Que filhos deixaremos para este mundo...
27/08/2017 | 09h50
porta do lado
porta do lado / pinterest
Ao invés de pensarmos que mundo deixaremos para nossos filhos, deveríamos pensar que filhos deixaremos para o mundo: Filhos intolerantes, egoístas, mimados, que não pensam no coletivo, raciocinam de forma individual, ou filhos que pensam em outras gerações que virão depois da sua, que se solidarizam com a dor do outro, que se preocupam em construir e fazer alguma coisa de melhor para deixar um legado para o mundo... Filhos que querem ser gotas de amor e de paz, que possam perfumar e melhorar um mundo tão conturbado. Filhos que tenham consciência sustentável, que pensem no cuidado com o homem e com o meio ambiente! E então, muitas vezes pensamos na porta do lado... Reproduzo um texto de do médico Dráuzio Varella que tão bem ilustra este exemplo:
“... Que a gente tem um nível de exigência absurdo em relação à vida, que queremos que absolutamente tudo dê certo, e que, às vezes, por aborrecimentos mínimos, somos capazes de passar um dia inteiro de cara amarrada. E aí ele deu um exemplo trivial, que acontece todo dia na vida da gente… É quando um vizinho estaciona o carro muito encostado ao seu na garagem (ou pode ser na vaga do estacionamento do shopping). Em vez de simplesmente entrar pela outra porta, sair com o carro e tratar da sua vida, você bufa, pragueja, esperneia e estraga o que resta do seu dia. Eu acho que esta história de dois carros alinhados, impedindo a abertura da porta do motorista, é um bom exemplo do que torna a vida de algumas pessoas melhor, e de outras, pior. Tem gente que tem a vida muito parecida com a de seus amigos, mas não entende por que eles parecem ser tão mais felizes. Será que nada dá errado pra eles? Dá aos montes. Só que, para eles, entrar pela porta do lado, uma vez ou outra, não faz a menor diferença. O que não falta neste mundo é gente que se acha o último biscoito do pacote. Que “audácia” contrariá-los! São aqueles que nunca ouviram falar em saídas de emergência: fincam o pé, compram briga e não deixam barato. Alguém aí falou em complexo de perseguição? Justamente. O mundo versus eles. Eu entro muito pela outra porta, e às vezes saio por ela também. É incômodo, tem um freio de mão no meio do caminho, mas é um problema solúvel. E como esse, a maioria dos nossos problemões podem ser resolvidos assim, rapidinho. Basta um telefonema, um e-mail, um pedido de desculpas, um deixar barato. Eu ando deixando de graça… Pra ser sincero, vinte e quatro horas têm sido pouco prá tudo o que eu tenho que fazer, então não vou perder ainda mais tempo ficando mal-humorado. Se eu procurar, vou encontrar dezenas de situações irritantes e gente idem; pilhas de pessoas que vão atrasar meu dia. Então eu uso a “porta do lado” e vou tratar do que é importante de fato. “Eis a chave do mistério,… a FÓRMULA DA FELICIDADE… o ELIXIR DO BOM-HUMOR, a razão por que parece que tão pouca coisa na vida dos outros dá errado.” Quando os desacertos da vida ameaçarem o seu bom humor, NÃO ESTRAGUE O SEU DIA… USE A PORTA DO LADO… e mantenha a sua harmonia. Lembre-se, o humor é contagiante – para o bem e para o mal – portanto, sorria, e contagie todos ao seu redor com a sua alegria. A “Porta do lado” pode ser uma boa entrada ou uma boa saída… Experimente!”
E então, como os exemplos arrastam, convido todos vocês para contribuirmos com um mundo melhor, mesmo que seja de gota em gota... O ISECENSA neste sábado realiza com pais, professores do CENSA e do ISECENSA uma segunda edição da REGATA VERDE, com o objetivo maior de conscientização sobre a responsabilidade ambiental de todos os cidadãos. Desta forma estaremos contribuindo com este exemplo de fazer a nossa parte, e de preparar os filhos para um mundo melhor. Está prevista a mobilização para a limpeza do Rio Paraíba no percurso e aproximadamente 10 km entre o distrito de Santa Cruz e o cais da Lapa, com a participação de alunos e professores do curso de Educação Física utilizando caiaques e stand ups. A Regata Verde, além de um exercício de cidadania, é uma aula prática da disciplina Atividades Esportivas na Natureza, do nosso curso de Educação Física. Este ano, teremos na chegada da Regata Verde uma celebração presidida pela nossa Diretora Irmã Suraya Chaloub, no cais da Lapa.
E então, temos a oportunidade de deixar para o mundo, filhos que amem e que preparem a geração assim: “Quando meus filhos disserem aos meus netos, o quanto eu os amava, e quando os meus netos, disserem aos meus filhos, que guardam lembranças minhas e de mim sentem saudade, não terei morrido nunca: serei eternidade”. É este sentimento de eternidade que devemos acalentar e passar como legado para nossos filhos, pois sendo eterno, teremos passado o cuidado, a beleza, a compaixão e o amor, pois quem ama cuida e precisamos deixar filhos que possam melhorar o mundo. Filhos que tenham sempre como opção a “porta do lado”, que tragam leveza para a vida e vejam a vida sempre como um presente para um mundo melhor...
Tenho sempre minha porta do lado aberta...
Com afeto,
Beth Landim
Comentar
Compartilhe
A arte de viver...
18/08/2017 | 21h21
arte de viver
arte de viver / google
O Ser Humano é o único que pode, conscientemente, escolher o direcionamento das suas ações, tornando claras as intenções de sua essência interior e, através de suas atitudes, demonstrar o valor de suas palavras, o poder de seus pensamentos e o calor de seus sentimentos em tudo o que realiza. Diferente do que muitas pessoas pensam, não basta apenas ter bens para usufruir, ou uma vida social e profissional bem sucedida. É preciso que você faça sua parte, buscando o autoconhecimento e a positividade em seus atos, e o sucesso torna-se conseqüência natural de tudo que se procura fazer com perfeição e com amor. Desta forma, nossos pensamentos, nossos movimentos, nossos planos, tudo em nossa vida são canais por onde o fluxo de energia passa. Assim, quando realizamos toda e qualquer ação, seja simplesmente pensando, sentindo ou atuando concretamente, conscientes da correta atitude para cada momento, criamos uma abertura para as dimensões mais profundas no nosso Ser, onde temos acesso ao amor e à sabedoria sem limites. A qualidade presente em nossa consciência quando assumimos atitudes é o que determina o campo vibratório e sensível onde iremos atuar e viver a plenitude de sermos, simultaneamente, humanos e divinos. Todavia, é na busca pela divindade e humanidade que aprendemos a arte de viver, que exige uma caminhada rumo ao nosso interior e o desenvolvimento de uma atitude amorosa para conosco e para com os outros. A atitude amorosa é expressa de infinitas maneiras. É preciso descobrir nosso único e incomparável jeito de amar e amar muito. É fundamental abrirmos o coração para atos simples e amorosos de serviço às pessoas, aos animais, às plantas, enfim, a toda a Natureza. Quanto mais aprendemos a amar e a aprovar o nosso Ser, a partir de uma consciência de auto-aceitação, mais prazerosas serão as nossas atitudes na vida. O prazer torna-se consciente em cada ato, em cada gesto, quando reconhecemos que o amor e o respeito que podemos sentir por nós mesmos e pelos outros está sempre disponível na dimensão da Alma. No entanto, ao vivenciar essa atitude amorosa é essencial ter os dois pés no chão e estar aberto para viver experiências significativas. E sempre se lembrar de que o AMOR começa no interior de nossa alma.O amor é um sentimento que faz parte da "felicidade democrática", aquela que é acessível a todos nós. É democrática a felicidade que deriva de nos sentirmos pessoas boas, corajosas e ousadas. Já a "felicidade aristocrática" deriva de sensações de prazer possíveis apenas para poucos: riqueza material, fama, beleza extraordinária. Felicidade aristocrática está relacionada à vaidade e é geradora, inevitável, de violência, em virtude da inveja que a grande maioria sentirá da ínfima minoria. É difícil definir felicidade, mas pode-se, de modo simplificado, dizer que uma pessoa é feliz quando é capaz de usufruir sem grande culpa os momentos de prazer e de aceitar com serenidade as inevitáveis fases de sofrimento. É impossível nos sentirmos felizes o tempo todo, mas os períodos de felicidade correspondem à sensação de que nada nos falta, de que o tempo poderia parar naquele ponto do filme da vida. A vida pode e deve ser melhor e mais prazerosa, só depende de nós, por isso não podemos permitir que constantes pensamentos e sentimentos negativos tomem conta de nós. A arte de viver consiste na busca e aspiração à felicidade e ao prazer em cada ato presente, não mais acreditando cegamente que você conseguirá ser plenamente feliz (nas férias, quando se aposentar, ao ganhar muito dinheiro). A felicidade está ao nosso alcance sempre, basta desejarmos e nos dispormos a isso. A arte de viver tem como elemento chave o amor, principalmente o amor próprio! Por isso, ame-se... Pare de se incomodar e se irritar em demasia com pessoas mal-humoradas, com bobagens cotidianas. Procure refletir e compreender possíveis ressentimentos, mágoas, sentimentos negativos. Não se culpe! Busque melhor conhecer e entender a si próprio e a outrem. Renove-se! É necessário parar, pensar, rezar! Mesmo diante de agitações e problemas, sossegue a si mesmo. PARE! Imagine, mesmo que por curto tempo, que um rio a correr calmamente, entre algumas pedras, produz um burburinho acolhedor e paz perfeita. No fundo das águas, veja peixes nadando, tranqüilos. Acredite. Dentro de todas as pessoas existe um universo de aptidões que dorme. Qualidades e capacidades que, se fossem postas em atividades, produziriam grandes alegrias e as incitariam a dar valor à vida. O que vemos fora é o que temos por dentro. Precisamos distribuir benefícios, pois eles voltam para nós mesmos, de uma maneira ou de outra. Essa é a lei da vida, a lei de Deus. Reflita. A arte de viver é uma conquista cotidiana da atitude amorosa! Mas é preciso saber que amor não se implora, não se pede, não se espera... Amor se vive ou não. É o amor que fica, que marca as pessoas... Parafraseando Arthur da Távola, o amor... Ah, o amor... O amor quebra barreiras, une, destrói preconceitos, cura doenças... Não há vida decente sem amor! E é certo, quem ama, é muito amado e vive a vida mais alegremente!!!
Com afeto,
Beth Landim
Comentar
Compartilhe
Gratidão...
11/08/2017 | 21h47
 
Pingar no papel a emoção dos sentimentos... Ousar o risco da felicidade! Assim encaro a vida... Exercer a paternidade é não deixar os sentimentos amontoados, a roupa da alma surrada... É ser livre para beijar, demonstrar carinho, proteção, sabedoria, indicar caminhos. É continuar a pureza das crianças!
“As alegrias que não sabemos explicar são as crianças que ainda nos habitam.” Pe. Fábio de Melo
Mas do que tudo, ser pai é ser amigo. É olhar no olho, é estar junto! Nesse sentido, só tenho a agradecer! Agradecer a vida de meu pai, Amaro, que se renovou este ano, vencendo os desafios e seguindo em frente... Seguir em frente também faz parte de ser grato pelo passado, para vivermos o presente e vislumbrar o futuro!
“E quando não havendo caminho... inventa-se. A vida não retém os que querem chegar!” Pe. Fábio de Melo
Portanto, não economizemos em “doações de felicidade”...
Conta-se que “Deus pegou a força de uma montanha, a majestade de uma árvore, o calor de um sol de verão, a calma de um mar tranquilo, a generosidade da natureza, os confortáveis braços da noite, a sabedoria das eras, o poder do vôo da águia, a alegria de uma manhã de primavera, a fé de uma semente de mostarda, a paciência da eternidade e o centro da necessidade de uma família. Depois, Deus juntou todos esses ingredientes e quando percebeu que nada mais havia para acrescentar, viu que Sua obra prima estava completa. Então, ao concluí-la, olhou para a obra-prima pronta e disse: “A tua missão é sagrada. Vai para a vida, vai! Só falta eu te dar um nome: eu te batizo de Pai! Vai... Tens todo o meu apoio!” Essa belíssima descrição reforça a missão magnífica de um pai: ser forte, afetuoso, tranquilo, generoso, sábio, paciente e seguro. Por isso, nesta data, quero homenagear todos os pais com suas virtudes e limites! Esses homens que, no dia-a-dia, são mestres contadores de histórias que trazem em seus corações tantas memórias e espalham, no caminhar de seus filhos, muitas esperanças, certezas e confiança. Por tudo isso, e muito mais, agradeço em nome de todos os filhos a todos os Pais, principalmente ao meu pai! Agradeço os valores do professor de educação física que acompanhei, desde cedo (já nasci e cresci na beira da quadra), permeando minha vida com referências tão nobres quanto as do esporte. Valorizar a vitória, aprender com a derrota, não subestimar o adversário e não tê-lo como inimigo. Ele é apenas um adversário, com quem podemos aprender sempre. Quantas e quantas vezes aprendeu com seu desprendimento dando treinamentos de vôlei para sua equipe campeã estadual, nos fundos de nossa casa em Campos e no saudoso Grussaí Praia Clube. Ali, aprendi amor ao esporte, desprendimento aos valores materiais e a acreditar nas belas causas, que valem à pena! Aprendi a ter determinação, disciplina, alma, espírito de equipe e, principalmente, a exercer a liderança, vendo a mesma sendo exercida por você, naqueles jovens atletas. Aprendi até que o pão que os atletas roubavam, todo dia, da casa de vovó em Grussaí, era por uma boa causa! Este é meu pai! Aprendi a ser amiga dos meus amigos, pois você exerce muito bem este dom. Dá de si aos outros, sem nada esperar em troca! Aprendi muito com sua doação a Santo Amaro! Alegro-me em ver sua fé e nela crescer!
Nos conta um conto que... “Num quarto modesto, um triste doente em grave situação pedia silêncio. Mas a velha porta rangia nas dobradiças cada vez que alguém a abria ou fechava. O momento solicitava quietude, mas não era oportuno para a reparação adequada. Com a passagem do médico, a porta rangia nas idas e vindas do enfermeiro, no trânsito dos familiares e amigos, eis a porta a chiar, estridente. Aquela circunstância trazia ao enfermo e a todos que lhe prestavam assistência e carinho, verdadeira guerra de nervos. Contudo, depois de várias horas de incomodo, chegou um vizinho e colocou algumas gotas de óleo lubrificante na antiga engrenagem e a porta silenciou tranquila e obediente. Quantos "ranger de portas" temos em nossas vidas? Quantos barulhos nos relacionamentos... entretanto na maioria dos casos nós podemos apresentar a cooperação definitiva para a extinção desses rangeres... Basta que lembremos do recurso infalível de algumas gotas de compreensão e a situação muda. Gotas de perdão acabam de imediato com o chiado das discussões mais calorosas. Gotas de paciência, no momento oportuno, podem evitar grandes dissabores. Poucas gotas de carinho penetram as barreiras mais sólidas e produzem efeitos duradouros e salutares. Algumas gotas de solidariedade e fraternidade podem conter uma guerra de muitos anos. É com algumas gotas de amor que nossos pais abrem as portas mais emperradas dos nossos corações. São as gotas de puro afeto que penetram e dulcificam as almas ressecadas pela tristeza, transformando em alegria na relação de amizade que temos com nossos pais. Às vezes, são necessárias apenas algumas gotas de silêncio para conter o ruído desagradável de uma discussão infeliz. E se você é daqueles que pensa que os pequenos gestos nada significam, lembre-se de que as grandes montanhas são constituídas de pequenos grãos de areia.” Pai, tenha certeza de que suas gotas de óleo me fizeram uma pessoa mais flexível, mais livre, que acredita sempre no amor de pai. Suas gotas te rejuvenescem e me enriquecem ao mesmo tempo. Aproveito o espaço para parabenizar todos os pais... que comemoram neste domingo esta data tão especial, o Dia dos Pais, desejando a todos muitas felicidades e um domingo em família pleno de aconchego e alegrias. Que sejamos sempre, essa gota de óleo, a inundar o coração de nossos pais, transformando sua vida em bálsamo...
Não economize em “doações” de felicidade. Nascemos sem trazer nada, morremos sem levar nada. E no meio brigamos por algo que não trouxemos e não levaremos. Mesmo que estejamos passando por uma crise humanitária, onde a paternidade se inclui... “É preciso ter esperança, mas ter esperança do verbo esperançar; porque tem gente que tem esperança do verbo esperar. E esperança do verbo esperar não é esperança, é espera. Esperançar é se levantar, esperançar é ir atrás, esperançar é construir, esperançar é não desistir! Esperançar é levar adiante, esperançar é juntar-se com outros para fazer de outro modo...” Paulo Freire
 
Com afeto,
Beth Landim
Comentar
Compartilhe
Na contra mão do mundo...
07/08/2017 | 11h02
 
contramão
contramão / google
É melhor andar sozinha na contra mão, mas convicta de sua lealdade, sua verdade e bem querer, da entrega, de dar o seu melhor... Desobedecer a regra enfadonha da vida, dos arranjos, das mesmices, dos acordos pequenos, nos fazem maiores... maiores na certeza de ser sempre sincero, primeiro com seus princípios, em seguida com o mundo...
Portas abertas, coração leve, vento que acaricia o amor ao próximo. A leveza da alma está em você falar e fazer a mesma coisa... isto nos dá paz, nos faz conscientes, gratos com a vida e sempre felizes... Pois a grande felicidade é ter a consciência de fazer sempre o que os seus valores realmente gritam dentro de você!
E neste mundo consumista, onde o poder é buscado a qualquer peço, quase que com atitudes e gestos doentios por “mandar”, esquecemos o verdadeiro sentido do que é “autoridade”... Autoridade é o que nos faz crescer, nos faz melhor, nos faz ter vontade de seguir aquele caminho, nos espelhar em alguém! Então hoje, tenho a convicção, quero andar na contra mão deste mundo que não olha no olho, que não reconhecemos quem está ao nosso lado, mesmo depois de anos a fio, pois na maioria das vezes o caminho tomado, leva a cegueira humana. E quando estamos “cegos”, não somos nada inteligentes emocionalmente, nem profissionalmente... Deixamos de enxergar a beleza do caminho, mas principalmente a paisagem ao fim do caminho... E sendo caminhantes não poderíamos ter infelicidade pior do que apreciar a beleza de quem caminha ao nosso lado... simplesmente passamos a não enxergar e não saber apreciar a beleza da vida, as flores, a paisagem do lado... é literalmente ser um nó cego humano.
Ter coragem para este enfrentamento, para desfazer esse nó cego, diante deste mundo endurecido em que estamos vivendo hoje, é primordial para que as relações sejam mantidas. A dificuldade inicial se transforma em dias de bonança, pois nada como a clareza das relações. Tempo que se perde com pequenos desentendimentos é tempo caro no cômputo da caminhada da vida. Na verdade, caminhar na mesma direção é um ato de sabedoria, porém faz parte desta trajetória, recuar quantas vezes forem necessárias para retomarmos caminhos, sair da obscuridade que não acrescenta, para a luminosidade das boas relações. Energia de leveza que faz bem a alma e ao coração, que contagia e fortalece os laços, que sintoniza no mesmo canal, trazendo sempre notícias que transbordam bons sentimentos, pois a sintonia é sinal de inteligência tornando-se essencial nos dias atuais. Caminharmos juntos, na mesma direção, respeitando e convivendo com opiniões diferentes, porém tendo sempre o bom senso permeando as decisões. Faz parte da caminhada esse respirar e prosseguir, porém como é positivo quando tudo se faz acompanhado da transparência nas relações.
Que possamos recuar e prosseguir, mas optarmos sempre pelo caminho que se caminha em conjunto, de mãos dadas, de coração pleno de leveza e da fé que se renova no compromisso do dia-a-dia. Pois os nossos compromissos são as nossas opções. Daí a riqueza da vida... o nosso livre arbítrio em nossas opções. Como é gratificante lutarmos pelo que escolhemos, e fazermos com amor, com afeto e com muita certeza de estarmos fazendo o melhor de nós, nossa máxima entrega...
Que nossas opções tenham sempre o sabor do saber, pois quando estamos conscientes do que queremos, sabemos aceitar as decisões e seguir sempre em frente, sem dificuldades, pois as lutas que surgirem são bem vindas e fazem parte do caminho novo e luminoso que buscamos seguir sem receios, acompanhando a nossa inspiração que vem do coração, banhada de leveza e dos ventos da paz... que nos conduzem a liberdade...
A liberdade de andar na contra mão que vem de dentro. Vem do desejo de ser sincero, de treinar nossos ouvidos para a verdade, que muitas vezes não tem uma boa sonoridade, mas se faz necessária para a composição da melodia da vida. Já dizia Nelson Rodrigues, que toda unanimidade é burra, mas penso que a grande sacada é perceber a diferença entre o poder e o que realmente somos sem ele. Se somos a mesma pessoa com ou sem poder, significa que temos o poder de não nos deixarmos levar pelo “falso poder” e atingirmos a essência do bem querer, das relações que se importam com o respeito, com a gratidão, com o amor ao próximo... E por isso quero sempre estar na contra mão, não quero perder a pureza da criança que em mim habita, que acredita na sinceridade das amizades, das relações, das construções que nos fazem pessoas melhores... Me nego a me impregnar por este mundo negativo, em que pessoas disputam com pessoas. Não quero o “ou”, pois sou do “e”, porque andar na contra mão é agregar, é chamar: vem comigo, senta aqui, vamos juntos, o que você pensa sobre isso... É não só estar junto, é ser uma só pessoa no coletivo, é ter uma uníssona voz, com vários tons, dentro da mesma melodia...
E por fim, tenho a certeza plena, é a beleza que salvará o mundo (Dostoievsky), é a beleza do outro, do sentir, do humano, das relações sinceras, que acreditam e sentem, assim como Fernando Pessoa, que tudo vale a pena, quando a alma não é pequena... Quero andar na contra mão... simplesmente assim...
Com afeto,
Beth Landim
Comentar
Compartilhe
Simplesmente a paz...
01/08/2017 | 13h17
obvious
 
Se você tem sabedoria para falar, fale! Há pessoas precisando de quem lhes rasgue novos horizontes. Se tem o dom de ouvir, ouça! Há pessoas precisando falar para reorganizar os pensamentos e sentimentos. Se tem o dom de enxergar os talentos alheios, enalteça-os! Há pessoas que desabrocham por conta de alguém que lhes reconheça um dom. Se tem discernimento o bastante para fazer uma observação construtiva, faça-a! Há pessoas persistindo no mesmo erro, por falta de alguém que as alerte com carinho e firmeza. Se você não tem vocação para engajar-se em movimentos filantrópicos de grande alcance, tenha em mente que o maior bem a ser semeado começa dentro do seu lar. Oferte a sua canção, a sua poesia, a sua hospitalidade, aquele prato que ninguém sabe fazer igual. Oferte a sua diplomacia, a sua liderança ou a sua capacidade de atuar em segundo plano para o bem comum. Oferte o seu talento para contar piadas e fazer rir. A sua ternura natural no trato com crianças, idosos ou animais. A sua capacidade de manter o sangue frio nas horas de crise, quando todos em sua volta desabam. Há um jeito que é só seu e todo seu, mesmo que seja ofertar uma flor sem ser dia de nada. Mesmo que seja uma prece sincera feita no silêncio do seu quarto. Na contabilidade Divina, pouco importa se o seu jeito de semear o bem vai alcançar uma criatura ou milhões de criaturas. Você está fazendo a sua parte, de um jeito que é só seu. É só isto que realmente importa!
A letra da música - A Paz - nos diz: “Deve haver um lugar dentro do seu coração onde a paz brilhe mais que uma lembrança. Sem a luz que ela traz já nem se consegue mais encontrar o caminho da esperança. Sinta, chega o tempo de enxugar o pranto dos homens se fazendo irmão e estendendo a mão. Venha, já é hora de acender a chama da vida e fazer a terra inteira feliz. Se você for capaz de soltar a sua voz pelo ar, como prece de criança, deve então começar e outros vão te acompanhar e cantar com harmonia e esperança. Deixe que esse canto lave o pranto do mundo pra trazer perdão e dividir o pão. Só o amor, muda o que já se fez e a força da paz junta todos outra vez. Venha, já é hora de acender a chama da vida e fazer a terra inteira feliz. Quanta dor e sofrimento em volta a gente ainda tem, pra manter a fé e o sonho dos que ainda vem. A lição pro futuro vem da alma e do coração, pra buscar a paz, não olhar pra trás, com amor. Se você começar outros vão te acompanhar e cantar com harmonia e esperança. Só o amor, muda o que já se fez e a força da paz junta todos outra vez. Venha, já é hora de acender a chama da vida e fazer a terra inteira feliz.” ... Porque, há um jeito que é só seu, de semear o bem...
Deixo então com vocês o que Drummond maravilhosamente escreveu em Almas Perfumadas: “Tem gente que tem cheiro de passarinho quando canta. De sol quando acorda. De flor quando ri. Ao lado delas, a gente se sente no balanço de uma rede que dança gostoso numa tarde grande, sem relógio e sem agenda. Ao lado delas, a gente se sente comendo pipoca na praça. Lambuzando o queixo de sorvete. Melando os dedos com algodão doce da cor mais doce que tem pra escolher. O tempo é outro. E a vida fica com a cara que ela tem de verdade, mas que a gente desaprende de ver. Tem gente que tem cheiro de colo de Deus. De banho de mar quando a água é quente e o céu é azul. Ao lado delas, a gente sabe que os anjos existem e que alguns são invisíveis. Ao lado delas, a gente se sente chegando em casa e trocando o salto pelo chinelo. Sonhando a maior tolice do mundo com o gozo de quem não liga pra isso. Ao lado delas, pode ser abril, mas parece manhã de Natal do tempo em que a gente acordava e encontrava o presente do Papai Noel. Tem gente que tem cheiro das estrelas que Deus acendeu no céu e daquelas que conseguimos acender na Terra. Ao lado delas, a gente não acha que o amor é possível, a gente tem certeza. Ao lado delas, a gente se sente visitando um lugar feito de alegria. Recebendo um buquê de carinhos. Abraçando um filhote de urso panda. Tocando com os olhos os olhos da paz. Ao lado delas, saboreamos a delícia do toque suave que sua presença sopra no nosso coração. Tem gente que tem cheiro de cafuné sem pressa. Do brinquedo que a gente não largava. Do acalanto que o silêncio canta. De passeio no jardim. Ao lado delas, a gente percebe que a sensualidade é um perfume que vem de dentro e que a atração que realmente nos move não passa só pelo corpo. Corre em outras veias. Pulsa em outro lugar. Ao lado delas, a gente lembra que no instante em que rimos, Deus está conosco, juntinho ao nosso lado. E a gente ri grande que nem menino arteiro. Tem gente como você que nem percebe como tem a alma perfumada! E que esse perfume é dom de Deus.”
Então, seja você sempre! Do seu jeito, mas faça com que todos ao estarem ao seu lado, na convivência diária, possam ouvir e sentir a canção do amor... que todos nós podemos cantar... exalar... por um mundo melhor, uma vida feliz, não sem problemas, mas de forma que prevaleça sempre o lado bom da vida... Cantemos, então, a canção do amor em nossas vidas... sempre...
Com afeto,
Beth Landim
Comentar
Compartilhe
Sobre o autor

Elizabeth Landim

[email protected]