Deixe a raiva secar!
18/06/2018 | 12h02
 Li este texto sobre a raiva e divido com vocês:
“Mariana ficou toda feliz porque ganhou de presente um joguinho de chá, todo azulzinho, com bolinhas amarelas. No dia seguinte, Júlia sua amiguinha, veio bem cedo convidá-la para brincar.
Mariana não podia, pois iria sair com sua mãe naquela manhã. Júlia então pediu a coleguinha que lhe emprestasse o seu conjuntinho de chá para que ela pudesse brincar sozinha na garagem do prédio. Mariana não queria emprestar, mas, com a insistência da amiga, resolveu ceder, fazendo questão de demonstrar todo o seu ciúme por aquele brinquedo tão especial. Ao regressar do passeio, Mariana ficou chocada ao ver o seu conjuntinho de chá jogado no chão. Faltavam algumas xícaras e a bandejinha estava toda quebrada. Chorando e muito nervosa, Mariana desabafou: "Está vendo, mamãe, o que a Júlia fez comigo?
Emprestei o meu brinquedo, ela estragou tudo e ainda deixou jogado no chão. Totalmente descontrolada, Mariana queria, porque queria, ir ao apartamento de Júlia pedir explicações. Mas a mãe, com muito carinho ponderou: “Filhinha, lembra daquele dia quando você saiu com seu vestido novo todo branquinho e um carro, passando, jogou lama em sua roupa”? Ao chegar a casa você queria lavar imediatamente aquela sujeira, mas a vovó não deixou. Você lembra o que a vovó falou? Ela falou que era para deixar o barro secar primeiro.
Depois ficava mais fácil limpar. Pois é, minha filha, com a raiva é a mesma coisa.
Deixa a raiva secar primeiro. Depois fica bem mais fácil resolver tudo.
Mariana não entendeu muito bem, mas resolveu seguir o conselho da mãe e foi para a sala ver televisão. Logo depois alguém tocou a campainha. Era Júlia, toda sem graça, com um embrulho na mão. Sem que houvesse tempo para qualquer pergunta, ela foi falando: "Mariana, sabe aquele menino mau da outra rua que fica correndo atrás da gente? Ele veio querendo brincar comigo e eu não deixei. Aí ele ficou bravo e estragou o brinquedo que você havia me emprestado. Quando eu contei para a mamãe ela ficou preocupada e foi correndo comprar outro brinquedo igualzinho para você. Espero que você não fique com raiva de mim. Não foi minha culpa."
"Não tem problema, disse Mariana, minha raiva já secou." E dando um forte abraço em sua amiga, tomou-a pela mão e levou-a para o quarto para contar a história do vestido novo que havia sujado de barro. Nunca tome qualquer atitude com raiva. A raiva nos cega e impede que vejamos as coisas como elas realmente são. Assim você evitará cometer injustiças e ganhará o respeito dos demais pela sua posição ponderada e correta.
Diante de uma situação difícil, lembre-se sempre: Deixe a raiva secar.”
 
 
 
Vivemos em intensa correria buscando dar conta do nosso dia-a-dia tão atribulado. Muitas vezes temos reações que nos causam espanto, os momentos de raiva são um exemplo disso. Temos que estar atentos, pois apesar das pedras do caminho e das lutas muito grandes, a vida é muito preciosa para ser vivida de qualquer modo, deixando com que os mais diversos sentimentos menos nobres nos visitem no cotidiano, nos irritando, nos enraivecendo, nos desanimando e nos obrigando a ver o mundo com as lentes do desânimo, da tristeza, da irritação, da depressão, da raiva...
Em contrapartida, temos que nos lembrar de que viver o dia-a-dia não é ter um céu sem tempestades, caminhos a seguir sem acidentes, trabalhos sem lutas, relacionamentos sem dificuldades. Até porque, se tudo em nossa vida transcorresse sem nenhuma interferência, não haveria para nós, seres humanos, nenhuma oportunidade de aprendizado. Viver é a arte de encontrar forças no perdão e esperança nas batalhas, é seguir em frente apesar das circunstâncias que nos causam sentimentos como a raiva, mostrando que somos seres superiores a isso tudo e capazes de olhar novamente para as pessoas e circunstâncias que nos fizeram mal de cabeça erguida e com a alma leve. A vida é bela! Vamos iniciar cada novo dia com uma intensa vontade de ser feliz, sempre agradecendo a Deus pela saúde, pela família, pelo trabalho, pelos amigos... todos esses são mais do que motivos que temos para viver com felicidade a nossa vida! Recomece quantas vezes forem necessárias as etapas do seu dia, até sentir que tudo flui com paz e harmonia. Se podemos iluminar pessoas, lugares, situações, porque sermos sombras ao invés da luz?
Reporto-me a Saint-Exupéry quando ele nos diz que somos eternamente responsáveis por aquilo que cativamos, e esta afirmação nos convida a estarmos atentos a todos que conosco convivem no dia-a-dia, pois somos capazes de ver com o coração, o essencial é invisível aos olhos. Mas para atingirmos esta sensibilidade, temos que nos trabalhar interiormente, buscando sempre estar em uma sintonia de alegria, de tranqüilidade, de harmonia e de paz. Olhar para o alto e sonhar com um mundo melhor não são coisas inatingíveis, pois como nos diz Mário Quintana: "Se as coisas são inatingíveis... ora! Não é motivo para não querê-las... Que tristes os caminhos, se não fora a presença distante das estrelas!"
Com afeto,
Beth Landim
Comentar
Compartilhe
Encantada estou...
18/06/2018 | 12h00
 
 
Encantamento... este é o sentido, o sentimento, o estado de espírito que talvez possa traduzir o dia dos “enamorados”... Digo talvez, por ser sempre indecifrável, e por isso encantador... Quando estamos e permanecemos encantados pelo agir, pelo ser, por alguém, pela relação, significa que admiramos, ou seja, conseguimos olhar para o outro, vê-lo e nos encantarmos tal como ele é... Esta sintonia, esta afinidade, esta intimidade não se explica, apenas sente-se... O sol se põe, o cheiro de alfazema inebria os campos, as nuvens descem as montanhas e se espalham sobre o mar, a lua desponta de uma pequena fresta e uma lareira nos aquece e ilumina a noite estrelada... e nossa caminhada continua encantada... A pedra que surge no caminho... pulamos ou a utilizamos para uma construção sólida, sempre se constituindo em aprendizado para nós. E para que possamos nos encantar com o outro, precisamos ouvir o sussurro dos nossos sonhos e desejos, garimpá-los para que possamos ouvir com todo o nosso ser... Enquanto estiver preocupado com o que os outros pensam a seu respeito, você pertence a eles. Só quando deixa de buscar a aprovação externa, você se torna dono de sí mesmo. Às vezes precisamos reunir coragem, ousar, darmos um passo a frente... para nos permitir o encantamento... Encante-se com você em primeiro lugar... E para isso o primeiro passo é ser grato... Se a única oração que você fizer na vida for “obrigado” já será suficiente... A gratidão lhe dá perspectivas. A gratidão pode mudar qualquer situação. A gratidão altera suas vibrações e traz energias positivas. Te cuide com carinho, te indique o melhor caminho, te perdoe quando preciso for... Te dê asas para voar, nos sonhos te ajude a pousar... compreendas porque amanhece antes do anoitecer e então poderás encantar-se... assim como as ondas do mar ao beijar a areia... E nesse encontro, encantada estou, porque isto é amor... Eu adoro ver o pôr do sol e a maneira como ele transforma o céu. A natureza sabe lidar melhor com transformações do que nós, seres terrenos. Evoluir como ser humano é um processo de escavação que dura a vida inteira; é preciso cavar fundo para revelar suas questões mais ocultas. Às vezes, ao fazer isso, parece que você só encontra rochas duras, impenetráveis. Ao longo da vida, descobri uma coisa: quando não removemos uma rocha, ela se torna primeiro uma colina, depois uma montanha. Portanto, é nossa obrigação limpar o terreno todos os dias, no trabalho, na família, nos relacionamentos... em busca do nosso próprio encantamento... É como nos diz a canção...
“Não se admire se um dia um beija flor invadir, a porta da sua casa e te der um beijo e partir... Fui eu que mandei o beijo, que é pra matar meu desejo... faz tempo que eu não te vejo... ai que saudade de ocê...”
Alcançar seu potencial máximo como pessoa é mais do que um ideal: é o objetivo principal da sua vida. As maravilhas de que somos capazes nada têm a ver com os critérios de avaliação da humanidade, com as listas do que está em voga ou fora de moda, de quem é atraente e quem não é. Com o passar dos anos, enfim aprendi que recebemos do mundo o que damos a ele. A física nos ensina isso através da Terceira Lei de Newton: para cada ação há uma reação igual e oposta. Essa é a essência do que os filósofos orientais chamam de carma. Em A cor púrpura, a personagem Celie explica justamente isso para Mister: “Tudo o que você tenta fazer comigo já foi feito contra você.” Seus atos giram ao seu redor assim como a Terra gira ao redor do Sol. Quando as pessoas dizem que estão em busca da felicidade, eu pergunto: “O que você está dando para o mundo?” Na verdade, a felicidade que você sente é diretamente proporcional ao amor que é capaz de dar. Se estiver pensando que falta algo em sua vida, ou que não está recebendo o que merece, lembre-se de que a Estrada de Tijolos Amarelos só existe em O mágico de Oz. Você conduz sua vida, não é conduzido por ela. E então o sorriso largo surge, os olhos brilham, o mundo fica num colorido diferente, o perfume se exala em nossos pensamentos... Queremos estar perto, abraçar, beijar, conversar, conhecer, sentir... Sentir a felicidade do outro que se mistura na sua! Desconfie do destino e acredite em você. Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando, porque o amor de verdade existe e, se você ainda não sentiu, vai sentir. Quem ama tem um coração limpo. Quer o bem do próximo, o vê em sua plenitude, independente dos defeitos que cada um de nós possui. Quando sabemos o que queremos, podemos até esperar um bom tempo, mas o “tempo bom” chegará, pois o universo conspira a favor do amor! ... Muitas vezes não precisamos de palavras, um abraço, um carinho no rosto, um aperto de mãos, falam por si só... Quando estamos encantados, não nos acomodamos... é um sentimento maduro, de saber olhar de dentro pra fora, perceber a beleza tanto sua, quanto do outro... Encantar combina com admirar... Hoje exercitamos pouco à admiração, temos pressa, nos encantamos pouco, não admiramos quase nada. Gosto de parar para ver os detalhes de uma flor, de ouvir o canto dos pássaros, muitas vezes de ouvir e admirar o silêncio... O barulho das ondas do mar, já pararam para pensar que espetáculo mais encantador? O mar com suas ondas, beijando a areia, e o sol que vai surgindo, na imensidão do mar e nos leva para o infinito... “Parece que o vento leva notícias de mim pra você, parece que o vento traz notícias de você pra mim... parece que as noites se tornam mais frias longe de você.”
Precisamos nos encantar mais, beijar mais, abraçar mais, admirar a vida e então se deixar invadir pela simplicidade da vida, que não obedece à razão, e nos faz vivos de coração. Encantada estou...
Com afeto,
Beth Landim
Comentar
Compartilhe
Pai, tô com fome...
18/06/2018 | 11h58
Esta estória chegou as minhas mãos...
Ricardinho não agüentou o cheiro bom do pão e falou: - Pai, tô com fome!!! O pai, Agenor, sem ter um tostão no bolso, caminhando desde muito cedo em busca de um trabalho, olha com os olhos marejados para o filho e pede mais um pouco de paciência... - Mas pai, desde ontem não comemos nada, eu tô com muita fome, pai!!! Envergonhado, triste e humilhado em seu coração de pai, Agenor pede para o filho aguardar na calçada enquanto entra na padaria a sua frente... Ao entrar dirige-se a um homem no balcão: - Meu senhor estou com meu filho de apenas 6 anos na porta, com muita fome, não tenho nenhum tostão, pois sai cedo para buscar um emprego e nada encontrei, eu lhe peço que em nome de Jesus me forneça um pão para que eu possa matar a fome desse menino, em troca posso varrer o chão de seu estabelecimento, lavar os pratos e copos, ou outro serviço que o senhor precisar!!! Amaro, o dono da padaria estranha aquele homem de semblante calmo e sofrido, pedir comida em troca de trabalho e pede para que ele chame o filho... Agenor pega o filho pela mão e apresenta-o a Amaro, que, imediatamente, pede que os dois sentem-se junto ao balcão, onde manda servir dois pratos de comida do famoso PF (Prato Feito) - arroz, feijão, bife e ovo... Para Ricardinho era um sonho, comer após tantas horas na rua... Para Agenor, uma dor a mais, já que comer aquela comida maravilhosa fazia-o lembrar-se da esposa e mais dois filhos que ficaram em casa apenas com um punhado de fubá... Grossas lágrimas desciam dos seus olhos já na primeira garfada... A satisfação de ver seu filho devorando aquele prato simples como se fosse um manjar dos deuses, e lembrança de sua pequena família em casa, foi demais para seu coração tão cansado de mais de 2 anos de desemprego, humilhações e necessidades... Amaro se aproxima de Agenor e percebendo a sua emoção, brinca para relaxar: - Ô Maria!!! Sua comida deve estar muito ruim... Olha o meu amigo está até chorando de tristeza desse bife, será que é sola de sapato?! Imediatamente Agenor sorri e diz que nunca comeu comida tão apetitosa, e que agradecia a Deus por ter esse prazer... Amaro pede então que ele sossegue seu coração, que almoçasse em paz e depois conversariam sobre trabalho... Mais confiante, Agenor enxuga as lágrimas e começa a almoçar, já que sua fome já estava nas costas... Após o almoço, Amaro convida Agenor para uma conversa nos fundos da padaria, onde havia um pequeno escritório... Agenor conta então que há mais de 2 anos havia perdido o emprego e, desde então, sem uma especialidade profissional, sem estudos, ele estava vivendo de pequenos 'biscates aqui e acolá', mas que há 2 meses não recebia nada... Amaro resolve então contratar Agenor para serviços gerais na padaria, e penalizado, faz para o homem uma cesta básica com alimentos para pelo menos 15 dias... Agenor com lágrimas nos olhos agradece a confiança daquele homem e marca para o dia seguinte seu início no trabalho... Ao chegar em casa com toda aquela 'fartura', Agenor é um novo homem. Sentia esperanças, sentia que sua vida iria tomar novo impulso... Deus estava lhe abrindo mais do que uma porta, era toda uma esperança de dias melhores... No dia seguinte, às 5 da manhã, Agenor estava na porta da padaria ansioso para iniciar seu novo trabalho... Amaro chega logo em seguida e sorri para aquele homem que nem ele sabia porque estava ajudando... Tinham a mesma idade, 32 anos, e histórias diferentes, mas algo dentro dele o chamava para ajudar aquela pessoa... E, ele não se enganou - durante um ano, Agenor foi o mais dedicado trabalhador daquele estabelecimento, sempre honesto e extremamente zeloso com seus deveres... Um dia, Amaro chama Agenor para uma conversa e fala da escola que abriu vagas para a alfabetização de adultos um quarteirão acima da padaria, e que ele fazia questão que Agenor fosse estudar... Agenor nunca esqueceu seu primeiro dia de aula: a mão trêmula nas primeiras letras e a emoção da primeira carta... Doze anos se passam desde aquele primeiro dia de aula... Vamos encontrar o Dr. Agenor Baptista de Medeiros, advogado, abrindo seu escritório para seu cliente, e depois outro, e depois mais outro... Ao meio dia ele desce para um café na padaria do amigo Amaro, que fica impressionado em ver o "antigo funcionário" tão elegante em seu primeiro terno... Mais dez anos se passam, e agora o Dr. Agenor Baptista, já com uma clientela que mistura os mais necessitados que não podem pagar, e os mais abastados que o pagam muito bem, resolve criar uma Instituição que oferece aos desvalidos da sorte, que andam pelas ruas, pessoas desempregadas e carentes de todos os tipos, um prato de comida, diariamente, na hora do almoço... Mais de 200 refeições são servidas diariamente naquele lugar que é administrado pelo seu filho, o agora nutricionista Ricardo Baptista... Tudo mudou, tudo passou, mas a amizade daqueles dois homens, Amaro e Agenor impressionava a todos que conheciam um pouco da história de cada um...
Ricardinho, o filho mandou gravar na frente da "Casa do Caminho", que seu pai fundou com tanto carinho: “Um dia eu tive fome, e você me alimentou. Um dia eu estava sem esperanças e você me deu um caminho. Um dia acordei sozinho, e você me deu Deus, e isso não tem preço... Que Deus habite em seu coração e alimente sua alma. E, que te sobre o pão da misericórdia para estender a quem precisar!”.
Muitas vezes temos tudo e não damos valor, não olhamos para o lado para quem precisa. Solidariedade e Educação... dois alimentos imprescindíveis ao ser humano. E você tem fome de que?
Com afeto,
Beth Landim
Comentar
Compartilhe
Sobre o autor

Elizabeth Landim

[email protected]