A beleza efêmera das cerejeiras em flor...
31/08/2012 | 22h35

Para saudar a chegada da primavera, nem mesmo a nudez dos galhos secos do inverno intimidam a flor de cerejeira.  Pelo contrário. Em poucos dias, é neles que surge uma volumosa cabeleira de flores brancas e rosadas... e as cerejeiras se transformam em um buquê de pétalas de nuances delicadas, anunciam o fim do inverno e a chegada da primavera.  O espetáculo, no entanto, não dura mais que uma semana. Logo que as primeiras brisas sopram, chuvas de pétalas cobrem o chão, formando um tapete colorido, outra beleza passageira. Contemplando há séculos pelos japoneses, esse presente da natureza também brinda países como o nosso Brasil e os Estados Unidos.

A flor de cerejeira, conhecida no Japão com sakurá, integra crenças religiosas a tradições familiares. Em casamentos ou ocasiões festivas, muitas famílias usam suas pétalas para fazer chás e atrair boa sorte. Usam também se deliciar com o sakuramochi que é um doce típico de feijão feito com a folha de cerejeira temperada com sal. A flor de cerejeira serve ainda de inspiração para as artes, moda, músicas e pinturas. Esta flor também tem na cultura japonesa o simbolismo do trágico que é retratado pelo teatro japonês. Quando surge um cenário com pétalas de sakura é sinal de que um vilão está em vias de agir ou que uma tragédia se anuncia. Esta associação se explica pela natureza transitória que tem a flor de cerejeira, desde o século 8, ligada aos samurais, os guerreiros japoneses, que também têm vida efêmera. Os samurais eram grandes apreciadores desta flor que se associou com o tempo com o seu lema: viver o presente sem medo.

Para amenizar a saudade da terra natal, os imigrantes japoneses que chegaram ao Brasil no início do século passado trouxeram centenas de mudas de cerejeiras. No Japão existem mais de 200 espécies de cerejeiras diferenciadas pelo tom das flores que vai do vermelho ao branco, passando pelo pêssego e pelo rosa. No Brasil o número é bem menor. As primeiras mudas que chegaram, apesar de diversas tentativas de cultivo em solos variados, devido ao calor comum em nossas terras, não vingaram. Por volta da década de 70 finalmente uma variedade híbrida se aclimatou e espalhou árvores por várias cidades brasileiras.

No Japão, o “Hanami”, que é o ato de contemplação das cerejeiras em flor, deixando a paisagem deslumbrante, é aguardado com ansiedade pelos japoneses, que organizam em todo o país diversas festividades em torno deste tempo. O auge deste festejo se inicia ao sul, na ilha Ikonawa, passando pela província indo até o norte, na província de Hokaido. Durante este período, japoneses deixam suas atividades diárias e se aglomeram em parques, fazem piqueniques sob o céu de flores de cerejeiras, passeios de barco nos rios que cortam os bosques ou simplesmente permanecem num ócio contemplativo.

Conta-nos uma fábula que, quando jovem, George Washington, o primeiro presidente dos Estados Unidos, ganhou um machado e saiu cortando galhos e tirando lascas das árvores da fazenda em que vivia. Uma delas, uma bela cerejeira plantada por seu pai, na parte mais alta do pomar, cruzou o caminho do rapaz. como o tronco era macio e fácil de quebrar, já aos primeiros golpes ele derrubou a majestosa árvore. Ele assumiu o erro e foi perdoado pelo pai. A história ilustra a fragilidade da planta, que continua presente na capital americana e hoje brota nos jardins da casa Branca e nas margens do lago Tidal Basin, no West Potomac Park, em Washington. Nesse local é possível apreciar o show das cerejeiras graças a um generoso gesto de amizade do Japão: em 1912, o país doou aos americanos 3 mil mudas, que foram plantadas no famoso parque da capital. Em 1965, outras 4 mil chegaram a esse jardim. Desde 1935, o parque abriga o National Cherry Blossom Festival, evento que dura quatro semanas e conta com muita música, exposições, feiras e outras atividades que estimulam os laços de amizade entre a comunidade local e os japoneses.

A flor de cerejeira significa a beleza feminina e simboliza o amor, a felicidade, a renovação e a esperança.

A cerejeira fica pouco tempo florida, por isso suas flores representam a fragilidade da vida, cuja maior lição é aproveitar intensamente cada momento, pois o tempo passa rápido e a vida é curta. Nos desenhos de tatuagens, a flor de cerejeira também simboliza a brevidade da vida, que deve ser vivida da melhor maneira possível todos os dias.

Que possamos, então, apreciar a simbologia das flores de cerejeira, que nos oportunizam refletir sobre a beleza e a efemeridade da nossa vida... O florir e reflorir constante a que devemos nos submeter a cada nova etapa do caminho... Que sejamos felizes, pois somos seres em busca constante da felicidade, nos renovando constantemente, deixando cair ao chão tudo o que é “pequeno” em nossa vida, recebendo então uma nova floração permeada pelos nobres valores que tanto estimamos vivenciar em nossa caminhada: o equilíbrio, a paciência, a fé, a paz, o amor, a amizade sincera, a união da família, o renovar da esperança... nos permitindo desta forma, como tão bem nos exemplificam as cerejeiras em flor, um novo recomeçar!

Com afeto,

Beth Landim

Comentar
Compartilhe
O menos é mais...
26/08/2012 | 13h01

Nos conta uma lenda que...

Mais uma vez a águia chega com uma presa para alimentar seus filhotes. São tempos difíceis, o clima inconstante está afastando a caça, os pequenos animais agora permanecem mais tempo em seus abrigos, fugindo não apenas dos predadores, mas também do calor sufocante que destrói boa parte dos alimentos. Dessa vez, a águia teve dificuldades para encontrar um bom lugar para montar seu ninho. Os penhascos mais altos e próximos dos alimentos foram ocupados rapidamente, obrigando-a a ser ainda mais estratégica e persistente para criar um abrigo que acomodasse seus três filhotes. No começo, o ninho estava bastante seguro e confortável, e até mesmo a águia encontrava ali um bom lugar para repousar. Contudo, com o crescimento dos filhotes, o ninho começou a ficar pequeno e tornou?se comum a águia encontrá?los brigando entre si, muitas vezes com feridas provocadas pelas  bicadas mútuas. O tempo já estava dando seus sinais, e a águia sabia que estava chegando o momento de submeter seus filhotes ao ritual que significaria a continuidade de sua família. Seria o momento do primeiro grande vôo.

Num dia ensolarado a águia novamente se prepara para caçar seu alimento, mas antes olha diretamente para cada um de seus filhotes e, em um rápido movimento, os expulsa do ninho atirando?os pelo penhasco. Os instantes seguintes são tomados por uma tempestade de sentimentos contraditórios e confusos. Os filhotes, que até aquele momento conheceram apenas a proteção e os cuidados da mãe, estão em uma queda vertiginosa, com o vento forte espancando seu corpo. Nada, até aquele momento, demonstrava que a águia tomaria uma atitude tão radical. Para os filhotes, a sensação de rejeição e perplexidade se confundia com o medo e a angústia. Era a primeira vez que cada um deles experimentava uma realidade diferente e, julgando pela violência do que estavam sentindo, a vida fora do ninho era absurdamente desconfortável e agressiva. Qualquer um dos filhotes, naquele momento, teria o direito de questionar por qual razão a águia os havia trazido ao mundo – afinal, não deixa de parecer sádico dar a vida a um ser e depois atirá?lo para a morte certa na queda de um penhasco.

Durante a queda cada um procura em si mesmo algum recurso que possa eliminar o desconforto absurdo por que está passando. Gritar chamando pela águia é a primeira alternativa, mas demonstra não ter efeito algum. Agitar as pequenas garras, que muitas vezes foram fundamentais na disputa do alimento com os irmãos, não parece ser eficaz contra o vento. Além disso, enquanto cada filhote rodopia sem controle, um breve pensamento de acusação culpava a águia pela atitude insana.

Após infinitos segundos, uma força instintiva faz que cada filhote abra suas asas – descobrindo, assim, que podem controlar aquela situação sustentando seu corpo com a ajuda da velocidade que alcançaram durante a queda. O momento é único, eles ainda estão um pouco assustados com a súbita parada no ar. Enquanto voam, procuram entender o que está acontecendo e logo percebem que sempre puderam voar, apenas não sabiam disto. Depois de alguns momentos de vôo, percebem a águia voando atrás deles. Ela estava totalmente vigilante, cuidando para que a experiência fosse boa e sem acidentes irreparáveis. Ela se mostrou exatamente no momento em que os filhotes já estavam dominando a técnica de vôo e, sem perder tempo, fez uma manobra no ar, mergulhando em direção a um pequeno roedor. Com as garras prendeu o pequeno animal e em seguida, diferentemente do que sempre fazia, comeu a presa. Tudo ficou claro. A partir de agora, cada filhote deveria caçar o próprio alimento. E não foi só isso que mudou…

Quando os filhotes começam a voar de volta ao ninho, percebem o enorme esforço necessário para chegar até ele, como nunca antes tinham feito. Ao chegar ao alto do penhasco, notam que estão diferentes – com a abertura das asas, os músculos ficaram maiores e mais fortes – e já não cabem no ninho, por isso terão também de procurar um novo abrigo.

Aquela queda foi a primeira, a única verdadeira e sem dúvida a mais importante na vida dos filhotes. Nada mais seria igual depois dessa experiência. As lembranças do ninho da águia estarão sempre presentes e serão uma referência constante para a construção de seus próprios ninhos.

É dessa forma, sendo mães e pais suficientemente bons é que fazemos nossos filhos crescerem. Passei por todas estas fases, como filha e como mãe. Porém, a firmeza de impulsionarmos nossos filhos para suas conquistas, sem oferecermos nada gratuitamente, é que nos torna pessoas melhores, capazes de enfrentar todos os desafios com equilíbrio emocional. Até porque, o sabor da conquista supera infinitamente o sabor do que recebemos gratuitamente, sem nos esforçarmos.

Pensemos nisso, muitas vezes o “menos é mais” na hora de educar...

Com afeto,

Beth Landim

Comentar
Compartilhe
Piscinas e cenários deslumbrantes...
22/08/2012 | 12h51

Termômetro subindo, calor, dias quentes... encontrar piscinas maravilhosas... com um visual que completa o cenário, é um colírio para os nossos olhos...

Na companhia certa então... fica perfeito... ou melhor, como diz o ditado "se melhorar estraga"...

Mandarin Oriental, Sanya (China).

É um dos destinos que em pouco tempo vai se tornar uma referência mundial. Foi uma das primeiras do setor de luxo a se instalar em uma ilha no país e conta com uma das instalações mais espetaculares. Sua piscina infinita é uma experiência no Mar da China.

Boscolo Exedra (Itália).

A piscina tem uma vista incrível para a Cidade Eterna.

Jumeirah Port Soller (Espanha).

É o primeiro hotel da rede árabe que abre na Europa. Esta piscina se transformou em um local de observação perfeita do Mar Mediterrâneo.

Mandarin Oriental, Barcelona (Espanha).

A piscina deste hotel é bastante rasa, mas é perfeita para se refrescar enquanto se contempla, sem nenhum tipo de interferência, a silhueta de Barcelona. É um refúgio do calor da cidade em pleno coração da capital, em Paseo de Gracia.

Desfrutemos então a beleza da arquitetura que agrega estas piscinas  ao cenário local.

Com afeto,

Beth Landim

Comentar
Compartilhe
Ponto Negro...
21/08/2012 | 09h40

Conta-se que um professor preparou sua aula estendendo um grande lençol branco numa das paredes da sala. Na medida em que os alunos iam entrando, tinham sua curiosidade despertada por aquele objeto estranho estendido bem à sua frente. O professor iniciou a aula perguntando a todos o que viam. O primeiro que se manifestou disse que via um pontinho negro, no que foi seguido pelos demais. Todos conseguiram ver o pontinho negro que fora colocado, de propósito, no centro do lençol branco. Depois de perguntar a todos se o ponto negro era a única coisa que viam, e ouvir a resposta afirmativa, o professor lançou outra questão: - Vocês não estão vendo todo o resto do lençol? Vocês conseguem somente ver o pequeno ponto preto, e não percebem a parte branca, que é muito mais extensa? Naquele momento os alunos entenderam o propósito da aula: ensinar a ampliar e educar a visão para perceber melhor o conjunto e não ficar atento somente aos pormenores ou às coisas negativas. Essa é, na maior parte das vezes, a nossa forma de ver as pessoas e situações que nos rodeiam. Costumamos dar um peso exagerado às coisas ruins, e pouca importância ao que se realiza de bom. Se um amigo sempre nos trata com cortesia, com afabilidade e atenção, e, num determinado momento, nos trata de maneira áspera, pronto. Tudo o que ele fez até então cai por terra. Já nos indignamos e o conceito que tínhamos dele até então, muda totalmente.  É como se nossos olhos só pudessem ver o pequeno ponto negro.  Não levamos em conta a possibilidade de nosso amigo ou amiga estar precisando da nossa ajuda. Não nos damos conta de que talvez esteja com dificuldades e por isso nos tratou de forma diferente. Temos sido tão exigentes com os outros! Mas, se somos nós que estamos indispostos, todos têm que suportar nosso mau-humor, nossa falta de cortesia.

Assim somos nós em nosso caminho. Quantas e quantas vezes o pensamento pequeno nos faz companhia nos imobilizando perante a vida, nos fazendo perder um tempo precioso que se chama presente, nos entristecendo a mente e o coração... Momentos que não voltam mais para serem vividos, desperdiçados pelas amarras que nós mesmos criamos perante a vida. Somos vítimas de nós mesmos. Muitas vezes nós mesmos nos aprisionamos: quando não temos a capacidade de perdoar, quando não voltamos atrás diante dos erros, quando não temos coragem de recomeçar, quando nos vitimizamos diante das situações, quando somente vemos a culpa no outro sem analisar o nosso comportamento diante das situações.

A vida existe para ser vivida. Vamos nos abrir para esta energia divina que chega até nós a cada dia e recomeçar sempre, com garra, com determinação, entendendo que as quedas fazem parte do nosso processo de aprendizagem e crescimento. As nossas quedas são como as quedas d´água no curso de um rio, capazes de produzir a energia que move o mundo. Caindo somos forçados a nos erguer perante nós mesmos, perante a vida que nos clama a refazer outro curso em nosso caminho, na certeza de que na roda da vida ora esta estamos em cima, ora estamos em baixo... mas continuamos sempre girando em direção ao nosso despertar.

Esta pequena estória nos faz refletir sobre os valores do nosso caminho...

Um casal completava seus 60 anos de matrimônio e uma das netas perguntou à avó: - Vózinha, como é que a senhora agüentou o vovô até hoje? Ele é uma pessoa muito difícil de tolerar. A vovó, com um sorriso de serenidade, respondeu à neta: - É simples minha filha. Eu sempre tive comigo uma balança imaginária. Colocava num dos pratos as coisas ruins que seu avô fazia. No outro prato da balança eu depositava as coisas boas. E o prato sempre pendia para o lado das coisas boas. Nós também fazemos uso da balança imaginária. Mas, muitas vezes, o peso que atribuímos às coisas ruins é desproporcional, e a balança tende a pender mais para esse lado. Vez que outra é importante que façamos uma aferição na nossa balança, para verificar se ela não está desregulada, pendendo muito para o lado dos equívocos. Saibamos valorizar as boas coisas que nos acontecem...

Não façamos como os alunos, que só viam o ponto negro no centro de um enorme lençol branco. Eduquemos a nossa visão para perceber melhor as coisas boas da vida. Desenvolvamos a nossa capacidade de ver e valorizar tudo o que nos acontece de bom.  Você sabia que os benfeitores da humanidade recomendam que sejamos severos para conosco mesmos e indulgentes para com nosso próximo? Contrariando tal recomendação, a maior parte das vezes somos indulgentes para conosco e muito severos para com as faltas alheias. Vale a pena que sejamos mais exigentes conosco, buscando sempre melhorar nosso comportamento. Vamos ter sempre em mente o lençol branco e não o ponto negro... Temos páginas e páginas em branco para escrevermos nossa história... Não fixemos nosso olhar no “pequeno”, aprendamos e eduquemos nossa visão para olhar através do horizonte... sempre em frente...

Com afeto,

Beth Landim

Comentar
Compartilhe
LENÇOS, UMA TENDÊNCIA ...
17/08/2012 | 16h09

Do pescoço para as peças de roupas, o lenço hoje é muito mais do que um simples paninho de seda pra amarrar no pescoço. A idéia virou tendência e promete chegar com força na próxima estação.

As estampas em forma de lenços é umas das marcas registradas da Versace, mas marcas como Balmain, Celine, TopShop, Zara e D&G, Animale e Triton estão trazendo de volta essa inspiração bem anos 90. É uma forma de resgatar um pouco do maximalismo que ficou ofuscado nesses últimos tempos pelo minimalismo.

Esse tipo de estampa está presente em blusas de seda, calças tipo pijmas, shorts e vestidos. Um “must” que proporciona um visual  estiloso e meio desprentencioso, já que envolve um coisa meio barroca, meio artística e forma um visual bem vintage e chic ao mesmo tempo.

Aproveite para fuçar no armário da avó, mãe e tias, sempre tem alguma peça incrível esquecida por lá. Um charme! Super feminino!Deixo a dica, dada por Juliana Falcão,minha colaboradora no blog.

Com afeto,

BethLandim

Comentar
Compartilhe
Brilha no céu uma estrela...
16/08/2012 | 13h19

Morre o jornalista Aloysio Cardoso Barbosa fundador da Folha da Manhã.

O Grupo Folha da Manhã comunicou com imenso pesar a morte do seu fundador e consultor geral, o jornalista Aloysio Cardoso Barbosa (76 anos) ocorrida no final da tarde de ontem no Hospital da Unimed.
Aloysio exerceu com dignidade e honra seu papel como jornalista. Deixa o legado da busca pela informação verdadeira, da comunicação sempre sábia e reflexiva. Aloysio era sempre acertivo. Pontuava suas análises enxergando todos os ângulos do fato, o que lhes dava e nos proporcionava um entendimento global e não fragmentado do mundo.
Assim defino Aloysio, um homem que sabia agregar, enxergar o mundo além  das linhas e das leis... mas sempre em busca da justiça e da verdade como forma de contribuição para nossa sociedade.
Dedico a Diva, seus filhos,netos  e a família FOLHA DA MANHÃ a Oração de Santo Agostinho como acalento ao momento de dor e de perda, na certeza de que todos que partem são para nós estrelas que brilham no céu, nos mostrando que sempre estaremos caminhando juntos e na mesma direção.
Oração de Santo Agostinho

A morte não é nada.

Apenas passei ao outro mundo.

Eu sou eu. Tu és tu. O que fomos um para o outro ainda o somos. Dá-me o nome que sempre me deste. Fala-me como sempre me falaste. Não mudes o tom a um triste ou solene. Continua rindo com aquilo que nos fazia rir juntos. Reza, sorri, pensa em mim, reza comigo. Que o meu nome se pronuncie em casa como sempre se pronunciou. Sem nenhuma ênfase, sem rosto de sombra. A vida continua significando o que significou: continua sendo o que era. O cordão de união não se quebrou. Porque eu estaria for a de teus pensamentos, apenas porque estou fora de tua vista ? Não estou longe, Somente estou do outro lado do caminho. Já verás, tudo está bem. Redescobrirás o meu coração, e nele redescobrirás a ternura mais pura. Seca tuas lágrimas e se me amas, não chores mais.

Com afeto,

Beth Landim

Comentar
Compartilhe
HOJE EU QUERO AGRADECER...
14/08/2012 | 11h51

Hoje quero agradecer...a surpresa linda, preparada com tanto carinho e "drible" (não é Eleonora)... a minha família e aos meus amigos, por me fazerem acreditar sempre, que vale a pena tentar...tentar... e viver.... sempre em busca do que nos faz melhor...

Deixo a poesia de Saint-Exupéry - ACASO - como uma forma de agradecimento, nos mostrando que o "ACASO" não existe quando estamos entre amigos...e que se sou hoje esta pessoa de bem com a vida, é porque tenho um pedacinho de cada um dentro de mim, e desta forma aprendo com vocês e me torno uma pessoa melhor... Cair e levantar.... faz parte da vida...  agradeço de coração a sensibilidade,  a sinceridade  e o carinho de cada um ....

ACASO

"Cada um que passa em nossa vida, passa sozinho, pois cada pessoa é única e nenhuma substitui outra.

Cada um que passa em nossa vida, passa sozinho, mas não vai só nem nos deixa sós.

Leva um pouco de nós mesmos, deixa um pouco de si mesmo.

Há os que levam muito, mas há os que não levam nada.

Essa é a maior responsabilidade de nossa vida, e a prova de que duas almas não se encontram ao acaso. "

Antoine de Saint-Exupéry

Com flores e afeto,

Beth Landim

Comentar
Compartilhe
Parabéns Beth... pelos seus 50 anos de vida...
12/08/2012 | 17h04

Beth,

Hoje o seu blog é mais seu do que nunca... pois nós, sua família e seus amigos que tanto te amamos, tomamos emprestado este espaço lindo para te dizer tudo o que você representa para nós... com muito afeto...

Nesta data tão especial em que você comemora 50 anos, queremos te dizer que queremos caminhar ao seu lado mais 50 anos, partilhando com você todos os dons que Deus te deu ao te dar a VIDA. Que você continue sendo esta pessoa iluminada, amiga, companheira, família, plena de energias positivas  e de muito AMOR.

Que cada vez mais, a sensibilidade com a qual você foi concebida, possa ser a geradora de frutos positivos que brotam em seu caminho, em seus projetos, em seu querer, tornando você uma pessoa especial aos olhos de Deus e aos nossos olhos...

Parabéns pelos seus 50 anos!

Saúde!

Muitas alegrias!

Com afeto,

Sua família e seus amigos

O QUE QUEREMOS TE DIZER....

Mãe,

nesta data tão especial, gostaria de agradecer a Deus por ter uma mãe tão maravilhosa, por sentir tanto orgulho de uma mulher que além de trabalhar muito, realizar muito, encorajar muito, ser uma pessoa tão sensível à todos, ser guerreira, aventureira, jovem, dedicada. Falar dos 50 anos, é falar de pouco tempo para uma mulher que já fez tanto, em tantas áreas e continua fazendo, mas que é pura jovialidade. Gostaria de contar uma história de quando fomos a um restaurante e a garçonete nos perguntou se todas éramos parentes e falamos que éramos suas filhas, ela se espantou e o mais legal foi que ela falou assim para você: -Você parece uma grande amiga da minha filha. E perguntamos quem era a filha dela. Ela falou o nome e logo descobrimos que era uma ex-aluna sua do projeto e que te adorava tanto, mandava cartinhas para você, considerava você como mãe! E a garçonete falou: - Querida, eu só não tenho ciúmes, porque é você, porque minha filha te adora. E isso exemplifica o que você é para muitos e o que muitos sentem por você, gratidão, carinho, afeto. Te amo mãe e obrigada por tudo!

Att Rafaela Landim

Parabéns, Beth! Que vc continue sempre nos contagiando com sua alegria e positividade diante da vida. Td de bom hoje e sempre. Vc merece! Com carinho, Nathércia

Beth,Voce eh inspiracao e exemplo de determinacao para todos nos.  Feliz Aniversario.
Luiz Pereira

Trabalhar ao seu lado tem trazido para mim e minha família oportunidades que nos enriqueceram muito, e, no seu aniversário queremos que você saiba da nossa gratidão.  Parabéns!

Paulo Arthur, Neize e Lucas.

Querida, Beth. Feliz aniversário e muitas felicidades, paz e bênçãos na sua vida, sob a proteção de Deus Pai e Nossa Senhora! Desejo a você, de coração, que maravilhas aconteçam na sua vida e que seus caminhos continuem sendo sempre iluminados. Pois, você é uma pessoa iluminada e querida! Sempre com o esse sorriso acolhedor e sincero, com a mesma alegria de viver, renova e energiza muitos corações. Que neste 12 de agosto, você comemore muito o seu dia!! VOCÊ MERECE!!! Meu eterno carinho e grande abraço !!!!!! Beijos, Conceição de Maria Campinho

Beth, que você receba tudo de bom nesse dia tão especial! Que Deus a proteja sempre e todos os anjos a envolvam com proteção, saúde, amor, trabalho, família... Continue nos inspirando com seu exemplo de esposa, mãe, profissional, amiga e conselheira! Parabéns! Felicidades em seu caminhar! Abraços! Vanilda

 

Hoje é dia de festa e alegria. Dia de desejar felicidades pelo seu aniversário! Que a obstinação permeie seus caminhos e a luz divina conduza os seus passos. Que esta celebração tenha a presença daqueles a quem você quer bem, com muita alegria no coração! Desejo-te ainda, uma vida longa, próspera e feliz! Felicidades hoje e sempre!

Com carinho, Marcelly

Beth, muitas felicidades para você neste dia tão especial. Que você possa ter muitos anos de vida, abençoados e felizes, com muita harmonia, paz e desejos realizados. Que seu coração, esteja sempre em festa, porque você é um ser de luz e especial. Que os seus caminhos sejam sempre abençoados com a presença de Deus, guiando seus passos e auxiliando suas decisões, para que suas conquistas e vitórias, sejam constantes na sua vida. Parabéns e felicidades sempre!!! Lívia Fernandes

Beth, em seu aniversário, realize um desejo, acredite num sonho. Abrace o mundo, comemore a sua exixtência, porque o fato de você existir, é, realmente, algo que deve ser comemorado! Beijos... Vera Lúcia Mota

Quero desejar que o seu dia seja repleto de felicidades e que você com os seus familiares possam desfrutar de um dia pleno de paz. Feliz Aniversário! Cynthia

Beth Landim, dedico a você neste maravilhoso dia deoteu aniversário, a canção de Jorge Vercilo que tão bem define VOCÊ

"VOCÊ une todas as coisas Como eu poderia explicar Um doce mistério de rio Com a transparência de um mar

VOCÊ une todas as coisas Quantos elementos vão lá Sentimento fundo de água Com toda leveza do ar

VOCÊ está em todas as coisas Até no vazio que me dá ...

Talvez VOCÊ saiba de cor Tudo que eu preciso sentir Pedra preciosa de olhar ! VOCÊ só precisa existir Para nos completar

Ela une o mar Com o meu olhar VOCÊ só precisa existir Pra nos completar"

Que  venham muitos e muitos mais anos de vida, saúde, alegrias para celebrarmos JUNTOS. Um grande bj. Beth Rocha

Beth, hoje é um momento especial de renovação para sua alma e seu espírito, porque Deus, na sua infinita sabedoria, deu à natureza, a capacidade de desabrochar a cada nova estação e a nós capacidade de recomeçar a cada ano. Desejo a você, um Feliz aniversário, cheio de amor e de alegrias, afinal fazer aniversário é ter a chance de fazer novos amigos, aprender e ensinar novas lições, é amadurecer um pouco mais e olhar a vida como uma dádiva de Deus. Parabéns a você nesse dia tão grandioso!!

Beijos: Jacky Manhães

Beth, venho através desta mensagem desejar o melhor de Deus para sua vida. Que ele possa cobrí-la com sua graça e misericórdia e que os planos dele possam se cumprir em sua vida. "O Senhor te abençoe e te guarde; o Senhor faça resplandecer o seu rosto sobre ti, e tenha misericórdia de ti; o Senhor levante sobre ti o seu rosto, e te dê a paz". (Números 6:24-26). Um grande abraço! Parabéns! Angélica Faria Campanhao

Felicidades Beth, por este dia tão especial que é o seu aniversário. Parabéns, que você possa ter muitos anos de vida, felizes e abençoados. Que seu coração, esteja sempre em festa, porque você é um ser de luz. Que seu caminhar seja sempre iluminado com a presença de Deus, guiando seus passos e intuindo suas decisões, para que suas conquistas e vitórias, sejam constantes em seus dias. Parabéns por hoje, mas felicidades sempre. Sâmela Vernochi

Para Beth com carinho,

Parabéns, saúde,  paz, fé, muita vida!!!!
Aproveito a oportunidade para ressaltar a  grande admiração que sinto por você como pessoa e como profissional.
Forte abraço do amigo Gerson Tavares
Comentar
Compartilhe
DEUS TE PROTEJA E NÃO ME DESAMPARE...
10/08/2012 | 10h33

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=pmOrZ5hvcoE[/youtube]

A vida nos oferece e nos ensina várias formas de rezar...nossas atitudes são, com certeza , a melhor delas...pois não basta falarmos uma coisa e fazermos outra.... cantar é outra forma também.Tem até um ditado que diz: "quem canta seus males espanta"...

Então...um bom começo de dia ...ouvindo Rita Lee..

Com afeto,

Beth Landim

Comentar
Compartilhe
Sarah Attar faz história nas Olimpíadas...
09/08/2012 | 17h23

Sarah Attar faz história como primeira mulher saudita no atletismo olímpico...

LONDRES (AFP) - A saudita Sarah Attar fez história nesta quarta-feira ao tornar-se a primeira mulher de seu país a competir no atletismo dos Jogos Olímpicos. Sarah foi eliminada na prova dos 800 metros em Londres-2012, porém abriu caminhos para as sauditas sendo aplaudida de pé por todo o estádio.

Confesso que me emocionei e me arrepiei com "este record esportivo" que não se baseia no tempo da atleta, mas sim nas barreiras ultrapassadas por ela... Que para nós ocidentais torna-se comum, mas que na cultura saudita torna-se um marco.

Aliás, quebrar barreiras é o que nós mulheres buscamos sempre...

Attar, uma das duas mulheres enviadas aos Jogos de Londres pela Arábia Saudita, completou a sexta série eliminatória com o tempo de 2 minutos, 44 segundos e 95 centésimos, quase 44 segundos a mais que a queniana Janeth Busienei (2:01.04).

Com a cabeça coberta e mangas e calças compridas, a estudante de 19 anos descreveu a participação nos Jogos como "uma experiência incrível".

"É uma grande honra estar aqui e representar as mulheres da Arábia Saudita", afirmou Attar, nascida e criada nos Estados Unidos.

"É um momento histórico. Espero que faça a diferença. É um grande passo adiante. É realmente uma experiência incrível", completou.

Arábia Saudita, Qatar e Brunei levaram atletas mulheres aos Jogos Olímpicos pela primeira vez na história.

Com afeto,

Beth Landim

 
Comentar
Compartilhe
Ipê amarelo...
07/08/2012 | 22h26

Florescer.... este verbo nos ensina a nos renovarmos  a cada dia.... É tão bom quando nos reiventamos sempre... persigo sempre este sonho e quando sonhamos intensamente com alguma coisa ou com alguém.... chegamos a sentir o sabor do desejo alcançado.... Renovemo-nos sempre....

Esta foto foi tirada por China Venâncio, colobarador do meu blog, nos mostrando a intensidade da beleza do ipê amarelo em nossa cidade (Campos dos Goytacazes) e  a força de sua renovação a cada dia.

Um bom início de semana para todos...

Com afeto,

Beth Landim

Comentar
Compartilhe
Orquídea de Aço...
03/08/2012 | 19h46

 

Tive a oportunidade de assistir ao filme “Além da Liberdade” e aproveito este espaço para dividir com vocês o meu encantamento. A primeira imagem do filme já é comovente. Uma menina pequena, sentada no colo do pai, pede que ele lhe conte uma história. “- Posso contar uma de quando a Birmânia era chamada de País do Ouro.” Ela se aconchega. Eles estão num jardim, à sombra de palmeiras, à beira de um lago. “- Era uma vez um lindo país onde havia florestas de ébano e teca por toda a parte. Naquele tempo, tigres vagavam nas selvas e manadas de elefantes caminhavam nas planícies. Havia muita riqueza nesse país. Safiras azuis e rubis vermelhos… Mas essa é uma história triste porque vieram soldados de um país distante e tiraram tudo de nós. Ficamos muito pobres…”, finaliza, levantando a filha e pousando-a na grama do jardim. Colhe uma flor e com ela enfeita o cabelo da menina, que o olha encantada. Vestido em seu uniforme do exército, vira-se e dá um adeus, antes de entrar no carro.

Foi a última vez que ela viu o pai, em Ragum, na Birmânia, onde moravam. Ela tinha dois anos de idade. Assim começa a história verdadeira de Aung San Suu Kyi, que muito cedo perdeu o pai, herói nacional na luta pela independência do país, colonizado pelos ingleses.

No golpe militar de 1962, instalou-se na Birmânia (hoje Mianmar), um governo de generais, conhecido como um dos mais cruéis e repressivos do mundo. Michelle Yeoh faz, com elegância e sobriedade, o papel dessa mulher que vai viver fora de seu país, casa-se na Inglaterra, tem dois filhos e que, por causa da doença de sua mãe, volta e se vê compelida a abraçar a causa de seu povo, vítima da tirania. Ela lidera, então, uma luta de resistência pacifica contra o governo brutal de seu país, discursando em comícios, com sinceridade e firmeza, para uma população que a venera e levanta retratos de seu pai. Carismática, ela defendeu eleições democráticas, enfrentando ameaças terríveis, prisão domiciliar por mais de 15 anos, afastamento do marido (o ótimo David Thewlis) e dos filhos, que ela viu poucas vezes em todos esses anos, impedidos pela não concessão de vistos pelos generais, que queriam forçá-la a deixar o país. Magrinha, voz suave e firme, rosto bonito, franja, cabelos sempre presos num coque baixo, enfeitados com as orquídeas do jardim, usando a saia longa e blusa do traje local, ninguém adivinharia a força e a tenacidade que a distinguiam, não importa o que acontecesse.

A revista Time colocou-a na capa, chamando-a de “Orquídea de Aço” quando em 1991, seus filhos e marido receberam por ela o prêmio Nobel da Paz. Beleza e fragilidade da orquídea são muito mais do que isso. Uma mulher quase sem defeitos. Uma autêntica "orquídea de aço", como a batizou a imprensa, de princípios inquebrantáveis e gestual elegante. É uma heroína da resistência pacífica, baseada nas idéias de Mahatma Gandhi, a quem admira como a nenhum outro líder do mundo. Essa vida é contada em Além da Liberdade pelo diretor Luc Besson, um francês fã de Hollywood conhecido por seus filmes de ação.

Aung San nos mostra a dignidade de quem enfrenta a força bruta sem recorrer às mesmas armas. Aliás, sem recorrer a armas de qualquer espécie, a não ser a inabalável convicção de que idéias certas um dia acabarão por se impor, desde que sejamos corajosos e perseverantes em sua defesa. Gente assim deve ser admirada. É o que mais falta neste mundo violento, imediatista e superficial.

Chamou-me a atenção que Aung San mesmo aprisionada durante 15 anos se manteve livre, pois não há prisão que aprisione nossos pensamentos e nossa liberdade interior. Interessante também foi ver a atitude do marido que nunca exigiu que sua mulher desistisse da causa que eles acreditavam, ao contrário, seu marido e seus filhos foram seu sustento nesses 15 anos de prisão. Inclusive tendo seu marido sofrido um câncer e morrido na Inglaterra, ela abdicou de acompanhar o seu funeral em prol da luta pela liberdade do seu país. Aung San nunca usou armas, mas agregou milhões de pessoas na sua caminhada e sua luta.

Assim como Nelson Mandela que lutou contra a discriminação racial e contra a ditadura, e um dia foi visto como terrorista e hoje é visto como um libertador da África do Sul, lutando por seus direitos e por toda uma nação. Um homem que não mediu esforços para acabar com o preconceito racial e com a "escravidão". Antigamente perseguido e torturado, hoje, Mandela coleciona distinções como Ordem de St. John, recebido pela rainha Isabel II, Medalha presidencial da Liberdade de George W. Bush. Ele é uma das duas únicas pessoas de origem não-indiana a receber o Bharat Ratna, distinção mais alta da Índia, em 1990, sendo a outra pessoa a Madre Teresa de Calcutá. Em 2001 tornou-se cidadão honorário do Canadá e também um dos poucos líderes estrangeiros a receber a Ordem do Canadá. Na maioria das vezes vivemos várias ditaduras e não temos a sensibilidade de enxergar o que e quem verdadeiramente nos liberta. É preciso que se faça história muitas vezes para enxergarmos quem verdadeiramente nos escraviza e impõe “as várias ditaduras” em que vivemos.

Aung San e Mandela são dois exemplos claros de liberdade interior e desprendimento verdadeiro para com o seu povo. Que possamos refletir onde está a nossa liberdade, que ditaduras nos impomos... e que possamos sempre, irmos além da liberdade...

Uma boa semana e um feliz seis de agosto para todos nós!

Com afeto,

Beth Landim

Comentar
Compartilhe
Sobre o autor

Elizabeth Landim

[email protected]