Não se pode elogiar - Sexta Feira, 28 de Janeiro de 2017
28/01/2017 | 00h18
  • Clique na imagem para ampliar

    Clique na imagem para ampliar

Comentar
Compartilhe
Rio de Janeiro é o estado com maior volume de dívida garantida pela União
25/01/2017 | 20h57
Um dos três estados que decretaram situação de calamidade financeira no ano passado, o Rio de Janeiro é a unidade da Federação com maior saldo devedor garantido pela União. Segundo relatório divulgado hoje (25) pelo Tesouro Nacional, o governo fluminense tem R$ 31,4 bilhões em operações de crédito garantidas pela União, que podem ser cobertas pelo Tesouro Nacional caso o estado dê calote e não pague os financiamentos.
De acordo com o documento, o Rio de Janeiro detém 14,6% do saldo devedor garantido pelo Tesouro. Em seguida vêm Minas Gerais, com R$ 20,97 bilhões (7,3%); São Paulo, com R$ 18,52 bilhões (6,4%); Bahia, com R$ 10,43 bilhões (3,6%), e Goiás, com R$ 10 bilhões (3,5%). O governo mineiro também decretou estado de calamidade financeira no fim do ano passado.
As garantias representam os ativos oferecidos pelo Tesouro Nacional para cobrir eventuais calotes em empréstimos e financiamentos dos estados e dos municípios com bancos nacionais ou instituições estrangeiras, como Banco Mundial e Banco Interamericano de Desenvolvimento. O Tesouro compensa os calotes, mas desconta o valor coberto com bloqueios dos repasses dos fundos de Participação dos Estados e dos Municípios.
No ano passado, o saldo das operações garantidas pela União somou R$ 287,7 bilhões. Desse total, R$ 214,8 bilhões são usados para garantir operações de crédito (R$ 111 bilhões em operações internas e R$103,8 em operações externas) e R$ 72,3 bilhões para oferecer garantias a fundos. O valor total garantido pelo Tesouro caiu 5,8% em 2016 em relação ao volume observado no fim de 2015 (R$ 305,5 bilhões).
Segundo o Tesouro Nacional, a redução foi motivada pelo maior pagamento de amortizações (parcela principal da dívida) pelos estados e pelos municípios no ano passado e pela queda do dólar, que diminuiu o valor em reais das garantias atreladas a moedas estrangeiras.
Até dezembro do ano passado, os estados concentravam 73% das operações garantidas da União, com saldo devedor de R$ 156,74 bilhões. Em segundo lugar, estavam os bancos e as estatais federais, com 9% do saldo devedor cada. Os municípios detinham R$ 14,68 bilhões (6,8%); e as entidades controladas pela União, R$ 4,81 bilhões (2,2%).
O Tesouro também divulgou a relação dos municípios com operações de crédito garantidas pela União. Beneficiada por empréstimos para obras relacionadas aos Jogos Olímpicos, a prefeitura do Rio de Janeiro lidera as operações garantidas, com saldo de R$ 6,82 bilhões. Em seguida, vêm Belo Horizonte (R$ 1,11 bilhão), Manaus (R$ 842 milhões), Fortaleza (R$ 747 milhões) e a cidade de São Paulo (R$ 629 milhões).
Fonte: EBC
Comentar
Compartilhe
Educação em SFI - Sexta Feira, 20.01.17
21/01/2017 | 16h52
Folha 1 arquivo
Clique na imagem para ampliar / Folha 1 arquivo
Comentar
Compartilhe
Capacidade de trabalho - Sexta Feira, 13 de Janeiro de 2017
13/01/2017 | 19h38
[caption id="attachment_11107" align="aligncenter" width="1280"]Clique na coluna COMENTÁRIOS para ver melhor Clique na coluna COMENTÁRIOS para ver melhor[/caption]
Comentar
Compartilhe
Sobre aposentadoria no campo
10/01/2017 | 05h01
 

A idade exigida para aposentadoria do trabalhador rural homens 60 anos e 55 para mulheres, o traballhador rural é classificado em vários grupos são eles: o empregado, o contribuinte individual, o trabalhador avulso e nesse grupo está também o segurado especial que é aquele que se qualifica por desenvolver atividade familiar.

Para dúvidas a previdência disponibiliza o telefone 135 e o site previdencia.gov.br.

Clique no player acima e ouça a íntegra da entrevista.

Fonte: EBC
Comentar
Compartilhe
Perplexidade - Sexta Feira, 06-01-17
06/01/2017 | 13h52
[caption id="attachment_11100" align="aligncenter" width="1280"]Clique na imagem para ampliar... Clique na imagem para ampliar...[/caption]
Comentar
Compartilhe
Governo publica regras para diminuir número de obras paradas
03/01/2017 | 19h01

O governo publicou hoje (2) no Diário Oficial da União portaria interministerial com regras para transferência de recursos da União a estados e municípios por meio de convênios e contratos. O objetivo é diminuir o número de obras paralisadas vinculadas a esse tipo de acordo.

A portaria é assinada pelos ministérios do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão; da Fazenda, e da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União. O documento regulamenta o Decreto 8.943, publicado no fim de 2016.

A nova norma altera regras sobre o repasse das transferências voluntárias da União no início de cada convênio ou contrato, determinando que o pagamento antes do começo das obras caia de 50% para 20%. Além disso, o adiantamento só poderá ser feito após a homologação da licitação.

Adiantamento

A portaria também determina a devolução dos recursos quando não houver início da obra em até seis meses após a liberação do adiantamento. O dinheiro também deverá ser devolvido quando houver a paralisação da obra.

Também está proibida a readequação de projetos de obras enquadrados na faixa simplificada, ou seja, com valores entre R$ 250 mil e R$ 750 mil. Segundo o Ministério do Planejamento, a portaria também facilita a fiscalização dessas obras de menor porte. Pelas novas regras, deve haver prestação de contas financeiras desde a liberação da primeira parcela até o último pagamento de despesas das obras.

Fonte: EBC

(ZéÁ)
Comentar
Compartilhe
Sobre o autor

Murillo Dieguez

[email protected]