Apontado pela PM como carona do caso Layron, 'Pica-Pau' é preso por suspeita de assalto na 28
12/11/2018 | 03h22
O vídeo que ganhou as redes sociais neste fim de semana, de um assalto na 28 de Março, em Campos, pode ajudar a elucidar outro caso, que ocorreu em Atafona. Um dos suspeitos preso é o “Pica-Pau”. Segundo a Polícia Militar era ele quem estava na carona do jovem Layron da Silva Costa, que morreu durante ação policial na madrugada de 27 de agosto, na praça do Repolhinho, no litoral de São João da Barra. Delegado da 145ª Delegacia de Polícia, de SJB, Carlos Augusto Guimarães informou que vai entrar em contato com a 134ª DP, do Centro de Campos, onde "Pica-Pau" está preso, para mais informações.
À época do caso Layron, que foi registrado como auto de resistência, os policiais disseram que receberam a informação que um foragido do sistema prisional estava em atitude suspeita, acompanhado por outros três homens, em duas motos. O suspeito citado seria um suposto chefe do tráfico local, que já teria praticado roubos de ônibus, comércio e residências. O criminoso estaria na garupa da moto pilotada por Layron. Ainda segundo a versão dos militares, o suposto chefe do tráfico atirou contra a guarnição, que revidou os tiros e um deles atingiu Layron.
Em depoimento posterior, o jovem que se apresentou como quem estaria na carona de Layron negou a versão. Ele relatou que havia participado de um churrasco no Balneário de Atafona e deixou o lugar com Layron e outros dois amigos, em duas motos, uma delas pilotadas pelo jovem morto. Segundo o depoente, que também não possui antecedentes criminais, ninguém estava armado e nenhum dos quatro seria o traficante conhecido como “Pica-Pau”.
Comentar
Compartilhe
Feriadão violento em semana de sangue na campanha presidencial e definições no RJ
09/09/2018 | 12h52
Violência sem fim
Campos, infelizmente, continuará a figurar entre as cidades mais violentas do mundo. E o que aconteceu neste feriadão justifica isso. A capa de sábado da Folha da Manhã destacou o 160º homicídio do ano na cidade. Poucas horas depois do fechamento da edição, nada menos que quatro homicídios foram registrados no município. Foram cinco mortes em dois dias. A média de mais de um morto por dia neste mês na principal cidade da região. É preciso que as forças de segurança tomem uma atitude. A única ação efetiva no município por parte da intervenção federal na segurança do Rio parece ter sido apenas para inglês ver.
Sem sinal da intervenção
Depois de quase seis meses, a intervenção federal na segurança do Rio chegou a Campos, efetivamente, com uma operação realizada no dia 9 de agosto em Guarus, área de conflito do município. A delegacia que atende ao subdistrito está entre as que registram mais homicídios no estado, e isso parece passar despercebido às autoridades. Com direito a 800 homens da PM, Bombeiros, PRF, PF e Exército, além de três carros blindados (um caveirão do Bope, tipo Urutu, e dois tanques modelo Guarani), a ação não teve grande resultado efetivo. E, pelo visto, não deixou nenhum recado à criminalidade, que continua atuando fortemente no município.
No cenário nacional
Além dos casos recorrentes de violência registrados no próprio município, Campos ainda foi parar no noticiário nacional devido a um táxi que saiu de São Paulo para a planície entre segunda e terça, mas o motorista foi encontrado morto em Rio Bonito e o veículo abandonado em Ibitioca. Neste caso, a integração policial de três estados foi eficaz para já ter identificado e prendido os suspeitos do crime.
Tem jeito?
E por falar em violência, ficará para a história o atentado ao candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL), durante ato de campanha em Juiz de Fora na última quinta. Ele levou uma facada, passou por cirurgia e se recupera no Albert Einstein, em São Paulo. Com um discurso forte e muitas vezes classificado como odioso, Bolsonaro pediu para baixar o tom da campanha. Mas não demorou muito para aparecer nas redes sociais, hospitalizado, e fazendo sinal de arma. Pedir uma coisa e se comportar de outra forma será que resolve?
Semana tensa
A semana passada também não foi das melhores para o ex-governador Anthony Garotinho (PRP). Condenado à prisão em regime semiaberto pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) por formação de quadrilha, o político da Lapa teve seu registro de candidatura negado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) devido à outra condenação, por desvios na saúde enquanto secretário da esposa Rosinha (Patri) quando ela foi governadora. A campanha continua, sub judice, mas a última pesquisa Datafolha, divulgada na quinta-feira, mostrou que ele perdeu força. É uma corrida contra o tempo, tanto na política, como na Justiça.
Gestão
Gestores da Educação Profissional e Tecnológica do Brasil e de diversos países estarão reunidos durante a 42ª Reunião Anual dos Dirigentes das Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica (Reditec), que será organizada e sediada pelo Instituto Federal Fluminense (IFF), de 10 a 14 de setembro de 2018, em Búzios. A abertura do evento contará com a presença do ministro substituto da Educação, Henrique Sartori de Almeida Prado, e o secretário de Estado de Educação, Wagner Victer, representando o governador Luiz Fernando Pezão (MDB).
Lazer e economia
O primeiro final de semana do 6º Festival de Petiscos de Farol de São Thomé tem movimentado a praia campista. Além de ser uma opção de lazer para famílias, o evento também tem mostrado ser uma boa oportunidade para movimentar a economia local. O festival foi iniciado nesta quinta e segue neste domingo, voltando no próximo final de semana, com petiscos a R$ 15 cada e apresentações musicais gratuitas na estrutura montada na orla, próximo à Marinha.
*Com o jornalista Mário Sérgio
Comentar
Compartilhe
Família da jovem de SJB morta em Vila Velha frente a frente com assassino
04/10/2017 | 08h22
Acontece nesta quarta-feira (4), no Fórum de Vila Velha, a primeira audiência do caso Luiza Mariano, a jovem universitária de São João da Barra que foi assassinada em junho, dentro de uma lavanderia, onde trabalhava, na cidade capixaba. Segundo informações do Tribunal de Justiça, a audiência de instrução e julgamento está marcada para as 14h30. O crime causou grande comoção na cidade natal da vítima. A família de Luiza é proprietária da fábrica de Picolé N.Silva, do tradicional picolé São João da Barra.
A família da vítima, que é de SJB, vai acompanhar a audiência. Cláudia Mariano, mãe de Luiza, contou ao jornal Gazeta Online que organiza, por meio de redes sociais, uma manifestação em frente ao fórum para pressionar as autoridades a não cederem aos argumentos da defesa de Leandro Matheus Marins Silva, assassino confesso da jovem. “Ele cometeu um crime grave. Queremos que cumpra a pena completa”, diz a mãe.
O crime — A universitária de 23 anos foi encontrada morta dentro do banheiro de uma lavanderia na Rua Belo Horizonte, em Itapoã, Vila Velha. O corpo possuía marcas de agressões físicas e também perfurações causadas por golpes de faca. A vítima estava sozinha e teve o celular levado pelo assassino, que trancou a porta depois do crime.
Segundo familiares da vítima, Luiza Mariano da Silva era funcionária da lavanderia havia dois meses e tinha saído cedo de casa para mais um dia de trabalho. A mãe dela foi ao local para levar almoço para a filha e viu o estabelecimento fechado. Um tio de Luiza foi acionado, chamou um chaveiro e conseguiu entrar. O corpo da jovem estava dentro do banheiro.
Natural de São João da Barra, onde foi sepultada, a jovem cursava Psicologia na Universidade Vila Velha.
Réu confesso — Oito dias após o crime, Leandro Matheus Marins Silva, 28 anos, foi preso e confessou ter matado a jovem. 
Confira a matéria completa na Gazeta Online 
Comentar
Compartilhe
Acusado de matar sanjoanense em Vila Velha é indiciado por latrocínio
16/07/2017 | 07h02
Leandro Matheus Marins, de 28 anos, que confessou ter matado a universitária sanjoanense Luiza Mariano Silva, de 23 anos, foi indiciado por latrocínio, que é roubo seguido de morte. Segundo a polícia, ele cometeu o crime para roubar o celular da vítima e uma quantia de R$ 65 do caixa da lavanderia onde ela trabalhava, em Vila Velha.
No dia 29 de junho, a jovem foi encontrada morta com marcas de perfurações e agressão física dentro do banheiro da lavanderia onde trabalhava. Estudante da Universidade de Vila Velha, a jovem foi sepultada no dia seguinte em São João da Barra. A família de Luiza é proprietária da tradicional fábrica de Picolé N.Silva.
No dia 7 de julho, Leandro foi preso pelo crime. A polícia acreditava que o suspeito tinha ido à lavanderia cobrar o pagamento referente à rescisão de contrato da esposa, que trabalhava no local. Entretanto, nessa sexta-feira (14), o delegado Janderson Lube informou que ele queria dinheiro, provavelmente, para usar drogas.
— Os indícios são de que ele efetivamente tentou adquirir esse dinheiro que, em tese, seria da mulher dele, um pagamento a receber. Como não conseguiu, tentou fazer saque na casa lotérica e, não conseguindo, foi na lavanderia obter de forma violenta a quantia em dinheiro que ele desejava, para, ao que tudo indica, continuar usando drogas — disse o delegado.
Indiciado
Câmeras de segurança de prédios da região gravaram a movimentação de Leandro no dia do crime. As imagens mostram ele entrando duas vezes na lavanderia. Na segunda vez, ele ficou dentro do estabelecimento por cerca de 26 minutos.
Segundo a polícia, Leandro é casado com uma ex-funcionária da lavanderia e disse ao delegado que foi ao local para pegar o telefone do dono do estabelecimento, mas Luiza negou. Ele deixou a lavanderia e retornou minutos depois, para pedir o telefone do proprietário mais uma vez.
Diante da segunda negativa de Luiza, ele matou a funcionária. “Ele pediu que ela buscasse uma sombrinha e um chinelo da mulher dele, ex-funcionária da lavanderia. Quando Luiza foi ao banheiro buscar o objeto, ele se aproveitou e deu uma gravata nela”.
Ao delegado, Leandro confessou o crime. Ele disse que tinha usado drogas na noite anterior ao assassinato e que se arrepende do crime.
Fonte: G1
Comentar
Compartilhe
Vereador de SJB baleado em casa recebe alta
10/07/2017 | 03h12
O vereador Ronaldo da Saúde (Pros), de São João da Barra, que foi baleado dentro da sua casa, no dia 29 de junho, durante uma suposta tentativa de assalto, já deixou o hospital. Nesta segunda-feira (10), Ronaldo disse que está se recuperando bem, mas segue em repouso por orientação médica.
O parlamentar, que desempenha seu segundo mandato, tem 59 anos, ocupa o posto de segundo-secretário da Mesa Diretora e é presidente das comissões permanentes de Saúde e Vigilância Sanitária e Cultura e Assistência Social. Após ser baleado em casa, Ronaldo foi encaminhado ao Hospital Ferreira Machado (HFM). Ele chegou lúcido à unidade hospitalar, mas precisou passar por procedimento cirúrgico.
O caso é investigado pela 145ª Delegacia de Polícia de São João da Barra.
Comentar
Compartilhe
Assassino da jovem Luiza estava à procura do dono da lavanderia, diz jornal
07/07/2017 | 07h57
/ Reprodução
O jornal Gazeta Online (aqui) atualizou a matéria sobre a prisão, nesta sexta-feira (7), do suspeito de matar a universitária sanjoanense Luiza Mariano da Silva, de 23 anos, dentro da lavanderia na qual trabalhava, em Vila Velha, na semana passada. Segundo o jornal, Leandro Matheus Marins Silva, 28 anos, teve o mandado de prisão temporária expedido pela 4ª Vara Criminal de Vila Velha, e confessou o crime. Ele disse que estava à procura do proprietário do estabelecimento para cobrar uma dívida da esposa referente à verba de rescisão do contrato dela, mas Luiza se negou a passar o contato — nada justificaria essa brutalidade, mas o motivo é banal ao extremo, o que aumenta ainda mais a revolta.
O jornal capixaba relata que o assassino confesso disse que na noite anterior ao crime ingeriu bebidas alcoólicas e usou cocaína. Depois, já de dia, foi uma primeira vez à lavanderia, por volta das 9h, à procura do proprietário do estabelecimento. Lá encontrou Luiza. Ele pediu o telefone do proprietário, mas ela negou a informação. A esposa de Leandro é ex-funcionária do estabelecimento.
Ainda de acordo com o assassino, por volta das 10h40, ele retornou à lavanderia e pediu novamente o telefone do dono do estabelecimento e Luiza disse que não passaria. Naquele momento ele pediu que Luiza pegasse uma sombrinha e um chinelo que pertenciam à esposa dele (ex-funcionária do local). Quando Luiza pegou uma sombrinha e mostrou, ele disse que não era aquela. Luiza volta ao banheiro para procurar e Leandro se aproveitou para dar um golpe de 'gravata' na vítima, a derrubando.
Foto do assassino confesso foi divulgada pelo jornal capixaba
Foto do assassino confesso foi divulgada pelo jornal capixaba / Reprodução
A vítima tentou se defender e pegou um objeto perfurante. Só que Leandro usou um fio de ventilador para enforcar a vítima e tomar o objeto cortante das mãos dela, dando três golpes no pescoço de Luiza. Em seguida, ele pegou o dinheiro do caixa, o celular da vítima e fugiu. O assassino diz que jogou o aparelho no canal de Itapoã, próximo ao local do crime.
Luiza foi encontrada morta dentro da lavanderia na qual trabalhava em Vila Velha. O crime aconteceu no dia 29 de junho e a jovem foi sepultada no dia seguinte no cemitério de São João da Barra. Luiza cursava Psicologia na Universidade de Vila Velha. Sua família, tradicional em SJB, é proprietária da fábrica de picolés N. Silva.
Comentar
Compartilhe
Suspeito de matar jovem sanjoanense em Vila Velha é preso
07/07/2017 | 07h18
A polícia prendeu nesta sexta-feira (7) o suspeito de matar a universitária sanjoanense Luiza Mariano da Silva, de 23 anos. Ela foi encontrada morta dentro da lavanderia na qual trabalhava em Vila Velha. O crime aconteceu no dia 29 de junho e a jovem foi sepultada no dia seguinte no cemitério de São João da Barra. Luiza cursava Psicologia na Universidade de Vila Velha. Sua família, tradicional em SJB, é proprietária da fábrica de picolés N. Silva.
Segundo a Gazeta Online (aqui) o delegado Janderson Lube, titular da Delegacia Especializada de Homicídio Contra a Mulher (DHPM), Leandro Matheus Marins Silva, 28 anos, teve o mandado de prisão temporária expedido pela 4ª Vara Criminal de Vila Velha, e confessou o crime.
O jornal capixaba informa, ainda, que segundo Leandro, na noite anterior ao assassinato, ele teria usado drogas. Depois, já de dia, foi uma primeira vez à lavanderia, por volta das 9h, à procura do proprietário do estabelecimento. Lá encontrou Luiza. Ele pediu o telefone do proprietário, mas ela negou a informação. A esposa de Leandro é ex-funcionária do estabelecimento. 
Ainda de acordo com o assassino, por volta das 10h40, ele retornou à lavanderia e pediu novamente o telefone do dono do estabelecimento e Luiza disse que não passaria. Naquele momento ele pediu que Luiza pegasse uma sombrinha e um chinelo que pertenciam à esposa dele (ex-funcionária do local). Quando Luiza pegou uma sombrinha e mostrou, ele disse que não era aquela. Luiza volta ao banheiro para procurar e Leandro se aproveitou para dar um golpe de 'gravata' na vítima, a derrubando.
Luiza tentou se defender e pegou um objeto perfurante. Só que Leandro usou um fio de ventilador para enforcar a vítima e tomar o objeto cortante das mãos dela, dando três golpes no pescoço de Luiza. Em seguida, ele pegou o dinheiro do caixa, o celular da vítima e fugiu. O assassino diz que jogou o aparelho no canal de Itapoã, próximo ao local do crime.
Comentar
Compartilhe
Casa do vice-prefeito de SJB é arrombada
06/07/2017 | 02h06
A violência em São João da Barra não tem dado trégua aos políticos. Na semana passada, o vereador Ronaldo da Saúde (Pros) teve seu lar invadido e levou um tiro durante uma suposta tentativa de assalto. Sem maiores gravidades, felizmente, ele está em recuperação. Desta vez, o alvo foi um imóvel de propriedade do vice-prefeito Alexandre Rosa (PRB) que foi arrombado na madrugada desta quinta-feira (6).
A Folha 1 informa que “de acordo com Polícia Militar, vários aparelhos eletrônicos foram furtados do imóvel, que teve portas e janelas danificadas”. Não havia ninguém no local no momento do crime. O arrombamento foi na casa de praia do vice-prefeito, que tem residência fixa na sede do município.
O caso foi registrado na 145ª Delegacia de Polícia de SJB.
Comentar
Compartilhe
Violência em Campos é tema do "Gabeira na Globo News"
07/06/2017 | 02h41
O jornalista Fernando Gabeira esteve em Campos para a gravação de mais um programa. O “Gabeira na Globo News” deste domingo (11), previsto para ser exibido às 18h30, vai falar sobre a violência na cidade do Norte Fluminense que é a 19ª mais violenta do mundo, segundo ranking internacional. Na chamada da atração, Gabeira também destaca fatores sociais e econômicos de Campos:
— Mais violenta proporcionalmente que a cidade do Rio de Janeiro, Campos é a 19ª no ranking mundial. Aqui pesaram alguns fatores importantes, que vão desde os desmandos dos governantes, ou a falta de concepção de como construir moradias populares, até o desaparelhamento da Polícia, a crise do petróleo, o desemprego que, só no ano passado, levou ao fechamento de oito mil postos de trabalho.
Apesar dos altos índices de violência, o 8ª Batalhão de Polícia Militar (BPM) teve de ceder 40 policiais, de um efetivo já considerado insuficiente para atender toda área, para a região Metropolitana do Rio. Políticos e a sociedade, de modo geral, se mobilizam para o retorno desses policiais para o Norte Fluminense. Em primeira instância, a pedido da Defensoria Pública, a Justiça determinou que os policiais voltassem ao seu batalhão de origem, mas a decisão foi revertida no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (segunda instância).
Comentar
Compartilhe