Últimas impressões antes da decisão nas urnas
27/10/2018 | 11h55
Fechou a boca
A boca do jacaré fechou no Rio de Janeiro. No jargão dos institutos de pesquisa, os gráficos formam o desenho da boca do réptil. E quanto mais acirrada estiver a disputa, mais fechada ela está. A ampla vantagem que Wilson Witzel (PSC) construiu foi embora: o jogo é franco e nenhum resultado é previsível para hoje, na disputa contra Eduardo Paes (DEM). Nos números do Datafolha, Witzel chegou a bater 61% na sondagem de 18 de outubro, caiu para 56% na última quinta-feira (25) e agora tem 53% dos votos válidos. Já Paes, largou com 39%, subiu para 44% e ontem registrou 47%. A diferença que já foi de 22 pontos, agora é só de seis.
 
Tendências
Não é novidade para ninguém que pesquisas nem sempre refletem o resultado das urnas, mas quem faz análise sabe que todas mostram tendências. E o Ibope também aponta que Paes está em crescimento no Rio de Janeiro. Witzel tinha 60% na primeira pesquisa do instituto divulgada no dia 17 de outubro, caiu para 56% na última terça-feira (23) e agora chegou a 54%. Paes largou com 40% no Ibope, passou para 44% e agora tem 46%. Segundo o instituto, a diferença entre eles caiu de 20 para oitos pontos. No primeiro turno, Witzel não decolou de cara nas pesquisas. Virou nos últimos dias. Agora, teme ser surpreendido da mesma forma.
 
Partiu para o ataque
O crescimento de Paes no segundo turno tem muito a ver com sua mudança de postura. Líder nas principais pesquisas até a véspera do primeiro, o ex-prefeito do Rio de Janeiro tinha adotado um tom mais ameno na campanha, sem embates. Era vidraça, alvo preferido dos outros concorrentes. Atropelado por Witzel, que foi franco atirador nos debates, Paes partiu pra cima depois de 7 de outubro, quando o ex-juiz federal, até então desconhecido do grande público, passou de pedra à vidraça. Paes, nitidamente, conquistou votos devido ao seu desempenho nos debates, sobretudo no último, da TV Globo.
Poder de decisão
Pelo que apontam as pesquisas, em votos totais, a decisão do próximo governador do Rio de Janeiro está nas mãos daqueles que disseram ainda não saber em quem votar a um dia do pleito. Em votos totais, no Datafolha, Witzel tem 44%, enquanto Paes chega a 40%. Neste levantamento, 7% dos eleitores não sabem em quem votar. A margem de erro, nas duas pesquisas divulgadas ontem, é de dois pontos para mais ou para menos. Outro fator importante neste momento decisivo é a rejeição. Paes lidera no índice negativo do Ibope com 43%. Menos conhecido, Witzel tem 25%. O Datafolha não aferiu a rejeição.
Fechou, mas nem tanto
Na corrida presidencial, o Ibope registrou a menor vantagem de Jair Bolsonaro (PSL) sobre Fernando Haddad (PT) em todo o segundo turno: oito pontos. O peselista tem 54%, enquanto o petista aparece com 46% dos votos válidos. No começo da série, o capitão da reserva do Exército tinha 18 pontos de vantagem. Já na sondagem do Datafolha, a diferença entre os presidenciáveis é de 10 pontos: 55% x 45%. Os dois institutos mostram que Haddad vem ganhando votos nos últimos dias, mas Bolsonaro ainda tem uma vantagem considerável. Uma virada de última hora no país é mais improvável do que no Estado.
Nas alturas
Reflexo de um eleitorado desacreditado no cenário nacional, Bolsonaro e Haddad acumulam taxas de rejeição muito altas. No Datafolha, o capitão da reserva do Exército tem 45%, número alarmante, mas menor que os 52% do ex-prefeito paulistano. Na lógica, para vencer a eleição é necessário 50% dos votos válidos mais um. Só que Haddad tem teto, de 48%, considerando sua rejeição. Nos números do Ibope, a rejeição a Bolsonaro é de 39%, enquanto o petista fica com 44% no índice negativo.
Fora da curva
Ibope e Datafolha apresentaram resultados semelhantes na corrida presidencial. Outras pesquisas apontam as mesmas perspectivas, exceto dois pontos fora da curva. O instituto Paraná, primeiro a detectar a ampla vantagem de Bolsonaro no primeiro turno e o favoritismo no segundo, mostrou na sexta-feira que o líder das intenções de votos tem 61%, ante 39% do petista. O Vox Populi, ontem, em pesquisa encomendado pelo Brasil 247 (site alinhado ao PT), mostrou um empate. É muito menos importante que os rumos do país, mas a sentença das urnas hoje pode mudar, inclusive, as perspectivas com relação às pesquisas eleitorais no Brasil.
*Publicado na edição deste domingo (28) da Folha da Manhã
Comentar
Compartilhe
Pré-candidatura a deputado estadual em São Francisco
20/10/2017 | 11h05
São Francisco de Itabapoana já tem um pré-candidato a deputado estadual. Por meio das redes sociais, Renato Roxinho (PMDB) anunciou a pretensão de enfrentar novamente as urnas, desta vez em um pleito estadual. Mesmo sem mandato, ele teve bom desempenho no município, que conta com aproximadamente 35 mil eleitores. Na última eleição, por exemplo, perdeu a cadeira no Legislativo municipal no critério de desempate pela idade, que favorece ao mais idoso. Renato, na época com 38 anos, recebeu 826 votos, mesmo número alcançado pelo vereador Caboclo (PMDB), com 79 anos quando foi realizado o pleito. Em 2012, também não foi eleito por questões relacionadas ao sistema de legenda.
Da nova geração de políticos sanfranciscanos, ele leva na bagagem a tradição política da família, sendo filho Manoel Roxinho, ex-vereador e ex-vice-prefeito de São João da Barra na época anterior à emancipação de São Francisco.
Renato continua no PMDB, mas afirma que vem recebendo propostas de outros partidos.
Comentar
Compartilhe
Pesquisa aponta preferência do eleitorado para deputado federal em SJB
25/09/2017 | 08h32
A pouco mais de um ano para as eleições de 2018, os nomes começam a surgir por todo país. Não é diferente em São João da Barra. E dessa vez, com grande número de possíveis candidatos, ao menos nas primeiras pesquisas. No mês passado, o blog divulgou números para a disputa para deputado estadual. E não para de crescer o número de pré-candidatos na cidade, desde então. O Instituto Pappel também realizou, no fim de julho, sua primeira pesquisa de opinião pública para deputado federal. Foram 350 entrevistados, em pesquisa induzida, ou seja, quando o instituto apresenta nomes de possíveis candidatos. Não ficou claro, porém, a metodologia encontrada para definir os possíveis candidatos.
Como na pesquisa para o parlamento estadual, o número de indecisos é superior ao do primeiro colocado. Eles somam 36,95%. Isso sem falar que dos 11 nomes citados na pesquisa, quatros não figuram como possíveis candidatos. E quem abre a lista é a vereadora Soninha Pereira (PT). A petista, que não esboça desejo de disputar nenhum cargo no pleito do ano que vem, aparece com 20% das intenções de votos em SJB. O segundo colocado é Chico da Quixaba (PSL). Provável candidato, o ex-vereador e ex-vice-prefeito do município tem a preferência de 16,48% dos entrevistados. Outro vereador sanjoanense citado na pesquisa aparece em terceiro lugar. Elísio Motos (PDT) alcançou 15,71%, mas não é visto nos bastidores como possível candidato a uma cadeira na Câmara dos Deputados.
Radialista, ex-deputado estadual e ex-prefeito de São Francisco de Itabapoana, José Antônio Barbosa Lemos aparece em quarto na pesquisa do Pappel em SJB. Ele foi o nome escolhido por 3,14% dos entrevistados. O vereador campista José Carlos (PSDC), que é pré-candidato a deputado federal, foi citado por 2% dos entrevistados. Na sequência, aparece o deputado federal Paulo Feijó (PR), que já tem dito há algum tempo que não pretende disputar mais um mandato.
Pré-candidata a deputada federal do Psol sanjoanense, a professora Fernanda Queiroz bateu 1,43% na pesquisa. Depois aparece o pré-candidato campista César Tinoco, com 1,14%. Outros dois nomes na pesquisa, e que são pré-candidatos, não chegaram a 1%: Wladimir Garotinho (PR), filho dos ex-governadores Anthony e Rosinha Garotinho (ambos do PR), com 0,86%; e o vereador campista Jorginho Virgílio (PRP), com 0,51%.
Comentar
Compartilhe
SJB: pesquisa aponta preferência do eleitorado para deputado estadual
19/08/2017 | 12h51
O Instituto Pappel realizou, no fim de julho, sua primeira pesquisa de opinião pública em São João da Barra, já de olho na disputa eleitoral de 2018. Os números, de maneira geral, apontam que grande parte do eleitorado está indeciso (31,43%) quanto a quem votar para deputado estadual. De forma espontânea, sem que nenhum nome seja indicado aos entrevistados, nos números finais do município aparece, com exceção dos indecisos, em primeiro lugar o deputado estadual Bruno Dauaire (PR), com 19,4%. O também deputado estadual João Peixoto (PSDC) é o segundo, com 18%. O ex-vereador Kaká (Avante), que nos bastidores é cotado como possível candidato a deputado federal, mas foi candidato a uma cadeira na Alerj em 2014, ficou na terceira colocação, com 12,29%.
O jornalista Bruno Costa, apontada como provável candidato, apareceu em quarto, com 5,43%. Na sequência, mais dois deputados, atualmente, com mandato: Gil Vianna (PSB), com 2,86%; e Geraldo Pudim (PMDB), com 2,29%. Outros nomes citados e que passaram de 1% foram Caio Vianna (PDT), com 2%; Roberto Henriques (PSD), 2%; o presidente da Câmara de Campos, Marcão Gomes (Rede), com 1,43%; e o vereador campista Thiago Virgílio (PTC), com 1,14%.
Apesar de muito cedo, a pesquisa clareia o cenário sanjoanense. O crescimento de Bruno Dauaire, conforme já havia sido analisado por este blog (aqui), é reflexo de o deputado passar a ocupar a lacuna de principal nome da oposição no município. Kaká, com o bom percentual alcançado, passa a considerar a possibilidade de disputar novamente uma cadeira na Alerj, já que existe convite neste sentido. Bruno Costa teve seu nome rechaçado por membros do Psol sanjoanense, mas a situação pode mudar após a divulgação da pesquisa ou o jornalista, que também é o representante do Norte Fluminense no Conselho Estadual de Política Cultural, buscar outro partido.
O deputado João Peixoto, certamente, terá apoio do grupo político governista, uma vez que seu partido caminhou com a prefeita Carla Machado (PP). Por falar em Carla, os números das pesquisas vão sofrer alterações quando ela definir os candidatos que terão seu apoio. Isso, porém, só deve ocorrer entre os meses de junho e julho de 2018.
Veja todos os números da pesquisa realizada em SJB, com 350 entrevistados, que foram divulgados primeiro no blog da Alessandra Lemos:
Bruno Dauaire —19,43%
João Peixoto — 18%
Kaká — 12,29%
Bruno Costa — 5,43%
Gil Vianna — 2,86%
Geraldo Pudim — 2,29%
Caio Vianna — 2%
Roberto Henriques — 2%
Marcão — 1,43%
Thiago Virgílio — 1,14%
Vanderson Nogueira — 0,86%
Cláudio Andrade — 0,57%
Marcelo Perfil — 0,29%
Indecisos — 31,43%
Comentar
Compartilhe
PT do B com nova coordenação regional
15/02/2017 | 02h36
Divulgação
Vinicius Cordeiro anunciou Kaká como coordenador regional do PT do B / Divulgação
O ex-vereador Kaká, de São João da Barra, é o novo coordenador regional do PT do B. O anúncio foi feito no perfil do Facebook do presidente estadual da legenda, Vinicius Cordeiro. Kaká é suplente de deputado estadual na Alerj e não conseguiu a reeleição na disputa eleitoral municipal do ano passado. Na coluna Caiu na Rede, assinada por este blogueiro e publicada na Folha, já foi aventada a possibilidade de o ex-vereador sanjoanense disputar uma cadeira na Câmara Federal no próximo pleito.
Comentar
Compartilhe