Família da jovem de SJB morta em Vila Velha frente a frente com assassino
04/10/2017 | 08h22
Acontece nesta quarta-feira (4), no Fórum de Vila Velha, a primeira audiência do caso Luiza Mariano, a jovem universitária de São João da Barra que foi assassinada em junho, dentro de uma lavanderia, onde trabalhava, na cidade capixaba. Segundo informações do Tribunal de Justiça, a audiência de instrução e julgamento está marcada para as 14h30. O crime causou grande comoção na cidade natal da vítima. A família de Luiza é proprietária da fábrica de Picolé N.Silva, do tradicional picolé São João da Barra.
A família da vítima, que é de SJB, vai acompanhar a audiência. Cláudia Mariano, mãe de Luiza, contou ao jornal Gazeta Online que organiza, por meio de redes sociais, uma manifestação em frente ao fórum para pressionar as autoridades a não cederem aos argumentos da defesa de Leandro Matheus Marins Silva, assassino confesso da jovem. “Ele cometeu um crime grave. Queremos que cumpra a pena completa”, diz a mãe.
O crime — A universitária de 23 anos foi encontrada morta dentro do banheiro de uma lavanderia na Rua Belo Horizonte, em Itapoã, Vila Velha. O corpo possuía marcas de agressões físicas e também perfurações causadas por golpes de faca. A vítima estava sozinha e teve o celular levado pelo assassino, que trancou a porta depois do crime.
Segundo familiares da vítima, Luiza Mariano da Silva era funcionária da lavanderia havia dois meses e tinha saído cedo de casa para mais um dia de trabalho. A mãe dela foi ao local para levar almoço para a filha e viu o estabelecimento fechado. Um tio de Luiza foi acionado, chamou um chaveiro e conseguiu entrar. O corpo da jovem estava dentro do banheiro.
Natural de São João da Barra, onde foi sepultada, a jovem cursava Psicologia na Universidade Vila Velha.
Réu confesso — Oito dias após o crime, Leandro Matheus Marins Silva, 28 anos, foi preso e confessou ter matado a jovem. 
Confira a matéria completa na Gazeta Online 
Comentar
Compartilhe
Acusado de matar sanjoanense em Vila Velha é indiciado por latrocínio
16/07/2017 | 07h02
Leandro Matheus Marins, de 28 anos, que confessou ter matado a universitária sanjoanense Luiza Mariano Silva, de 23 anos, foi indiciado por latrocínio, que é roubo seguido de morte. Segundo a polícia, ele cometeu o crime para roubar o celular da vítima e uma quantia de R$ 65 do caixa da lavanderia onde ela trabalhava, em Vila Velha.
No dia 29 de junho, a jovem foi encontrada morta com marcas de perfurações e agressão física dentro do banheiro da lavanderia onde trabalhava. Estudante da Universidade de Vila Velha, a jovem foi sepultada no dia seguinte em São João da Barra. A família de Luiza é proprietária da tradicional fábrica de Picolé N.Silva.
No dia 7 de julho, Leandro foi preso pelo crime. A polícia acreditava que o suspeito tinha ido à lavanderia cobrar o pagamento referente à rescisão de contrato da esposa, que trabalhava no local. Entretanto, nessa sexta-feira (14), o delegado Janderson Lube informou que ele queria dinheiro, provavelmente, para usar drogas.
— Os indícios são de que ele efetivamente tentou adquirir esse dinheiro que, em tese, seria da mulher dele, um pagamento a receber. Como não conseguiu, tentou fazer saque na casa lotérica e, não conseguindo, foi na lavanderia obter de forma violenta a quantia em dinheiro que ele desejava, para, ao que tudo indica, continuar usando drogas — disse o delegado.
Indiciado
Câmeras de segurança de prédios da região gravaram a movimentação de Leandro no dia do crime. As imagens mostram ele entrando duas vezes na lavanderia. Na segunda vez, ele ficou dentro do estabelecimento por cerca de 26 minutos.
Segundo a polícia, Leandro é casado com uma ex-funcionária da lavanderia e disse ao delegado que foi ao local para pegar o telefone do dono do estabelecimento, mas Luiza negou. Ele deixou a lavanderia e retornou minutos depois, para pedir o telefone do proprietário mais uma vez.
Diante da segunda negativa de Luiza, ele matou a funcionária. “Ele pediu que ela buscasse uma sombrinha e um chinelo da mulher dele, ex-funcionária da lavanderia. Quando Luiza foi ao banheiro buscar o objeto, ele se aproveitou e deu uma gravata nela”.
Ao delegado, Leandro confessou o crime. Ele disse que tinha usado drogas na noite anterior ao assassinato e que se arrepende do crime.
Fonte: G1
Comentar
Compartilhe
Vereador de SJB baleado em casa recebe alta
10/07/2017 | 03h12
O vereador Ronaldo da Saúde (Pros), de São João da Barra, que foi baleado dentro da sua casa, no dia 29 de junho, durante uma suposta tentativa de assalto, já deixou o hospital. Nesta segunda-feira (10), Ronaldo disse que está se recuperando bem, mas segue em repouso por orientação médica.
O parlamentar, que desempenha seu segundo mandato, tem 59 anos, ocupa o posto de segundo-secretário da Mesa Diretora e é presidente das comissões permanentes de Saúde e Vigilância Sanitária e Cultura e Assistência Social. Após ser baleado em casa, Ronaldo foi encaminhado ao Hospital Ferreira Machado (HFM). Ele chegou lúcido à unidade hospitalar, mas precisou passar por procedimento cirúrgico.
O caso é investigado pela 145ª Delegacia de Polícia de São João da Barra.
Comentar
Compartilhe
Assassino da jovem Luiza estava à procura do dono da lavanderia, diz jornal
07/07/2017 | 07h57
/ Reprodução
O jornal Gazeta Online (aqui) atualizou a matéria sobre a prisão, nesta sexta-feira (7), do suspeito de matar a universitária sanjoanense Luiza Mariano da Silva, de 23 anos, dentro da lavanderia na qual trabalhava, em Vila Velha, na semana passada. Segundo o jornal, Leandro Matheus Marins Silva, 28 anos, teve o mandado de prisão temporária expedido pela 4ª Vara Criminal de Vila Velha, e confessou o crime. Ele disse que estava à procura do proprietário do estabelecimento para cobrar uma dívida da esposa referente à verba de rescisão do contrato dela, mas Luiza se negou a passar o contato — nada justificaria essa brutalidade, mas o motivo é banal ao extremo, o que aumenta ainda mais a revolta.
O jornal capixaba relata que o assassino confesso disse que na noite anterior ao crime ingeriu bebidas alcoólicas e usou cocaína. Depois, já de dia, foi uma primeira vez à lavanderia, por volta das 9h, à procura do proprietário do estabelecimento. Lá encontrou Luiza. Ele pediu o telefone do proprietário, mas ela negou a informação. A esposa de Leandro é ex-funcionária do estabelecimento.
Ainda de acordo com o assassino, por volta das 10h40, ele retornou à lavanderia e pediu novamente o telefone do dono do estabelecimento e Luiza disse que não passaria. Naquele momento ele pediu que Luiza pegasse uma sombrinha e um chinelo que pertenciam à esposa dele (ex-funcionária do local). Quando Luiza pegou uma sombrinha e mostrou, ele disse que não era aquela. Luiza volta ao banheiro para procurar e Leandro se aproveitou para dar um golpe de 'gravata' na vítima, a derrubando.
Foto do assassino confesso foi divulgada pelo jornal capixaba
Foto do assassino confesso foi divulgada pelo jornal capixaba / Reprodução
A vítima tentou se defender e pegou um objeto perfurante. Só que Leandro usou um fio de ventilador para enforcar a vítima e tomar o objeto cortante das mãos dela, dando três golpes no pescoço de Luiza. Em seguida, ele pegou o dinheiro do caixa, o celular da vítima e fugiu. O assassino diz que jogou o aparelho no canal de Itapoã, próximo ao local do crime.
Luiza foi encontrada morta dentro da lavanderia na qual trabalhava em Vila Velha. O crime aconteceu no dia 29 de junho e a jovem foi sepultada no dia seguinte no cemitério de São João da Barra. Luiza cursava Psicologia na Universidade de Vila Velha. Sua família, tradicional em SJB, é proprietária da fábrica de picolés N. Silva.
Comentar
Compartilhe
Suspeito de matar jovem sanjoanense em Vila Velha é preso
07/07/2017 | 07h18
A polícia prendeu nesta sexta-feira (7) o suspeito de matar a universitária sanjoanense Luiza Mariano da Silva, de 23 anos. Ela foi encontrada morta dentro da lavanderia na qual trabalhava em Vila Velha. O crime aconteceu no dia 29 de junho e a jovem foi sepultada no dia seguinte no cemitério de São João da Barra. Luiza cursava Psicologia na Universidade de Vila Velha. Sua família, tradicional em SJB, é proprietária da fábrica de picolés N. Silva.
Segundo a Gazeta Online (aqui) o delegado Janderson Lube, titular da Delegacia Especializada de Homicídio Contra a Mulher (DHPM), Leandro Matheus Marins Silva, 28 anos, teve o mandado de prisão temporária expedido pela 4ª Vara Criminal de Vila Velha, e confessou o crime.
O jornal capixaba informa, ainda, que segundo Leandro, na noite anterior ao assassinato, ele teria usado drogas. Depois, já de dia, foi uma primeira vez à lavanderia, por volta das 9h, à procura do proprietário do estabelecimento. Lá encontrou Luiza. Ele pediu o telefone do proprietário, mas ela negou a informação. A esposa de Leandro é ex-funcionária do estabelecimento. 
Ainda de acordo com o assassino, por volta das 10h40, ele retornou à lavanderia e pediu novamente o telefone do dono do estabelecimento e Luiza disse que não passaria. Naquele momento ele pediu que Luiza pegasse uma sombrinha e um chinelo que pertenciam à esposa dele (ex-funcionária do local). Quando Luiza pegou uma sombrinha e mostrou, ele disse que não era aquela. Luiza volta ao banheiro para procurar e Leandro se aproveitou para dar um golpe de 'gravata' na vítima, a derrubando.
Luiza tentou se defender e pegou um objeto perfurante. Só que Leandro usou um fio de ventilador para enforcar a vítima e tomar o objeto cortante das mãos dela, dando três golpes no pescoço de Luiza. Em seguida, ele pegou o dinheiro do caixa, o celular da vítima e fugiu. O assassino diz que jogou o aparelho no canal de Itapoã, próximo ao local do crime.
Comentar
Compartilhe
Casa do vice-prefeito de SJB é arrombada
06/07/2017 | 02h06
A violência em São João da Barra não tem dado trégua aos políticos. Na semana passada, o vereador Ronaldo da Saúde (Pros) teve seu lar invadido e levou um tiro durante uma suposta tentativa de assalto. Sem maiores gravidades, felizmente, ele está em recuperação. Desta vez, o alvo foi um imóvel de propriedade do vice-prefeito Alexandre Rosa (PRB) que foi arrombado na madrugada desta quinta-feira (6).
A Folha 1 informa que “de acordo com Polícia Militar, vários aparelhos eletrônicos foram furtados do imóvel, que teve portas e janelas danificadas”. Não havia ninguém no local no momento do crime. O arrombamento foi na casa de praia do vice-prefeito, que tem residência fixa na sede do município.
O caso foi registrado na 145ª Delegacia de Polícia de SJB.
Comentar
Compartilhe
Violência em Campos é tema do "Gabeira na Globo News"
07/06/2017 | 02h41
O jornalista Fernando Gabeira esteve em Campos para a gravação de mais um programa. O “Gabeira na Globo News” deste domingo (11), previsto para ser exibido às 18h30, vai falar sobre a violência na cidade do Norte Fluminense que é a 19ª mais violenta do mundo, segundo ranking internacional. Na chamada da atração, Gabeira também destaca fatores sociais e econômicos de Campos:
— Mais violenta proporcionalmente que a cidade do Rio de Janeiro, Campos é a 19ª no ranking mundial. Aqui pesaram alguns fatores importantes, que vão desde os desmandos dos governantes, ou a falta de concepção de como construir moradias populares, até o desaparelhamento da Polícia, a crise do petróleo, o desemprego que, só no ano passado, levou ao fechamento de oito mil postos de trabalho.
Apesar dos altos índices de violência, o 8ª Batalhão de Polícia Militar (BPM) teve de ceder 40 policiais, de um efetivo já considerado insuficiente para atender toda área, para a região Metropolitana do Rio. Políticos e a sociedade, de modo geral, se mobilizam para o retorno desses policiais para o Norte Fluminense. Em primeira instância, a pedido da Defensoria Pública, a Justiça determinou que os policiais voltassem ao seu batalhão de origem, mas a decisão foi revertida no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (segunda instância).
Comentar
Compartilhe
Sobre o autor

Arnaldo Neto

[email protected]