário estadual de Saúde, Felipe Peixoto (PDT). Em votação comandada por Jorge Picciani (PMDB), presidente da Casa, deputados aprovaram moção de repúdio aos atos de Peixoto. A crise respinga em Pezão, que bancou a escolha do auxiliar.

O estopim da rebelião foi o protesto de Dr. Deodalto (PTN) contra a interdição, pelo governo, da Maternidade Nossa Senhora da Glória, em Belford Roxo. Vários deputados passaram, então, a criticar o secretário.

Convocação - Átila Nunes (PSL) chamou Peixoto de “menino”, classificou sua escolha para o cargo de “ideia enlouquecida” e o acusou de se preocupar apenas com sua candidatura à Prefeitura de Niterói. Picciani disse que era preciso chamar o secretário “à responsabilidade” e pediu à Comissão de Saúde que o convocasse a comparecer à Alerj.

Pressa - Em seguida, Rogério Lisboa sugeriu a moção, colocada imediatamente em votação por Picciani — a pressa chegou a surpreender alguns parlamentares.

Fonte: Fernando Molica/O Dia 

Comentar
Compartilhe
SJB: Solidariedade também vai caminhar com Neco
27/05/2015 | 10h15

Em São João da Barra, o "rolo compressor" do prefeito José Amaro Martins de Souza, Neco (PMDB), ganhou mais um aliado. O Solidariedade (SD), partido que disputou sua primeira eleição em 2014 e fez 2,6 milhões de votos para o Congresso, elegendo 15 deputados federais, vai caminhar com o prefeito.

Presidente da legenda no município, Maicon Cruz, comentou sobre a aliança. "Estamos ao lado do prefeito Neco, que tem projetos concretos não só para o presente, como também para o futuro de São João da Barra. Por isso, resolvemos nos colocar ao lado dele", diz Maicon, ressaltando que o partido começou a dar os primeiros passos na cidade. "Agora estamos estruturando a legenda no município e vamos trazer bons nomes para disputar cadeiras na Câmara, em 2016", afirmou Maicon, que em 2012 foi candidato a vereador pelo PSB e obteve 334 votos.A

Agora, o “rolo compressor” de Neco, que tem o PMDB na “cabeça”, conta também com as sinalizações de apoio dos seguintes partidos: SD, PDT, PRB, PP, PSL, PSDC, PRTB, PSDB, PEN e PT do B.

O prefeito também articula com PSB, PTB, PSC e PTN.

E Campos? - Em Campos, o Solidariedade conta com o vereador Fred Machado, irmão da ex-prefeita de São João da Barra, Carla Machado (PT), que deve disputar a Prefeitura de São João da Barra em 2016, tendo como adversário o prefeito Neco. Com a aproximação do SD com Neco,tudo indica que o vereador deverá buscar um outro partido. "Em Campos, existe uma comissão provisória e mudanças podem ocorrer, com alguns membros migrando para o PL, que está para ser criado", diz Maicon Cruz.

Na planície, o partido vinha sendo comandado pelo empresário Rodrigo Bacellar, filho do ex-vereador Marcos Bacellar. Porém, após a eleição de 2014, por conta de um racha envolvendo o deputado estadual Pedro Fernandes e o presidente nacional do SD, Paulinho da Força, o grupo ligado a Pedro estaria se preparando para assumir uma outra legenda.

Comentar
Compartilhe
Câmara rejeita distritão, voto em lista e sistema distrital misto
26/05/2015 | 22h38
[caption id="attachment_33436" align="aligncenter" width="458"] O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, conversa com os deputados Rodrigo Maia, relator dos projetos da reforma política, e Leonardo Picciani, durante a votação do projeto - ANDRÉ COELHO / Agência O Globo[/caption]

O plenário da Câmara dos Deputados rejeitou na noite desta terça-feira o sistema conhecido como "distritão". Esse modelo acabaria com o sistema proporcional – em que as cadeiras são distribuídas de acordo com a votação dos partidos – e define que serão eleitos os deputados e vereadores mais votados, no voto majoritário, como ocorre para eleição de senadores. Eram necessários 308 votos para sua aprovação, mas a proposta recebeu apenas 210 votos sim; 267 parlamentares votaram contra e cinco se abstiveram. O distritão contava com o aval do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e do relator da reforma política, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ). A proposta foi o ponto de maior divergência no plenário da Câmara. O distritão foi o terceiro sistema a ser votado na Casa.

O PSD, de Gilberto Kassab, que de manhã anunciava o voto contra o distritão, também acabou liberando sua bancada, assim como o PROS. Encaminharam a favor do distritão, além do PMDB, o PP, o PTB, o PSC, o SD, o DEM e o PCdoB. Contra o distritão, o PT, PR, o PSB, o PRB, o PDT, o PV, o PPS e PSOL. Antes, com apenas 21 votos sim, foi derrotado no plenário o sistema eleitoral proporcional com lista pré-ordenada, no qual o eleitor vota na legenda e são eleitos os deputados de acordo com a ordem de uma lista apresentada aos eleitores pelas legendas.

Esta foi a primeira votação de mérito da reforma política nesta terça-feira. Ao todo, 402 deputados votaram contra o sistema. Dois se abstiveram. O próprio PT, que defende esse sistema, acabou encaminhando contra a proposta e apenas o PCdoB encaminhou a favor. O líder do PT, Sibá Machado (AC), justificou que a matéria não deveria ser votada como emenda constitucional, mas projeto de lei e que, por isso, o partido não apoiaria. O sistema eleitoral distrital misto - no qual o eleitor tem dois votos: um no partido e outro no candidato do distrito - também foi rejeitado por 369 votos contra 99 e duas abstenções.

Na verdade, o PT ficou contra o sistema de lista por ter consciência de que seria derrotado e por entender que se trata de estratégia do PMDB e do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de colocar em primeiro lugar a votação desse sistema eleitoral, que não tem respaldo e fortalecer a aprovação do distritão.

Segundo petistas, a prioridade do PT nesta votação é derrotar o distritão e impedir que se constitucionalize a doação de empresas para campanhas eleitorais. "As pessoas estão divididas entre aprovar uma contra-reforma, que piora o que temos hoje, e não aprovar nada. É lamentável, mas temos que evitar a aprovação de um monstrengo. O PT defende a reforma política e procurará fazer alianças para unificar os partidos contra o distritão e a doação de campanhas", disse Arlindo Chinaglia (PT-SP).

Fonte: O Globo 

Comentar
Compartilhe
Marcão mostra cartaz e cutuca rosáceos
26/05/2015 | 22h11
[caption id="attachment_33433" align="aligncenter" width="448"] Foto - Facebook/Marcão[/caption]

Durante a sessão desta terça-feira (26) da Câmara de Campos, o vereador Marcão (PT) mostrou um cartaz na tribuna da Câmara e cutucou os vereadores da base governista. Na cartolina, rosácea, as seguinte mensagens: "* Cortem o ponto da Rosinha! 'Aqui não tem ladrão'".

Segundo Marcão, o asterisco se referia a uma determinação do secretário de Educação Frederico Tavares Rangel. "Ele solicitou que as diretoras marcassem os professores grevistas com asteriscos, para cortar o ponto. Professor não é gado para ser marcado. Mas sabe quem deveria ter o ponto cortado? A prefeita, que foi eleita e não apareceu para negociar.  Ela não pode delegar a função de prefeita ao Garotinho. Sobre a frase do deputado, que afirmou não ter ladrão da Prefeitura, é bom lembrar que ninguém disse que tem, mas se a carapuça está servindo, tudo bem. Também seria bom que ele desse explicações sobre os R$ 110 milhões que desapareceram, segundo auditoria solicitada pela própria prefeita", disparou Marcão.

Governistas protestam - O cartão não foi aceito de forma passiva pelos aliados da prefeita. "Pode trazer cartaz ao plenário? Então agora eu já sei. Quando for falar sobre a presidente da República, que é do partido do vereador Marcão, vou trazer um cartaz, também. Mas ela corta tantos direitos dos trabalhadores que não cabe tudo em um cartaz. Na verdade, o protesto não cabe em uma faixa", disse.

Segundo o vereador Altamir Bárbara (PSB), foi aberto um precedente. "Agora qualquer vereador pode trazer cartazes. Tem que falar sobre o PT, que roubou o nosso país", protestou Altamir.

Clarissa pode? - O vereador Fred Machado (SD) lembrou que a deputada Clarissa já utilizou cartazes no plenário. "A deputada Clarissa já mostrou cartaz e já usou máscara. E a conduta dela, vocês aprovam?", indagou Fred.

Mais informações sobre a sessão na edição de amanhã (27) da Folha.

Comentar
Compartilhe
Comissão do Senado aprova projeto que socorre estados e municípios produtores de petróleo
26/05/2015 | 19h58
[caption id="attachment_33428" align="aligncenter" width="461"] Senadores Marcelo Crivella e Rose de Freitas defenderam a aprovação da proposta na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado[/caption]

A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado aprovou nesta quarta-feira (26), o Projeto de Resolução n° 15/2015, de autoria do senador Marcelo Crivella  (PRB-RJ) e da senadora Rose de Freitas (PMDB-ES), que autoriza estados e municípios que tiveram perda de arrecadação com a exploração de petróleo, gás natural, recursos minerais e recursos hídricos (para geração de energia elétrica) tomarem empréstimos como antecipação de receitas sem se sujeitarem aos limites de endividamento previstos na Resolução 43/2011, do Senado. O projeto foi sugerido pelo secretário de Governo da Prefeitura de Campos, Anthony Garotinho (PR), que aponta a antecipação de receitas como a "salvação" dos municípios produtores.

Desde o ano passado, os estados e municípios produtores de petróleo tiveram uma drástica redução de receitas. O barril do petróleo caiu de US$ 115, em agosto de 2014, para US$ 45, em dezembro do mesmo ano. Em janeiro de 2015, continuou sendo comercializado por menos de US$ 50, e prevê-se que neste ano o valor médio fique em torno de US$ 60.

Na justificativa do projeto, os autores argumentaram que, em fevereiro de 2015, a estimativa de perda média dos recursos dos municípios do Rio de Janeiro era de 37,24% em relação ao mesmo mês do ano anterior. A proposta visa dar tratamento excepcional e transitório à situação. “É um alívio grande para o Rio de Janeiro que também está com problemas na arrecadação do fundo de participação dos estados e municípios. As demandas só aumentam na área de saúde e segurança e ano que vem temos os Jogos Olímpicos. Há uma questão importante no atendimento da recomposição das receitas, da participação especial e dos royalties” disse Crivella.

O texto aprovado estabelece que as dívidas contratadas em 2015 e 2016 terão que ser obrigatoriamente pagas até o fim de 2016, no caso dos municípios, e até o fim de 2018, no caso dos estados.

A proposta segue agora para votação no Plenário do Senado.

Fonte: Ascom/PRB

Salvador da Pátria? - Durante a sessão desta terça-feira (26) da Câmara de Campos o vereador Thiago Virgílio (PTC) apresentou um requerimento para conceder moção de aplausos ao secretário de Governo, Anthony Garotinho, por sugerir o projeto ao senador Marcelo Crivella. Porém, a oposição votou contra a protestou. "Querem colocar o secretário de Governo como salvador da pátria? Ele não é salvador coisa alguma. É o causador do caos. Ele gerou isso tudo, ele não explicou como a Prefeitura acabou com R$ 2,7 bilhões em 2014, e agora quer aparecer como salvador. O governo deles não investiu em Ciência em Tecnologia, não valorizou a Agricultura, nem o Trabalho e Renda. A cidade continua dependente dos royalties e vai em busca de uma nova antecipação de receitas", disparou o vereador Rafael Diniz (PPS).

Já na visão de Thiago, Garotinho "salvou até o governador Pezão".

Comentar
Compartilhe
PSDB une-se ao PT para barrar distritão
26/05/2015 | 19h48

Assim como aconteceu com a votação de alguns destaques do projeto de lei sobre a terceirização, o PT e o PSDB pretendem se unir contra a proposta de acabar com o sistema proporcional de votação para que seja instituído o chamado “distritão”. A proposta está incluída no projeto de reforma política que começou a ser analisado nesta terça-feira (26) pela Câmara.

Além de tucanos e petistas, outros partidos como o PSD, Psol, PCdoB, PSB, PPS e PDT já se manifestaram contrários ao chamado “distritão”. Ao todo, estas bancadas juntas somam 218 dos 513 votos da Câmara dos Deputados. Para ser aprovado pela Câmara por meio de Proposta de Emenda Constitucional (PEC), a regra que institui o “distritão” precisa de pelo menos 308 votos favoráveis.

A substituição do sistema proporcional pelo majoritário na eleição de deputados e vereadores, o chamado “distritão”, está sendo articulado pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) em parceria com outras legendas como o DEM e o Solidariedade.

Levantamento feito pelo International Institute of Democracy (Idea) mostra que apenas quatro países, de uma lista com 200 nações, adotam o novo modelo para a eleição de deputados e vereadores defendido pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). O chamado distritão, que consiste na eleição dos deputados mais votados em cada estado, é aplicado apenas no Afeganistão, na Jordânia e em duas ilhas do Pacífico: Vanuatu e Pitcairn, esta com apenas 50 habitantes.

Outras entidades criticaram o chamado “distritão”. O presidente da OAB, Marcos Vinícius Coelho, classificou a proposta como um retrocesso. Já o idealizador da Lei da Ficha Limpa e coordenador do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), o juiz Márlon Reis classificou a proposta como a promoção de uma “oligarquização sem precedentes na política”. “Ninguém havia ousado propor algo tão nocivo para a democracia brasileira”, acrescenta.

Fonte: Congresso em Foco 

Comentar
Compartilhe
Neco comemora posição de SJB no ranking da Transparência
26/05/2015 | 18h37

São João da Barra é o terceiro município da região Norte Fluminense mais bem colocado no que tange os Portais da Transparência. A informação foi divulgada pelo Ministério Público Federal (MPF), que realiza amanhã (27), às 14h, o evento oficial para divulgação dos dados referentes ao ranking. A cerimônia será no auditório da Procuradoria da República no Rio de Janeiro. Em relação aos 92 municípios, São João da Barra ocupa o 28º com a nota 4.

A boa colocação do município confirma a seriedade da gestão do prefeito José Amaro Martins de Souza, Neco, na questão da transparência das ações governamentais. “O poder público precisa ser transparente e dialogar com a sociedade. O Portal da Transparência confirma essa tendência. A adesão do município ao Programa Brasil Transparente, realizado pela Controladoria Geral da União (CGU) foi uma das primeiras ações realizadas por mim, em 2013.” ressaltou.

Vale lembrar que neste mesmo período, São João da Barra sediou oficinas do Programa Fortalecimento da Gestão Pública da Controladoria Geral da União que proporciona a melhoria e a eficácia dos processos de gestão e controle das prefeituras.

Segundo o secretário de Fazenda, Édson Claudio, em breve novas ferramentas serão implementadas no site da prefeitura para aumentar a transparência das ações do governo. “O foco da administração é dar maior publicidade nas ações e execuções orçamentárias e financeiras”, disse.

Fonte: Secom/SJB

Comentar
Compartilhe
FRC divulga programação da 56ª Exposição Agropecuária
26/05/2015 | 13h23

[caption id="attachment_33407" align="aligncenter" width="491"] Presidente da Fundação Rural de Campos, Lívia Siqueira, destacou o resgate das tradições         Foto: Felipe Oliveira[/caption]

Já foi dada a largada para a 56ª Exposição Agropecuária e Industrial do Norte Fluminense, promovida pela Fundação Rural de Campos (FRC). O evento acontece entre os dias 9 e 12 de julho no Parque de Exposições da FRC, e a expectativa é que 100 mil pessoas prestigiem esta tradicional festa da cidade. Serão quatro dias de provas hípicas, leilão de animais, shows, estandes de produtos e serviços, atrações para as crianças, apresentação de aeromodelismo e muito mais.

Em volume de negócios, os números também são impressionantes: seguindo os resultados do ano passado, os organizadores do evento esperam R$ 5 milhões em transações, somente nos negócios realizados diretamente na Exposição. Mas o restante da cidade também agradece: hotéis, restaurantes, comércio e serviços em geral também são positivamente impactados com a realização de um evento deste porte. "Continuamos buscando o resgate da tradição rural da Exposição. Campos é historicamente forte no âmbito do agronegócio, e a feira ajuda a promover a integração dos setores rurais: criadores, produtores, indústrias de insumos e maquinários, além de prestadores de serviços, gente de toda a região", afirma a presidente da Fundação Rural, Lívia Siqueira. E ressalta o caráter de interesse universal do evento: "Promovemos os tradicionais shows, o que é um grande pedido do público. Nosso foco continua sendo a família, e teremos muitas novidades para a criançada este ano. Esperamos que todas as pessoas da cidade venham prestigiar esta festa que é feita com muita empenho pela Fundação Rural de Campos".

Uma das novidades é a volta do concurso Garota e Garoto Country 2015, organizado pela Oba Produções, com produção de Nelcimar Pires. Tendo deixado de acontecer nos últimos anos, a premiação volta com força total, trazendo uma pegada jovem para o Parque de Exposição. As inscrições já estão abertas para moças e moços entre 15 e 22 anos, no Ateliê de Nelcimar.

O Pavilhão Comercial e Industrial irá reunir uma grande diversidade de expositores, com um mix de serviços e produtos. São setores como Beleza e Saúde, Festas, Construtoras e Imobiliárias, Games, entre outros. Apresentações de pets e feira de adoção de animais são algumas das novidades muito bem vindas este ano no espaço. E a boa notícia é que 30% dos estandes colocados à disposição pela empresa organizadora do pavilhão (Oba Produções) já foram vendidos.

Outro grande destaque é a Expo Kids, uma área para toda a família de 8 mil metros quadrados. Além da presença da Relíquia (a menor pônei do Brasil) e da Princesinha (a menor vaca certificada do Brasil), a área de uma mini-fazenda apresenta coelhos, cabras, porcos, burros, lhamas e outros animais, e promete encantar crianças de todas as idades. Todos os dias, apresentações temáticas com os maiores sucessos dos pequenos, como musicais inspirados nos sucessos Peppa Pig, Frozen e Turma do Mickey, além de apresentações do Mágico Sam.

Shows - A programação de shows, que sempre gera grande expectativa do público, está variada e de altíssimo nível: Imagina Samba e Turma do Pagode na sexta, Titãs no sábado e a dupla Marcos & Belutti no domingo.

Como em outros anos, a 56ª Exposição Agropecuária e Industrial conta com o apoio logístico da Prefeitura Municipal de Campos dos Goytacazes.

Valores dos Ingressos:

Quinta-feira: Gratuito até 18h // R$ 5 (meia) e R$ 10 (inteira) depois das 18h
Sexta-feira: Gratuito até 18h // R$ 20 (meia) e R$ 40 (inteira) depois das 18h
Sábado: R$ 10 (meia) e R$ 20 (inteira) até 15h // R$ 20 (meia) e R$ 40 inteira depois
Domingo: R$ 10 (meia) e R$ 20 (inteira) até 12h // R$ 20 (meia) e R$ 40 inteira depois
*** Crianças de até 6 anos não pagam entrada.

Dia 08/07 (quarta-feira) - ATIVIDADE INTERNA
8h – Entrada de Animais no Parque

20h – Abertura Oficial da ExpoAgro

Dia 09/07 (quinta-feira)

8h – Abertura dos estandes, com ingressos gratuitos até às 18h e após este horário, R$ 5 meia e R$ 10 inteira

20h – Na Expo Kids: apresentação do musical baseado em Peppa Pig

20h – Concurso Garota e Garoto Country 2015

Dia 10/07 (sexta-feira)

8h – Início do julgamento da Raça Mangalarga Marchador

8h – Abertura dos portões e estandes com ingressos gratuitos até às 18h e após este horário, R$ 20 meia e R$ 40 inteira

10h – Apresentação Agility

18h – Encerramento do Julgamento da Raça Mangalarga Marchador

19h – Apresentação pet

20h – Na Expo Kids: apresentação do musical baseado em Frozen

20h – Leilão da raça Brahaman - Pavilhão de Leilões

0h30 – Show de Pagode com Imagina Samba e Turma do Pagode

Dia 11/07 (sábado)

8h – Abertura dos portões e estandes, com ingressos R$ 10 meia e R$ 20 inteira até às 15h e após R$ 20 meia e R$ 40 inteira

8h – Continuação do Julgamento da Raça Mangalarga Marchador

10h – Apresentação Agility

10h – Prova de Laço – Pista de Areia

11h – Na Expo Kids: Turma do Mickey

14h – Leilão da Raça Tabapuã – Pavilhão de Leilões

15h – Na Expo Kids: musical baseado na Peppa Pig

18h – Encerramento do Julgamento da Raça Mangalarga Marchador

18h – Na Expo Kids: Mágico Sam

20h – Na Expo Kids: musical baseado em Frozen

23h – Show com a Banda Titãs

Dia 12/07 (domingo)

9h – Abertura dos portões e estandes, com ingressos a R$ 10 meia e R$ 20 inteira até às 12h; após, R$ 20 meia e R$ 40 inteira

9h – Final do julgamento da Raça Mangalarga Marchador

10h – Prova de Laço – Pista de Areia

11h – Na Expo Kids: Turma do Mickey

12h – Premiação dos Grandes Campeãos da Raça Mangalarga Marchador

13h – Apresentação de Aeromodelismo

14h – Leilão de Gado de Corte

15h – Apresentação Pet

15h – Na Expo Kids: musical baseado em Peppa Pig

17h – Na Expo Kids: Mágico Sam

19h – Na Expo Kids: musical baseado em Frozen

21h – Show com a dupla Marcos & Belutti

Fonte: Ascom/FRC

Comentar
Compartilhe
Transparência: Campos fica com nota 0,9 e amarga 72º lugar no estado
26/05/2015 | 09h31

O Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro divulgou o ranking estadual de transparência, com a avaliação dos portais e ferramentas de comunicação usadas pelo órgãos do governo do Estado do Rio de Janeiro e das 92 prefeituras. A análise é feita com base na Lei de Acesso à Informação (Lei 12.527/11), na Lei da Transparência (Lei Complementar nº 131/2009)  e no Decreto 7.185/10, que determinam a forma como deve ser a transparência administrativa do setor público.

Com nota 0,9, o município de Campos aparace em 72º lugar, atrás da maioria dos municípios do Norte e Noroeste, como Bom Jesus do Itabapoana (6º), Santo Antônio de Pádua (8º), Itaperuna (13º), São Fidélis (25º), São João da Barra (28º) e Macaé (52º). Atrás de Campos estão cidades como Cardoso Moreira (77º) e Cambuci (81º).

Confira o ranking da Transparência entre os 92 municípios do estado do Rio de Janeiro: Posição / Município / Nota 1. Niterói-RJ – 7,6 2. Queimados-RJ – 7,6 3. São Gonçalo-RJ – 6,7 4. Estado-RJ* – 6,6 5. Rio de Janeiro-RJ – 6,5 6. Bom Jesus do Itabapoana-RJ – 6,3 7. Volta Redonda-RJ – 6,3 8. Santo Antônio de Pádua-RJ – 6,1 9. São Pedro da Aldeia-RJ – 5,6 10. Valença-RJ – 5,4 11. Mangaratiba-RJ – 5,3 12. Rio Claro-RJ – 5,2 13. Itaperuna-RJ – 5,2 14. Mesquita-RJ – 5,1 15. Barra do Piraí-RJ – 4,9 16. Paraty-RJ – 4,8 17. Petrópolis-RJ – 4,8 18. Nova Iguaçu-RJ – 4,8 19. Casimiro de Abreu-RJ – 4,5 20. Silva Jardim-RJ – 4,5 21. Cabo Frio-RJ – 4,4 22. Pinheiral-RJ – 4,4 23. São José de Ubá-RJ – 4,4 24. Teresópolis-RJ – 4,4 25. São Fidélis-RJ – 4,2 26. Carapebus-RJ – 4,1 27. Nova Friburgo-RJ – 4,1 28. São João da Barra-RJ - 4 29. Cordeiro-RJ - 4 30. Paty do Alferes-RJ – 3,9 31. Miracema-RJ – 3,9 32. Iguaba Grande-RJ – 3,9 33. Quatis-RJ – 3,8 34. Japeri-RJ – 3,7 35. Resende-RJ – 3,7 36. Italva-RJ – 3,7 37. Rio das Ostras-RJ – 3,7 38. Itaguaí-RJ – 3,6 39. Cantagalo-RJ – 3,3 40. Paracambi-RJ – 3,2 41. Macuco-RJ – 3,1 42. Guapimirim-RJ – 3,1 43. Piraí-RJ – 2,8 44. Angra dos Reis-RJ – 2,6 45. Conceição de Macabu-RJ – 2,6 46. Cachoeiras de Macacu-RJ – 2,5 47. Sumidouro-RJ – 2,4 48. Mendes-RJ – 2,3 49. Vassouras-RJ – 2,2 50. Comendador Levy Gasparian-RJ – 2,1 51. Santa Maria Madalena-RJ – 2,1 52. Duque de Caxias-RJ – 2,1 53. Araruama-RJ – 1,9 54. Miguel Pereira-RJ – 1,7 55. São Francisco de Itabapoana-RJ – 1,7 56. Nilópolis-RJ – 1,7 57. Macaé-RJ – 1,6 58. Paraíba do Sul-RJ – 1,6 59. Arraial do Cabo-RJ – 1,6 60. São João de Meriti-RJ – 1,6 61. Itatiaia-RJ – 1,5 62. Trajano de Moraes-RJ – 1,3 63. Belford Roxo-RJ – 1,2 64. Armação dos Búzios-RJ – 1,2 65. Porciúncula-RJ – 1,2 66. Natividade-RJ – 1,1 67. Itaocara-RJ – 1,1 68. Magé-RJ - 1 69. Quissamã-RJ - 1 70. Saquarema-RJ – 0,9 71. Varre-Sai-RJ – 0,9 72. Campos dos Goytacazes-RJ – 0,9 73. Porto Real-RJ – 0,8 74. Três Rios-RJ – 0,7 75. Duas Barras-RJ – 0,7 76. Rio Bonito-RJ – 0,6 77. Cardoso Moreira-RJ – 0,5 78. Carmo-RJ – 0,5 79. Barra Mansa-RJ – 0,4 80. São José do Vale do Rio Preto-RJ – 0,4 81. Cambuci-RJ – 0,4 82. Areal-RJ – 0,4 83. Sapucaia-RJ – 0,4 84. Bom Jardim-RJ – 0,4 85. Seropédica-RJ – 0,2 86. Rio das Flores-RJ – 0,2 87. Laje do Muriaé-RJ – 0,2 88. Maricá-RJ – 0,2 89. Engenheiro Paulo de Frontin-RJ – 0,2 90. Itaboraí-RJ – 0,2 91. Aperibé-RJ - zero 92. São Sebastião do Alto-RJ - zero 93. Tanguá-RJ - zero
O formulário de avaliação dos portais da transparência foi elaborado no bojo da Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (ENCCLA). Em 2015, uma das ações da Estratégia tem como objetivo "Estabelecer estratégia articulada de fomento, monitoramento e cobrança do cumprimento da Lei nº 12.527/2011, em relação à transparência ativa e passiva" (ação nº 4). O MPF é um dos 60 órgãos e entidades que fazem parte da ENCCLA, que conta com representantes da CGU, TCU, Polícia Federal, entre outros.

Para o procurador da República Eduardo El Hage "a divulgação do ranking e a atuação coordenada de todas as 13 Procuradorias da República nos Municípios do Estado do Rio de Janeiro na apresentação de recomendações ao Estado e Municípios será um marco para que tiremos do papel o direito do cidadão à informação das receitas e despesas do seu município".

Atualização às 14h24 - Em São João da Barra o prefeito Neco (PMDB) comemorou a posição do município, que está entre os três primeiros da região Norte Fluminense. Um dos primeiros atos do prefeito foi assinar o termo de adesão do município ao Programa Brasil Transparente, realizado pela Controladoria Geral da União (CGU), em abril de 2013. Com isso, o município passou a atender os dispositivos da lei 10.527, a Lei de Acesso à Informação. “O Portal da Transparência é um instrumento novo, de controle social. Esta posição no ranking mostra que estamos no caminho certo e vamos continuar trabalhando de forma clara e séria para aumentarmos o nosso posicionamento neste ranking”, disse Neco ao site Quotidiano.

Fontes: MPF e G1
Comentar
Compartilhe
Odontologia: Prefeitura identifica necessidade de reforma
25/05/2015 | 23h17

Na última semana o blog publicou nota sobre a estrutura precária, falta de planejamento e, em muitos casos, de itens básicos no setor de Odontologia da Prefeitura (aqui).

Hoje (25), matéria publicada no site da Prefeitura (aqui) informa que a Gerência de Odontologia da Secretaria Municipal de Saúde conta com cerca de 100 consultórios ambulatoriais e outros 14 consultórios 24 horas. "Dezenas deles já foram recuperados nos últimos meses. A necessidade de reforma das demais unidades foi identificada pela Secretaria e está sendo feita dentro do cronograma pré-estabelecido, de modo que não gere interrupção do atendimento e prejuízos aos pacientes".

De acordo com o vice-prefeito e secretário de Saúde, Doutor Chicão, o processo licitatório para a aquisição de novos equipamentos está em fase final de tramitação. “O processo inclui consultórios portáteis para utilização da Estratégia Saúde da Família (ESF). Além disso, estamos definindo local para instalação do Centro de Especialidades Odontológicas (CEO)”, disse.
[caption id="attachment_33393" align="aligncenter" width="386"] Imagem publicada em 2013[/caption]
Descaso não é de hoje - É bom lembrar que a estrutura precária não foi alertada em 2015. Bem antes disso, em 2013, a Folha publicou matéria (aqui) e mostrou o estado lamentável de alguns consultórios. Na época, o vereador Fred Machado (SD) disparou: "O setor de odontologia está entregue as baratas. Tentamos aprovar na Câmara uma audiência pública para ouvir os profissionais e buscar soluções. Porém, o meu requerimento foi reprovado pela bancada governista", disse Fred na ocasião. E olha que naquela época o governo Rosinha tinha dinheiro de sobra para gastar quase meio milhão só com dois shows: Thiaguinho e Luan Santana.
Comentar
Compartilhe
Mudanças
25/05/2015 | 15h42

Na próxima segunda-feira (01) a Prefeitura de Campos vai passar a contar com o seu novo organograma. Como o blog já detalhou (aqui), a prefeita Rosinha Garotinho (PR) enxugou as secretarias e crisou 20 superintendências para abrigar ex-secretários.  Mesmo após os cortes, a máquina ainda conta com mais de 1.500  cargos comissionados e funções gratificadas. De acordo com os rosáceos, a reforma administrativa vai gerar uma economia anual de R$ 14 milhões (menos de 1% do Orçamento).

Com a nomeação dos super secretários, na próxima semana, será possível descobrir quais são as peças valorizadas no grupo rosáceo. Nas pastas mais importantes, poucas mudanças devem ocorrer. O atual secretário de Obras, Edílson Peixoto, deve comendar a secretaria de Infraestrutura e Mobilidade Urbana, assim como o Dr, Chicão deve permanecer à frente da Saúde. O atual secretário de Educação, mesmo abalado após as manifestações, deve ser mantido. Suledil fica com a secretaria de Controle Orçamentário e Auditoria e Fábio Ribeiro no comando da secretaria de Gestão de Pessoas e Contratos. A importante secretaria de Desenvolvimento Humano em Social deverá ficar com Geraldo Venâncio e a de Governo com Garotinho.

São João da Barra - Mesmo sem falar em reforma administrativa, o prefeito de São João da Barra, José Amaro Martins de Souza, Neco (PMDB), também estaria cogitando algumas mudanças. Diante da crise, o prefeito deverá apostar em nomes que saibam buscar alternativas. No Turismo, por exemplo, a ideia é trocar os altos gastos com shows por parcerias e projetos, aproveitando o bom trânsito de alguns aliados com o governo federal.

Comentar
Compartilhe
Ilsan: "Esse grupo político nunca soube dialogar"
25/05/2015 | 15h25

A ex-vereador Ilsan Vianna, vice-presidente do PDT de Campos, também comentou no Facebook sobre a luta dos educadores de Campos. Segundo Ilsan, "com um orçamento quatro vezes menor, o governo Arnaldo Vianna nunca deixou de valorizar os professores". Para a ex-vereadora, o grupo rosáceo nunca soube dialogar com a categoria. Confira:

"Não posso deixar de comentar sobre a luta dos servidores de Campos que nos últimos anos foram abandonados pelo governo municipal. No caso específico dos professores , a manifestação de ontem reflete a insatisfação diante de um grupo político que nunca soube valorizar e dialogar com a categoria e esconde o drama vivido por alunos e professores em escolas sucateadas . Uma realidade bem diferente da deixada pelo governo Arnaldo Vianna , que tive a oportunidade de contribuir. Com um orçamento quatro vezes menor do que o atual posso lembrar o nosso governo construiu 25 escolas , iniciou um processo de informatização e sempre manteve um diálogo aberto com os professores. Para os servidores de uma forma geral , criamos o calendário anual de pagamento , algo que não existia , nunca deixamos de conceder reajustes e firmamos convênio com a Fundação Getúlio Vargas , estimulando capacitação dos profissionais . Os servidores são o grande patrimônio do governo municipal. Parabenizo os educadores e tenho certeza e fé de que a esperança vai vencer a arrogância".

Mais opiniões: aqui, aqui e aqui 

Comentar
Compartilhe
Armou a barraca
25/05/2015 | 11h58

O vereador Dayvison Miranda (PRB), que já não era bem visto pelos rosáceos, agora é tratado como oposicionista.

A gota d'água foi a presença dele na manifestação dos educadores, na última sexta-feira (22). Na manhã desta segunda-feira (24), no corredor da Prefeitura, um rosáceo resmungou. "Se não bastasse estar ao lado do movimento, ele ainda ajudou a armar a barraca das professores que desejavam acampar no pátio da Prefeitura. Quem precisa de um aliado assim? Pode ir para a oposição", disparou.

De olho em 2016 - Na última semana, o presidente PRB em Campos, Carlos Henrique Costa de Souza, esteve com o diretório estadual do partido e articulou sobre a eleição de 2016. A ideia é ter uma candidatura própria à Prefeitura de Campos. No momento, o nome mais cotado é o do vereador Alexandre Tadeu.

Comentar
Compartilhe
Leonardo Picciani: "Câmara aprovará o distritão ou vai manter o sistema atual"
24/05/2015 | 23h43

O plenário da Câmara apreciará esta semana as propostas relacionadas à reforma política. Um dos temas mais polêmicos é o sistema eleitoral. O líder do PMDB, deputado Leonardo Picciani, diz: "A Câmara aprovará o distritão ou vai manter o sistema atual". O distritão é o modelo em que só os candidatos a deputado mais votados são eleitos, sem se considerar os votos nas legendas. Isso acabaria automaticamente com as coligações proporcionais.

Leonardo Picciani explica que o principal concorrente do distritão é o distrital misto, sistema defendido pelo PT e pelo PSDB. O líder afirma que o distrital misto tem muita rejeição entre os parlamentares, porque metade das cadeiras de deputados seria ocupada pelos candidatos mais votados em cada distrito e a outra metade seria ocupada pelas listas partidárias. "A ideia de o eleitor votar numa lista fechada, com candidatos pré-ordenados pelos partidos, não agrada. Pelo o que vejo, a maioria do plenário quer que o eleitor vote diretamente no seu candidato preferido, e não numa lista de nomes escolhidos pelo partido".

O distritão é o sistema eleitoral defendido pelo vice-presidente da República, Michel Temer, que também é presidente do PMDB e articulador do Planalto. O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, é outro entusiasta do distritão. Leonardo Picciani e Eduardo Cunha são aliados de primeira hora.

Fonte: Época 

Comentar
Compartilhe
Garotinho: "Aqui não tem ladrão, não tem roubo"
24/05/2015 | 10h38
[caption id="attachment_33360" align="aligncenter" width="447"] Foto: Ururau[/caption]

Durante o programa "Entrevista Coletiva", na manhã de ontem (23), o secretário de Governo Anthony Garotinho (PR) listou os gastos da Prefeitura de Campos com a coleta de lixo, jardins e repasse aos hospitais conveniados. "Só para os hospitais, são R$ 12 milhões por mês, mais R$ 6 milhões para a coleta de lixo, mais R$ 1 milhão para a Emec cuidar das praças e jardins. Quando perguntam onde está o dinheiro, temos que esclarecer muito bem. Aqui não tem ladrão, não tem roubo. Não estamos no meio da Lava Jato, nem do Petrolão. A Prefeitura destina 40% do seu orçamento para a Saúde", disse Garotinho.

Vai cortar a verba dos hospitais conveniados? - Se antes da crise o clima com os hospitais conveniados era de amizade, agora parece que a ideia é mudar os rumos da relação. Segundo Garotinho, é inaceitável a conduta de alguns hospitais conveniados. Inclusive, o secretário cogitou cortar o repasse da Prefeitura e deixar que hospital "caminhe com as suas próprias pernas". "Muitas pessoas humildes buscam atendimento nesses hospitais, como Plantadores, Beneficência, Álvaro Alvim, e não conseguem. Como pode? A Prefeitura repassa R$ 12 milhões por mês. Desse jeito o melhor caminho vai ser cortar a verba e deixar que cada um se vire. Vamos utilizar esse dinheiro para melhorar as nossas unidades e oferecer a estrutura necessária", disse o deputado, que chegou a fazer insinuações. "Se não gastam o dinheiro para atender as pessoas, fazem o que? A Beneficência, por exemplo, está construindo um anexo todo espelhado, com heliponto e tudo. E ainda tem a tal da consulta social, que não tem cabimento", disse Garotinho.

Ao lado do subsecretário de Saúde, o ex-vereador Dante, Garotinho sugeriu uma maneira de pagar os médicos sem que os recursos passem  pelos hospitais. "Podemos fazer isso diretamente com os médicos, sem deixar a verna com os hospitais. Já está autorizado pela prefeita Rosinha", afirmou.

Comentar
Compartilhe
Veja: Dirceu estaria disposto a denunciar Lula
24/05/2015 | 10h35

Como forma de amenizar eventuais implicações no escândalo da Operação Lava Jato, o ex-ministro chefe da Casa Civil José Dirceu estaria disposto a denunciar a participação do ex-presidente Lula tanto no mensalão, quanto na Lava Jato. A informação é da revista Veja desta semana.

Segundo a revista, Dirceu “jamais se voltou contra o antigo chefe, que lhe prometeu ajuda — e recursos — para desmontar a ‘farsa do mensalão’. Deu em nada”. “Investigado no escândalo do petrolão, o ex-ministro agora emite sinais de que pode contar o que sabe sobre os dois esquemas de corrupção usados pelo governo para comprar o apoio de partidos aliados. Seus amigos garantem que, se cumprir a promessa, o magoado e abandonado Dirceu vai fritar o antigo chefe”, ressalta a revista.

A amigos, conforme a Veja, Dirceu sempre protestou contra a condenação superior à sete anos no julgamento do mensalão. E a pessoas próximas ele tem culpado o ex-presidente Lula pela sua perda de expressão política após o mensalão.

A publicação também afirma que Lula somente não foi implicado no escândalo do mensalão porque o operador do esquema, o publicitário Marcos Valério, pediu propina ao PT para não comprometer o ex-presidente no caso. O pedido de propina ocorreu durante uma conversa entre ele e o senador Delcídio do Amaral (PT-MS), na época presidente da CPI dos Correios, que investigava o caso. Amaral negou qualquer conversa neste sentido.

Confira a reportagem completa

Comentar
Compartilhe
Para Avelino, professores são manipulados e querem "desgastar o governo"
23/05/2015 | 14h09

Em mensagem enviada ao blog, o jornalista Avelino Ferreira, que atualmente é assessor na Câmara de Campos, também comentou sobre a manifestação dos professores. Confira:

"Caro Bastos,

Se numa empresa 47% dos empregados faltarem ao trabalho, por certo, irá À falência. Não um dia, uma semana, mas quase que permanentemente. Sou professor e sei das benesses que a categoria tem. Os salários são baixos, realmente, levando-se em conta que um jornalista, por exemplo, ganha R$ 5 mil mensais e um professor em sala de aula ganha apenas R$ 3.300 pelo mesmo tempo de serviço. Cada professor pode faltar três dias por mês sem problema. Quanto às condições de trabalho, realmente, os professores não gozam dos benefícios que têm, por exemplo, os jornalistas. Recebem comida, lanches e almoço, como os jornalistas recebem, mas falta um carro, por exemplo, para buscá-los e levá-los em casa. Quando estamos insatisfeitos, como é o caso do Santos, cuja mulher é professora municipal, pedimos demissão e, claro, buscamos um emprego melhor. Talvez, nesse caso, uma escola particular, que deve pagar muito mais que o salário que a Prefeitura paga. E deve oferecer um almoço melhor, um lanche bem diversificado. Parece sarcasmo, mas não é. Ao contrário, defendo os professores desde a primeira grande greve da categoria, em 1978/1979, quando grande parte recebia um salário mínimo e, às vezes, menos. Todavia, quando insatisfeito, deixei meus empregos. Para aqueles que porventura digam que digo isso porque faço parte do grupo político liderado por Garotinho, que fique claro que sempre estive com Garotinho e nunca ocupei cargos públicos até 2008, quando fui nomeado por Roberto Henriques e fiquei 43 dias e, depois, em 2009, quando fui nomeado por Rosinha e, em 2013, por Edson Batista, na Câmara. Ou seja, não é por ocupar algum cargo público que estou com Garotinho, pois ele foi deputado, prefeito, mais uma vez prefeito, governador, secretário de Estado e nunca fiz parte de suas equipes de governo. Para mim, a questão é simples: estou insatisfeito, peço demissão. Meu salário de professor é de menos de R$ 1.200. Continuo lecionando porque quero, pois não sou obrigado. Ou por incompetência para conseguir um emprego melhor, caso esteja insatisfeito, o que não é o caso até o momento. Ou o que desejam os professores municipais, em verdade, não é nada mais que desgastar o governo, mesmo que para isso deixem se manipular por um pequeno grupo de provocadores frustrados por nunca conseguirem de seus colegas do Estado o crédito (nunca tiveram) para uma greve".

Comentar
Compartilhe
Gustavo Matheus: "É o professor, e não uma massa de manobra besta"
23/05/2015 | 14h02
Em postagem no Facebook, o presidente do PV de Campos, Gustavo Matheus, também comentou sobre a manifestação de ontem (22). Confira:

Comentar
Compartilhe
Professora desabafa: "Retroceder, jamais"
23/05/2015 | 13h58

Em mensagem enviada ao blog, após a manifestação de ontem (22), a professora Luciana Soares Marques destacou a importância da luta por uma Educação digna, justa e igualitária. Em um recado direto as companheiras que pretendem recuar, ela afirma: "retroceder, jamais". Confira:

"Não vou medir palavras. Quem costumava ler minhas incansáveis denúncias, sabe o que um professor passa para conseguir seus objetivos. Concordo com Santos, meu marido também é tão parceiro quanto você. Ele é um Amigo da Escola(corta grama, troca lâmpada,resistência de chuveiro… enfim é parceiro também). Mas o que me faz retornar aqui é a tristeza ao observar que muitas educadoras depois de conseguirem seus objetivos pessoais, esquecem que somos uma CLASSE DE PROFESSORES e que mesmo que faço parte de uma escola estruturada(pouquíssimas no âmbito de 239 escolas, não totalizam nem 15%), devem ter o DEVER de participar pois na hora de receber os DIREITOS, há de se entender que TODOS serão contemplados. Desde criança que escutava a minha mãe dizer que os governantes nunca veem a educação como prioridade, isso é notório. Contudo, pude observar quantas orientandas do PNAIC estavam lá na praça,sem contar algumas orientadoras também, isso reflete o quanto estamos batalhando na escola, capacitando-nos, LUTANDO na rua com a conscientização da população, isto prova e demonstra o quanto somos capazes e o quanto devemos cada vez mais, esmerarmos para e pelo melhor para nossos educandos. Lá na praça não estavam subservientes, DAS ou cargos “transeuntes”, estavam sim BRAVAS GUERREIRAS, que continuarão a lutar dia após dia em prol de uma EDUCAÇÃO DIGNA, JUSTA E IGUALITÁRIA PARA TODOS OS ALUNOS. E eu conclamo aos que leem agora e que se acovardaram, ou melhor, se omitiram, que coloquem as MÃOS NA CONSCIÊNCIA, as mesmas que você utiliza para clamar ao criador nas horas de desespero, e não deem ouvidos aos seus pares que citam que os governantes nunca farão pela educação.Escutava minha mãe , mas sempre sonhava em ser professora…realizei meu sonho! Porém, não posso fazer das palavras da minha progenitora algo que vá me desestimular, se os governantes não cumprem com o DEVER deles, nos eleitores daremos uma resposta com o nosso DIREITO de voto nas próximas eleições. Professor a conscientização dos DIREITOS e DEVERES do cidadão estão nas nossas mãos, quando utilizamos sem manobra de persuasão , mas sim com a politização e o exercício da cidadania . Pra frente que se caminha, pra frente que se alcança…RETROCEDER, JAMAIS!!!" 

Comentar
Compartilhe
Rosáceos não enxergam o óbvio?
22/05/2015 | 20h41

Pressionados pelos professores, que fazem uma manifestação histórica, os aliados do governo Rosinha insistem em apontar "interesse eleitoral" e "manobra de oposicionista". Mas será que ninguém consegue enxergar o óbvio? Respeito as professoras Odete Rocha (PCdoB), Graciete Santana (PCB) e Odisséia Carvalho (PT), mas elas não têm poder para movimentar uma manifestação desta magnitude.

Ao dizer que o movimento é político, Garotinho coloca na conta da oposição algo que ela nem tem capacidade de fazer. Será que ele perdeu a capacidade de avaliar o tamanho e o alcance dos adversários?

Essa manifestação é dos professores que lutam por melhores salários e mais estrutura para tirar a nossa Educação da antepenúltima colocação no ranking do Ideb.

Enxerguem o óbvio, rosáceos! Para encontrar os culpados pela manifestação, basta comprar um espelho. Simples, assim...

Comentar
Compartilhe
Professores dispensam intermediários: "Queremos negociar com Rosinha"
22/05/2015 | 17h33
[caption id="attachment_33320" align="aligncenter" width="576"] Facebook/Carlos Faria Café[/caption]

Após uma grande manifestação na Praça São Salvador, os professores grevistas partiram em direção ao Cesec e, neste momento, cobram uma audiência com a prefeita Rosinha Garotinho (PR). "Chega de intermediários, queremos falar e negociar diretamente com a prefeita eleita", dizem as professoras, que não cogitam a possibilidade de conversar com os secretários de Governo (Garotinho) e Administração (Fábio Ribeiro).

No grupo, que neste momento está dentro do pátio da Prefeitura, há quem cogite usar uma estratégia bem conhecida pela prefeita de Campos: acampar até a vitória.

Cadê a prefeita que estava aqui? - Como o blog informou na noite de ontem (21), a última aparição da prefeita Rosinha no site oficial da Prefeitura já tem oito dias. Na ocasião, ela entregou quimonos a atletas de taekwondo (aqui).

Mais informações na Folha Online: aqui 

[caption id="attachment_33330" align="aligncenter" width="461"] Facebook/Carlos Faria Café[/caption] [caption id="attachment_33332" align="aligncenter" width="461"] Facebook/Rodrigo Paes[/caption]

Atualização às 18h50 - Manifestantes montaram uma barraca e estão acampados no Cesec. Na barraca, a frase "Somos todos *", que faz menção pedido do secretário de Educação para marcar, com asteriscos, os professores grevistas.

Comentar
Compartilhe
Wladimir reúne sua "tropa" e reflete: “na dificuldade que crescemos e aprendemos”
22/05/2015 | 15h17

O empresário e ex-presidente do PR em Campos, Wladimir Garotinho, reuniu sua tropa e publicou uma foto no Facebook com a seguinte reflexão: “Fiquei muito feliz em receber a visita e o carinho desse grupo de amigos. Mais uma vez obrigado por tudo, é na dificuldade que crescemos e aprendemos”.

Na foto estão diversos nomes que devem disputar cadeiras na Câmara de Campos em 2016, como Charles Guerreiro, Jubiraca, Vinícius Madureira, Amélia, Hendrigo, Serginho Bigode, Osni Xavier, Dudu de Custodópolis, Carlos Alberto Canaã, Jairinho Show, Paulo Arantes e Silvinho, filho da vereadora Dona Penha.

Esta é apenas uma parte do time. Outros pré-candidatos deverão fazer uma visita na próxima semana. Entre eles, Alonsimar, Kellinho Povão, Paulinho Camelô, Léo de Morro do Coco e Carlinhos do Parque Guarus.

Aos poucos, Wladimir fortalece uma espécie de "rolo compressor" alternativo, com lideranças de várias partes do município.

Comentar
Compartilhe
Rosinha cancela folia e carnavalescos cobram 50% da subvenção
22/05/2015 | 15h10

Após a Prefeitura adiar o Carnaval fora de época, a Liga Independente das Escolas de Samba de Campos (Liescam) vai enviar ofício para a Fundação Zumbi dos Palmares, responsável pelo repasse de verbas, solicitando pelo menos 50% de subvenção. Os carnavalescos não informaram o total do prejuízo. Através de nota, o governo municipal alegou que a atual crise econômica do país fez com que o município tomasse essa decisão.

Em entrevista ao G1, Marcelo Velasco, vice-presidente da Liescam, desabafou: “Fizemos muitas dívidas. Estamos com o nosso Carnaval pronto e precisamos de pelo menos 50% da verba que seria repassada às escolas. Foram feitas compras, a gente leva um ano para preparar o desfile”.

E as outras festas, serão canceladas? - A notícia do cancelamento foi recebida com choro nos barracões, segundo Velasco. De acordo com ele, os carnavalescos acham justo que a prefeitura suspenda também as Festas do Fundão, Coesa e São Salvador. “Se não pode ter Carnaval, também não vai poder ter outra festa. Se tivéssemos certeza que a crise acabaria com o Carnaval cancelado, eu mesmo teria conversado com os carnavalescos para suspender a festa este ano. Estamos impedidos de levar alegria para a população de Campos. É muito triste”, disse o vice-presidente da Liescam, informando que os desfiles dos bois pintadinhos, que ocorreria em agosto, também foi cancelado.

Comentar
Compartilhe
Após empurrar carnavalescos com a barriga, Prefeitura cancela Carnaval
22/05/2015 | 10h44
[caption id="attachment_33299" align="aligncenter" width="493"] Cepop, que custou R$ 100 milhões, não vai ter samba em 2015[/caption]

Em janeiro deste ano o então deputado Anthony Garotinho (PR) sugeriu a suspensão do Carnaval fora de época, que na ocasião estava marcado para os dias 01, 02 e 03 de maio (aqui). Dias depois, os rosáceos começaram a empurrar os carnavalescos com a barriga. Segundo os membros do governo, a ideia era buscar parcerias e manter o evento, que em edições anteriores, na época das vacas gordas, contou com escolas de samba do Rio, shows nacionais e cachês para Milton Cunha e Viviane Araújo.

Em março, a Prefeitura publicou um  “chamamento público com o objetivo de captar recursos financeiros”. Na época, já como secretário de Governo, Garotinho disse: “Soube que a Ambev estaria interessada. Não sou contra o Carnaval, mas na minha opinião a festa só poderia acontecer com patrocínio”.

No dia 26 de março, sem patrocinadores definidos, o blog informou que a ideia da Prefeitura era empurrar o Carnaval para junho (aqui). Um dia depois, a informação foi confirmada. Além disso, o governo teria informado aos carnavalescos a necessidade de cortar 25% da verba que seria destinada as escolas e blocos.  E assim o governo continuou empurrando os carnavalescos com a barriga.

Agora, ainda sem patrocinadores, os rosáceos resolveramcancelar o Campos Folia. Hoje (22), um editorial publicado no jornal "O Diário" diz que realizar o Carnaval em tempos de crise seria como "entrar em um velório cantando samba".

Recentemente, dois amigos me procuraram para dizer que alguns carnavalescos estariam revoltados comigo por conta de postagens sobre o Carnaval fora de época. Ou seja, depois disso tudo ainda tinha gente disposta a tirar o corpo fora para jogar na conta e alguém a falta de planejamento e de sinceridade do governo. Também é importante destacar que a mistura entre política e Carnaval foi extremamente prejudicial, já que na hora do aperto a falta de independência impediu uma cobrança mais firme.

O mesmo governo que construiu um sambódromo de R$ 100 milhões e, nos últimos anos gastou uma fortuna com shows nacionais e pagou caro por desfiles de escolas de samba do Rio, não teve a capacidade de fortalecer as escolas e blocos locais. E quando digo fortalecer, não me refiro aos recursos financeiros que são repassados, mas sim a um trabalho sério de capacitação dos profissionais e auxílio na busca por alternativas.

Não tem dinheiro? - A crise é real e não há o que se discutir, mas o governo não cumpriu a promessa feita aos carnavalescos porque não quis. Quer um exemplo? Só a empresa Working, que faz de tudo um pouco, faturou mais de R$ 1,2 milhão em duas semanas, com aluguel de banheiros químicos e ações de "manutenção" e "recuperação". Mais um exemplo: em março, só pelo aluguel de um caminhão banheiro, a Prefeitura pagou mais de R$ 370 mil. Isso sem falar no aditivo de R$ 1,2 milhão que a Imbeg recebeu.

Atualização às 13h50 - Matéria publicada pela Folha (aqui) confirma cancelamento do Carnaval fora de época. De acordo com a Prefeitura, os carnavalescos devem se reunir na noite desta sexta-feira (22) para discutir e apresentar proposta viável para a Prefeitura,  priorizando a captação de recurso de patrocínio privado para a realização do carnaval no próximo ano.

Comentar
Compartilhe
Blindada
21/05/2015 | 23h46

Enquanto os secretários de Governo (Garotinho), Administração (Fábio Ribeiro) e Educação (Frederico Tavares) chamam a "briga" para eles e informam que os professores grevistas terão seus pontos cortados, a prefeita Rosinha Garotinho (PR), eleita em 2012, no primeiro turno, com 167.615 votos, não se manifesta sobre os temas polêmicos que envolvem o seu governo. Sua última aparição no site da Prefeitura foi há uma semana, quando entregou quimonos a atletas de taekwondo (aqui).

No início deste mês, ela chegou a entrar no onda do "passinho" (aqui).

Blindada, a prefeita Rosinha só deve participar de agendas positivas nos próximos meses.

Comentar
Compartilhe
Caiu na rede: vídeo mostra escolas precárias
21/05/2015 | 17h01

Em 2008, a então candidata Rosinha afirmou em seu plano de governo: "Assumo o compromisso de implantar ações que dinamizem o setor educacional para, em quatro anos, obtermos as primeiras colocações nas avaliações do MEC". Além disso, a então candidata afirmou que os professores teriam uma excelente estrutura para trabalhar.

Seis anos e meio depois, um vídeo publicado no Youtube mostra paredes mofadas, obras paradas, sujeira, desorganização, entulhos, lama, portas quebradas, fios expostos, pisos soltos, cadeiras improvisadas, entre outros problemas. Clique na imagem abaixo para ver o vídeo:

[caption id="attachment_33285" align="aligncenter" width="575"] CLIQUE PARA VER O VÍDEO[/caption]

Na propaganda, escolas e creches estão impecáveis - Se no vídeo acima as escolas não vão nada bem, o mesmo não pode ser dito sobre as escolas que aparecem na propaganda do governo. Em um vídeo publicado no canal da Prefeitura no YouTube, a avó de uma aluna diz que a creche "parece até particular". Na propaganda, as escolas e creches estão impecáveis.

Comentar
Compartilhe
Garotinho ameaça: "grevistas da Educação terão dias descontados"
21/05/2015 | 09h37

 

Durante programa de rádio na manhã desta quinta-feira (21) o secretário de Governo da Prefeitura de Campos, Anthony Garotinho, avisou que não é contra a greve, mas os grevistas da Educação terão os dias descontados e vão perder a regência. "Durante as reuniões os membros do Sepe estão dizendo que os professores não tem nada a perder porque o ponto deste mês já foi encaminhado. Porém, vamos rever isso. Os três dias serão descontados, assim como a regência. Não sou contra a greve, mas fica nítido que se trata de um movimento político", disse Garotinho, que apontou as professoras Odete Rocha, Odisséia Carvalho e Graciete Santana como principais articuladoras do movimento. "São professoras que estão sempre disputando eleições", alegou.

Segundo o secretário de Administração Fábio Ribeiro, as diretoras as escolas irão encaminhar os nomes dos profissionais que paralisaram suas atividades. "Quem paga os professores não é o Sepe,mas sim o cidadão. Estamos abertos ao diálogo, mas não vamos deixar de tomar as medidas cabíveis", afirmou Fábio, ressaltando que, do ponto de vista jurídico, "o movimento é ilegal".

De acordo com Fábio, além de contar com salário acima do piso nacional, a categoria foi a primeira a ser contemplada com a implantação do Plano de Cargos e Salários, em 2010, benefício que agora foi estendido aos demais servidores. "O governo também fez uma proposta para dobrar a regência, com tolerância de três dias de falta justificada, revisão do Plano de Cargos e Salários, plano de saúde com Caixa de Assistência e uso de Cartão Educação para substituir o Rio Card", disse. 

Greve mantida - Professores municipais decidiram, em assembleia no final da tarde de ontem (20), manter a greve de ocupação, com assinatura de ponto nas escolas, até amanhã (22), quando haverá um ato seguido de uma nova assembleia para definir os rumos do movimento. Na manhã de ontem, professores do Centro Educacional 29 de Maio protestaram em frente à unidade. De acordo com a diretora do Sepe, Norma Dias, a adesão dos profissionais de educação ao movimento chegou a 95%.

Saiba mais sobre a greve: aqui 

 Atualização às 16h15 - Diretora rebate declaração de Garotinho - Em postagem no Facebook, compartilhada na página do Sepe, a professora Norma Dias rebateu as declarações de Garotinho sobre o sindicato não representar a categoria. Segundo Garotinho, são 116 professores filiados ao Sepe e 1.645 filiados ao Siprosep. Veja a postagem:

Comentar
Compartilhe
Por conta de "incerteza econômica", Câmara devolve LDO e adia audiência
21/05/2015 | 09h17

Estava marcada para a próxima quarta-feira (27), na Câmara de Campos, uma audiência pública para debater a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) referente ao exercício financeiro de 2016.

Porém, alegando "incerteza das políticas macroeconômicas do país", a Prefeitura solicitou a devolução da proposta “para que sejam procedidas pertinentes adequações".

Criada pela Constituição Federal de 1988, a LDO contém as principais metas a serem levadas ao Orçamento no próximo ano. Edson Batista assinalou ainda que “a audiência é obrigatória pois é a LDO quem vai orientar os investimentos que o município fará no próximo ano”, explicou.

Previsões sombrias - Ontem (20), diversos secretários municipais se reuniram e foram informados sobre as previsões sombrias para os próximos meses. Na manhã desta quinta-feira (21), o secretário de Governo Anthony Garotinho avisou que o governo "terá que tomar medidas duras nos próximos dias".
Comentar
Compartilhe
Auxiliadora pede mudança no plano de cargos e salários dos professores
21/05/2015 | 08h53

A vereadora Auxiliadora Freitas (PHS) apresentou esta semana na Câmara de Campos uma proposição na forma de Indicação ao Poder Executivo solicitando que fossem modificadas as regras que regulamentam a progressão e promoção dos profissionais do magistério da Educação Básica Municipal. A alteração solicitada por Auxiliadora pretende garantir mais direitos aos profissionais do magistério, bem como estender o enquadramento aos servidores inativos. O principal ponto a ser alterado, segundo a solicitação, seria a redução do prazo de interstício mínimo entre uma promoção horizontal e outra. Atualmente, a regra estabelece o período de 4 anos. Auxiliadora entende que o prazo deve ser de dois anos. "Tal medida é necessária por razões de equidade e isonomia entre os profissionais do magistério público e os demais servidores públicos do Município, uma vez que, por força do art. 21, II, da Lei 7.346/2002 (Plano de Cargos e Salários da Prefeitura Municipal) já vigora este prazo razoável de 02 (dois) anos, devendo ser estendido àqueles profissionais da educação. Considerando a recente Lei Municipal nº 8.644 de 2015, que implementa definitivamente o enquadramento de todos os servidores ativos da municipalidade, entendo não não pode haver diferenças de prazo mínimo de uma categoria de servidores para outra", justifica. Outro importante pedido de Auxiliadora se refere à inclusão, nos enquadramentos e progressões dos profissionais do magistério, daqueles que também desempenhem funções pedagógicas, de suporte técnico e administrativo no âmbito da Secretaria Municipal de Educação e das demais unidades escolares. "Estou pedindo que a promoção também será concedida aos profissionais do magistério readaptados e àqueles que desempenham funções pedagógicas, de suporte técnico ou administrativo, no âmbito da Secretaria Municipal de Educação e das unidades escolares da rede pública, independentemente da regência em sala de aula, além daqueles que exerçam funções como cedidos em outros órgãos a bem do serviço público", afirmou Auxiliadora. A proposta foi apresentada na forma de Indicação por se tratar de matéria cuja prerrogativa constitucional de iniciativa é do Poder Executivo. A Mesa Diretora da Câmara encaminhará os pedidos na forma de ofício à chefia do Poder Executivo. Fonte: Ascom/Auxiliadora
Comentar
Compartilhe
TRE-RJ suspende repasse do fundo partidário ao PR de Campos
20/05/2015 | 19h35

As contas do exercício financeiro de 2012 do diretório municipal do Partido da República (PR) em Campos dos Goytacazes foram julgadas desaprovadas, na sessão desta quarta (20). A decisão do TRE-RJ confirma a sentença da 75ª ZE e impede que os diretórios nacional e regional do partido repassem cotas do fundo partidário à agremiação por um ano, de acordo com a legislação eleitoral vigente.

Os membros do TRE-RJ rejeitaram as contas, após a comprovação de que o partido recebeu contribuições e doações de fontes vedadas por lei, de pessoas ocupantes de cargos em comissão ou funções da Administração Direta, Indireta e Fundacional que têm a condição de autoridade, como secretário municipal, presidente de Fundação ou de Empresa Pública, conforme análise das folhas de pagamento do município, que discriminaram os valores recebidos indevidamente, bem como identificou os doadores.

Fonte: Ascom/TRE

Comentar
Compartilhe
PSDB e PT não têm autoridade ética para atacar um ao outro
20/05/2015 | 15h33
 

É saudável e legítimo que o debate sobre a corrupção no país seja feito de modo amplo. Mas ele virou um samba de uma nota só na briga política entre PT e PSDB. Falta autoridade moral aos dois partidos para acusarem um ao outro em relação à corrupção. Ambos deveriam elevar o nível do debate público, mas estão empenhados numa campanha de autodestruição em que fazem discursos duros, cujo objetivo é pregar para os já convertidos. Ontem, em seu programa de TV, o PSDB fez críticas à política econômica do governo Dilma Rousseff. Uma receita que provavelmente estaria aplicando se estivesse no poder. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou que nunca se roubou tanto quanto na gestão petista. FHC ainda apontou o governo do ex-presidente Lula como o início da corrupção na Petrobras.

No entanto, é difícil fazer uma comparação entre o que está investigado agora e o que deixou de ser apurado no passado. Houve casos graves de corrupção também durante a gestão tucana. E muitos deles simplesmente não foram investigados porque havia um procurador-geral da República, Geraldo Brindeiro, que tinha o apelido de engavetador-geral da República.

Da parte do PT, também falta autoridade para atacar a corrupção praticada nos governos tucanos porque os petistas usam um discurso eticamente condenável. O PT acerta ao falar que não aparelhou a Procuradoria Geral da República e que modernizou a Polícia Federal. No entanto, essas instituições funcionam sem que isso seja uma concessão do PT. São, sobretudo, uma conquista da sociedade. É bom que funcionem com autonomia.

O PT fez a mesma coisa em seu programa de TV. Falou para os que já votam nele. E faz uma defesa espertalhona quando diz que os tucanos também se corromperam, como se isso perdoasse seus próprios desvios éticos. Ora, o PT nasceu como um partido que defendia a ética na política, mas caiu na gandaia quando chegou ao poder.

A corrupção está sendo combatida no país. Isso mostra a força das instituições. Mas é muito pobre o argumento de que um partido seria mais corrupto do que o outro ou tão corrupto quanto o outro. É um campeonato de corrupção que empobrece e acirra o debate político.

Lula é apontado como eventual candidato a presidente em 2018. Não é uma candidatura que possa já ser dada como certa. Há muitos complicadores. No ritmo atual do governo Dilma, que sugere um fracasso político, será difícil Lula ter discurso eleitoral. Do jeito que se atacam, PT e PSDB estão pavimentando o caminho para uma outra força ter chance real de chegar ao poder em 2018. Sempre se falou de uma terceira via nas últimas eleições presidenciais, mas essa possibilidade nunca se colocou com tanta força como agora.

* Do ponto de vista político, a presidente Dilma Rousseff venceu ontem um duelo contra o presidente do Senado, Renan Calheiros, com a aprovação de Luiz Edson Fachin para o STF (Supremo Tribunal Federal). Haverá outras batalhas, mas o episódio Fachin mostra que é mais fácil para o governo lidar com um Senado sob o comando de Renan do que com uma Câmara presidida por Eduardo Cunha. O governo tem um problema com o Congresso, mas ele é maior na Câmara do que no Senado. Eduardo Cunha tem mais apoio entre os seus pares do que Renan. O desempenho de Fachin na sabatina da semana passada foi muito bom, o que ajudou a quebrar uma onda de ataques infundados em relação à sua capacidade jurídica e pessoal. Fachin fará bem ao Supremo. Basta ver o que dizem dele os atuais ministros do tribunal. O advogado enfrentou uma campanha desleal e conservadora. Saiu mais forte ao vencê-la.

 Fonte: Blog do Kennedy 
Comentar
Compartilhe
Empresários relatam reunião sobre repasse às campanhas de Cabral e Pezão
20/05/2015 | 12h02

Empresários ouvidos pela PF confirmaram a ocorrência de uma reunião para acertar repasses de recursos à campanha de Sérgio Cabral (PMDB) e Luiz Fernando Pezão (PMDB) a governador e a vice-governador do Rio de Janeiro em 2010. Os depoimentos integram o conjunto de diligências feitas como parte do inquérito que corre no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e investiga a participação dos dois peemedebistas no desvio de recursos da Petrobras. Segundo a delação do ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa, a reunião ocorreu em um hotel do Rio e serviu para definir repasse de R$ 30 milhões, em caixa dois, à campanha. O dinheiro seria propina de contratos de obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj).

Cabral: "Todas as eleições que disputei tiveram suas prestações aprovadas pelas autoridades competentes" - Por meio de sua assessoria, Cabral reiterou "seu repúdio a essas mentiras" e afirmou que nunca solicitou ao delator apoio financeiro. "Todas as eleições que disputei tiveram suas prestações aprovadas pelas autoridades competentes", afirmou. Segundo sua assessoria, esse também foi o teor do depoimento que Cabral prestou à PF como parte de suas diligências.

Pezão: "Depoimento não é verdadeiro" - O governador Luiz Pezão também disse que o depoimento de Costa não é verdadeiro. “O governador reafirma que o depoimento do ex-diretor da Petrobras não é verdadeiro. O governador disse estar certo de que a investigação vai comprovar que a acusação é falsa e que continua à disposição das autoridades para dar esclarecimento sobre suas ações”, cita resposta do governo do Rio.

Além de empresários e Cabral, a PF quer ouvir pessoas que participaram da citada reunião. O ministro Luis Felipe Salomão, relator dos autos, determinou que a PF recolha documentos, imagens e registros de entradas e saídas de um hotel em Ipanema, onde, no primeiro semestre de 2010, o encontro teria ocorrido.

Comentar
Compartilhe
Odontologia: Promessas de 2008 X Descaso de 2015
20/05/2015 | 11h52

Em 2008 a então candidata Rosinha disse em seu plano de governo que "o poder público precisa cada vez mais voltar a sua atenção para um dos mais graves problemas do Brasil: a saúde bucal". Na época, a candidata apontou "falta de ordenamento, precariedade, e negligência". Entre suas propostas estavam: reformar consultórios e adquirir equipamentos modernos, que proporcionem conforto, segurança e comodidade, revisa os convênios com as instituições prestadoras de atendimento, estabelecer o perfil das unidades, com o quantitativo necessário de profissionais para atender a demanda em cada uma delas, parceria com a faculdade de Odontologia e criar um programa específico para reabilitação do mutilado oral".

Quase sete anos após as promessas, dentistas da rede municipal apontam estrutura precária, falta de planejamento e, em muitos casos, de itens básicos. Em seu blog, o advogado Cláudio Andrade publicou nota sobre o drama vivido por dentistas e pacientes (aqui), além de fotos que mostram a péssima estrutura. Veja:

Comentar
Compartilhe
Quem poderá defender?
19/05/2015 | 21h23

Em dezembro do ano passado o vereador Abdu Neme (PR) usou a tribuna e prometeu um "rolo compressor" mais ativo em 2015. "Vamos ter uma nova postura, com cada vereador governista ciente de todas as ações da prefeita Rosinha Garotinho. Se a oposição gosta de falar, vai ter que começar a ouvir. E cada vereador aliado vai ter que estudar e subir na tribuna para rebater”, disse Abdu (aqui).

Cinco meses depois, a promessa continua no papel. Na prática, poucos aliados aparecem para defender o governo Rosinha. Mesmo com "munição" de sobra, já que a Prefeitura tem produzido dezenas de matérias sobre as áreas que estão na mira da oposição, poucos rosáceos fazem o "dever de casa". Nos eventos organizados pelo governo os aliados são praticamente obrigados a atacar a oposição. Os discursos até saem, mas o constrangimento é nítido.

Tirando os rosáceos que  caminham com o casal Garotinho desde a época em que todos cabiam em uma Kombi, e continuam defendendo com unhas e dentes, fica nítida a existência de uma enorme "tropa auxiliar". São figuras que fizeram parte de governos anteriores e farão de tudo para continuar atuando em novas gestões. E como ensina Nicolau Maquiavel em seu livro "O Príncipe", o líder nunca pode depender de "tropas auxiliares e mercenárias".

Agora, na hora do aperto, sem o "estímulo" necessário, esse tipo de aliado não funciona.

Ou seja, o líder vai pagar caro pela falta de oxigenação do grupo e por ter montado uma máquina com o auxílio de tropas mercenárias.

Comentar
Compartilhe
Primeiras faíscas na relação entre Cabral e Pezão?
19/05/2015 | 14h41
[caption id="attachment_33222" align="aligncenter" width="564"] Reprodução / Radar On-line / Lauro Jardim[/caption]
Comentar
Compartilhe
Marcando em cima
19/05/2015 | 13h33

O ex-jogador de vôlei Pampa, que assumiu a Fundação Municipal de Esportes no início de 2013, continua em "pé de guerra" com o vereador Neném (PTB). Na última semana, durante sessão da Câmara, Neném soltou os bichos e apontou irregularidades em um convênio, além de fazer críticas bem pesadas. "Esse forasteiro está induzindo a prefeita a erro", disse Neném.

Porém, ao que tudo indica, o ex-jogador de vôlei está sabendo bloquear as críticas de Neném. Além disso, marca o casal Garotinho em cima. Ele participa de sessões da Câmara com a presença de Garotinho, pratica esportes com os jovens no projeto "Viver Feliz", senta nas primeiras cadeiras nas reuniões do grupo e fez questão de participar da inauguração da M Martan, loja do casal Wladimir e Tassiana Matheus de Oliveira.

Comentar
Compartilhe
Após tentar desqualificar a greve, governo busca diálogo com os professores
19/05/2015 | 10h59
[caption id="attachment_33214" align="aligncenter" width="390"] Foto: Carolina Barbosa[/caption]

Em postagem no final do último domingo (17), o blog publicou uma nota sobre a estratégia do governo rosáceo para tentar minar a greve dos professores (aqui) da rede municipal. Sem conseguir colocar em prática a tática “odoriquiana” e diante de uma categoria unida, que parou ontem (18) e continua em greve hoje (19) o governo resolveu buscar o diálogo.

Em entrevista na manhã desta terça-feira (19) ao programa do radialista Cláudio Nogueira, na rádio Continental, a diretora do Sepe, Norma Dias revelou que o governo já busca o diálogo. “Acabo de receber mensagem com um convite para uma reunião nesta terça-feira na secretaria de Administração, às 15h, com a presença dos secretários de Administração, de Educação e de um representante da Procuradoria. Esse é o resultado da nossa luta, do nosso empenho. Isso não significa que a proposta será aceita. Vamos ouvir e levar até a nossa assembleia para consultar e definir com a classe. Mas quero deixar bem claro que a greve continua”, informou.

Mais informações sobre a greve na Folha Online: aqui 

Comentar
Compartilhe
Rosáceo avisa: "hospital não é hotel"
18/05/2015 | 23h19

Ao comentar sobre o grande número de pacientes nos corredores dos hospitais, durante um programa de rádio, no último sábado, um rosáceo avisou: "Hospital não é hotel. O importante é ser atendido". Ainda segundo o aliado da prefeita, tem até um "lado bom": "Em alguns casos aqueles locais são bons. Passa gente toda hora".

"O chão do hospital é melhor do que o chão da rua" - No início do ano passado os mesmos rosáceos já haviam comentado sobre pacientes que foram atendidos no chão do Ferreira Machado: “É melhor ficar deitado no chão do Ferreira Machado do que no chão das ruas  (...) pior do que comer mal é ficar com fome” (aqui).

Comentar
Compartilhe
Sumiu
18/05/2015 | 20h09

A coisa não tá fácil no município de Quissamã. Até o Q, que ficava na entrada da cidade, sumiu.

Em postagem no Facebook, a ex-vereador Fátima Pacheco (PT) comentou sobre o sumiço da peça:

 

Comentar
Compartilhe
Justiça bloqueia quase R$ 1 bilhão de empreiteiras investigadas na Lava Jato
18/05/2015 | 16h18
 

A força-tarefa que atua nas investigações da Operação Lava Jato já conseguiu bloquear na Justiça quase R$ 1 bilhão de quatro empreiteiras acusadas de desviar recursos da Petrobras. O valor (R$ 980,5 milhões) é referente às ações de improbidade administrativa do Ministério Público Federal (MPF). As empreiteiras e os dirigentes presos na operação também respondem a ações criminais na Justiça Federal em Curitiba.

O valor foi atingido sexta-feira (15) com o bloqueio de R$ 282,4 milhões da OAS. O MPF também já conseguiu decisões favoráveis na esfera civil contra a Engevix (153,9 milhões), Galvão Engenharia (302,5 milhões) e Camargo Corrêa (241,5 milhões).

O cálculo dos valores é baseado em depoimentos de delação premiada de investigados, além de multa civil de três vezes o valor do desvios. Segundo os delatores, o pagamento de propina correspondia a 1% dos contratos assinados com a Petrobras.

Fonte: Agência Brasil

Comentar
Compartilhe
O plano dos rosáceos para minar a greve dos professores
17/05/2015 | 22h43

Em recente postagem o blog lembrou da fictícia Sucupira, comandada pelo prefeito Odorico Paraguaçu, e destacou que ainda existem muitos discípulos da filosofia odoriquiana (aqui).

Na terra goitacá, diante das manifestações dos servidores municipais, os aliados do governo rosáceo repetem o discurso de Odorico, que sempre colocava os protestos na conta da oposição "marronzista, calunista, safadista, vagabundista e badernenta”.

Faltando poucas horas para o início da greve de ocupação dos professores da rede municipal, que tem início nesta segunda-feira (18), supervisores de bairro (DAS 7) receberam a seguinte missão: "Companheiro supervisor, um bom domingo! Leia na pagina da prefeitura, matéria sobre o salário dos professores. E amanha vamos para a porta das escolas conversar com as mães de alunos, que a greve é politica, os professores querem um aumento que a PMCG, não pode dar. Nossa participação é muito importante (...) O povo precisa saber que a prefeitura ofereceu 100% de aumento na gratificação para os professores que estão em sala de aula e que a oposição defende os marajás que não trabalham", diz a mensagem encaminhada aos comissionados.

Resumindo, o plano para minar a greve é usar os comissionados para informar que a greve é uma manobra política orquestrada por uma oposição que defende marajás.

O argumento é tão pobre que essa manobra está mais para "Zorra Total" do que Sucupira...

Atualização às 9h55 - O jornalista Fernando Leite informa no Facebook que, de acordo com dados do Sepe, 70% da rede pública municipal de ensino parou.

Em contato com os pais dos alunos os professores relataram a falta de funcionários de limpeza, de inspetor de alunos, de porteiro e do reajuste salarial. A greve é de ocupação, com assinatura de ponto dentro da escola. De acordo com os grevistas, a proposta apresentada pelo governo de dobrar a regência atinge apenas a 47% da categoria, deixando de fora os aposentados, pedagogos, supervisores e demais professores que estão fora da sala.

Já os rosáceos informam que os professores poderão ter um aumento de 100% em gratificação. De acordo com o governo, a proposta proporciona valorização do profissional da Educação e incentiva os professores. Além disso, o governo garante que a revisão do Plano de Cargos do magistério municipal já está resultando em propostas que representam grande ganho para a categoria no que diz respeito ao melhoramento de salários num tempo menor e critérios mais flexíveis de concessão.

Comentar
Compartilhe
O corredômetro da doença
17/05/2015 | 13h41

Poderia ser só no Ceará. Poderia ser só por causa da “chuva e aumento de viroses”, segundo a visão embaçada do governo cearense. Poderia ser só no Nordeste e no Norte, regiões mais carentes. Mas não é. A fileira de doentes no chão do corredor do hospital Instituto Dr. José Frota em Fortaleza, alguns com soro e remédios na veia, é uma síntese do descalabro da Saúde no Brasil. Mesmo na cidade mais rica, São Paulo, doentes são tratados como cidadãos de última categoria. Uns inconvenientes, por expor um fracasso nacional. O Ministério da Saúde deveria mudar o nome para Ministério da Doença.

O direito ao atendimento médico digno está “garantido” na Constituição. Pagamos impostos altíssimos no país da propina. Até ontem, apenas em 2015, o governo Dilma havia arrecadado de nós, contribuintes, um recorde de R$ 700 bilhões. Trabalhamos quase metade do ano para pagar impostos. E para quê? Para ver o espetáculo degradante de seres humanos estendidos no chão de corredores de hospitais. Isso quando não estão na fila, ao relento, rezando para uma criança não morrer no colo ou um idoso não morrer na cadeira de rodas. “A gente se sente impotente. Se for algo que mata, você morre mesmo”, disse ao jornal Folha de S.Paulo a estudante de 18 anos Louisy Lombardi, que esperou seis meses por uma consulta ginecológica em 2014. Joabe Silva, de 36 anos, aposentado por invalidez, ficou das 15 às 24 horas na rua com o filho de 1 ano, com conjuntivite e bronquite, até ser atendido. Peregrinou por três AMAs (unidades ambulatoriais) e dois hospitais. Seu sentimento? “Completo abandono.”

Pode ser febre alta. Um princípio de infarto. Pode ser a necessidade de uma ressonância. Uma biópsia. Uma ultrassonografia. Um raio X para uma perna possivelmente fraturada. Agendamento de uma cirurgia, simples ou complexa. Quando o tempo significa a vida ou a morte. A Saúde municipal, estadual e federal virou caso de polícia. A gente sente a gravidade do drama quando alguém próximo de nós, sem condições de pagar por medicina privada, precisa ser atendido ou operado.

Prefeituras e governos estaduais criaram postos de saúde 12 horas para casos menos sérios. Esses postos têm vários nomes e siglas, dependendo da cidade e do Estado. O objetivo é desafogar os prontos-socorros dos hospitais. A notícia é: não adiantou, entenderam, prefeitos e governadores? “Nunca tem médico”, é uma queixa comum da população. “Nunca tem data de agendamento.” “Nunca tem material.” É a Terra do Nunca.

Faltam médicos. Muitos desistem de ir para os postos porque não há condições básicas para exercer a função. Até nos hospitais, como o Hospital Geral de Fortaleza, faltam luvas, seringas, produtos para higienizar as mãos, fios para suturar cortes, tubos para entubar os bebês. “Estamos trabalhando numa guerra. Profissionais levam medicamentos de casa”, disse a presidente do sindicato dos médicos na capital cearense, Mayra Pinheiro. Hospitais dão calote em fornecedores. O calote vem lá de cima – e sabemos por quê. Não há mais dinheiro. Nem para financiar casa própria, nem para financiar estudantes, nem para cuidar de doentes.

No Estado do Rio de Janeiro, o Hospital Rocha Faria, em Campo Grande, interditou a sala de parto porque o ar-condicionado não funciona por falta de manutenção. Montanhas de lixo ocupam corredores e salas. Faltam lâmpadas. Um recém-nascido teve infecção hospitalar logo após o parto. “Meu neto nasceu na sala de pré-parto, o lugar estava muito sujo, até vômito tinha”, disse ao jornal O Globo a avó do bebê, Naila de Sá Alves, de 41 anos, que participou pessoalmente de um mutirão, com médicos e enfermeiros, para limpar o local. Isso pode?! Macas estavam nos corredores da emergência do Rocha Faria.

Em outro hospital estadual, o Carlos Chagas, em Marechal Hermes, faltam antibióticos, luvas, fraldas e até papel de escritório. Roupas e lençóis não são trocados como deveriam ser. Uma enfermeira disse ter comprado com seu dinheiro lenços umedecidos. Parentes levam cobertores para os doentes. Não entendo por que a presidente Dilma Rousseff e o governador Pezão não fazem uma excursão aos hospitais. Deveriam comer no bandejão dos médicos e enfermeiros. E posar no corredômetro da vergonha.

Há seis anos, em 2009, um artigo meu em ÉPOCA se intitulava “Queria escrever sobre a luz de maio”. De lá para cá, tudo piorou. Do índice de homicídios ao de roubalheira, passando pelo número de desempregados – que não conseguem sequer entrar com pedido de seguro-desemprego! A luz de maio continua linda. Mas o resto é escuridão: os bandidos estão à solta na planície e no planalto.

Fonte: Época 

Comentar
Compartilhe
Clarissa defende governo Rosinha e fala em "alternativas de gestão"
16/05/2015 | 11h15
A deputada federal Clarissa Garotinho (PR) usou o Facebook para comentar sobre a reunião de ontem (15) do grupo rosáceo, realizada no Trianon. Em uma espécie de artigo intitulado "Governar em tempos de crise", a filha do casal Garotinho defende o governo Rosinha, lista ações e fala em "alternativas de gestão". Confira: [caption id="attachment_33175" align="aligncenter" width="518"] Mesa foi formada por Fábio Ribeiro, Mauro Silva, Suledil, Chicão, Rosinha, Clarissa, Pudim e Bruno Dauaire[/caption]
Comentar
Compartilhe
Em SJB, "rolo compressor" de Neco já conta com dez partidos
16/05/2015 | 09h28
[caption id="attachment_33169" align="aligncenter" width="533"] Foto: Jornal Quotidiano[/caption]

Em recente postagem (aqui) o blog informou que o prefeito de São João da Barra,José Amaro Martins de Souza, Neco (PMDB), está disposto a montar um “rolo compressor” para a disputa pela Prefeitura em 2016. No início deste mês ele fechou uma aliança com o PRB, após encontro com o presidente nacional do partido. Uma semana depois, foi a vez de se encontrar com os caciques do PDT no estado do Rio e fechar mais uma parceria. Além do prefeito, participaram do encontro o vereador sanjoanense Elísio Motos (PDT), o presidente do diretório estadual do PDT, José Bonifácio, e o secretário geral do partido, Ismael Novaes.

Além do PDT e do PRB, o "rolo compressor", que tem o PMDB na "cabeça", conta também com as sinalizações de apoio dos seguintes partidos: PP, PSL, PSDC, PRTB, PSDB, PEN e PT do B.

O prefeito também articula com PSB, PTB, PSC e PTN.

A meta é superar a marca de 2012, quando a coligação vitoriosa contou com 14 partidos.

Comentar
Compartilhe
Thiago Virgílio alfineta presidente PRB
15/05/2015 | 12h47

O vereador Thiago Virgílio (PTC), vice-presidente da Câmara de Campos, compartilhou a postagem do blog sobre a novo postura do PRB (aqui) e aproveitou para dar uma "cutucada". "O presidente do PRB em Campos está ocupando o cargo de Secretário Municipal de Pesca e Aquicultura na cidade e diz que o partido já não faz parte da situação. Dá pra entender? Mas entregar o cargo que é bom, nada!", disse Virgílio.

Na última sessão, Virgílio fez uma cobrança ao vereador Mauro Silva (PT do B), sobre a valorização de quem está ao lado do grupo. "O PTC sempre esteve ao lado do governo, é bom que isso fique bem claro. Também é bom destacar que o vereadro Neném votou ao nosso lado em uma matéria que necessitava de 17 votos. Tudo isso tem que ser lembrado. Por isso me dirijo ao líder do governo. Comigo o papo é reto", afirmou.

Comentar
Compartilhe
Imbeg: aditivo de R$ 1,2 milhão
15/05/2015 | 09h37

Foi publicado no Diário Oficial desta sexta-feira (15) o extrato do 6º termo aditivo firmado entre a Prefeitura de Campos e a empresa Imbeg.

Alegando alteração nos quantitativos e acréscimos dos serviços necessários para a obra construção de Escola de Ensino Infantil do Tipo B- Padrão FNDE- Creche Escola Parque Eldorado, localizada na Rua Nova Aurora, foi aditivado R$ 1.250.823,74 (um milhão, duzentos e cinquenta mil, oitocentos e vinte e três reais e setenta e quatro centavos).

A tomada de preço para a construção da escola foi feita em 2011 e o contrato com a Imbeg foi assinado em 2012.

Na época, a Imbeg venceu a licitação e se comprometeu a construir a escola por R$ 1,3 milhão (veja abaixo). Porém, de lá pra cá, já foram seis aditivos. Só o último, divulgado no Diário Oficial desta sexta-feira, tem quase o valor total previsto para a obra.

Comentar
Compartilhe
Após banheiros químicos (R$ 225 mil) e obra (R$ 200 mil), Working recebe mais R$ 690 mil por "manutenção"
15/05/2015 | 09h25
[caption id="attachment_33155" align="aligncenter" width="518"] Faz Tudo: Empresa, que recebeu mais de R$ 1 milhão nos últimos dias, aluga tendas, palcos, banheiros químicos, faz obras, manutenção de escolas e creches, entre outras atividades / Imagem ilustrativa[/caption]

Na última semana o blog publicou notas (aqui e aqui) sobre a versatilidade da empresa Working. Em Campos, além de alugar palcos, tendas, banheiros químicos e responder pela manutenção preventiva em escolas e creches, a empresa também recebe por diversas obras. Mas engana-se quem pensa que para por aí. No Portal da Transparência é possível notar que, após receber R$225 mil por aluguel de banheiros químicos e mais R$ 200 mil por uma obra de recuperação, a empresa faturou, na última terça-feira (12), mais R$ 692 mil por "manutenção e instalação de equipamento". Pela publicação não é possível saber mais detalhes sobre a "manutenção".

Ao todo, entre os dias 06 e 12 deste mês, bem no meio da crise financeira, a versátil empresa recebeu mais de R$ 1 milhão da Prefeitura de Campos.

Atualização às 16h30 - O jornalista Esdras Pereira também publicou em seu blog (aqui) uma nota sobre a empresa "multitarefa". Veja:

[caption id="attachment_33166" align="aligncenter" width="501"] Reprodução/Blog do Esdras[/caption]
Comentar
Compartilhe
Pezão propõe escambo para receber e pagar dívidas
15/05/2015 | 09h08

Em busca de alternativas para conseguir receber R$ 37 bilhões em dívidas de empresas e pagar R$ 1,2 bilhão que deve a prestadores de serviço, o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) apelou para uma saída inusitada: o escambo. Projeto de lei que será enviado pelo governo do Estado à Assembleia Legislativa (Alerj) autoriza que parte dos pagamentos seja feita em produtos, não em dinheiro. O governador disse que já levou à Petrobras a proposta de que parte da dívida com o Estado seja honrada em óleo diesel, querosene, gasolina e asfalto. Em entrevista ao jornal Valor Econômico publicada nesta quinta-feira, 14, Pezão disse que ele e o secretário de Fazenda, Júlio Bueno, serão "os maiores mascates do Brasil".

Também o setor de supermercados será procurado para aderir ao novo sistema de pagamento de dívida. "Eles podem nos pagar em gêneros alimentícios, produtos de limpeza. Posso trocar esses produtos com fornecedores que têm a receber do Estado. Pode ir para merenda escolar, para alimentação em presídios, por exemplo. No caso dos produtos da Petrobras, posso pagar outras empresas com combustível, posso usar o asfalto nas estradas", disse Pezão. Embora reconheça não ser uma forma usual de pagamento, o governador afirmou que é tentativa de driblar a retração econômica, que reduz investimento das empresas e arrecadação de impostos. "A economia está muito parada. O que importa é receber. Parte em dinheiro e parte em produto é solução que facilita a vida de todo mundo", afirmou. Com empresas de telefonia e energia elétrica, o governador negocia que elas descontem o que têm a receber do Estado no pagamento de impostos. Projeto de lei que permite o encontro de contas já foi enviado à Assembleia.

A falta de pagamento de fornecedores têm levado à interrupção ou redução de serviços e prejudicado funcionamento de serviços essenciais como educação e saúde, principalmente por falta de limpeza, como aconteceu na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) e no Hospital Estadual Rocha Faria. A Petrobras não quis comentar a proposta do governador. O superintendente da Associação das Empresas Fornecedoras de Serviço do Rio de Janeiro (AEPS), José de Alencar, disse que reconhece o esforço de Pezão em achar saída para as dívidas, mas lembrou que a maior parte dos gastos das fornecedoras é com pagamento de salários, o que tem que ser feito em dinheiro. "Tenho certeza que o governo quer acertar, reconheceu que há falta de pagamento. Mas 80% do nosso custo é mão de obra e não dá para pagar os empregados com produtos", disse.

O presidente da Associação de Supermercados do Rio de Janeiro, Aylton Fornari, disse que não tem informação sobre a proposta de governo, mas que, se houver interesse, cada supermercado deverá negociar separadamente com o Estado.

Fonte: Agência Estado 

Comentar
Compartilhe
Quem se preparou para o tsunami?
14/05/2015 | 17h27

 

"Nos preparamos e fizemos o dever de casa para enfrentar um terremoto, só que ele veio seguido de um tsunami", declarou a prefeita Rosinha Garotinho (PR), ao contatar a queda milionária da arrecadação nos últimos meses.

Mas afinal, por que o município de Campos não tem estrutura para encarar essa onda gigante?

É bom lembrar que nos últimos sete anos a cidade arrecadou mais de R$ 13 bilhões. Como diz o ex-presidente Lula, "nunca antes na história" Campos teve tanto dinheiro.

Será que durante este período não era possível apostar na diversificação da economia e tornar a cidade menos dependente dos royalties?

Quanto o município investiu em qualificação? A cidade é referência nesta área?

Quanto a Prefeitura aplicou no Fundo de Inovação Tecnológica? A nossa cidade é referência em inovação?  O Parque Tecnológico, sugerido em 2011, saiu do papel?

Os atuais gestores dialogaram com o setor acadêmico em busca de alternativas?

A secretaria de Desenvolvimento Econômico é um enfeite? Vale lembrar que o Orçamento anual da pasta era quase o mesmo valor de um único show do Luan Santana.

Quando se investiu no fortalecimento da Agricultura? A cidade é referência? Para se ter uma ideia, a secretaria de Agricultura foi parar no segundo escalão. Em junho, será uma superintendência.

E o projeto do vereador Marcão, que pretendia criar um Fundo para economizar os royalties? Foi criado ou engavetado?

E a Comissão para fiscalizar a aplicação dos royalties? Existe ou dorme em alguma gaveta?

Ao contrário de países que se preparam e fazem treinamentos para enfrentar catástrofes, a Prefeitura de Campos investiu muito pouco em prevenção...

Agora, como diz uma música do Zeca Pagodinho, é aquele velha história: "Camarão que dorme a onda leva".

Comentar
Compartilhe
Dívida total do governo estadual chega a R$ 2,4 bilhões
14/05/2015 | 11h08

A dívida do governo do Estado do Rio apenas no primeiro quadrimestre de 2015 já chega a R$ 2,4 bilhões, segundo dados do Sistema de Informações Gerenciais (SIG), da Secretaria de Estado de Fazenda, indica relatório divulgado pelo deputado Luiz Paulo Corrêa da Rocha (PSDB). Nesta quinta-feira (14), a secretaria já tinha informado que, só a fornecedores, o governo do Estado deve R$ 1,2 bilhões. Os dados do SIG levam em conta as contas gerais de todo o Poder Executivo do Rio de Janeiro, incluindo despesas com fornecedores, folha de pagamento, terceirizados, entre outros. Segundo o relatório, até esta quarta-feira (13), apenas na área da Segurança Pública do Rio a dívida chegava a R$ 668 milhões. Outro grande déficit é na área da Educação, onde o Estado precisa quitar R$ 624 milhões. Apenas com a Universidade do Estado do Rio de Janeiro o governo precisa quitar mais de R$ 74 milhões. Na Saúde Pública a dívida chega a R$ 346 milhões.

Nos primeiro quatro meses deste ano o Estado teve uma despesa total de R$ 19,8 bilhões, dos quais R$ 17,4 bilhões foram pagos. No mesmo período, o gasto com a Segurança chegou a R$ 3,6 bilhões, dos quais R$ 1,7 bilhão foi gasto com a Polícia Militar. Com a Educação a despesa foi de R$ 2,5 bilhões e R$ 1,4 bilhão com Saúde Pública.

Ainda de acordo com o relatório do Sistema de Informações Gerenciais (SIG) da Secretaria de Fazenda do Estado do Rio, além das dívidas do Estado estarem altas, alguns setores considerados de extrema importância para os cofres públicos tiveram uma arrecadação abaixo do esperado em relação a 2014. A receita com ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias) e royalties do petróleo, ficaram, respectivamente, -15,35% e -14,42%, quando comparadas com o primeiro quadrimestre do ano passado. Nos primeiros quatro meses de 2015 foram arrecadados com ICMS cerca de R$ 10,29 bilhões e R$ 1,69 bilhão em royalties e compensações financeiras.

De acordo com o deputado Luiz Paulo, o rombo na arrecadação não justifica a dívida do Estado. "Um problema é a crise econômica, financeira, política, ética e todas as crises que você possa imaginar que o nosso país enfrenta hoje. Mas tem uma outra crise que poucas pessoas falam, que é a crise de gestão. No meu entendimento, este rombo não justifica o tamanho do 'não pago' (dívidas). Se você pega os seis meses de 2014, todos os candidatos à reeleição fingiram que a situação não estava indo ladeira abaixo e não tomaram as medidas para apertar o cerco. Ao contrário, continuaram como se o céu fosse azul. Só que acabou a eleição e o céu, além de não ser azul, tinha uma tempestade imensa", criticou Luiz Paulo.

Fonte: G1

Comentar
Compartilhe
Na Câmara, PRB já não é situação, nem oposição
13/05/2015 | 12h50

O presidente do PRB em Campos, Carlos Henrique Costa de Souza, que atualmente responde pela secretaria de Pesca e Aquicultura da Prefeitura, já avisou que o partido não é mais da bancada rosácea na Câmara. "O nosso partido sempre caminhou com o governo, mas agora a postura é de centro. Não estamos no governo, nem na oposição", afirmou. A legenda conta na Câmara com os vereadores Alexandre Tadeu e Dayvison Miranda, que na sessão de ontem não seguiram a recomendação do líder governista. 

Segundo o secretário, falta diálogo com a legenda no município. "Sempre fomos parceiros, desde o primeiro mandato, mas nos últimos tempos o partido perdeu espaço e não conseguiu desenvolver trabalhos importantes no município. Temos a possibilidade de desenvolver ações com nossos aliados no governo federal, mas falta a estrutura necessária para que isso ocorra em Campos. Estamos aguardando respostas", disse Carlos Henrique, que com a reforma administrativa deixa de ser secretário e poderia passar para o segundo escalão.

Disputa pela Prefeitura - Sobre o posicionamento do partido para a eleição de 2016, o presidente do partido em Campos diz que o principal nome é o do vereador Alexandre Tadeu. "Temos pesquisas que mostram o Alexandre Tadeu na segunda colocação na intenção de votos para prefeito e em primeiro lugar para vereador. É um nome muito forte e pode entrar na disputa. Mas é bom frisar que ele só entra para ser cabeça de chapa, não vai ser vice de ninguém", diz Carlos Henrique.

Sobre outros municípios, ele ressalta a parceria com o prefeito Neco (PMDB), em São João da Barra e avisa que a legenda vai "apostar no novo" em diversos locais. "Em SJB estamos com o prefeito Neco, mas em outros municípios da região a ideia é apostar no novo. Somos um partido que está crescendo muito e podemos oferecer uma nova forma de se fazer política. É hora de apostar no novo e diminuir a força de figuras atrasadas", completou.

Comentar
Compartilhe
O que fazer?
13/05/2015 | 12h27

Nos últimos dias, além da queda milionária da arrecadação, a Prefeitura de Campos ainda enfrentou: vistoria do MPF no Ferreira Machado, protesto dos camelôs, protesto das marisqueiras, protesto dos moradores de Santa Cruz, denúncias de vereadores aliados e Educação em estado de greve.

Sem dinheiro em caixa para resolver a maioria dos problemas e sem coragem de lançar um novo "pacote de maldades", o líder rosáceo vem tentando contornar as crises na base do "gogó". Porém, nem sempre funciona. No caso dos professores, se o governo ceder, abre espaço para reivindicações de outras categorias. Porém, se não negociar, vai enfrentar uma greve que pode prejudicar a cidade que amarga a antepenúltima colocação no ranking do Ideb.

O momento é delicado financeiramente e politicamente. E para não enfrentar o "rolo compressor" das ruas e aumentar ainda mais o desgaste do grupo, o líder vai ter que agir com cautela e visão estratégica.

O que vai funcionar? - Diante da crise rosácea, o velho estilo agressivo não cabe mais. Ser agressivo neste momento só aumentaria a rejeição. Além disso, a tática "novela mexicana", com os personagens atuando como vítimas, também não vai colar. Outra estratégia furada é a da "teoria da conspiração", que tenta vender a insatisfação como uma manobra de políticos que querem voltar ao poder. Como este blog lembrou em dezembro (aqui), é hora de escolher uma nova roupagem. Como ensina a Lei número 25 do livro maquiavélico “As 48 Leis do Poder”, um líder precisa se recriar. “Recrie-se, forjando uma nova identidade, uma que chame atenção e não canse a plateia. Seu poder se fortalecerá e sua personagem parecerá maior do que a realidade”, ensina o livro.

Se fosse uma luta de MMA, os rosáceos teriam neste momento que controlar a distância e lutar de forma estratégica, levando o combate para o chão, sem correr grandes riscos. Se tentar partir para a trocação de socos, a chance de ser nocauteado é bem grande.

Comentar
Compartilhe
Governo do estado deve R$ 87 milhões a fornecedores de hospitais
13/05/2015 | 10h54

[caption id="attachment_33119" align="aligncenter" width="448"] Pacientes internados no corredor do Hospital estadual Carlos Chagas, em Marechal Hermes Foto: Extra / Pâmela Oliveira/20.03.2015[/caption]

A dívida do governo do Rio com as 39 empresas terceirizadas que prestam serviço a 20 hospitais do estado chega a R$ 87 milhões, de acordo com um levantamento da Associação das Empresas Prestadoras de Serviços do Rio de Janeiro (Aeps-RJ), feito com exclusividade para o EXTRA. Uma greve de funcionários do Hospital Rocha Faria, em Campo Grande; do Instituto Estadual de Cardiologia Aloysio de Castro (Iecac), no Humaitá; e do Hospital Albert Schweitzer, em Realengo, mostrou as consequências do problema: montanhas de lixo por corredores e salas de atendimento, além de pacientes com alimentação improvisada. "O Estado tem 30 dias para pagar. Audita e paga. Acontece que tem conta atrasada há seis meses. E está se esgotando a capacidade de as empresas pagarem seus funcionários. Os bancos já não estão mais emprestando dinheiro. A situação está caótica", protesta o presidente da Aeps, José de Alencar.

Segundo a empresa que presta serviço de limpeza ao Rocha Faria, o estado está com o pagamento atrasado há três meses e meio, com um montante que chega a R$ 1,5 milhão. Por isso, funcionários pararam de trabalhar no último domingo, levando familiares de pacientes a assumirem a responsabilidade pela higiene nas enfermarias. Vídeos mostram que até médicos retiraram o lixo das salas de atendimento.

No Aloysio de Castro, equipes da Comlurb foram chamadas de forma emergencial, na última segunda-feira.

De acordo com a AEPS-RJ, entre os 20 hospitais, a dívida com limpeza e coleta de resíduos chega a R$ 15 milhões. No setor de vigilância, R$ 10 milhões. Fornecedores de alimentação aguardam para receber R$ 16 milhões. O maior débito, de R$ 46 milhões, é com empresas de apoio técnico, que contratam maqueiros, copeiros e recepcionistas, entre outras funções.

[caption id="attachment_33120" align="aligncenter" width="448"] A sala de trauma é transformada em sala vermelha, na emergência do Hospital estadual Carlos Chagas: superlotação Foto: Cremerj/30.04.2015 / Divulgação[/caption]

No Carlos Chagas, estoque de dieta enteral pode acabar nesta quarta-feira - A crise financeira que atingiu as unidade de saúde gera situações dramáticas: médicos do Hospital Estadual Carlos Chagas (HECC), em Marechal Hermes, denunciam que o estoque de alimentação para pacientes com sonda está perto do fim. Chefes de equipes já avisaram aos profissionais que a reserva de dieta enteral só dura até esta quarta-feira. "Esses pacientes estão recebendo uma alimentação especial, específica para alguns casos e mais cara. Como não tem da outra, estamos dando essa mesmo para todo mundo que precisa", revela uma profissional: "Passaram para a gente que o contrato com o fornecedor acabou. Os pacientes com sonda vão ficar sem dieta".

A Secretaria estadual de Saúde (SES) informou que está readequando o estoque de dieta enteral para atender a demanda do Carlos Chagas. Em nota, afirmou que “não há e não haverá falta dessa dieta para os pacientes internados”. Sobre a paralisação do serviço de limpeza no Rocha Faria, a direção da unidade afirmou que equipes da Comlurb atuam, desde segunda-feira, para normalizar a limpeza e o recolhimento de lixo. Afirmou, ainda, que, desde o fim de semana, funcionários de limpeza de outras unidades foram mobilizados.

Quanto ao pagamento dos funcionários da limpeza no Rocha Faria, a Secretaria de Saúde informou que o vencimento ocorreu na última sexta-feira, quando foi feita a programação de desembolso, a fim de regularizar a situação. A Secretaria de Fazenda afirmou que o pagamento para a prestadora do serviço foi feito nesta terça-feira.

Sobre a dívida com os fornecedores, a SES informou que está atuando, com a Secretaria de Fazenda, para a regularização de repasses e pagamentos atrasados.

Fonte: Extra 

Comentar
Compartilhe
Edson comanda "votação relâmpago" e Rafael Diniz protesta
12/05/2015 | 23h32
[caption id="attachment_33116" align="aligncenter" width="533"] CLIQUE PARA VER O VÍDEO[/caption]

Ao acompanhar o vídeo da "votação relâmpago", durante a sessão desta terça-feira (12) da Câmara de Campos, é possível notar a agilidade do presidente da Casa, Edson Batista (PTB), que comandou a aprovação, em segundo turno, da transformação dos subsecretários e superintendentes em ordenadores de despesas, sem abrir a discussão.

Visivelmente revoltado com a atitude do presidente da Casa, o vereador Rafael Diniz usou a tribuna e protestou: "Na hora que o secretário Garotinho ocupa este plenário, o presidente permite que ele fale o tempo todo. Isso é inadmissível: um vereador eleito não poder falar na casa do povo. Se quer votar contrário ou aprovar, é um direito de cada vereador. Mas eu tive 4.384 votos e quando eleito, sou vereador de toda a cidade de Campos. Não posso admitir, com todo respeito a vossa excelência, que o presidente corte a palavra de um vereador. Não sei como vossa excelência se posicionava na Ditadura, mas o que fez aqui hoje mancha a história desta Casa. Não podemos permitir isso. Vossa excelência tem a obrigação legal e principalmente moral de me conceder a palavra", disse Rafael.

Após o desabafo na tribuna, o vereador foi aplaudido e o presidente avisou: "Se repetir esse ato de manifestação no plenário, solicito a segurança que tome as providências devidas".
Comentar
Compartilhe
Edson Batista barra discussão de projeto e diz: “Viva a democracia”
12/05/2015 | 19h40

Durante a sessão desta terça-feira (12) o vereador Edson Batista (PTB), presidente da Câmara, comandou o “rolo compressor” e atropelou a oposição durante a votação, em segundo turno, do projeto enviado pela prefeita Rosinha Garotinho (PR), que transforma os superintendentes em ordenadores de despesa. Durante a votação, o presidente da Casa suspendeu a discussão da matéria e acelerou a aprovação. A medida foi recebida com indignação pelos parlamentares que desejavam votar contra (Rafael Diniz, Nildo Cardoso, Marcão, Fred Machado, Alexandre Tadeu e Dayvison Miranda). Após diversos protestos, Edson comentou: “Viva a democracia. É assim mesmo! Estou muito tranquilo com a decisão tomada”.

Em um dos momentos mais tensos da sessão, o vereador Rafael Diniz (PPS) disparou: “O secretário Garotinho vem aqui e fala o tempo todo. E agora, o presidente resolve suspender a discussão. Não posso admitir que corte a minha palavra. Quero discutir. O presidente tem obrigação legal e moral de me conceder a palavra”, disse Diniz.

Logo depois do pronunciamento de Rafael, a sessão foi suspensa por 10 minutos.

Na volta, Edson Batista afirmou que 18 vereadores votaram favoráveis e seis se posicionaram contra o projeto.

Revoltado, o vereador Fred Machado (SD) disparou: “Esta foi uma das atitudes mais arbitrárias que presenciei em minha vida. O presidente nem permitiu que os vereadores votassem. Fomos podados e o presidente da Casa agiu como um secretário do Executivo. Vamos lutar para anular esta sessão na Justiça”, disparou Fred.

O vereador Alexandre Tadeu (PRB) também protestou: "Vimos o regimento ser rasgado nesta Casa. O presidente enche a boca para dizer que temos mandato legitimado, mas ele mesmo cala a nossa voz. Uma aberração, uma vergonha. O PRB vai assinar o pedido de anulação ao lado da oposição. O que aconteceu não pode se repetir", disse Tadeu.

Mudou o voto – Membro da bancada de oposição, o vereador José Carlos (PSDC), que votou contra o projeto em primeiro turno e disse que era uma "sacanagem" (aqui), mudou de posição e "salvou" os governistas. Ao justificar a mudança, José Carlos disse: "Descobri que tinha votado errado e votei favorável. Mas não mudei por acordo algum. Não virei político para fazer acordo", disse.

Atualização às 20h30 -Em contato com o blog o vereador José Carlos informou que o seu voto não chegou a "salvar" o governo. "Eles tinham os 17 votos necessários e o meu foi o 18°. Ou seja, eles já iriam aprovar a matéria. Mudei porque achei que tinha que mudar. Mas continuo firme e forte na oposição", garantiu.

Manobra - Na última semana, por conta desfalques no "rolo compressor" e do risco da matéria receber votos contrários de governistas, uma sessão extraordinária que trataria da matéria foi cancelada (aqui).
Comentar
Compartilhe
Seis do HFM presos em vistoria do MPF que flagra remédios vencidos
12/05/2015 | 12h28
[caption id="attachment_33075" align="aligncenter" width="372"] Reprodução/Inter TV[/caption] [caption id="attachment_33076" align="aligncenter" width="374"] Reprodução/Inter TV[/caption]

Uma equipe do Ministério Público Federal (MPF) esteve na manhã desta terça-feira (12) no Hospital Ferreira Machado (HFM) e encontrou pacientes revoltados. Além da superlotação da emergência, com diversos pacientes no corredor, a equipe do MPF, com apoio da Polícia Federal (PF), ouviu relatos e fiscalizou setores da unidade, como departamento pessoal, emergência e farmácia, além de checar a escala de plantão. Após a vistoria, três profissionais responsáveis por medicamentos e instrumento cirúrgico com prazos de validade vencidos, teriam sido encaminhados à 134ª Delegacia de Polícia. O diretor do HFM, Ricardo Madeira alega ter comparecido a delegacia como testemunha.

Mais cedo, a equipe de reportagem da Folha entrou em contato com um membro do MPF, que relatou a prisão em flagrante de três responsáveis pelo HFM, entre eles o diretor Ricardo Madeira. Porém, a delegada Nathála Patrão relatou que "foi lavrado um auto prisão em flagrante de seis pessoas. Essas pessoas foram as responsáveis por manter o remédio, o medicamento impróprio para consumo armazenado. Então, a gente se direcionou pela responsabilidade penal pessoal não lavrando prisão em flagrante em face do diretor do hospital, que tem diversas funções e delega e apenas o responsável direto pela manutenção deste medicamento impróprio para o consumo no armário é que foi conduzido e preso em flagrante. Todos pagaram fiança e foram liberados".

Parte dos medicamentos vencidos foram encontrados na farmácia da pediatria. Após deixar a Delegacia, no final da tarde, Ricardo Madeira comentou: "Foram encontrados medicamentos vencidos sim, mas, toda a equipe de saúde do hospital é orientada a olhar o prazo de validade dos medicamentos antes de usá-los. Vamos abrir processo administrativo para averiguar se houveram falhas e de quem", afirmou Madeira.

Entre os itens vencidos estavam recipientes de coleta de sangue, vários frascos de glicose e algumas unidades da ampola de injetável Clorpomax Clorpromazina, substância antipsicótica clássica ou típica, sendo protótipo no tratamento de pacientes esquizofrênicos.

Em entrevista à Inter TV, durante a vistoria, uma senhora desabafou: "Isso é uma humilhação. Tem animal que é melhor tratado em Pet Shop do que a gente aqui". Um jovem, em uma maca no corredor, disparou: "Estou aqui me sentindo um lixo. Faltam até itens básicos para fazer a cirurgia. Além disso, não tinha ambulância para me trazer. Enquanto isso, a cidade conta com um monte de ambulâncias paradas", protestou. A equipe da Folha da Manhã também esteve no local e acompanhou a vistoria.

Uma jovem que acompanha a mãe também aproveitou a presença do MPF para relatar um suposto descaso. "Minha mãe está aqui há nove dias e não tem um diagnóstico. Ela sente muita dor e ninguém sabe dizer o que é. Na noite passada fui pedir a uma enfermeira para dar o remédio e ela disse que não atuava naquela ala. Depois, enquanto jogava com seu celular, ainda disse que poderia dar, mas não deu porque eu não fui educada. E finalizou dizendo que não poderia ser demitida porque é concursada. Tem cabimento isso?", disse a filha da paciente.

A equipe do MPF também constatou o eterno problema do elevador, que continua sem funcionar. Funcionários do HFM, que preferiram ter a identidade preservada, contaram que um elevador não estaria funcionando há cerca de três anos.

Segundo pacientes, a falta de leitos é a principal dificuldade. “Tenho um familiar de 37 anos que sofreu uma fratura na lombar e está internado desde o dia 20 de abril, sendo que já vai completar um mês. É necessário que seja feita uma cirurgia, mas até hoje nada foi feito e ele está aguardando desde então. Até agora não sabemos quando ele vai operar”, disse.

O diretor do HFM, Ricardo Madeira, informou que a porta de entrada do Ferreira Machado é grande, mas a de saída é estreita. "Recebemos muitos pacientes. A maioria, por conta de traumas. Antes, essa demanda era dividida com o Hospital Plantadores de Cana e com a Beneficência Portuguesa, mas o número de atendimentos nessas unidades diminuiu e estamos recebendo um número maior. Foi estabelecido um contato com a Santa Casa de Misericórdia, que vai colocar alguns leitos a nossa disposição a partir do dia 18, segunda-feira próxima. Quero crer que o problema vai diminuir muito", comentou.

Indagado pela Folha sobre os problemas, ela ressaltou que não faltam médicos ou medicamentos. “Para melhorar questão de controle de frequência de médicos, catracas para ponto, com previsão para junho, e câmeras, com previsão para julho, estão sendo instaladas”, disse Madeira.

Sobre o elevador, Ricardo Madeira explicou que já foi feita uma licitação e a instalação do novo equipamento dependente de uma obra estrutural.

Em relação a denúncia sobre a enfermeira que teria se negado a atender uma paciente, a assessoria do HFM informou que a profissional deve ser identificada e o caso encaminhado à Ouvidoria do hospital. A assessoria salientou que um processo administrativo poderá ser aberto.

[caption id="attachment_33069" align="aligncenter" width="431"] Na propaganda, hospital aparece impecável[/caption]

 Na propaganda, hospital é "Nota 10" - Na propaganda exibida na TV, o governo Rosinha mostra um Hospital Ferreira Machado impecável (aqui). As belas imagens lembram até os cenários de algumas séries médicas famosas como “Grey’s Anatomy”, “ER” e ”House”.  Para reforçar a propaganda, uma paciente surge e diz que “a nota é 10?.

Atualização às 16h20 - Inclusão de informações passadas pelo repórter Jhonattan Reis, da Folha, que esteve no HFM e acompanhou a vistoria do MPF de perto.

Atualização às 18h44 - Atualização para inclusão de informações e mudança no título.

Atualização às 20h10 -  No início da noite, Ricardo Madeira e o presidente da Fundação Municipal de Saúde (FMS), José Manuel Moreira, reuniram a imprensa e relataram que será aberta uma investigação na unidade de saúde para identificar o culpado de ter armazenado material vencido em clínicas do HFM. “Quero deixar claro que os remédios não foram encontrados na farmácia do hospital e nenhum paciente estava fazendo uso do medicamento vencido. Estive na delegacia, prestei depoimento e fui liberado posteriormente”, declarou Madeira.

Sobre as últimas inspeções realizadas pelo MPF em unidades de saúde de Campos e irregularidades encontradas como falta de médicos e também ausência de divulgação da escala dos profissionais para o público, Moreira disse que os responsáveis pelos erros serão punidos. “A ordem é que a escala seja fixada na entrada das unidades de saúde. Sobre a falta dos profissionais, os mesmos terão os dias que não foram trabalhar descontados”, ressaltou o presidente da FMS, relatando também que foram investidos mais de R$ 1 milhão no HFM nos últimos meses, inclusive que um novo tomógrafo chegou à unidade na tarde de ontem.

* Com informações de Jhonattan Reis, Danielle Macedo e Dulcides Netto. 

Atualização às 22h50 - No início da tarde desta terça-feira o blog iniciou uma cobertura sobre a vistoria do MPF no Ferreira Machado. Posteriormente, a nota contou com atualizações repassadas pela equipe de reportagem da Folha, que estava acompanhando de perto o caso. Porém, houve uma falha na apuração. Ao contrário do que foi dito durante um determinado momento, o diretor do HFM, Ricardo Madeira, não chegou a ser preso. Na verdade, de acordo com a delegada Nathália Patrão, "foi lavrado um auto de prisão em flagrante de seis pessoas, que foram as responsáveis por manter o remédio impróprio para consumo armazenado". Entre essas pessoas não estava o diretor, que compareceu como testemunha. Em seu blog "Opiniões", o jornalista Aluysio Abreu Barbosa relatou a falha e fez questão de pedir desculpas. Confira: aqui 

Amanhã, mais informações na edição impressa da Folha.

Comentar
Compartilhe
Após receber R$ 225 mil por aluguel de banheiros, Working ganha mais R$ 200 mil por obra
12/05/2015 | 09h38

A empresa Working, que na última semana recebeu uma parcela de R$ 225 mil pelo aluguel de banheiros químicos (aqui), faturou mais R$ 200 mil na sexta-feira, dessa vez por conta de uma obra de recuperação e infraestrutura, sem maiores detalhes no Portal da Transparência. Demonstrando capacidade de atuar em diversas frentes, a empresa recebeu R$ 425 mil só na semana passada.

Além disso, a Working também recebe por montagem e aluguel de palcos (aqui), construção de Praça (aqui) e manutenção preventiva de escolas de creches (R$ 7,8 milhões - aqui).

Em Quissamã, a empresa já ficou responsável por “terceirização de gestão de frotas e equipamentos, e gestão de limpeza e conservação de prédios públicos” (aqui).

Ou seja, a empresa é capaz de bater o escanteio e ainda consegue chegar na área para cabecear e fazer o gol. Que versatilidade!

Comentar
Compartilhe
Garotinho: "Campos perdeu R$ 500 milhões em quatro meses"
12/05/2015 | 09h05

O secretário de Governo da Prefeitura de Campos, Anthony Garotinho (PR), comentou na manhã desta terça-feira (12) sobre a perda de R$ 106,7 milhões em Participação Especial no mês de maio (aqui). "Essa foi a perda na participação especial. Mas é bom lembrar que, nos quatro primeiros meses deste ano, Campos também sofreu quedas na arrecadação de impostos como ISS e ICMS. Somando todas as perdas, só nos quatro primeiros meses do ano, a cidade contou com uma queda de R$ 500 milhões em sua arrecadação. Vamos ter que rever diversas coisas, mas posso garantir que essa fase vai passar", disse.

Esperança - No momento, os prefeitos da região apostam suas fichas no projeto que tramita no Senado e pode ser votado nesta terça-feira. "É preciso que o Senado socorra os municípios produtores de petróleo aprovando o projeto que eu sugeri aos senadores Marcelo Crivella (PRB - RJ) e Rose de Freitas (PMDB - ES). Os prefeitos não têm outra alternativa a não ser promover mais cortes", disse Garotinho, ressaltando que uma manobra, coordenada pelo ministro da Fazenda Joaquim Levy, pode atrasar a aprovação do projeto. "Após um pedido do ministro, o líder do PT pode tentar atrasar a aprovação deste projeto. Mas vamos aguardar", comentou.

Comentar
Compartilhe
Meditação transcendental
11/05/2015 | 20h43

Depois de deixar o governo do Rio de Janeiro com 20% de aprovação, o ex-governador Sérgio Cabral, do PMDB, saiu dos holofotes e se tornou um político zen. Com discrição, passou a receber num escritório no Leblon uma romaria de aliados que buscam seus conselhos. Afastado da badalação, aderiu à meditação transcendental. Já fez três sessões com o professor Klebér Tani, o Primeiro Ministro do Governo Global da Paz Mundial para o Brasil. Em suas trocas de mensagens com amigos, Cabral sempre termina com a frase “calma e muita serenidade”. As metas da meditação transcendental são alcançar o “relaxamento profundo” e “eliminar o estresse”. Elas podem não ser alcançadas por Cabral, caso o PMDB insista em lançá-lo de novo ao governo em 2018.

Fonte: Expresso/Época 

Comentar
Compartilhe
Promessas
11/05/2015 | 14h45

Em dezembro de 2011, faltando poucos dias para o início de um ano eleitoral, a prefeita Rosinha Garotinho (PR) anunciou um pacotão de obras. Ao todo, a Prefeitura de Campos prometeu investir cerca de R$ 1 bilhão com as ações (aqui).

Entre as obras estavam a reforma do Centro Histórico, do Parque Alberto Sampaio e do Mercado Municipal, construção do Novo Shopping Popular e de mais seis vilas olímpicas em bairros e distritos, implantação da Cidade da Criança no Parque Alzira Vargas e de mais três novos Bairros Legais.

Também faziam parte do pacote de obras reforma e reestruturação da Avenida 28 de Março obras de urbanização na Avenida Nazário Pereira Gomes, em Guarus e a implantação de novo mobiliário urbano como abrigos de passageiros, bancas de jornais, bancos, placas de identificação de ruas, melhorias em ruas em todo o município e amplo programa de recuperação e manutenção de canais e estradas vicinais.

Três anos e meio depois da promessa, a população ainda aguarda a conclusão do "pacotão" anunciado em 2011.

Para destacar uma promessa, veja como os abrigos de passageiros estão modernos:

 
Foto de Valmir Oliveira/Folha
[caption id="attachment_33040" align="aligncenter" width="390"] Foto de Valmir Oliveira/Folha da Manhã[/caption]
Comentar
Compartilhe
Youssef reafirma à CPI que Planalto sabia de corrupção na Petrobras
11/05/2015 | 11h54

O doleiro Alberto Youssef voltou a afirmar, em depoimento à CPI da Petrobras, em Curitiba nesta segunda-feira, que o Planalto sabia do esquema de corrupção na Petrobras. Questionado pelos deputados se confirmava um depoimento anterior no qual citou nomes como o do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidente Dilma Rousseff, ele confirmou. No entanto, negou que houvesse uma coordenação do Planalto no esquema. "Não digo que havia uma coordenação, mas eu acredito que eles tinham conhecimento, no meu entendimento, do que acontecia", respondeu Youssef.

Os parlamentares também questionaram se Youssef achava que o esquema de corrupção teria servido ao interesse do governo: "Serviu ao interesse do partido, automaticamente aos partidos da base aliada", afirmou o doleiro.

Youssef disse ainda que recebeu dinheiro de uma empreiteira, em 2010, para “abafar” a CPI da Petrobras. "Em 2010, eu fui contatar a Queiroz Galvão e quando fui cobrar para que ela pudesse pagar seus débitos referentes aos contratos de diretorias de abastecimento da Petrobras, fui informado de que eles teriam repassado R$ 10 milhões por conta do abafo dessa CPI", afirmou o doleiro.

A informação dada em sua delação premiada, de que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), recebeu indiretamente dinheiro do esquema, também foi confirmada na CPI. "Não (repassei recursos) diretamente (para Cunha), não, mas a pedido de Julio Camargo (proprietário da Toyo Setal, que também fez delação premiada) que entregasse dinheiro a mando de Fernando Soares (operador do PMDB no esquema)", disse Youssef.

A CPI da Petrobras começou a ouvir na manhã desta segunda-feira em Curitiba 13 investigados pela Operação Lava-Jato que estão presos no Paraná. Nesta segunda-feira serão ouvidos o doleiro Alberto Youssef, o lobista Fernando Soares (conhecido como Fernando Baiano), apontados como operadores do esquema de corrupção na estatal, além do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, os operadores Mario Goes e Guilherme Esteves, a doleira Iara Galdino e o empresário Adir Assad. Também deverá prestar depoimento o delegado da Polícia Federal Gerson Machado, chamado para colaborar com as investigações da CPI.

Atualização às 16h25 - PF indicia 30 pessoas ligadas aos ex-deputados André Vargas, Pedro Corrêa e Luiz Argôlo -  A Polícia Federal concluiu neste fim de semana sete inquéritos policiais que apuram a responsabilidade criminal dos ex-deputados federais presos na 11ª Fase da Operação Lava Jato, André Vargas (ex-PT-PR), Pedro Correa (PP-PE) e Luiz Argôlo (SD-BA). Os inquéritos apuraram crimes de corrupção, fraude a licitações, lavagem de dinheiro, organização criminosa, entre outros. Trinta pessoas foram indiciadas, sendo que em alguns casos houve investigados indiciados em mais de um procedimento. Os três ex-deputados estão presos em Curitiba preventivamente e estão entre os indiciados. Os inquéritos policiais com respectivos indiciamentos e relatórios finais foram encaminhados ao Ministério Público Federal, que agora vai formular denúncia contra eles. Além dos três ex-deputados, foram indiciados seus ex-assessores e familiares, além do doleiro Alberto Youssef e seus laranjas.

  Fonte: O Globo 
Comentar
Compartilhe
Paulo Feijó: "O eleitor está muito viciado"
11/05/2015 | 11h34

Durante debate na Câmara de Campos sobre a reforma política, na manhã desta segunda-feira (11), o deputado federal Paulo Feijó (PR) deixou de lado o discurso repetitivo e tocou em temas polêmicos. "A grane verdade é que na política de hoje os mais fortes são aqueles bancados por grandes esquemas. Além disso, também são poderosos os políticos do segmento religioso, ou aqueles que são famosos ou polêmicos. Já o político com espírito público perdeu muito a força nos últimos anos. Esse tipo de político está ficando sem espaço e acabando", opinou Feijó, que não poupou os eleitores. "Dizem que político não deve falar de eleitor, mas não posso deixar de comentar. O eleitor também está muito viciado. A maioria não está nem aí. Grande parte está naquela do favor pessoal, do toma lá dá cá. O eleitor tem que mudar suas práticas", disse Feijó.

Comentar
Compartilhe
João Peixoto: "Só não enxerga o desgaste quem não quer"
11/05/2015 | 11h20

O deputado estadual João Peixoto (PSDC) comentou nesta segunda-feira (11) sobre a pesquisa do instituto Pro4, divulgada pela Folha, que mostra a decadência dos Garotinhos em Campos (veja no Blog Opiniões: aqui). Na visão de Peixoto, a pesquisa reflete a "voz das ruas". "Não sou político que fica sentado em gabinete. Ando por toda essa região e estou sempre conversando com as pessoas. No caso de Campos, só não enxerga o desgaste quem não quer. Os campistas sabem que a cidade contou com muito dinheiro nos últimos e, mesmo assim, ainda existem problemas sérios em áreas essenciais, como Saúde, Educação, Saneamento e Infraestrutura. Como pode, uma cidade que recebeu tanto dinheiro, não resolver os problemas das enchentes? Como podemos não ser exemplo em áreas como Saúde e Educação?", indaga Peixoto.

Para Peixoto, também é nítido que o perfil do eleitor mudou. "Hoje em dias as pessoas estão mais informadas. Se uma senhora não entra na internet, tem um filho para entrar e avisar sobre diversas questões. As pessoas estão cientes não só sobre os problemas no bairro, mas também na cidade, de uma forma geral. E isso com certeza vai fazer a diferença nas urnas", comentou o deputado.

Comentar
Compartilhe
Seguro-Defeso: Prefeitura libera R$ 912 mil
11/05/2015 | 11h01

Na última semana, marisqueiras da praia do Farol de São Thomé queimaram pneus e protestaram contra o atraso no repasse do seguro-defeso. Na ocasião, a Prefeitura informou que o pagamento dos trabalhadores da pesca inseridos no Programa Defeso Municipal-Risco Social sofreu atraso e foi suspenso em função de um cruzamento de dados, que levou em consideração informações de que algumas pessoas, por diferentes motivos, perderam o direito de receber, mas ainda estariam recebendo o benefício. Segundo o município, estão em atraso dois meses, março e abril, que serão pagos a partir de amanhã.

 Conforme prometido, a Prefeitura destinou R$ 912 mil para o pagamento do seguro. O valor pode ser conferido no Portal da Transparência. Agora resta saber qual vai ser a reação das pessoas que foram cortadas do programa.
Vídeo - Ex-aliado do casal Garotinho, o morador da praia do Farol, Anderson Souza Rangel, o Andrinho do Farol publicou um vídeo no Facebook, durante a manifestação, e fez duras críticas. "Tem que pagar as verdadeiras marisqueiras. Tem gente de Cabo Frio e Rio das Ostras recebendo aqui. Pessoas que nem são marisqueiras. Coloque esse cadastramento na mão de quem conhece as marisqueiras de verdade. Se não pagar, vamos sentar dentro do gabinete da prefeita", disse.
Comentar
Compartilhe
Lições de Maquiavel
10/05/2015 | 21h33

Em seu clássico livro "O Príncipe", Nicolau Maquiavel recomenda que as maldades sejam feitas de uma vez só. "As injúrias devem ser feitas todas de uma só vez. Já os benefícios devem ser feitos pouco a pouco, a fim de que sejam bem saboreados".

Ao que tudo indica, o líder rosáceo vem seguindo a cartilha maquiavélica. Até as classes menos favorecidas, que sempre eram poupadas pelo grupo, agora sentem na pele, com cortes no Cheque Cidadão e no repasse para as marisqueiras. É lógico que esse tipo de estratégia aumenta o desgaste e coloca o grupo em risco para a eleição de 2016. Porém, o líder rosáceo sabe que ter "lenha para queimar" na hora certa vai fazer toda a diferença.

E por falar em "lenha", é bom lembrar que, nos últimos anos, poderosos empresários sorriram muito na planície. E quem sorriu, deve retribuir com sorrisos em 2016. E é exatamente nessa hora que os "pacotes de bondades" vão surgir para fazer valar a força da máquina.

Comentar
Compartilhe
MP diz que o governo repassou irregularmente R$ 500 bilhões ao BNDES
09/05/2015 | 19h26

No dia 14 de abril, o economista Luciano Coutinho, presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, o BNDES, esteve no Senado para explicar os empréstimos do maior guichê do capitalismo de Estado brasileiro. Citou o apoio a 91 dos 100 maiores grupos nacionais, o financiamento à metade de todos os investimentos em infraestrutura no país e o estoque de empréstimo da ordem de R$ 263 bilhões, correspondente a 11% do PIB. Foi chamado 44 vezes de presidente. Chamou meia dúzia de senadores de Vossa Excelência. Talvez para mostrar quem está acima de quem no poder político brasileiro.

A próxima visita de Coutinho ao Senado será provavelmente diferente. Duas semanas após a tranquila exposição do economista, a oposição conseguiu as assinaturas suficientes para criar uma CPI destinada a investigar os bilionários empréstimos secretos do BNDES. Suspeita-se que algumas das operações tenham sido excessivamente camaradas – e algumas empresas especialmente privilegiadas. Ademais, a oposição quer investigar os indícios de que o ex-presidente Lula, conforme revelou ÉPOCA em sua última edição, tenha feito tráfico de influência junto ao BNDES, de modo a favorecer a Odebrecht, uma das empresas que mais obtiveram dinheiro do banco. O núcleo de combate à corrupção da Procuradoria da República em Brasília abriu investigação para descobrir se Lula atuou em favor da Odebrecht não apenas no BNDES, mas também junto a governos amigos do PT, os quais contrataram a empreiteira com dinheiro do banco brasileiro – algumas vezes após visitas do petista, bancadas pela Odebrecht, aos presidentes desses países. Lula, o BNDES e a Odebrecht negam qualquer irregularidade.

Os senadores também aprovaram o fim do sigilo nos empréstimos do banco. A presidente Dilma Rousseff pode vetar a medida – e o Congresso, cada vez mais hostil à petista, ainda pode derrubar um possível veto. Na Câmara, uma CPI com o mesmo objetivo estará na praça no segundo semestre, após o fim da comissão que investiga o petrolão. A Procuradoria da República no Rio de Janeiro, sede do BNDES, também investiga os empréstimos. A cada dia, crescem as suspeitas sobre as operações do banco.

Hoje, boa parte da economia brasileira roda com dinheiro das empresas que enchem o tanque no posto do BNDES. É gasolina batizada, segundo o Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União. Numa representação inédita obtida pela revista Época, o MP afirma que o BNDES recebeu de maneira irregular do Tesouro Nacional cerca de R$ 500 bilhões, que incharam o banco nos últimos seis anos. A representação contém uma avaliação prévia do MP, que solicita investigação por parte do TCU. Segundo o MP, o dinheiro público pode ter ido parar nas contas das empresas que receberam os empréstimos no Brasil e no exterior. “A operação foi desenhada como um subterfúgio para lançar mão de recursos que, por lei, não poderiam ser destinados a empréstimos ao BNDES (...) Configura verdadeira fraude à administração financeira e orçamentária da União”, diz o documento do MP, que aponta os fatos como “graves”.

Os repasses considerados irregulares pelo MP começaram em 2008, no segundo mandato de Lula, e prosseguiram até o ano passado, no primeiro mandato de Dilma. Naquele ano, o governo passou a usar dinheiro da conta única do Tesouro – uma espécie de cofrinho de emergência do país – para financiar as operações do BNDES. A conta única é abastecida com dinheiro de operações feitas pelo Banco Central. Quando, por exemplo, o BC tem lucro com a compra ou a venda de moedas, esse dinheiro vai para a conta única. O cofrinho só pode ser quebrado, segundo o MP, para que o governo pague suas dívidas. Para quebrá-lo, o governo fez uma malandragem: passou a emitir títulos de dívida ao banco estatal. Com eles, o BNDES conseguia pegar o dinheiro e emprestá-lo às empresas.

Assim, segundo o MP, o BNDES virou credor; e o Tesouro, devedor, o que é proibido, de acordo com a Lei de Responsabilidade Fiscal. O certo, ainda de acordo com o MP, seria o Tesouro captar recursos no mercado ou arrecadar impostos com os contribuintes e repassar esse dinheiro para o BNDES, contabilizando em seu orçamento. Mas não foi o que ocorreu. “O governo federal criou desse modo uma operação insólita”, diz a representação, assinada pelo procurador Júlio Marcelo de Oliveira no dia 6 de maio.

No documento, ele pede ao ministro Raimundo Carreiro que autorize os auditores do TCU a seguir o rastro do dinheiro que abasteceu o BNDES. O procurador também quer que os técnicos do Tribunal identifiquem o fluxo financeiro entre o banco estatal e o Tesouro. As diligências deverão ter sete principais frentes de atuação. Entre elas, está a apuração dos responsáveis pela arquitetura da transação. Será avaliado se a administração atual do BNDES foi conivente com esse tipo de operação, que, segundo o MP, foi “esdrúxula”.

O BNDES nega qualquer irregularidade nos repasses de R$ 500 bilhões do Tesouro. “O BNDES não realizou a operação mencionada. Os títulos recebidos do Tesouro foram integralmente alocados em operações de crédito. A monetização dos títulos foi feita por meio de venda direta, por operações compromissadas com agentes de mercado e também com a manutenção dos papéis até a data de vencimento, no caso de títulos curtos. Desta forma, os procedimentos adotados pelo banco foram absolutamente regulares.”

Para o BNDES, portanto, a gasolina do capitalismo de Estado brasileiro é limpinha.

Leia a matéria completa no site da revista Época: aqui 

Comentar
Compartilhe
Pedido de mãe
09/05/2015 | 08h51

A mãe de um aliado do grupo rosáceo pediu um presente inusitado ao filho. Ontem (08), dois dias antes do Dia das Mães, ela mandou o seguinte recado: "Chega de andar com esse tal de Garotinho, meu filho. Meu maior presente será ver você longe dele. Eles só pensam neles, não querem saber de mais ninguém", recomendou a mãe.

Resta saber se o rosáceo vai seguir o conselho materno ou continuar no colo do líder.

Comentar
Compartilhe
De olho em 2016, vice-prefeito de Macaé articula com o PSB
09/05/2015 | 08h45

O vice-prefeito de Macaé, Danilo Funke Leme, que deixou o PT, está com um pé no PSB. Em postagem no Facebook, o político publicou foto ao lado do senador Romário, presidente estadual do PSB, e revelou que a legenda "demonstrou interesse em um ousado projeto de futuro para Macaé". "Após intervenção em todos os Diretórios do Estado do RJ, surgiu a possibilidades de estreitarmos a relação iniciada com o Senador Romário durante a campanha de 2014 em que o ajudamos a eleger. Fico honrado pelo reconhecimento de nosso potencial baseado nos mais de 20.000 votos que tivemos para deputado federal. Quero também agradecer o apoio do Vereador Igor Sardinha (PT) - presente a reunião - e outros atores como André Longobardi (PR) e o Vereador Amaro Luiz (PSB) que têm buscado nos apoiar nos nossos movimentos de Renovação Política Real para Macaé. Melhor que pude esclarecer que nunca havia feito pedido formal de filiação a nenhum partido conforme fora noticiado na cidade indevidamente", disse Danilo.

 
Comentar
Compartilhe
"Está faltando grandeza na gente"
09/05/2015 | 08h42

Está faltando grandeza na gente. Falta, sim. Em todo canto, falta. Vivemos à míngua de gestos generosos, intenções grandiosas, ações maiores. Como bichos tímidos, acanhados em nossos projetos, reduzimos nossas vidas aos cargos e postos e títulos e relações oficiosas e protocolares que aos poucos nos transformam em meros colecionadores de miniaturas, acumulando milhas de mesquinharias. Nós e nossas vidinhas habitadas por pessoinhas deslumbradas, sorrindo sem graça em jantarezinhos sem afeto, cozinhando pratinhos sem gosto, a partir das receitinhas de homenzinhos dos programinhas de tevê.

Falta grandeza na gente, sim. Insistimos em ser rasos, superficiais, rasteiros, trancafiados em nossas verdades minguadas, metralhando com o dedo quem passar perto. Rareiam amigos de coração aberto e mãos postas, estendidas. Falta quem se disponha a escutar mais e mostrar menos, perguntar mais do que responder, questionar mais que pontificar. Falta gente disposta a pagar a conta por pura e simples gentileza. Ah… como são raras as visitas que surpreendem quando chegam para o churrasco em casa alheia trazendo nos braços algo além do fardo de doze cervejas previamente combinadas. Um bolinho para a dona da casa, um presentinho para as crianças. Qualquer coisa para além de uma presença fria, mirrada, previsível, burocrática.

Pior. Nossa escassez de elevação vem sob a escolta das matilhas de gênios e suas teorias em defesa da mesquinhez. “É a crise!”; “não sobra dinheiro para isso”; “também, com o preço das coisas…”; “no mundo moderno cada um paga a sua, tá reclamando do quê?”; “É cada um por si” e outras desculpas esfarrapadas. Como se a falta de dinheiro fosse o único problema.

Será mesmo? Ou tanta evasiva não passa de nossa obtusa mania de pequeneza crescendo como verruga, aumentando como um buraco? Certo é que nos tornamos sovinas, ridículos, avarentos de emoção e entrega e disposição para nós e para os outros. Isso, minha gente, tem pouquíssimo a ver com dinheiro. Estar “no bico do urubu”, sem um tostão para nada, não faz de alguém um “mão de vaca”. Há muito mendigo por aí dividindo seu pedaço de cobertor, sua porção de comida fria e seu meio cigarro com quem necessita. Porque generosidade é coisa das almas elevadas, com ou sem fundos patrimoniais. E ela está em falta como a água que baixa nas represas e o dinheiro que some dos cofres.

Nosso tempo na vida é tão pequeno e a grandeza anda tão pouca! Quanto será que nos resta? Por quanto mais você e eu estaremos aqui? Quanta vida nos cabe ainda? Trinta anos? Quarenta? Duas horas, um minuto? Pergunto, pergunto e com franqueza me dou conta de que, no fundo, não importa. Não interessa porque no fim do caminho qualquer tempo terá sido pouco. Muito pouco tempo para o perdermos com pequenezas.

Sejamos francos. A vida anda mirrada demais. Reduzida contra vontade, coitada, à pequena experiência pessoal de cada um. Obrigada por nós mesmos a dar as costas à sua vocação essencial. Porque, você sabe, diferente do que querem os mesquinhos, viver é nada senão um tremendo e escandaloso exercício de grandeza. Sejamos francos. Está faltando grandeza na gente.

Ilustração: Adrian Limani
Comentar
Compartilhe
Teatro da Política: as duas caras do PT
08/05/2015 | 19h56

Ato de hoje: As duas caras do PT

Desde que o PT chegou ao poder, tornou-se especialista na brincadeira de “O médico e o monstro”: diz uma coisa, faz outra. A estratégia tem um objetivo claro: evitar que Lula se contamine com o alto índice de impopularidade do governo Dilma. Mas as duas caras estão rachando o partido. Assista ao comentário do editor de Época Alberto Bombig. Afinal, "no Teatro da Política, toda vez que alguém faz duas caras, quem vive um drama é você”.

Veja o vídeo: aqui 

Comentar
Compartilhe
Caso Juliana: Prefeitura promete "atendimento integral" e entrega cama caindo aos pedaços
08/05/2015 | 18h18
[caption id="attachment_32984" align="aligncenter" width="344"] Mãe da paciente diz que cama chegou suja de sangue[/caption] [caption id="attachment_32985" align="aligncenter" width="324"] Uma das rodas soltou[/caption]

No dia 13 de abril o blog publicou o desabafo de uma mãe em busca de mais estrutura para a sua filha Juliana (aqui). “Me cansei de pedir, de implorar. Agora o que me resta é gritar. Tenho uma filha de 8 anos com paralisia cerebral e estamos sem o home care, cadeira de rodas, cilindro de oxigênio, cadeira de banho e leite especial. Para completar, estive na secretaria de Saúde e o processo da minha filha sumiu", desabafou Flávia.

A notícia ganhou repercussão na Folha, na Câmara, em sites, blogs e emissoras de TV. Um dia depois, o vice-prefeito e secretário de Saúde, Chicão Oliveira (PP), esteve na casa de Juliana e  determinou "atendimento integral" (aqui).

Mas será que a situação de Juliana melhorou ou piorou?

"Não mudou nada" - Em contato com o blog, a mãe da paciente fez um novo desabafo. "Não mudou nada. Além da cama hospitalar em péssimo estado, e suja de sangue, que nem, tive coragem de colocar no quarto, recebi doze caixas de leite, um pacote de fraldas e um remédio para convulsões. Ela toma seis caixas deste remédio em um mês, mas eles deram uma só. Tem cabimento?", desabafou a mãe, que vai levar fotos e documentos aos vereadores em busca de providências.

Atualização às 19h30 - Prefeitura garante que cama não tinha defeito e encaminha o caso  à Promotoria da Infância e Juventude. Confira a nota enviada pela assessoria da secretaria de Saúde:

A Secretaria de Saúde vai encaminhar o caso da paciente Juliana Faria, 9 anos, com diagnóstico de paralisia cerebral, à Promotoria da Infância e Juventude, para avaliar o caso. A medida se justifica devido à grande exposição à que a paciente, menor de idade, está sendo submetida. A Secretaria esclarece que um atendimento integral está sendo garantido à paciente, conforme determinou o secretário de saúde, Doutor Chicão. Uma nova consulta foi agendada no Hospital Sarah Kubitschek do Rio de Janeiro, para o início do mês de junho, incluindo transporte para deslocamento pelo Tratamento Fora Domicílio (TFD), com ciência da mãe. A Secretaria também agendou nova consulta no Centro de Reabilitação Regional do HGG, que aconteceu no dia 28 de abril, com médico especialista, ocasião em que foi feita nova especificação para aquisição da cadeira especial. Todo o transporte também foi garantido à paciente naquela ocasião.

Além disso, apesar de a Secretaria ter colocado à disposição da paciente o acompanhamento do Programa de Assistência Domiciliar (PAD), nenhum responsável compareceu ao setor para abrir o prontuário e autorizar o início do serviço, como exigem os critérios do Ministério da Saúde. "A Secretaria garantiu, ainda, cama hospitalar sem defeito; abrimos processo administrativo para fornecimento de fórmulas nutricionais especiais; garantimos a entrega domiciliar de 24 latas de suplementos alimentares e fraldas; encaminhamos o caso para a Secretaria de Educação, pois a irmã mais nova da paciente não havia sido matriculada na rede municipal de educação, e conseguimos, assim, escola de tempo integral para a mesma; encaminhamos o caso para a Secretaria da Família e Assistência Social para inclusão em programas sociais; entre outras medidas. Portanto, reafirmamos que demos prioridade ao caso da pequena Juliana. Toda atenção está sendo dada a ela", disse a gerente de Serviços Sociais da Secretaria de Saúde, Márcia Cristina Ferreira.

O vice-prefeito e secretário de Saúde, Doutor Chicão, visitou a paciente dia 15 de abril e determinou prioridade no atendimento à mesma “Assim que tomei conhecimento desse caso, determinei que uma equipe multidisciplinar reavaliasse o quadro da paciente em caráter de urgência. Acompanharei pessoalmente e continuarei cobrando as providências, pois temos trabalhado incessantemente, dia e noite, para garantir a excelência e eficácia na saúde de Campos”, disse Doutor Chicão no momento da visita.

Comentar
Compartilhe
Working recebe R$ 225 mil por aluguel de banheiros químicos
08/05/2015 | 10h31

A Prefeitura de Campos pagou na última quarta-feira (06) mais R$ 225 mil a empresa Working Empreendimentos e Serviços Ltda. O valor foi referente ao aluguel de banheiros químicos. Porém, através do Portal da Transparência não é possível saber quantos banheiros foram alugados, nem o valor total do contrato.

Em janeiro de 2014 a Prefeitura de Campos publicou no Diário Oficial o resultado Pregão Presencial 053/2013 para aluguel de banheiros químicos sob o regime de registros de preços.  Ganhou a WORKING EMPREENDIMENTOS E SERVIÇOS, que ofereceu os seguintes preços:
Banheiro químico modelo standart – preço unitário – R$130,50 (para 5 mil unidades)
Banheiro químico para portadores de necessidades especiais – preço unitário – R$ 174,00 (para 150 unidades).
Ao todo, a Prefeitura poderia gatar até R$ 650 mil com aluguel de banheiros.
Aluguel de Caminhão Banheiro por R$ 373,8 mil - Em março deste ano a Prefeitura de Campos firmou contrato com a empresa PGR Produções e Eventos Musicais para a prestação de serviços de locação de caminhão banheiro, contando com 19 a 35 unidades individuais, para atender as necessidades da Secretaria Municipal de Limpeza Pública. Valor: R$ 373,8 mil. PRAZO DE CONTRATO: 03 (três) meses. Na época, o extrato do contrato foi publicado no blog do Cláudio Andrade.
Comentar
Compartilhe
Fábio Ribeiro: "Não podemos agradar a todos e não temos recursos financeiros para isso"
07/05/2015 | 21h14

O secretário de Administração e Gestão de Pessoas da Prefeitura de Campos, Fábio Ribeiro, usou o Facebook para comentar sobre a polêmica que envolve a negociação com os servidores municipais. Após compartilhar um vídeo com a entrevista do presidente do Siprosep, Sergio Almeida, na Inter TV, Fábio comentou:

Em outra postagem, o secretário diz que, mesmo durante uma crise, a Prefeitura conseguiu atender aos servidores: "Contra fatos não tem argumentos. No meio da crise a Prefeitura de Campos consegue atender ao servidor público municipal. Prova de planejamento e reconhecimento aos servidores. Mas não se esqueça, a crise é real, e precisamos de união. Campos precisa de todos nós! Deus no controle! Fiquem na paz!".

Sem dinheiro - Em dezembro do ano passado, bem antes de Fábio Ribeiro falar sobre a falta de recursos financeiros, o ex-presidente do PR em Campos, Wladimir Garotinho, já havia avisado que, no momento, a Prefeitura está sem dinheiro: aqui 

Comentar
Compartilhe
E o Hospital do Servidor?
07/05/2015 | 19h24

Em janeiro deste ano, após dizer que o Plano UH Saúde era uma porcaria, o então deputado federal Anthony Garotinho (PR) colocou água na boca dos servidores municipais (aqui). Segundo o líder do grupo rosáceo, a Prefeitura poderia trabalhar pela implantação de um Hospital do Servidor. "O hospital para atender o servidor poderia funcionar na Santa Casa de Misericórdia de Campos, por exemplo. Os recursos gastos com os planos seriam investidos na Santa Casa para atender todos os servidores", sugeriu Garotinho.

Após a sugestão do líder, o vice-prefeito e secretário municipal de Saúde, Chicão Oliveira (PP), chegou a comentar sobre o projeto. "A ideia, como disse Garotinho, é aproveitar os leitos e os espaços físicos ociosos na Santa Casa, um dos hospitais contratualizados com a prefeitura, numa parceria que também ajudaria a superar a crise naquela instituição e melhor atenderia o servidor".

Agora, quatro meses depois, os servidores continuam sem o plano de saúde. E o Hospital do Servidor, era só uma promessa para acalmar os ânimos ou o projeto está em andamento?

Comentar
Compartilhe
Em tempos de crise, Alerj vai comprar tapete vermelho e carpete por R$ 43,9 mil
07/05/2015 | 15h27
[caption id="attachment_32964" align="aligncenter" width="448"] Foto: Marcelo Theobald[/caption]

Dois dias após aprovar aumento de 93% na bolsa dos estagiários, o que elevou o valor da bolsa de ensino médio para R$ 1.906 e o de nível superior para R$ 2.866, a Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) deu outro sinal de que — a despeito da crise que afeta o Estado — pretende manter luxo e mordomia na Casa. Foi publicada nesta quarta-feira, no Diário Oficial do Legislativo, o aviso de um pregão presencial para comprar um novo tapete vermelho para o plenário e de carpete para o saguão da Casa e escadarias. A previsão de gastos com as peças decorativas é de R$ 43.986.

A concorrência, segundo o edital, será realizada no dia 20. A execução do contrato será “acompanhada e fiscalizada por comissão designada pelo diretor-geral da Alerj”. Ao todo, serão instalados 145 metros quadrados de carpete e 12 de passadeira na cor “RED - 142 (vermelho).

Já a repercussão negativa do reajuste na bolsa dos estagiários da Assembleia levou o presidente da Casa, Jorge Picciani, a decidir colocar na pauta da próxima reunião do Colégio de Líderes, marcada para terça-feira, a avaliação de uma possível mudança nos valores. A ideia é analisar as propostas que forem apresentadas pelas lideranças dos partidos.

Fonte: Extra 

Comentar
Compartilhe
Devo, não nego
07/05/2015 | 09h49

A secretaria de Saúde da Prefeitura de Campos divulgou no Diário Oficial desta quinta-feira (07) três termos de reconhecimento de dívidas com o IMNE (R$ 32,3 mil), a Medcare Atendimento e Internação Domiciliar (R$ 127,8 mil) e com a Unimed Campos (R$ 33,5 mil), por conta do atendimento de quatro pacientes.

Passagens aéreas - Também foi publicado o reconhecimento de uma dívida da Prefeitura de Campos com a empresa L.M Viagens e Turismo. A dívida, de R$ 13,6 mil, é relativa ao fornecimento de passagens aéreas.

Comentar
Compartilhe
Cofre aberto: Rosinha paga mais R$ 386 mil por locação de veículos
07/05/2015 | 09h09

A empresa Lumentech Comércio e Serviços Ltda recebeu mais 386 mil pela locação de veículos para a Prefeitura de Campos. Em fevereiro, a empresa já havia recebido R$ 710 mil. Sendo assim, só em 2015, a prefeita Rosinha Garotinho (PR) já gastou mais de R$ 1 milhão com aluguel de veículos. A informação está disponível no Portal da Transparência. Porém, não é possível saber quantos veículos foram alugados.

Contrato de R$ 8,7 milhões - Em janeiro a coluna “Extra, Extra”, da jornalista Berenice Seara, publicou no dia 20 de janeiro (aqui) uma nota na edição impressa do jornal “Extra”, sobre a prorrogação, por um ano, do contrato de locação de veículos através de um termo aditivo de R$ 8,7 milhões. A nota sobre o contrato foi publicado aqui no blog,no dia 13 de janeiro. A coluna do “Extra” bem que tentou, mas não conseguiu descobrir quantos carros estão incluídos no contrato com a empresa Lumentech Comércio e Serviços Ltda.

Comentar
Compartilhe
Neco prepara "rolo compressor"
07/05/2015 | 09h04

O prefeito de São João da Barra, José Amaro de Souza, Neco (PMDB), está disposto a montar um “rolo compressor” para a disputa pela Prefeitura em 2016. No início desta semana ele se reuniu com o presidente nacional do PRB, Eduardo Lopes. Em sua página no Facebook, Lopes fez questão de destacar o encontro com o prefeito sanjoanense, como o blog do jornalista Arnaldo Neto publicou (aqui). Atualmente, dois nomes fortes do PRB em SJB já caminham com o governo Neco: Hortência, filha do ex-vereador Gersinho, que recebeu 1.139 votos em 2012, e Marquinho da Farmácia.

Neco também está articulando com PP e PSB. No PP, a coordenação na região ficou por conta do deputado estadual Papinha, que durante a última edição da Feijoada da Folha, ao lado do vice-governador Francisco Dornelles (PP), conversou durante um bom tempo com Neco. "Estamos bem próximos do prefeito Neco", diz Papinha. Já o PSB, que será coordenado na região pelo vereador Gil Vianna, também deve selar uma parceria com Neco em SJB.

Além disso, com a fusão entre PSB e PPS, o prefeito Neco poderia "ganhar" o apoio de um partido que no momento está ao lado da ex-prefeita Carla Machado (PT). Presidido pelo médico André Fontoura, aliado de Carla, o PPS poderia cair no "colo" de Neco, já que a articulação da nova legenda ficaria por conta dos principais caciques do PSB.

Outros partidos - O PDT e o PSDC, partidos dos vereadores Elísio e Eziel, respectivamente, também estão ao lado do prefeito, assim como o PSDB e o PT do B, do vereador Kaká. A meta é superar a marca de 2012, quando a coligação vitoriosa contou com 14 partidos.

Comentar
Compartilhe
Coisas de Sucupira
06/05/2015 | 19h09

Na fictícia Sucupira, o prefeito Odorico Paraguaçu não tolerava protestos. Para ele, isso era coisa de uma "turma marronzista, calunista, safadista, vagabundista e badernenta". Para combater as manifestações, ele convocava uma reunião de emergência e solicitava que o seu secretário de estimação, Dirceu Borboleta, tomasse providências. A regra era lotar os espaços públicos de aliados do governo, todos com discursos bem ensaiados. Com isso, Odorico abafava os protestos e criava um fato novo. Se a coisa ficasse muito quente, o Zeca Diabo entrava em cena.

Mas engana-se quem pensa que Odorico não deixou seguidores. Mais de 40 anos após a exibição da novela "O Bem-Amado", ainda existem grupos que colocam em prática as táticas odoriquianas. Em Campos, o mesmo grupo que promete uma reforma administrativa que moderniza a máquina, segue a cartilha de Odorico. Nesta quarta-feira (06), um "Dirceu Borboleta" esteve na Câmara para ensaiar discursos com o sindicato e ajudou a organizar um ato teatral, com direito a um super trio elétrico do Afonson, o mesmo que desfila no verão da gastança, na praia do Farol de São Thomé. A ideia era abafar o protesto dos servidores municipais e colocar o sindicato para acalmar os manifestantes. Além disso, temendo um protesto mais contundente, a tropa comissionada foi convocada para ocupar espaços no Legislativo.

Para completar, os Odoricos do século XXI lançaram no ar teorias conspiratórias. Segundo os rosáceos, vândalos infiltrados no movimento dos servidores queriam invadir e depredar a Câmara. Ou seja, a mesma tática usada por Odorico contra os "badernentos calunistas" na fictícia Sucupira. É a vida imitando a arte...

E depois ainda se assustam quando as pesquisas mostram o anseio da população por mudanças.

Comentar
Compartilhe
Ministro promete laudo do Complexo Farol/Barra do Furado em 15 dias
06/05/2015 | 18h48

Fica pronto em 15 dias o Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) do Complexo Logístico Industrial da Barra do Furado (CLIBF), entre os municípios de Campos e Quissamã, no Norte Fluminense. O compromisso foi assumido nesta quarta-feira (6) pelo ministro Edinho Araújo, da Secretaria de Portos da Presidência da República. O ministro atendeu ao pedido feito pela deputada federal Clarissa Garotinho (PR-RJ), presidente da Comissão de Viação e Transportes (CVT) da Câmara dos Deputados.

Com a liberação do laudo, a prefeitura de Campos poderá dar sequência ao projeto.

Obra estratégica para a região, prevista no Programa de Aceleração de Crescimento (PAC), a construção do complexo deve gerar oito mil empregos diretos e cerca de 50 mil indiretos.

Fonte: Ascom/Clarissa

Comentar
Compartilhe
Prefeitura busca parcerias para bancar Carnaval fora de época
06/05/2015 | 11h18

Foi publicado no Diário Oficial desta quarta-feira (06) o edital do "Chamamento Público" com objetivo de captar recursos para a realização do "Campos Folia" 2015, marcado para os dias 19, 20 e 21 de junho no Cepop.

Os interessados em patrocinar a folia fora de época podem escolher as seguintes cotas:

Cota Silver: R$ 25 mil

Cota Golden: R$ 50 mil

Cota Platinum: R$ 100 mil

Cota Titanium: R$ 150 mil

Cota Master: R$ 200 mil

Quanto custa a folia? - No ano passado, um levantamento feito pelo blog mostrou que, somente com as escolas e blocos de Campos, shows nacionais e escolas de samba do Rio de Janeiro, os gastos com o Carnaval fora de época ficaram em torno de R$ 1,5 milhão. Isso sem contar iluminação, som, buffet, telões, premiações e cachês de figuras como Milton Cunha e Viviane Araújo.

Ainda não explicou - Em fevereiro deste ano o secretário de Governo Anthony Garotinho (PR) afirmou que os "shows do Farol foram bancados com recursos de patrocínios". Porém, mesmo após diversos questionamentos do vereador Rafael Diniz (PPS), até hoje a Prefeitura não mostrou quanto cada patrocinador gastou no "Verão da Família". Vale lembrar que, só com os cachês dos shows nacionais, em um mês e meio, a Prefeitura gastou mais de R$ 1,3 milhão.

Comentar
Compartilhe
Cofre aberto: Rosinha gasta mais R$ 400 mil com publicidade
06/05/2015 | 10h01

Na última segunda-feira (04) a Prefeitura de Campos pagou por diversos serviços de publicidade.

Juntas, as três agências responsáveis pela propaganda oficial receberam cerca de R$ 400 mil.

No final de março, a Prefeitura pagou mais de R$ 800 mil por serviços de publicidade. Veja aqui 

Em tempos de governo desgastado, nada melhor do que um pouco de publicidade para aliviar o clima. Como ensina o livro "48 Leis do Poder", quando a dificuldade é grande, o segredo é "criar espetáculos atraentes (...) Distraia as pessoas da realidade desagradável".

Comentar
Compartilhe
Marcão: "Esse desgoverno 'negocia' com os direitos dos servidores"
05/05/2015 | 23h41

Do Facebook/ Vereador Marcão Gomes: 

"ATENÇÃO SERVIDORES PÚBLICOS DE CAMPOS!!!

ENTRE A CRUZ E A ESPADA

Na última sessão da Câmara o desgoverno rosa confirmou o mal que resolveu fazer aos Servidores do Município, encaminhou um projeto que “dispõe sobre a revisão geral anual na forma do inciso X da Constituição” que na verdade serviu para condicionar o aumento anual que é previsto na Carta Magna, consta que a Secretaria de Governo, através do “mandatário da vez”, o “Alcaide Municipal”, Senhor Garotinho, como diriam os corsários, piratas sanguinários que espoliavam as populações da costa do pacífico na América do Sul e Central, colocou os Servidores Municipais para “andar na prancha”.

Sim... "andar na prancha"...de forma muito benevolente (em seu psicopático entendimento) ordenou que fosse “escolhido” entre a implementação do Plano de Cargos e Salários ou a reposição das perdas salariais anuais. É verdade, esse desgoverno “negocia” com os direitos dos servidores, falando, como de costume, em nome de toda municipalidade, emprestando sua voz a de nossa “afastada” prefeita, sempre sob o pérfido argumento que “apertem os cintos que o dinheiro sumiu”... É, certamente, o mesmo dinheiro que o desgoverno não informa sequer onde foram aplicados os Bilhões de Reais.

O Plano de Cargos é um Direito instituído por lei desde 2002, já tendo sua implementação prevista da nova Lei Orgânica. Sua implantação é um DEVER e não uma benesse! O que falta é caráter e organização administrativa para implementá-lo, como há muito já deveria ter sido feito! Quanto ao reajuste dos espoliados servidores, não conceder em caráter de revisão/reposição em hipótese alguma pode ser aceito. Ora, acréscimo remuneratório em percentual inferior à inflação do período ou, como proposto NENHUMA REPOSIÇÃO, representa inequívoca diminuição do valor da remuneração, em desacordo com a garantia constitucional.  Sabemos (e os Garotinhos também sabem!) que os reajustes salariais dos servidores públicos constituem-se verdadeiros direitos assegurados constitucionalmente, o que autorizaria reparo, até, por via de decisão judicial.

Trata-se não de mera faculdade, mas de imposição fixada pela Constituição. Aliás, a inaplicação automática da norma contida no art. 37, X da CF ocorre por ausência exclusiva de VONTADE POLÍTICA. Ao revés de ficarem construindo “cidade das crianças”; “Cepop” pagando fortunas em contratos milionários de aluguéis; gastando com viagens a Brasília as nossas expensas; enfim dilapidando o Erário, deveriam valorizar a maior “Jóia da Coroa”, ou seja, o patrimônio inegável que são os servidores municipais, verdadeiras “molas-mestras” do crescimento municipal. A correção monetária, via de reposição salarial, não é ganho, nem lucro, nem vantagem. É apenas uma forma de resguardar os vencimentos dos efeitos perversos da inflação.

Vejam que não estou falando de aumento remuneratório e sim de recomposição/reposição, é dever de todo gestor público zelar pela respeitabilidade da categoria dos servidores públicos, como garantia de equilíbrio entre e remuneração e o serviço prestado. Servidores, vamos dizer um não ao despotismo e exigir que seus direitos sejam respeitados, sendo as Leis, inclusive quanto ao Plano de Cargos e Salários, cumpridas fielmente.

Não se humilhem ante mentiras e bravatas.

Vereador Marcão Gomes".

Comentar
Compartilhe
De luto, servidores protestam na Câmara
05/05/2015 | 18h47
[caption id="attachment_32893" align="aligncenter" width="461"] Facebook/Cláudio Andrade[/caption]

Após uma sessão que durou cerca de uma hora, com poucos temas polêmicos na pauta, a Câmara de Campos foi palco de mais um protesto dos servidores municipais. De preto, com apitos e cartazes, os manifestantes cobraram uma postura mais firme do Legislativo diante da pauta de reivindicações. Os servidores protestaram contra a ausência de reajuste anual dos salários, condicionada à aprovação do Plano de Cargos, Carreira e Salários (PCC) e se queixaram contra o corte do vale transporte, o congelamento do valor do vale alimentação e cobraram uma posição sobre o plano de saúde, suspenso após rompimento do contrato entre a Prefeitura e o UH Saúde.

Siprosep também é alvo - Em fevereiro o Sindicato dos Profissionais Servidores Públicos Municipais de Campos (Siprosep) prometeu uma grande manifestação no dia 23 de março. Porém, os representantes do sindicato optou por uma conversa com Garotinho no lugar do protesto (aqui). Depois disso, os representantes do sindicato mudaram o tom e isso não agradou  boa parte dos servidores. Na manifestação de hoje, muitos deles garantiram que não se sentem representados pelo sindicato.

Presidente recebe grupo - Ao notar que o protesto ganhava corpo e já ouvindo o forte barulho dos apitos, o presidente da Câmara, Edson Batista (PTB), encerrou a sessão e solicitou que uma comissão, com dez servidores, fosse escolhida para representar o grupo em uma reunião na sala da presidência. "Vamos ouvir a voz das ruas. Não temos problemas com isso. Mas precisamos que isso seja feito de forma ordeira, com uma comissão escolhida pelos manifestantes", disse.

[caption id="attachment_32900" align="aligncenter" width="448"] Foto: Valmir Oliveira/Folha da Manhã[/caption]

Auxiliadora tentou conversar - A vereadora Auxiliadora Freitas (PHS) chegou a se aproximar do protesto e dialogou com um servidor. "Eu não votei contra os servidores. Ninguém aqui votou", argumentou a parlamentar, que ouviu o seguinte: "Não votou contra os servidores? Então por que estamos nessa situação?". Ao fundo, dezenas de servidores gritavam: "traíra, traíra, traíra".

Casa do povo fechada - Após a entrada de uma comissão, formada por 10 servidores, os manifestantes foram trancados do lado de fora. Apesar dos gritos para que as portas da Casa do Povo fossem abertas, a segurança optou por trancar.

Mais informações sobre o protesto na Folha Online: aqui 

Comentar
Compartilhe
Alerj: estagiários ganham aumento de 93% e recebem mais que professor
05/05/2015 | 16h17

No meio da crise financeira que atinge todo o país – com cortes de gastos nos três níveis de governo – a Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) deu um aumento na bolsa dos estagiários de 93%. A decisão foi publicada na segunda-feira (4) no Diário Oficial e exibida no RJTV (aqui).

Os estagiários de nível médio agora ganham R$ 1.906,64, o equivalente a dois salários mínimos regionais. O auxílio dos estagiários de nível superior passou para R$ 2.860,41. São três salários mínimos regionais. Com o aumento, os estagiários que trabalham quatro horas por dia, agora ganham mais do que um professor de nível médio da rede estadual com a mesma carga horária. Os professores recebem R$ 1.179,35 por mês.

Em nota, a Alerj declarou que os estagiários estavam sem reajuste desde 2010, quando um ato da mesa diretora vinculou a remuneração ao salário mínimo estadual. E que a decisão de segunda-feira foi para evitar ações na Justiça.

Comentar
Compartilhe
Câmara: nova etapa do "pacote de maldades"
05/05/2015 | 14h08

A Câmara de Campos deve votar esta semana mais um projeto polêmico. Trata-se de uma proposta, enviada pelo gabinete da prefeita, que dispõe sobre o parcelamento de débitos do município de Campos com o PreviCampos. Pelo projeto, a Prefeitura poderá parcelar a dívida em até 60 prestações, com juros de 0.5% (meio por cento) ao mês.

Para justificar o parcelamento, a prefeita Rosinha citou a crise econômica, com queda de arrecadação do ICMS e no repasse dos royalties petróleo. "O parcelamento dos débitos se faz necessário como forma de manter a regularidade dos pagamentos devidos pelo município ao PreviCampos", diz um trecho do justificativa.

 Marcão aponta "apropriação indébita" - Em novembro do ano passado o vereador Marcão (PT) divulgou uma ata do Conselho Deliberativo do PreviCampos que comprovaria a apropriação indébita da Prefeitura sobre os descontos dos servidores do município. "A Prefeitura deve aos cofres e tem que pagar imediatamente os R$ 39 milhões. A prefeita está incorrendo em crime de apropriação indébita. Esse dinheiro tem que ser entregue ao Fundo de Previdência". Veja: aqui 

Comentar
Compartilhe
“Máquina é máquina”
05/05/2015 | 10h19

Cientes de que política é feita de ciclos e do desgaste após anos no poder, articuladores da tropa rosácea não perdem a confiança quando o assunto é a eleição de 2016. Ontem (04), nos bastidores da Câmara, ao analisar a pesquisa do Pro4 (aqui), que mostra a queda de popularidade da prefeita Rosinha Garotinho (PR), um rosáceo citou a disputa pelo governo do estado em 2014. “Cabral era o governador mais rejeitado do Brasil e Pezão largou com 2% nas pesquisas. Qual foi o resultado? Pezão venceu. Nessas horas, mesmo com rejeição e sem os mesmos recursos de antes, temos que reconhecer: máquina é máquina, principalmente diante de uma oposição desunida e vaidosa”.

Comentar
Compartilhe
PMDB já pensa no retorno de Cabral
05/05/2015 | 09h12

Uma ala do PMDB do Rio de Janeiro, diretório mais poderoso do partido neste momento, desenha o seu cenário ideal para os próximos quatro anos. Nele, o prefeito do Rio, Eduardo Paes, seria sucedido pelo seu secretário da Casa Civil, Pedro Paulo. Depois, em 2018, Paes se tornaria o candidato do partido à Presidência da República. Na mesma eleição, o ex-governador Sérgio Cabral tentaria voltar ao cargo e o governador Luiz Fernando Pezão disputaria uma das vagas ao Senado. Caso Pezão não queira ir para Brasília, o candidato a senador seria o atual presidente da Câmara, Eduardo Cunha. Uma aliança com o PT, no estado, está completamente fora de cogitação.

Fonte: Época 

Comentar
Compartilhe
Com "rolo compressor" desfalcado, sessão é adiada
04/05/2015 | 14h53

A Câmara de Campos realizaria na tarde desta segunda-feira (04), às 15h, uma sessão extraordinária para votação, em segundo turno, do Projeto de Emenda à Lei Orgânica do Município (LOM) nº 0067/2015, encaminhado pelo Executivo. A matéria trata sobre a possibilidade de superintendentes serem ordenadores de despesas.  Porém, por conta de desfalques no "rolo compressor", que colocavam a aprovação do projeto em risco, a sessão foi adiada.

Aliados iam votar contra? - Nos bastidores o governo tinha dúvidas em relação ao posicionamento dos seguintes vereadores: Gil Vianna (PR), Albertinho (Pros), Jorge Magal (PR), Neném (PTB), Dayvison Miranda (PRB) e Alexandre Tadeu (PRB).

Ausências - Além disso, a vereadora Cecília Ribeiro Gomes (PT do B) e o vereador Ozéias (PTC) não poderiam comparecer. Cientes do risco da primeira grande derrota do governo na Câmara, os articuladores do grupo acharam melhor ganhar tempo para acertar os ponteiros e colocar o "rolo" para funcionar perfeitamente.

"Tem gente virando a casaca" - Em fevereiro deste ano (aqui) o secretário de Governo Anthony Garotinho disse que muitos aliados estariam “virando a casaca”. Atualmente, a base governista conta com 20 vereadores. Porém, na prática, poucos parlamentares têm ido para o confronto direto com a oposição. Nos corredores da Câmara já tem gente resmungando: "Se não mudar a forma tratar os aliados, a oposição vai ficar com 10 vereadores".

Comentar
Compartilhe
Rafael Diniz: "Fusão entre PSB e PPS não muda a minha posição"
04/05/2015 | 11h43

A possibilidade de fusão entre PSB e PPS movimenta o tabuleiro político em várias partes do país e gera especulações de todos os tipos. Em Campos, por exemplo, já existem insinuações sobre a situação do vereador Rafael Diniz (PPS), que acabaria ao lado de membros do PSB, como o vereador Altamir Bárbara e o secretário de Limpeza, Jorge Rangel, ambos aliados do governo Rosinha Garotinho (PR). Porém, segundo Rafael, não existe a mínima possibilidade aproximação com a base rosácea. "Quem acompanha o meu mandato sabe da nossa luta contra este desgoverno. A fusão entre PSB e PPS não muda a minha posição. Se a nova legenda quiser que eu continue filiado, terá que entender que serei oposição", disse Diniz, deixando claro que isso não caracterizaria infidelidade partidária. "Fui eleito pelo PPS, que fazia e ainda faz oposição ao desgoverno de Campos. Ou seja, eu continuo sendo fiel ao projeto proposto pelo partido", frisou.

PPS - Presidido em Campos pelo ex-prefeito Sérgio Mendes, o PPS é oposição ao governo Rosinha desde o primeiro mandato, iniciado em 2009. O partido integrou a Frente Democrática de Oposição e, na eleição de 2012, indicou o então vice-presidente da Câmara, Rogério Matoso, como vice na chapa encabeçada pelo ex-prefeito Arnaldo Vianna. Em recente entrevista, Sérgio Mendes não escondeu que dessa vez a ideia é ter uma candidatura própria. Temos em nosso partido o vereador Rafael Diniz, um jovem estudioso, sério e com capacidade administrativa. Estamos vendo o fim de um ciclo e é hora de oferecer alternativas viáveis", diz.

PSB - Aliado do governo Rosinha desde o início de 2009, o PSB vive um momento de reformulação em Campos. Com a destituição de todos os diretórios, o atual presidente da legenda no município, vereador Altamir Bárbara, perde a força. Com isso, o vereador Gil Vianna, atualmente no PR, deve chegar para dar as cartas e marcar posição. A ideia inicial é marcar posição e ter uma nome na disputa pela Prefeitura de Campos em 2016. Inclusive, não são descartados diálogos com a oposição. Porém, há quem diga que o vereador Gil Vianna também poderia ser vice em uma chapa rosácea encabeçada por Chicão Oliveira (PP), Mauro Silva (PT do B) ou Geraldo Pudim (PR).

Comentar
Compartilhe
Com popularidade em queda, Rosinha entra na onda do "passinho"
04/05/2015 | 09h59
[caption id="attachment_32855" align="aligncenter" width="599"] CLIQUE PARA VER O VÍDEO[/caption]

No último sábado (02), um dia antes da Folha divulgar os números da última pesquisa do Pro4 (aqui), a prefeita Rosinha Garotinho (PR) participou de nova etapa do programa "Viver Feliz", no Condomínio Recanto dos Campeões, antigo Morar Feliz Tapera II. Descontraída, a prefeita tirou dezenas de selfies, regou plantas e finalizou a festa com a "dança do passinho".

Antes da prefeita dançar, o secretário de Governo Anthony Garotinho já havia ensaiado alguns passinhos (aqui) e (aqui).

Agenda "positiva e barata" - Cientes do desgaste e sem recursos para grandes eventos, os membros do grupo rosáceo tentam colocar em prática uma agenda "positiva e barata". A ideia é percorrer os bairros, oferecer serviços e botar a turma comissionada para trabalhar. No sábado, a "caravana" ofereceu aos moradores design de sobrancelha, brincadeiras com argila, aferição de pressão e glicose, doação de plantas, assistência jurídica, vacinação e doação de animais.

Comentar
Compartilhe
Gil Vianna já pediu para sair do PR
04/05/2015 | 09h13

O vereador Gil Vianna, que está com um pé no PSB (aqui), já oficializou o pedido de desfiliação do PR. O documento foi entregue ao presidente do partido em Campos, vereador Kellinho.

Porém, a saída não será pacífica. Gil Vianna teria sido informado pelo colega que a decisão final ficará por conta do diretório estadual, presidido pelo secretário de Governo Anthony Garotinho (PR).

Nos bastidores, já há quem fale em infidelidade partidária, com a possibilidade de algum suplente pedir a cadeira.

Gil Vianna, que disputou uma cadeira na Alerj e recebeu 22.334 votos, será o principal articulador do PSB em Campos e na região. Inclusive, cogita-se a possibilidade do partido atuar como protagonista na eleição de 2016, lançando candidato à Prefeitura ou indicando o vice em alguma chapa.

O blog do Ralfe Reis publicou nota sobre o assunto (aqui).
Comentar
Compartilhe
Apostador de Cambuci acerta sozinho a Mega-Sena e fatura R$ 31,4 milhões
03/05/2015 | 00h00

Um apostador de Cambuci, no Noroeste Fluminense, acertou sozinho o Concurso 1.700 da Mega-Sena realizado neste sábado e vai levar para casa R$ 31.494.038,01. Os números sorteados foram: 15, 18, 41, 48, 50 e 58. Acertaram a quina 65 apostadores. Cada um vai ganhar R$ 45.507,40. Já a quadra, teve 5.380 apostas ganhadoras, que vão levar R$ 785,44, cada.

No último sorteio, na quarta-feira, nenhum apostador acertou as seis dezenas, e o prêmio acumulou. Ao todo, 189 pessoas acertaram a quina e ganharam R$ 13 mil. Outras 9.424 acertaram quatro dezenas e levaram R$ 372,42.

Fonte: O Globo 

Comentar
Compartilhe
De como engolir sapos
02/05/2015 | 16h06
[caption id="attachment_32836" align="aligncenter" width="400"] Talvez Dilma Rousseff tenha aprendido a jogar, nas duras situações políticas que as circunstâncias a obrigam a enfrentar[/caption]   Há um racha no Legislativo. Só aparentemente nasce da velocidade imprimida por Eduardo Cunha na Câmara e da lentidão de Renan Calheiros no Senado. O primeiro acelera votações e o segundo pisa no freio. É verdade que os dois não são tucanos. Andam, porém, a se bicar. Ao contrário do que se diz, e do que parece, o tempo não é a razão principal desse choque entre peemedebistas. A situação delineia uma trama política da qual a presidenta é parceira. Surpresa? Ela mesma. Dilma não perdeu a capacidade de reagir a certas tramas e concessões desnecessárias, as ilícitas, ocorridas à margem do processo político. Mantém esse rigor e, por isso, dificulta sempre a aproximação e a intimidade dela com o mundo político. No entanto, os episódios desses quatro primeiros meses do segundo governo, na moldura de uma crise econômica, forçaram a presidenta a mudar a postura e, sem se afastar das regras republicanas, passou a respirar política. Em palavras mais pobres e, nem por isso menos nobres, aprendeu a engolir sapos. Essa é uma arte também necessária a quem tem poder. Dizem que o general Golbery do Couto e Silva, um dos pilares do regime de 1964, que ajudou a construir e, a seu modo, a desconstruir a ditadura, tinha sobre a mesa um bibelô. Era a réplica de um sapo. Perguntado certa vez sobre a razão de aquele objeto enfeitar o ambiente, ele teria respondido: “É um monumento ao batráquio desconhecido. Homenagem aos sapos engolidos e outros ainda a engolir”. Existe regra na arte de engolir sapos. Ela estabelece, por exemplo, o tamanho do batráquio a ser engolido. Isso ocorre conforme o filtro de cada um. Pelo de Golbery, por exemplo, não passou o atentado do Rio Centro (RJ), em 1981. Ele pediu o boné. Pretendia a demissão do comandante do I Exército, o general Gentil Marcondes, e não foi atendido por João Figueiredo. Nos quatro anos do primeiro mandato, quando tudo era bonança, é indiscutível que Dilma procurou manter os aliados em segundo plano. Foi o que fez com o vice-presidente Michel Temer. Isso criou a massa de descontentamento na base aliada com repercussão na eleição presidencial de 2014. Dilma entendeu não haver possibilidade de saída pela esquerda. E cedeu. Convidou Joaquim Levy para o Ministério da Fazenda e o vice-presidente Michel Temer para conduzir a aproximação dela com o Congresso. Errou?, Acertou? O tempo dirá. É impossível ficar à margem do jogo político sendo peça-chave na estrutura do poder. Quem joga perde ou ganha. Na Câmara, Cunha diz que o impeachment não passa. No Senado, Renan resiste à terceirização. Cada um a seu modo. Decisões favoráveis à presidenta e ao governo dela. Dilma entregou os anéis para não perder os dedos. Talvez erre quem pensa que ela perdeu a caneta. Fonte: Maurício Dias/ Carta Capital
Comentar
Compartilhe
Se os tubarões fossem homens
01/05/2015 | 15h34
[caption id="attachment_32833" align="aligncenter" width="364"] Uma boa reflexão para o Dia do Trabalho.[/caption]

Se os tubarões fossem homens

“Se os tubarões fossem homens”, perguntou ao Sr. K. a filha da sua senhoria, “eles seriam mais amáveis com os peixinhos?” “Certamente”, disse ele. “Se os tubarões fossem homens, construiriam no mar grandes gaiolas para os peixes pequenos, com todo tipo de alimento, tanto animal como vegetal. Cuidariam para que as gaiolas tivessem sempre água fresca, e tomariam toda espécie de medidas sanitárias. Se, por exemplo, um peixinho ferisse a barbatana, então lhe fariam imediatamente um curativo, para que ele não lhes morresse antes do tempo. Para que os peixinhos não ficassem melancólicos, haveria grandes festas aquáticas de vez em quando, pois os peixinhos alegres têm melhor sabor do que os tristes. Naturalmente haveria também escolas nas gaiolas. Nessas escolas, os peixinhos aprenderiam como nadar para as goelas dos tubarões. Precisariam saber geografia, por exemplo, para localizar os grandes tubarões que vagueiam descansadamente pelo mar. O mais importante seria, naturalmente, a formação moral dos peixinhos. Eles seriam informados de que nada existe de mais belo e mais sublime que um peixinho que se sacrifica contente, e que todos deveriam crer nos tubarões, sobretudo quando dissessem que cuidam de sua felicidade futura. Os peixinhos saberiam que esse futuro só estaria assegurado se estudassem docilmente... Se os tubarões fossem homens, naturalmente fariam guerras entre si, para conquistar gaiolas e peixinhos estrangeiros. Nessas guerras eles fariam lutar os seus peixinhos, e lhes ensinariam que há uma enorme diferença entre eles e os peixinhos dos outros tubarões... Os peixinhos, eles iriam proclamar, são notoriamente mudos, mas silenciam em línguas diferentes, e por isso não podem se entender. Cada peixinho que na guerra matasse alguns outros, inimigos, que silenciam em outra língua, seria condecorado com uma pequena medalha de sargaço e receberia o título de herói. Se os tubarões fossem homens, naturalmente haveria também arte entre eles. Haveria belos quadros, representando os dentes dos tubarões em cores soberbas, e suas goelas como jardins onde se brinca deliciosamente. Os teatros do fundo do mar mostrariam valorosos peixinhos nadando com entusiasmo para as gargantas dos tubarões... Também não faltaria uma religião, se os tubarões fossem homens. Ela ensinaria que a verdadeira vida dos peixinhos começa apenas na barriga dos tubarões. Além disso, se os tubarões fossem homens também acabaria a ideia de que os peixinhos são iguais entre si. Alguns deles se tornariam funcionários e seriam colocados acima dos outros. Aqueles ligeiramente maiores poderiam inclusive comer os menores. Isto seria agradável para os tubarões, pois eles teriam, com maior frequência, bocados maiores para comer. E os peixinhos maiores, detentores de cargos, cuidariam da ordem entre os peixinhos, tornando-se professores, oficiais, construtores de gaiolas, etc. Em suma, haveria uma civilização no mar, se os tubarões fossem homens. ”(In BRECHT, B. Histórias do Sr. Keuner, São Paulo, Ed. Brasiliense, 1989). Bertold Brecht (1898-1956), Escritor e dramaturgo alemão  
Comentar
Compartilhe