O trem da vida...
28/05/2016 | 14h49

 

Há algum tempo atrás, li um livro que comparava a vida a uma viagem de trem. Uma leitura muito interessante, quando bem interpretada. Isso mesmo, a vida não passa de uma viagem de trem, cheia de embarques, alguns acidentes, surpresas agradáveis em alguns embarques e grandes tristezas em outros.

Quando nascemos entramos nesse trem e nos deparamos com algumas pessoas que julgamos que estarão sempre conosco: nossos pais. Infelizmente, isso não é verdade, em alguma estação eles descerão e nos deixarão órfãos no carinho, amizade e companhia insubstituível... Mas isso não impede que durante a viagem, pessoas interessantes e que virão a ser mais que especiais para nós embarquem. Chegam nossos irmãos, amigos e amores maravilhosos.

Muitas pessoas tomam esse trem apenas a passeio. Outros encontrarão nessa viagem somente tristeza. Ainda outros circularão pelo trem, prontos a ajudar a quem precisa. Muitos descem e deixam saudades eternas, outros tantos passam por este trem de forma que, quando desocupam seu acento, ninguém sequer percebe.

Curioso é perceber que alguns passageiros que nos são tão queridos, acomodam-se em vagões diferentes dos nossos, portanto somos obrigados a fazer esse trajeto separados deles, o que não impede, é claro, que durante o percurso, atravessemos, mesmo que com dificuldades, o nosso vagão e cheguemos até eles... só que, infelizmente, jamais poderemos sentar ao seu lado para sempre.

Não importa, a viagem é assim, cheia de atropelos, sonhos, fantasias, esperanças, despedidas... porém, jamais retornos. Façamos essa viagem, então da melhor maneira possível, tentando nos relacionar bem com todos os passageiros, procurando, em cada um deles, o que tiverem de melhor, lembrando sempre que em algum momento do trajeto, eles poderão fraquejar e provavelmente precisaremos entender, pois nós também fraquejamos muitas vezes e, com certeza, haverá alguém que nos entenderá.

Eu me pergunto se quando eu descer desse trem sentirei saudades... acredito que sim. Separar-me de algumas amizades que fiz será, no mínimo, dolorido. Deixar minhas filhas continuar a viagem sozinhas será muito triste, mas me agarro à esperança de que em algum momento, estarei na estação principal e terei a grande emoção de vê-las chegar com uma bagagem que não tinham quando embarcaram... e o que vai me deixar mais feliz será pensar que eu colaborei para que elas tenham crescido e se tornado valiosas.

O grande mistério, afinal, é que jamais saberemos em qual parada desceremos, muito menos nossos companheiros, ou até aquele que está sentado ao nosso lado. Façamos com que a nossa estada nesse trem seja tranqüila, que tenha valido a pena e que, quando chegar a hora de desembarcarmos, o nosso lugar vazio traga saudades e boas recordações para aqueles que prosseguirem a viagem da vida.

Enquanto estivermos embarcados neste trem e pelas suas janelas pudermos refletir a grandeza de Deus através da natureza, devemos nos lembrar sempre da gratidão a Ele pelo dom da vida. Os momentos de dor e sofrimento são verdadeiras molas propulsoras para o nosso progresso. Os momentos de alegria deixam em nós lembranças tão especiais e recorrentes que nos trazem conforto e esperança, verdadeiros alimentos espirituais.

A vida é uma construção diária, devemos fazer sempre a nossa parte, e recomeçarmos o dia quantas vezes forem necessárias para vivê-lo com simplicidade e bom ânimo. Com as nossas metas em mente devemos alimentar o nosso coração com fé e coragem, e focar nos nossos reais objetivos.

Viva intensamente! Agradeça cada dia que chega para ser vivido por você! Olhe para os lados e veja como você é um ser humano privilegiado aos olhos de Deus. Agradeça a Ele pela sua família, pelo seu trabalho, pelos seus amigos, pelos seus dons, pela sua saúde tão preciosa ... pela sua VIDA!

Desejo a todos uma viagem muito tranqüila durante a próxima semana e que as paradas seguintes possam ser nas estações da Esperança, da Confiança, do Bom Ânimo, da Coragem, da Alegria, da Gratidão, da FÉ, do AMOR e da PAZ!

Com afeto,

Beth Landim

Comentar
Compartilhe
Somos todos anjos...
23/05/2016 | 09h36

"Somos todos anjos de uma só asa...

e só podemos voar quando nos abraçamos uns aos outros"

Fernando Pessoa

 

Com afeto,

Beth Landim

Comentar
Compartilhe
Cultivando as amizades...
22/05/2016 | 12h30

Duas estórias que nos fazem refletir...

Fazendeiro que anda em campos de milho no por do sol

Um fazendeiro venceu o prêmio “milho-crescido”. Todo ano ele entrava com seu milho na feira e ganhava o maior prêmio. Uma vez um repórter de jornal o entrevistou e aprendeu algo interessante sobre como ele cultivou o milho. O repórter descobriu que o fazendeiro compartilhava a semente do milho dele com seus vizinhos. “Como pode você se dispor a compartilhar sua melhor semente de milho com seus vizinhos quando eles estão competindo com o seu em cada ano?” – perguntou o repórter. Por que?” - disse o fazendeiro, - “Você não sabe ? O vento apanha o pólen do milho maduro e o leva de campo para campo. Se meus vizinhos cultivam milho inferior, a polinização degradará continuamente a qualidade de meu milho. Se eu for cultivar milho bom, eu tenho que ajudar meus vizinhos a cultivar milho bom”. Ele era atento às conectividades da vida. O milho dele não pode melhorar a menos que o milho do vizinho também melhore. Aqueles que escolhem estar em paz devem fazer com que seus vizinhos estejam em paz. Aqueles que querem viver bem têm que ajudar os outros para que vivam bem. E aqueles que querem ser felizes têm que ajudar os outros a achar a felicidade, pois o bem-estar de cada um está ligado ao bem-estar de todos. A lição para cada um de nós se formos cultivar milho bom, nós temos que ajudar nossos vizinhos a cultivar milho bom.

Campo de trigo dourado

Conta-nos uma lenda judaica que dois amigos cultivavam o mesmo campo de trigo, trabalhando arduamente a terra com amor e dedicação, numa luta estafante, às vezes inglória, à espera de um resultado compensador. Passam-se anos de pouco ou nenhum retorno. Até que um dia, chegou a grande colheita.

Perfeita, abundante, magnífica, satisfazendo os dois agricultores que a repartiram igualmente, eufóricos. Cada um seguiu o seu rumo. À noite, já no leito, cansado da brava lida daqueles últimos dias, um deles pensou: “Eu sou casado, tenho filhos fortes e bons, uma companheira fiel e cúmplice. Eles me ajudarão no fim da minha vida. O meu amigo é sozinho, não se casou, nunca terá um braço forte a apoiá-lo. Com certeza, vai precisar muito mais do dinheiro da colheita do que eu”. Levantou-se silencioso para não acordar ninguém, colocou metade dos sacos de trigo recolhidos na carroça e saiu. Ao mesmo tempo, em sua casa, o outro não conciliava o sono, questionando: “Para que preciso de tanto dinheiro se não tenho ninguém para sustentar, já estou idoso para ter filhos e não penso mais em me casar. As minhas necessidades são muito menores do que as do meu sócio, com uma família numerosa para manter”. Não teve dúvidas, pulou da cama, encheu a sua carroça com a metade do produto da boa terra e saiu pela madrugada fria, dirigindo-se à casa do outro. O entusiasmo era tanto que não dava para esperar o amanhecer. Na estrada escura e nebulosa daquela noite de inverno, os dois amigos encontraram-se frente a frente. Olharam-se espantados. Mas não foram necessárias as palavras para que entendessem a mútua intenção...

Nos tempos atuais é raro estarmos ao lado de quem sabe ouvir... Estamos sempre ávidos por falar, por contar, por dividir as nossas lutas, pois nestes momentos percebemos em nós um alívio das nossas tensões, um frescor em nossa mente, um vento bom nos envolvendo em novas e energizadas vibrações de paz. Porém a vida é uma via de mão dupla, e ao mesmo tempo que queremos ser ouvidos... os que nos cercam também esperam o mesmo de nós.

A vida nos proporciona momentos muito ricos, nos oportunizando sermos ombro amigo e ombro que recebe os amigos, sermos braços que abraçam e braços que são envolvidos em um forte abraço, sermos mãos que recebem flores e mão que semeiam o perfume das mesmas.

Amigo é aquele que no seu silêncio escuta o silêncio do outro. Como é bom sermos uma referência para os que nos cercam em nosso dia-a-dia e termos a certeza de que a nossa forma de sermos amigos envolve momentos de escuta, de paciência, de trocas, de caminhar lado a lado.

Hoje com a instantaneidade do mundo não podemos permitir que as nossas amizades se tornem também instantâneas, pois a amizade é um bem muito precioso, que não só lava a nossa alma, como também nos traz o frescor da juventude para os nossos dias...

Que saibamos então repensar os valores que compõem uma amizade como nessas duas estórias... a sinceridade, o cuidar do outro, o não ser egoísta, o não ser individualista, a paciência, o respeito ao limite do outro, mas também o impulsionar a sair do limite e vencer os próprios desafios...

Que assim como o milho bom nós possamos ser sempre um vento suave, como o que sopra nos campos de trigo, levando aos nossos amigos o calor, a energia e o aconchego da nossa sincera amizade...

Com afeto,

Beth Landim

 
Comentar
Compartilhe
Morro da Urca...
19/05/2016 | 12h32

Pela sensibilidade das lentes de Júio Falcão, podemos admirar o Morro da Urca...

Sempre existe um outro ângulo, uma outra perspectiva ...o outro lado...

Apreciemos...

13043569_1024037934337060_227861063305174578_n 13124636_1024037821003738_8567705338857641315_n 11220875_1024033261004194_5998689721051271299_n 13082622_1024036204337233_1927259937287642030_n 13043560_1024037514337102_1000985819627283582_n 13095747_1024036224337231_7818889385915873536_n 13100790_1024036287670558_5042913590848169181_n 13062543_1024037754337078_3168647009131039783_n 13077053_1024037707670416_5376454609750169426_n 13100709_1024037681003752_6666291464941137920_n 13092170_1024037471003773_4792549207204578681_n 13062201_1024037561003764_642833394471328098_n 13043580_1024036107670576_1592203511766442750_n 13124538_1024033177670869_3123760063517117451_n 13082617_1024037221003798_6812766936404243321_n 13094290_1024035984337255_2272414954120412726_n 13055565_1024037084337145_8728489778053272586_n 13076726_1024037197670467_5640061584526220175_n 13087395_1024037071003813_4471293173799206640_n

Obrigada Júlio, por nos levar em sua viagem e sensibilidade...

Com afeto,

Beth Landim 

     
Comentar
Compartilhe
Pense sempre positivo...
18/05/2016 | 18h24
Reprodução

Com afeto,

Beth Landim

Comentar
Compartilhe
Solte a Panela...
16/05/2016 | 10h45

Conta-nos um mestre, que certa vez, um urso faminto perambulava pela floresta em busca de alimento. A época era de escassez, porém, seu faro aguçado sentiu o cheiro de comida e o conduziu a um acampamento de caçadores. Ao chegar lá, o urso, percebendo que o acampamento estava vazio, foi até a fogueira, ardendo em brasas, e dela tirou um panelão de comida. Quando a tina já estava fora da fogueira, o urso a abraçou com toda sua força e enfiou a cabeça dentro dela, devorando tudo. Enquanto abraçava a panela, começou a perceber algo lhe atingindo. Na verdade, era o calor da tina… Ele estava sendo queimado nas patas, no peito e por onde mais a panela encostava. O urso nunca havia experimentado aquela sensação e, então, interpretou as queimaduras pelo seu corpo como uma coisa que queria lhe tirar a comida. Começou a urrar muito alto. E, quanto mais alto rugia, mais apertava a panela quente contra seu imenso corpo. Quanto mais a tina quente lhe queimava, mais ele apertava contra o seu corpo e mais alto ainda rugia. Quando os caçadores chegaram ao acampamento, encontraram o urso recostado a uma árvore próxima à fogueira, segurando a tina de comida. O urso tinha tantas queimaduras que o fizeram grudar na panela e, seu imenso corpo, mesmo morto, ainda mantinha a expressão de estar rugindo.

Quando terminei de ouvir esta história de um mestre, percebi que, em nossa vida, por muitas vezes, abraçamos certas coisas que julgamos ser importantes. Algumas delas nos fazem gemer de dor, nos queimam por fora e por dentro, e mesmo assim, ainda as julgamos importantes. Temos medo de abandoná-las e esse medo nos coloca numa situação de sofrimento, de desespero. Apertamos essas coisas contra nossos corações e terminamos derrotados por algo que tanto protegemos, acreditamos e defendemos.

Desapego

Fernando Pessoa nos ensina a prática do desapego nos falando que...

“Sempre é preciso saber quando uma etapa chega ao final. Se insistirmos em permanecer nela mais do que o tempo necessário... Perdemos a alegria e o sentido das outras etapas que precisamos viver. Encerrando ciclos, fechando portas, terminando capítulos. Não importa o nome que damos, o que importa é deixar no passado os momentos que já se acabaram. As coisas passam, e o melhor que fazemos é deixar que elas possam ir embora. Deixar ir embora. Soltar. Desprender-se. Antes de começar um capítulo novo, é preciso terminar o antigo: Diga a si mesmo que o que passou jamais voltará. Lembre-se de que houve uma época em que podia viver sem aquilo... - Nada é insubstituível, um hábito não é uma necessidade. Encerrando ciclos, não por causa do orgulho ou por  incapacidade... Mas porque simplesmente aquilo já não se encaixa mais em sua vida. Feche a porta, mude o disco, limpe a casa, sacuda a poeira. Quando um dia você decidir a pôr um ponto final naquilo que já não te acrescenta. Que você esteja bem certo disso, para que possa ir em frente. Desapegar-se, é renovar votos de esperança de si mesmo, é dar-se uma nova oportunidade de construir uma nova história melhor. Liberte-se de tudo aquilo que não tem te feito bem, daquilo que já não tem nenhum valor, e siga, siga novos rumos, desvende novos mundos. A vida não espera. O tempo não perdoa. E a esperança, é sempre a última a lhe deixar. Então, recomece, desapegue-se! Ser livre, não tem preço!”

O desapego não é desinteresse, indiferença ou fuga. Muitos dos problemas da vida são causados pelo apego. Todas as causas de infelicidade, tensão, teimosia e tristeza são devidas ao apego. Se você tem algum problema ou preocupação, examine a si mesmo e descobrirá que a causa pode ser o apego.  Não devemos nos tornar indiferentes aos problemas da vida. Não devemos fugir da vida, pois não se pode fugir dela quando somos sinceros. A vida e seus problemas devem ser encarados de frente, mas não são coisas às quais devamos nos apegar. O apego às condições favoráveis leva à avidez e ao falso otimismo, enquanto que o apego às condições desfavoráveis leva ao ressentimento e ao pessimismo. Sem dúvida, nosso apego às coisas, condições, sentimentos e idéias é muito mais problemático do que imaginamos. Quando adoecemos, chegamos até mesmo a nos apegar à doença. Quando você estiver doente, aceite a doença e faça o possível para se recuperar. Aceite a doença e a transcenda… ou melhor, aceite transcendendo. A vida é mutável, todas as coisas são mutáveis, todas as condições são mutáveis. Por isso, “deixe ir” as coisas. Muitas pessoas se apegam ao passado ou ao futuro, negligenciando o importante presente. Devemos viver o melhor “agora”, com plena responsabilidade. Quando o sol brilha, desfrute-o, quando a chuva cai, desfrute-a. Todas as coisas nesta vida – deixe que venham e deixe que se vão. Este é um grande segredo da vida.

Tenha a coragem e a visão que o urso não teve.

Tire de seu caminho tudo aquilo que faz seu coração arder.

Solte a panela e alimentemos o nosso coração de esperança por um Brasil mais humano, honesto e fraterno!

Com afeto,

Beth Landim

 
Comentar
Compartilhe
A vida é de quem se atreve a viver...
12/05/2016 | 11h00

arte de viverCom afeto ,

Beth Landim

Comentar
Compartilhe
Árvores Frondosas...
06/05/2016 | 21h03

as landins

 Uma árvore frondosa não nos dá bons frutos apenas...

ela nos refresca a alma e acaricia o coração, nos proporciona acalento e refúgio do sol escaldante, mas sobretudo possui a magia de nos acolher com seus longos braços... Escrevi um artigo intitulado “Pé de manga não dá abacaxi”... E com este artigo quero trazer a complementaridade ao anterior... Pois uma árvore frondosa nos proporciona sua fruta genuína e doce, como um bálsamo e um porto seguro a nos refrescar das intempéries da vida... Esta árvore frondosa é você, minha mãe, a quem homenageio pelo dia das mães! Mas você sabe o fruto que colheu e continuamos a saborear a sua sombra... Então, hoje, quero homenagear você através da outra mãe, que tenho certeza que você fará das minhas palavras e homenagem, suas também!

LB

Hoje quero falar pra você, minha querida e amada Tia Regina... Certas pessoas, somente o primeiro nome basta, pois sua intensidade e largueza são tantas que não precisam de nome completo... Seu sorriso, sua disponibilidade, sua alegria de viver, são marcas indeléveis que deixam em todos que passam pelo seu caminho! Mulher forte e firme, que para tudo tem um jeito... De sua mãe Dagmar, trouxe a grande generosidade no coração, no acolhimento, no atendimento... a todos que suas palavras chegam, o carinho e atenção que você passa já são o primeiro remédio... Você sempre adorou um perfume, e desde pequena me identificava com seus perfumes e elegância exterior e interior. Porém, mais do que isso, seu perfume interior chega como uma brisa nas flores, exalando coragem, ânimo e fé!

292341_4497300436878_32377082_n

Lembro-me perfeitamente de nossa viagem, eu ainda pequena, para Argentina e Uruguai, quando passamos um mês viajando e percorrendo sem hora e destino, com papai, mamãe, tia Marta e Heloisa... Como foi maravilhoso... sua disposição pelo novo, pelas coisas boas da vida, eram e são evidentes na sua personalidade... Os nossos verões em nossa querida Grussaí... os banhos de mar da família, todos juntos...

LF

E depois seu casamento com Sílvio, e sua dedicação de vida a ele... Vocês são sintonia no olhar, no sentir, um amor verdadeiro que transcende o tempo... Em todas as nossas reuniões da família, nossas comemorações, sua animação e disponibilidade dão sempre à tônica da tia maravilhosa que é! Amiga dos amigos, sempre gostou de jogar vôlei, adorava que vovó lhe coçasse as costas... uma de suas marcas registradas, além da sua animação e alegria que contamina a todos que a cercam... Patrícia e Cristina vieram coroar o seu amor com Sílvio, e agora temos também Beatriz, Malu e Matheus... E neste quesito de mãe, você é incomparável... Saber ouvir e sentir as necessidades de suas filhas, e mover o mundo para educá-las, dar o sentido de família, vê-las bem... Assim como árvore frondosa, suas raízes são bem alicerçadas e seus longos galhos proporcionam frutos em nosso viver... doces como você, nos alimentando com sua alegria e esperança de vencermos cada dia... com fé de quem acredita que não estamos sozinhos!

LD

Você, tia, é mais do que especial, é fruto desta árvore frondosa, Dagmar Ferreira Paes Landim, que semeada, pudemos colher Marta, Vera, Elza e Regina Landim Terra Riscado... Você nos agasalha sob as suas asas... sua luz nos ilumina, seu carinho e sua firmeza se transformam em energia transformadora para multiplicarmos em nossos lares o seu exemplo de amor... Como mãe, mais do que dar à luz é ser luz na vida de alguém. Não é impor cuidados, nem pôr-se ao centro onde o universo gira. Ser mãe não é pastorar proles, é cultivar talentos, e talentos crescem quando lhes é dado pulso, criatividade e amor. Ser mãe é ter o gesto seguro que limita as ofensas que praticamos contra o bom senso. É ter o colo que se anseia por entre os crepúsculos de nossa existência, e isso você faz com maestria!

E então vamos costurando a vida... costurando o tempo, bordando em cima dos erros para que eles sumam. Costurar as pessoas que gostamos pertinho, costurar os domingos um mais perto do outro. Costurar o amor verdadeiro no peito de quem a gente ama. Costurar a saudade no fundo do baú para ela não fugir. Costurar a autoestima lá em cima, para nunca cair. Costurar o perdão na alma e a bondade na mão. Costurar o bem no bem. Costurar a saúde na enfermidade e a felicidade em todo o lugar e ir costurando a vida, um pouquinho de esperança em cada dia... e muita coragem em cada ser humano...

Nestes alinhavos, minha mãe Elza, você se torna imprescindível... Te admiro muito! Quero sempre poder seguir os teus passos! Meu amor por você é incondicional! Você, mãe, tem a capacidade de ouvir o silêncio, de adivinhar meus sentimentos, de encontrar a palavra certa nos momentos incertos, de nos fortalecer quando tudo ao nosso redor parece ruir. Você tem uma sabedoria emprestada dos deuses para nos proteger e amparar... Sua existência, mãe, é em si um ato de amor. Gerar, cuidar, nutrir. Amar, amar, amar... Amar com um amor incondicional que nada espera em troca. Agradeço, ainda, a presença de Ir. Suraya Chaloub. Exemplo de maternidade espiritual. Talvez, bem mais difícil de alcançar.

Que os pontos de alinhavo e costura, continuem com a marca do amor, do bem querer, da bondade e disponibilidade de vocês, Elza, Regina, Vera e Marta, e que a tessitura seja cada dia mais florida... Parabenizo todas as mães por este dia tão profundo... carregado de amor filial...

Com afeto,

Beth Landim

Comentar
Compartilhe
... Adoro ...
06/05/2016 | 16h21

Adoro receber...e preparar uma mesa ...

A acolhida está nos detalhes...

na simplicidade das flores e no carinho de estar simplesmente juntos...

... nos mostrando que o querer também passa por uma mesa de almoço recheada de amor...

para receber a família e os amigos ...

... flores e amores ...

... alegria e energia ...

... reencontros e querer bem ...

... singeleza nos detalhes ...

... harmonia e bons momentos ...

Com afeto,

Beth Landim

Comentar
Compartilhe
Ser feliz é uma questão de opção...
05/05/2016 | 10h12

Busque intensamente a felicidade que mora bem dentro de você...

Ela, a sua felicidade, não está na distância do que você almeja para o seu futuro.

A sua felicidade está em tudo que você tem em seu presente precioso, o HOJE.

Não deixe pra depois. Lute.

Vença os desafios e exercite a sua felicidade...

Lembre-se sempre que as melhores essências estão nos pequenos frascos...

então você pode estar aguardando uma felicidade grandiosa,

deixando passar despercebidos, na simplicidade da vida, momentos felizes...

ou quem sabe vivendo somente do passado ou apenas sonhando com o futuro...

Portanto acorde enquanto é tempo e viva o seu HOJE intensamente!!!

Com afeto,

Beth Landim 

Comentar
Compartilhe
Pegue sua paixão e faça isso acontecer...
02/05/2016 | 10h02

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=VzALZjoIx0g[/youtube]

What a feeling!!!

Pra começar bem a semana...

Mesmo se você estiver um pouco devagar nesta segunda de manhã...

se energiza com esse delicioso flash back...

"Eu ouço a música Fecho meus olhos, sinto o rítmo  e controlo meu coração... 

Pegue sua paixão e faça isso acontecer..."

Com afeto,

Beth Landim

Comentar
Compartilhe
Sobre o autor

Elizabeth Landim

[email protected]