A Delicadeza do Tempo
29/05/2018 | 09h13
 
Você já se deu conta do quanto nos deixa felizes e renovados fazer algo que nos leva a esquecer do tempo? Para viver em harmonia, precisamos ser orientados pelo tempo interior, que está naturalmente conectado com os ciclos do tempo exterior: o dia e a noite e as quatro estações do ano. No entanto, estamos tão condicionados à necessidade de cumprir as expectativas do tempo imposto pelo relógio, que não nos permitimos mais ser “naturais”, tornamo-nos mecanizados pela pressão do tempo, que exige, de nós, cada vez mais tempo.
O tempo é o adubo do amadurecimento. Forçar o tempo é impossível. Jamais podemos abrir mão da coerência entre o que sentimos e fazemos. Nossas ações devem brilhar de acordo com nossas palavras. Se nos sentimos coerentes em nosso caminho, estamos mantendo clareza de nossos propósitos.
A incoerência surge quando a distância entre o que sentimos dentro de nós e o que vivemos fora de nós torna-se grande demais. Quando perdemos a sintonia entre nossos mundos, interno e externo, sentimo-nos derrotados.
A sensação de estar “perdendo tempo” com alguma coisa, seja no trabalho ou num relacionamento, é um alerta de que estamos nos distanciando de nosso propósito espiritual: o uso significativo do tempo. A questão é que estaremos sempre insatisfeitos enquanto vivemos apenas para satisfazer as expectativas externas que surgem em cada momento da vida. Isto é, usar o tempo apenas para sermos pessoas cada vez mais eficientes não garante nossa felicidade. Para sentirmos felizes, é preciso mais que eficiência. É preciso sentir que estamos crescendo interiormente.
Mas quem já não escutou o “tic-tac” da ansiedade soar em seu interior quando está sob o peso do tempo do relógio?
Nas situações que não podemos mudar, devemos nos esforçar para reavaliar nossas reações internas, pois o tempo interior é tão vasto quanto o espaço infinito. Ele chama-se kairos.
O tempo que é cronológico, linear e, em seqüência, dita o ritmo de nossas vidas, chama-se cronos. A palavra kairos, em grego, significa o momento certo, o aspecto qualitativo do tempo. Sua correspondente em latim, momentum, refere-se ao instante, ocasião ou movimento, que deixa uma impressão forte e única por toda a vida.
Por isso, kairos refere-se a uma experiência temporal na qual percebemos o momento oportuno para determinada ação: saber a hora certa de estar no lugar certo. Sempre que agimos sob o tempo kairos, as coisas costumam se acertar. Por exemplo, quando estamos quase desistindo de algo e resolvemos “dar um tempo” para aliviar a pressão, repentinamente, surgem as pessoas certas que nos ajudam com soluções reais e práticas.
Agir no tempo regido por kairos é simular a um ato mágico!
Kairos é o tempo oportuno, livre do peso de cargas passadas e sem ansiedade de anteceder o futuro. Ele se manifesta no presente, instante após instante.
Quando vivemos no tempo kairos, aumentam as oportunidades em nossa vida. Basta pensar como surgiram nossas melhores chances e percebemos que nessas ocasiões estávamos, de certa forma, desprogramados das exigências do tempo cronológico.
Para os gregos, cronos representava o tempo que falta para a morte, em tempo que se consome a si mesmo. Por isso, seu oposto é kairos: momentos afortunados que transcendem as limitações impostas pelo medo da morte!
Portanto, para vivermos sob a regência de kairos, precisamos ir além das convenções mundanas: saber seguir cada momento, de acordo com a sintonia de nossas necessidades interiores. Isto não quer dizer que podemos fazer o que quisermos na hora que bem entendermos, mas sim que devemos estar atentos para não deixar que os comandos exteriores ultrapassem os interiores.
Já que a pressão externa é cada vez maior, temos que desenvolver cada vez mais a paz interna. Na maioria das vezes, não encontramos soluções indiretas para as situações externas, então, podemos contar apenas com nossa condição interna. Paz interior é a melhor forma de proteção contra desafios externos. Além de ficarmos mais leves, nos tornamos bonitos também!
A eternidade é tornar os momentos inesquecíveis... portanto sejamos intensos e inteiros em nossas atitudes e relações.
Uma boa e feliz semana para todos!
Com afeto,
Beth Landim
Comentar
Compartilhe
Aprendendo com a vida...
18/05/2018 | 11h00
 
Dona Maria Jiló é uma senhora de 92 anos, miúda, e tão elegante, que todo dia às 8 da manhã ela já está toda vestida, bem penteada e discretamente maquiada, apesar de sua pouca visão. E hoje ela se mudou para uma casa de repouso: o marido, com quem ela viveu 70 anos, morreu recentemente, e não havia outra solução. Depois de esperar pacientemente por duas horas na sala de visitas, ela ainda deu um lindo sorriso quando a atendente veio dizer que seu quarto estava pronto. Enquanto ela manobrava o andador em direção ao elevador, dei uma descrição do seu minúsculo quartinho, inclusive das cortinas floridas que enfeitavam a janela. Ela me interrompeu com o entusiasmo de uma garotinha que acabou de ganhar um filhote de cachorrinho. - Ah, eu adoro essas cortinas... - Dona Maria Jiló, a senhora ainda nem viu seu quarto... Espera um pouco... - Isto não tem nada a ver, ela respondeu, felicidade é algo que você decide por princípio. Se eu vou gostar ou não do meu quarto, não depende de como a mobília vai estar arrumada... Vai depender de como eu preparo minha expectativa. E eu já decidi que vou adorar. É uma decisão que tomo todo dia quando acordo. Sabe, eu posso passar o dia inteiro na cama, contando as dificuldades que tenho em certas partes do meu corpo que não funcionam bem. Ou posso levantar da cama agradecendo pelas outras partes que ainda me obedecem. - Simples assim? - Nem tanto, isto é para quem tem autocontrole e todos podem aprender, e exigiu de mim um certo 'treino' pelos anos afora, mas é bom saber que ainda posso dirigir meus pensamentos e escolher, em conseqüência, os sentimentos.
Calmamente ela continuou: - Cada dia é um presente, e enquanto meus olhos se abrirem, vou focalizar o novo dia, mas também as lembranças alegres que eu guardei para esta época da vida. A velhice é como uma conta bancária: você só retira aquilo que guardou. Então, meu conselho para você é depositar um monte de alegrias e felicidade na sua Conta de Lembranças. E, aliás, obrigada por este seu depósito no meu Banco de Lembranças. Como você vê, eu ainda continuo depositando e acredito que, por mais complexa que seja a vida, sábio é quem a simplifica.
Depois me pediu para anotar: Como se manter jovem: Deixe fora os números que não são essenciais. Isto inclui a idade, o peso e a altura. Deixe que os médicos se preocupem com isso. Mantenha só os amigos divertidos. Os depressivos puxam para baixo. Lembre-se disto se for um desses depressivos! Aprenda sempre: aprenda mais sobre computadores, artes, jardinagem, o que quer que seja. Não deixe que o cérebro se torne preguiçoso. “Uma mente preguiçosa é a oficina do Alemão.” E o nome do Alemão é Alzheimer! Aprecie mais as pequenas coisas - Aprecie mais. Ria muitas vezes, durante muito tempo e alto. Ria até lhe faltar o ar. E se tiver um amigo que o faça rir, passe muito e muito tempo com ele! Quando as lágrimas aparecerem agüente, sofra e ultrapasse. A única pessoa que fica conosco toda a nossa vida somos nós próprios. VIVA enquanto estiver vivo. Rodeie-se das coisas que ama: quer seja a família, animais, plantas, hobbies, o que quer que seja. O seu lar é o seu refúgio. Não o descarte. Tome cuidado com a sua saúde: se é boa, mantenha-a. Se é instável, melhore-a. Se não consegue melhorá-la, procure ajuda. Não faça viagens de culpa. Faça uma viagem ao centro comercial, até a um país diferente, mas NÃO para onde haja culpa. Diga às pessoas que as ama e que ama a cada oportunidade de estar com elas. E, se não mandar isto a pelo menos quatro pessoas - quem é que se importa? Serão apenas menos quatro pessoas que deixarão de sorrir ao ver uma mensagem sua. Mas se puder, pelo menos, partilhe com alguém! O que de nós vale a pena se não tocarmos o coração das pessoas?
E como nos diz Aristóteles, revolucione a sua alma!!! “Ninguém é dono da sua felicidade, por isso não entregue sua alegria, sua paz sua vida nas mãos de ninguém, absolutamente ninguém. Somos livres, não pertencemos a ninguém e não podemos querer ser donos dos desejos, da vontade ou dos sonhos de quem quer que seja. A razão da sua vida é você mesmo. A tua paz interior é a tua meta de vida. Quando sentires um vazio na alma, quando acreditares que ainda está faltando algo, mesmo tendo tudo, remete teu pensamento para os teus desejos mais íntimos e busque a divindade que existe em você. Pare de colocar sua felicidade cada dia mais distante de você. Não coloque o objetivo longe demais de suas mãos: abrace os que estão ao seu alcance hoje. Se andas desesperado por problemas financeiros, amorosos, ou de relacionamentos familiares, busca em teu interior a resposta para acalmar-te, você é reflexo do que pensas diariamente. Pare de pensar mal de você mesmo, e seja seu melhor amigo sempre. Sorrir significa aprovar, aceitar, felicitar. Então abra um sorriso para aprovar o mundo que te quer oferecer o melhor. Com um sorriso no rosto as pessoas terão as melhores impressões de você, e você estará afirmando para você mesmo que está “pronto” para ser feliz. Trabalhe, trabalhe muito a seu favor. Pare de esperar a felicidade sem esforços. Pare de exigir das pessoas aquilo que nem você conquistou ainda. Critique menos, trabalhe mais. E não se esqueça nunca de agradecer. Agradeça tudo que está em sua vida nesse momento... Nossa compreensão do universo ainda é muito pequena para julgar o que quer que seja na nossa vida. A grandeza da vida não consiste em receber honras, mas em merecê-las.”
Com afeto,
Beth Landim
Comentar
Compartilhe
Todo dia...
11/05/2018 | 11h58
Penso que antes de sermos mães, temos o aprendizado de sermos filhas... E é através do exemplo que subliminarmente vamos vivenciando o que é ser mãe... A maternidade chegou pra mim maravilhosamente em dose dupla! Quando recebi Juliana e Rafaela em meus braços, pude sentir o verdadeiro sentimento do Amor, do cuidar, da generosidade, do perfume que traz o aconchego... Dois anos depois, com Carolina, vivenciei ainda mais estes sentimentos, pois a experiência nos traz sabedoria do que nos é imprescindível vivenciar... O amor mais puro e sincero, o amor visceral, o amor que um simples olhar, um cheiro, um colo, nos traz uma felicidade indescritível... Desde então vivemos todos os momentos intensamente... Desde nossos banhos de mar nas lagoinhas de Chapéu de Sol, em Grussaí, as brincadeiras de subir nas árvores, aos nossos acampamentos de final de semana na fazenda, na barraca de camping, quando ainda não tínhamos nossa casa... a falta de luz que nos presenteava com a linda lua. Nossa barraca era sempre acariciada com a brisa suave que sopra do Rio Paraíba. Com o raiar do sol, a copa das árvores, faziam lindas cortinas para embalar nosso sono ainda cedinho... Lembro-me tanto de nossas cavalgadas noturnas, nossos piqueniques que depois de uma tarde à cavalo, nos sentávamos para saborear... Das nossas viagens sempre juntas, e todas as perguntas vindo à tona... da bagunça na viagem, na praia, no campo... estarmos juntos é sempre a maior e melhor festa... E para conhecermos as mães basta, conhecermos seus filhos... e minha mãe, junção perfeita de Everaldo e Dagmar, não só seguiu seus passos, mas alargou o caminho, abrindo horizontes em nossas vidas. Conciliadora, sempre... Pelas mãos da minha mãe, poderia aqui enumerar inúmeras realizações, mas a maior delas é o perfume que exala, com sua voz sempre serena e firme nos seus ensinamentos, a sua forma de falar com os olhos, seu silêncio que tanto nos diz. Sua presença é única e constante em nossas vidas, mesmo quando não está fisicamente ao nosso lado, pois o seu SER transcende em nossas almas. Seu sorriso sempre tranquilo, de quem sempre nos entende, sua intuição tão aguçada, que prevê nossos sentimentos, se antecipando a eles em vários momentos de nossa vida, a tornam mais que especial. Mãe te admiro muito! Quero sempre poder seguir os teus passos! Para você as palavras são pequenas, os gestos de carinho são poucos, diante de seu amor incondicional. Com você, experimento o amor profundo, enxergo com a alma e com o coração, sinto o verdadeiro sentido da BONANÇA! Você, com toda a sua sabedoria, nos ensina sempre, que a paciência do tempo nos auxilia a enfrentar os contratempos, e a transformar sempre a dor em amor. Este é o legado que você nos deixa sempre... Pois a esperança faz morada em seu ser e os sonhos continuam cada vez mais vivos em sua vida, refletindo em nós, seus filhos e netos que tanto a amamos. Uma árvore frondosa não nos dá bons frutos apenas... ela nos refresca a alma e acaricia o coração, nos proporciona acalento e refúgio do sol escaldante, mas, sobretudo possui a magia de nos acolher com seus longos braços... uma árvore frondosa nos proporciona sua fruta genuína e doce, como um bálsamo e um porto seguro a nos refrescar das intempéries da vida... Esta árvore frondosa é você! A quem homenageio pelo dia das mães! Uma mãe que conquistou a nossa admiração e amor, no exercício de uma educação que tem limites, mas que não limita e cerceia as diferenças de cada um de seus filhos... Uma mãe que aceita todos os convites, indo sempre além de nossas expectativas... Assim é você! Você nos agasalha sob as suas asas... sua luz nos ilumina, seu carinho e sua firmeza se transformam em energia transformadora para multiplicarmos em nossos lares o seu exemplo de amor... Hoje quero falar também pra você, minha querida e amada Tia Marta... Certas pessoas, somente o primeiro nome basta, pois sua intensidade e largueza são tantas que não precisam de nome completo... Seu sorriso, sua disponibilidade, sua alegria de viver, são marcas indeléveis que deixam em todos que passam pelo seu caminho! Mulher forte e firme, que para tudo tem um jeito... De sua mãe Dagmar, trouxe a grande generosidade no coração, no acolhimento, no atendimento... a todos que suas palavras chegam, o carinho e atenção que você passa já são o primeiro remédio. E então vamos costurando a vida... costurando o tempo, bordando em cima dos erros para que eles sumam. Costurar as pessoas que gostamos pertinho, costurar os domingos um mais perto do outro. Costurar o amor verdadeiro no peito de quem a gente ama. Costurar a saudade no fundo do baú para ela não fugir. Costurar a autoestima lá em cima, para nunca cair. Costurar o perdão na alma e a bondade na mão. Costurar o bem no bem. Costurar a saúde na enfermidade e a felicidade em todo o lugar e ir costurando a vida, um pouquinho de esperança em cada dia... e muita coragem em cada ser humano... Agradeço, ainda, a presença de Ir. Suraya Chaloub. Exemplo de maternidade espiritual. Talvez, bem mais difícil de alcançar. Parabenizo, ainda, Cacaia Martins pelos seus 80 anos, transcrevendo um texto de Dona Isa Mattoso, sua mãe: “Menina de Quissamã... que abriu as asas e voou... No voo que alçou... os livros encontrou e simplesmente se encantou... E nunca mais foi a mesma... pois a sua liberdade interior se fincou em meio às leituras e aos alunos... E na sua alma resplandeceu o brilho do amor de Deus... em uma sala de aula. Nos idos de 1945 em Quissamã... na minha sala de aula... onde tudo se iniciou, quanta sabedoria se plantou e implantou, e principalmente muito se partilhou e amou... e as sementes foram lançadas”. Nos idos de 2018... há quase 80 anos dessa vida bem vivida... a semeadura continua firme e forte... e felizes são aqueles que partilham dessa vida, da nossa Cacaia querida... Um abraço em todas as mães... pois nosso dia é todo dia!
Com afeto,
Beth Landim
Comentar
Compartilhe
Sobre o autor

Elizabeth Landim

bethlandim99@gmail.com