Arraiá Censacional
23/06/2017 | 20h16
Arraiá Censacional
Arraiá Censacional / Nathercia Damian
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Solidariedade é o substantivo feminino que indica a qualidade de solidário e um sentimento de identificação em relação ao sofrimento dos outros. A palavra solidariedade tem origem no francês solidarité que também pode remeter para uma responsabilidade recíproca. Em muitos casos, a solidariedade não significa apenas reconhecer a situação delicada de uma pessoa ou grupo social, mas também consiste no ato de ajudar essas pessoas desamparadas. Porém, a solidariedade, não pode ser pontual. Devemos ter uma “consciência solidária” a permear a vida de um povo, de uma cultura... Desta forma é incutida nos valores culturais de uma nação e então não correremos o risco de sensibilização para eventos pontuais. Mas sim, treinarmos nossos sentidos e sentimentos para olhar o “outro” como a nós mesmos, com o olhar da compaixão, do se colocar no lugar do outro, de uma constante reciprocidade...
“Precisamos reinstalar a Solidariedade Humana. Os valores da solidariedade humana que outrora estimularam a nossa demanda de uma sociedade humana parecem ter sido substituídos, ou estar ameaçados, por um materialismo grosseiro e a procura de fins sociais de gratificação instantânea. De acordo com o sociólogo francês Émile Durkheim, existem dois tipos de solidariedade: a mecânica e a orgânica. A solidariedade mecânica expressa a parecença entre indivíduos e ajusta os detalhes da ligação entre esses mesmos indivíduos. Este tipo de solidariedade se manifesta através da religião, família, dos costumes e tradições, ou seja, aspectos que contribuem para o vínculo social. A solidariedade orgânica também tem como objetivo melhorar o vínculo social, mas isso acontece através do trabalho social. Neste caso, a diferenciação entre os indivíduos através do trabalho resulta na solidariedade, quando existe a interdependência e o reconhecimento que todos são importantes. Desta forma, organicamente, o CENSA e o ISECENSA investem na formação da consciência solidária de seus alunos, professores, funcionários e comunidade educativa, no sentido de despertar a todos e a cada um, para este olhar. Cito dois projetos:
O projeto Universidade-Bairro é um projeto intercursos de prática acadêmica-profissional iniciado em maio de 2009 na comunidade Vila Tamarindo, com aproximadamente 200 moradores, e que possui 54 domicílios, sendo que em 2 deles funcionam a sede do Projeto e Fábrica Ecológica de Vassouras. Tem-se por objetivo relatar experiência de gestão acadêmica do projeto, sob a perspectiva do Planejamento Estratégico Situacional. Além da Fábrica de Vassouras o Projeto desenvolve outras atividades, acumulando atendimentos diretos e indiretos na ordem de 80% de seus moradores que se beneficiam dos diversos projetos sociais intercursos nas áreas da educação, saúde, geração de renda e habitabilidade. Anualmente, em torno de 50 crianças e pré-adolescentes frequentam as atividades de educação, incluindo a Educação Física. O projeto “De Mãos dadas pela Educação” do Curso de Pedagogia tem como finalidade a educação das crianças, sua formação pessoal e social, seu desenvolvimento escolar bem sucedido. Esse trabalho é realizado diariamente em dois turnos, de segunda a sexta feira. Conta com a presença de uma psicopedagoga e 2 estagiárias fixas, em horário alternado. As crianças participam de atividades diárias de reforço escolar, orientação de tarefas de casa, aula de artes, informática e outras atividades culturais para sua integração sócio-afetiva e exercício da cidadania democrática. Com a educação abrem-se oportunidades para o exercício da cidadania plena. O projeto favorece-lhes a interconectividade, a atitude processual em vista da transformação social e construção da cidadania democrática. O trabalho realizado diariamente pelas alunas do Curso de Pedagogia com as crianças e adolescentes da Comunidade visam o aprender, o aprender a ser e aprender fazer em vista da cidadania plena, a redução da vulnerabilidade social e pessoal de crianças e adolescentes, o desenvolvimento das habilidades de leitura, escrita, matemática, potencializando a compreensão do mundo e das relações que os envolvem. Além disso, em torno de 30 mães participam alternadamente de cursos de artesanato, de culinária e outros. Além das crianças e jovens, as atividades ligadas à saúde dos cursos de Enfermagem, Fisioterapia e de Psicologia abrangem as famílias como um todo, por meio de ações preventivas e profiláticas. Somadas a estas últimas, as ações de geração de renda dos cursos de Engenharia de Produção e de Administração e de melhoria da habitabilidade completam o rol de benefícios diretos ou indiretos que as famílias já puderam ter acesso, por meio do projeto Universidade-Bairro desenvolvido pelo ISECENSA. E o Projeto Estrela do Amanhã desenvolvido pelo CENSA há 20 anos, atendendo crianças e jovens de comunidades populares, através de aprendizagem esportivas e culturais, dando-lhes oportunidade de vida e educação, nas dependências da própria escola.
Há consenso na literatura especializada de que os trabalhos sociais comunitários se constituem como desafio. A mobilização social é complicada, haja vista as práticas históricas assistencialistas e paternalistas no país. A herança dessas práticas desestimula os indivíduos a tomarem atitudes diante de suas próprias vidas, esperando que outros deem solução aos seus problemas. Esta realidade impôs à gestão acadêmica do ISECENSA o desafio de construir conhecimentos e competências para lidar com as variações de conflitos constituídos entre os moradores com reflexos sobre o projeto.
Abordei este assunto porque neste sábado teremos o nosso “ARRAIÁ CENSACIONAL” no Centro Educacional Nossa Senhora Auxiliadora, cuja renda será revertida para estes dois projetos acima e para a Associação Irmãos da Solidariedade que é uma organização sem fins lucrativos, fundada em 1988 pela assistente social Fátima Castro, que trabalha com portadores do vírus Hiv/Aids que não tem onde morar ou que perderam a referência familiar. Portanto, não apenas pontualmente, mas organicamente solidários, chamamos a sociedade campista a refletir e contribuir com sua parcela social, para que hipotecas sociais sejam resgatadas por todos nós, que como sociedade civil, temos nossa parcela de responsabilidade e contribuição. A sua solidariedade também pode transformar vidas e, juntos, podemos construir um mundo mais justo para todos. Todas essas ações que realizamos visam sempre um objetivo: transformar, pois acreditamos no poder transformador da solidariedade. Nosso empenho, portanto, consiste em construir uma sociedade mais justa, igualitária e plural, buscando garantir a dignidade para todos e todas. Se você acredita na força da solidariedade, junte-se a nós.
Com afeto,
Beth Landim
Comentar
Compartilhe
Academia ISE FIT
17/06/2017 | 12h08
 
ISE FIT
ISE FIT / Dibs
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Ultimamente a maior parte das notícias que assistimos em nosso país, são notícias negativas. Vivemos em um período de grande turbulência e falência moral. Sabemos que os exemplos arrastam. E ao inaugurarmos esta semana a academia ISE FIT dos Institutos Superiores de Ensino do CENSA, recebemos um sopro de esperança... uma boa nova... um exemplo de que é possível seguir através do trabalho. Esta boa nova nos vem como uma brisa, nos mostrando que é possível abrir novas frentes, vencer através da educação comprometida com a ciência e o humano.
O apostolo Paulo nos diz: “Acaso não sabem que o corpo de vocês é santuário do Espírito Santo que habita em vocês, que lhes foi dado por Deus...” E é neste sentido, que este novo espaço fitness do ISECENSA, é mais uma manifestação do compromisso que a nossa Instituição de Ensino tem para com a saúde e o bem-estar da comunidade. O local foi estruturado para oferecer à população de Campos um acompanhamento personalizado para a prática esportiva, que será conduzido por estudantes do curso de Educação Física da Instituição e supervisionado pelo corpo docente, dentro de um ambiente completo, moderno e funcional.
Destaco a importância da academia tanto para a aprendizagem acadêmica, mais significativa na prática, quanto para a comunidade, que poderá usufruir de equipamentos de última geração e de atendimento personalizado, incluindo avaliações físicas e cardiorrespiratórias periódicas. Mais uma importante frente de trabalho no ramo esportivo.
O crescimento do ISECENSA é visível aos nossos olhos. Proporcionar a melhor infra-estrutura, investir em equipamentos, professores, enfim, qualidade, visando a construção de uma academia rica, autônoma, científica, capaz de fazer com que teoria e prática, comunguem no mesmo ideal, para que formemos profissionais altamente qualificados para o mercado de trabalho, dando um retorno da hipoteca social que temos com nossa comunidade.
Há 92 anos as Irmãs Salesianas investem na comunidade campista, por confiarem na força transformadora da educação na vida do homem e por acreditarem, cada vez mais, na educação como mola propulsora do ser humano, tendo o ISECENSA como agente desta transformação e nos dando todas as condições de crescimento e de trabalho.
Ao inaugurarmos a Academia ISE FIT comprovamos na prática toda dedicação e investimento das Irmãs Salesianas à Campos, para que as barreiras geográficas não sejam impedimentos de nosso crescimento acadêmico-científico. Este desprendimento, esta ousadia, esta coragem de buscar o desconhecido resumem-se a poucas palavras: investir na pessoa humana, formando uma rede mundial de educação, humanismo e solidariedade. E é isto que todos nós, que temos o orgulho de fazer parte desta grande família, sentimos hoje.
O sonho de todo professor deve ser ter a oportunidade de tornar seus alunos melhores que ele mesmo! Imbuídos desse ideal desde a formação dos primeiros profissionais de Educação Física pelo ISECENSA, se começou a estabelecer um novo padrão na prestação de serviços nas áreas da saúde e desporto. Inaugurar esse espaço de aprendizagem e prestação de serviço à comunidade é, antes de tudo, dar um novo salto na qualidade da formação dos futuros profissionais de nossa região.
A academia ISE FIT é um espaço onde a ciência do treinamento físico pode ser vivenciada, tanto pelos acadêmicos que terão a oportunidade de chegar ao período de estágio, com vivências altamente enriquecedoras nas diversas disciplinas, quanto para a comunidade, que terá acesso a um serviço de qualidade, prestado de forma responsável pelos acadêmicos, que terão rigorosa supervisão de profissionais qualificados.
Que possamos cada vez mais fazer a diferença nos espaços em que labutamos, vencendo os desafios, aliando a teoria com a prática, na certeza plena de que toda plantação que é feita visando a positividade se reverte em rica colheita. E é neste momento de crise que fazemos a diferença, expressa através da concretude da realização dos nossos sonhos.
Finalizo com a afirmação do nosso Papa Francisco, que nos diz que “com o esporte, é possível construir a cultura do encontro entre todos, por um mundo de paz”. O Pontífice revela “sonhar com o esporte como a prática da dignidade humana, convertida num veículo de fraternidade”. E convida: “Treinamos juntos esta oração?”. Enfim, o Papa pede que rezemos para que “o esporte fomente o encontro fraterno entre os povos e contribua para a paz no mundo”.
Com afeto,
Beth Landim
 
 
Comentar
Compartilhe
A Lei do caminhão de lixo
09/06/2017 | 19h57
 
Divido com vocês pequenas histórias que são capazes de nos fazer refletir na nossa caminhada.
Um dia peguei um táxi... Estávamos rodando na faixa certa, quando de repente um carro preto saltou do estacionamento na nossa frente. O taxista pisou no freio, deslizou e escapou por um triz do outro carro!
O motorista do outro carro sacudiu a cabeça e começou a gritar para nós nervosamente. Mas o taxista apenas sorriu e acenou para o cara, fazendo um sinal de positivo. E ele o fez de maneira bastante amável e amigável. Indignada lhe perguntei: — Porque você fez isto? Este cara quase arruína o seu carro e nos manda para o hospital! Foi quando o motorista do táxi me ensinou o que eu agora chamo de: A Lei do Caminhão de Lixo.
Ele explicou que: Muitas pessoas são como caminhões de lixo. Andam por ai carregadas de lixo, cheias de frustrações, cheias de raiva, traumas e de desapontamento. À medida que suas pilhas de lixo crescem, elas precisam de um lugar para descarregar, e às vezes descarregam sobre a gente. Não tome isso pessoalmente. Isto não é problema seu! Apenas sorria, acene, deseje-lhes o bem, e vá em frente. Não pegue o lixo de tais pessoas e nem o espalhe sobre outras pessoas no trabalho, em casa, ou nas ruas. Fique tranqüilo... respire e deixe o lixeiro passar.
O princípio disso é que pessoas felizes não deixam os caminhões de lixo estragarem o seu dia. A vida é muito curta, não leve lixo. Limpe os sentimentos ruins, aborrecimentos do trabalho, picuinhas pessoais, ódio e frustrações. Ame as pessoas que te tratam bem. E trate bem as que não o fazem, pois a vida é 10% o que você faz dela e 90% a maneira como você a recebe!
Conta-nos uma lenda que...
Certa manhã, meu pai convidou-me a dar um passeio no bosque e eu aceitei com prazer. Ele se deteve numa clareira e depois de um pequeno silêncio me perguntou: - Além do cantar dos pássaros, você está ouvindo mais alguma coisa? Apurei os ouvidos alguns segundos e respondi: - Estou ouvindo um barulho de carroça. - Isso mesmo, disse meu pai. É uma carroça vazia... Perguntei ao meu pai: - Como pode saber que a carroça está vazia, se ainda não a vimos? - Ora, respondeu meu pai. É muito fácil saber que uma carroça está vazia, por causa do barulho. Quanto mais vazia a carroça maior é o barulho que faz. Tornei-me adulto, e até hoje, quando vejo uma pessoa falando demais, inoportuna, interrompendo a conversa de todo mundo, tenho a impressão de ouvir a voz do meu pai dizendo:
Quanto mais vazia a carroça, mais barulho ela faz...
É necessário entendermos que temos a responsabilidade de sermos seres com conhecimento, valores, princípios... pois “carroças vazias” trepidam, trepidam, fazem barulho, mas não possuem consistência para o conhecimento profissional, humano e familiar. Isso significa entender que nossa busca por aprender deve ser diária e constante, pois vivemos na era do pensamento complexo, que corresponde à multiplicidade, ao entrelaçamento e a interação contínua da infinidade de sistemas e de fenômenos que compõem o mundo, e para tanto, temos que nos desafiar a todo o momento, buscando sempre a complementaridade das relações e do conhecimento.
Não é possível reduzir a complexidade a explicações simplistas, a regras rígidas, a fórmulas simplificadoras ou a esquemas fechados. Pois não podemos viver na simbologia do “ou” e sim do “e”... O mundo é feito para agregar, completar, preencher, somar e crescer, para que possamos preencher corretamente “nossas carroças”...
E então de uma coisa podemos ter certeza: de nada adianta querer apressar as coisas. Tudo vem ao seu tempo, dentro do prazo que lhe foi previsto. Mas a natureza humana não é muito paciente. Temos pressa em tudo! Aí acontecem os atropelos do destino, aquela situação que você mesmo provoca, por pura ansiedade de não aguardar o tempo certo. Mas alguém poderia dizer: - Mas qual é esse tempo certo?
Bom, basta observar os sinais. Geralmente quando alguma coisa está para acontecer ou chegar até sua vida, pequenas manifestações do cotidiano, enviarão sinais indicando o caminho certo. Pode ser a palavra de um amigo, um texto lido, uma observação qualquer. Mas com certeza, o sincronismo se encarregará de colocar você no lugar certo, na hora certa, no momento certo, diante da situação ou da pessoa certa! Basta você acreditar que nada acontece por acaso! E talvez seja por isso que você esteja agora lendo essas linhas. Tente observar melhor o que está a sua volta. Com certeza alguns desses sinais já estão por perto, e você nem os notou ainda. Lembre-se que o universo, sempre conspira a seu favor, quando você possui um objetivo claro e uma disponibilidade de crescimento.
Tenha um maravilhoso fim-de-semana, livre dos lixos e das carroças vazias que surgem em nossos caminhos, nos fazendo perder um tempo precioso que não voltará para vivermos novamente!!!
Com afeto,
Beth Landim
Comentar
Compartilhe
Ser sincero não custa nada...
03/06/2017 | 10h43
 
A palavra sincera tem origem romana. Os romanos fabricavam vasos com uma cera especial tão pura e perfeita que os vasos se tornavam transparentes. Em alguns casos era possível distinguir os objetos guardados no interior do vaso. Para um vaso assim, fino e límpido, diziam os romanos: Como é lindo! Parece até que não tem cera! Sine cera queria dizer sem cera, uma qualidade de vaso perfeito, finíssimo, delicado, que deixava ver através de suas paredes. Com o tempo, o vocábulo sine cera se transformou em sincero e passou a ter um significado relativo ao caráter humano.
Sincero é aquele que é franco, leal, verdadeiro, que não oculta, que não usa disfarces, malícias ou dissimulações. A pessoa sincera, à semelhança do vaso, deixa ver, através de suas palavras, os nobres sentimentos de seu coração. Assim, procuremos a virtude da sinceridade em nossos corações. Sim, pois na forma de potencialidade, ela está lá, aguardando o momento em que iremos despertá-la e cultivá-la em nossos dias. Se buscamos a riqueza do Espírito, esculpindo seus valores ao longo do tempo, devemos lembrar da sinceridade, desse revestimento que nos torna mais límpidos, mais delicados. Por que razão ocultar a verdade, se é a verdade que nos liberta da ignorância? Por que razão usar disfarces, se cedo ou tarde eles caem e seremos obrigados a enfrentar as conseqüências da mentira? Por que razão dissimular, se não desejamos jamais ouvir a dissimulação na voz das pessoas que nos cercam? Quem luta para ser sincero conquista a confiança de todos, e por conseqüência seu respeito, seu amor... a dignidade da palavra firmada. Quem é sincero jamais enfrentará a vergonha de ser descoberto em falsidades. Quem luta pela sinceridade é defensor da verdade, a verdade que liberta.
Sejamos sinceros, lembrando sempre que essa virtude é delicada, é respeitosa, jamais nos permitindo atirar a verdade nos rostos alheios como uma rocha cortante. Sejamos sinceros como educadores de nossos filhos. Primemos pela honestidade ensinando-lhes valores morais, desde cedo, principalmente através de nossos exemplos. Sejamos sinceros e conquistemos as almas que nos cercam. Sejamos o vaso finíssimo que permite, a quem o observa, perceber seu rico conteúdo. Sejamos sinceros, defensores da verdade acima de tudo, e carreguemos conosco não o fardo dos segredos, das malícias, das dissimulações, mas as asas da verdade que nos levarão a vôos cada vez mais altos. Por fim, lembremo-nos do vaso transparente de Roma, e procuremos tornar assim o nosso coração.
As pessoas estão tão acostumadas a ouvir mentiras, que sinceridade demais choca e faz com que você pareça arrogante. A única coisa que importa é colocar em prática, com sinceridade e seriedade, aquilo em que se acredita. Para Villa Lobos a sua música refletia a sua sinceridade... Por isso muitas vezes as ações são muito mais sinceras que as palavras. Vemos que a maneira de falar e de escrever que nunca passa da moda é a de falar e escrever de forma sincera... Nos diz Charles Chaplin que... “Se tivesse acreditado na minha brincadeira de dizer verdades teria ouvido verdades que teimo em dizer brincando, falei muitas vezes como um palhaço, mas jamais duvidei da sinceridade da platéia que sorria.”
A sinceridade não custa nada, pelo contrário, só nos faz bem. Eu descobri que as coisas boas da vida são de graça, não custam nada. Eu descobri que o mundo inteiro pode ser o meu jardim, a minha casa, o teu abraço, não custa nada, um beijo seu, não custa nada, a boa idéia, não custa nada, missão cumprida, não custa nada, e quando tudo parecer que está perdido de uma boa gargalhada. Eu descobri que as coisas boas da vida são de graça, não custam nada. Eu descobri que o mundo inteiro pode ser o meu quintal, a minha casa, o por do sol, não custa nada, a brincadeira, não custa nada, um gol de placa, não custa nada, vento no rosto, não custa nada... E quando tudo parecer que está perdido dê uma boa gargalhada... A flor do campo, não custa nada, onda do mar, não custa nada, a poesia, não custa nada, a nossa história, não custa nada, fruta no pé, não custa nada, água da fonte, não custa nada, banho de sol, não custa nada, um bom amigo, não custa nada... E quando tudo parecer que está perdido de uma boa gargalhada... Eu descobri que as coisas boas da vida são de graça, não custam nada...
Já nos dizia Confúcio no século VI a.C. que a sinceridade é o principio e o fim de todas as coisas, sem sinceridade nada seria possível.
Ser sincero não custa nada... Ser sincero é a melhor riqueza que podemos amealhar ao longo da nossa caminhada...
Com afeto,
Beth Landim
Comentar
Compartilhe
Sobre o autor

Elizabeth Landim

[email protected]