Canceladas visita de Witzel e inauguração do Criaad
09/01/2019 | 01h09
Wilson Witzel
Wilson Witzel / Foto - Rodrigo Silveira
A Secretaria de Estado de Educação (Seeduc) e o Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Degase) adiaram a inauguração do Centro de Recursos Integrados de Atendimento ao Adolescente (Criaad), novo local que atenderá jovens que cumprem medida socioeducativa de semiliberdade, em Campos. Anteriormente, a assessoria de imprensa da Seeduc havia divulgado que o governador Wilson Witzel participaria da inauguração. No entanto, a presença dele foi cancelada. Horas depois, a inauguração também foi adiada. (Última atualização, no título e texto, às 15h28)
A nova unidade funcionará em um terreno doado pela Seeduc, ao lado do Colégio Estadual José do Patrocínio, e terá capacidade para atender 60 adolescentes.
— No espaço, os jovens contarão com duas salas multiuso para realização de atividades pedagógicas e culturais e quadra de areia para prática de esportes. Além do baixo custo financeiro necessário para adaptar a estrutura física que existia no local, o benefício para os jovens em conflito com a lei será enorme, pois terão um local de qualidade para cumprirem suas medidas socioeducativas — diz o secretário de Estado de Educação, Pedro Fernandes.
A abertura do novo Criaad dá continuidade ao plano de descentralização das unidades de cumprimento de medidas socioeducativas, onde o adolescente do interior recebe atendimento mais próximo à família, fortalecendo os vínculos afetivos e colaborando para a ressocialização. Nestes casos, também é importante ressaltar que os jovens acabam não tendo contato com adolescentes que não vivem a realidade de seus municípios, fazendo com que não sofram influências de comportamentos que não são comuns aos moradores de sua região.
O plano de Descentralização do Novo Degase se baseia no Plano de Atendimento Socioeducativo do Estado do Rio de Janeiro (Pase), que norteia todas as ações de planejamento e ações de intervenção na prática do atendimento ao adolescente em conflito com a lei.
No projeto pedagógico da semiliberdade, o adolescente pode sair das unidades para estudar e trabalhar, retornando para passar a noite. Em caso de bom comportamento, o jovem pode passar o final de semana com a família. Eles recebem acompanhamento técnico de agentes socioeducativos, psicólogos, assistentes sociais e pedagogos entre outros profissionais.
Comentar
Compartilhe