A LIBERDADE ABRIU AS ASAS SOBRE NÓS...
30/11/2010 | 14h00

          

Orgulho, emoção, o vislumbrar de um caminho para a LIBERDADE  foi o que senti ao ver as ações do Governo do Estado-RJ, Secretaria de Segurança do Rio, Bope, Marinha, Exército e Polícia Militar  na busca pelo território da Vila Cruzeiro e Complexo do Alemão e retirada do tráfico daquela comunidade. Mais uma vez comprovou-se que o trabalho de equipe traz o êxito para qualquer trabalho e quando aliado ao trabalho de inteligência, fica imbatível.                      

É lógico que estamos apenas no início, porém tinha que ser dado o primeiro passo e de forma profissional. Ver a bandeira do Brasil e do nosso Estado trêmulando no topo do Complexo do Alemão, não só me fez correr o sangue mais forte pelas veias, como pulsar mais forte meu coração, pois sou brasileira e tenho muito orgulho disso.Ver que existem oficiais  corretos que colocam sua vida em risco pelo trabalho e bem comum, me fez sentir que ainda há chance para a coisa pública. A discrição e o pulso do Secretário Beltrame  é outro ponto forte desta ação. Não usa a segurança pública para fazer política nem para se promover, pelo contrário a discrição é uma de suas armas e o serviço de inteligência aliado a sua firmeza de convicções que fazem a diferença não só nesta ação mas em sua pasta.          

Ver o povo daquela comunidade aplaudindo a ação dos policiais e alegres  pelo terrritório que voltava para as mãos do Estado, me fez sentir e confirmar que a batalha contra o tráfico é possível quando bem articulada com a inteligêngia e investigação.          

Outro momento que chamou a atenção foi ver um pai entregar seu filho para os policiais . Ele disse: "Uma hora ele teria que pagar por isso". Foi um ato de bravura, de honestidade de salvar a vida do filho para não morrer, um homem de coragem! Engoli em seco nesta hora, pois todos temos filhos e sabemos o quanto deve ser difícil esta atitude. Mas como sempre friso em meus textos, na vida precisamos de ATITUDE.  Seja para começar, recomeçar, terminar ......enfim, a atitude representa o que somos, sem máscaras !           Estas ações devem ser apenas o início pois a pacificação denota confiança da população e integração comunidade e Estado. Vimos duas comunidades sem serviços públicos essenciais, impedidos pelos traficantes.  Livres, o Estado tem que ocupar o que é seu por direito e DEVER, cumprindo com as necessidades de serviços públicos  para que possa  fazer jus a nossa carga tributária tão alta (aliás este tema abordarei em outro post).  Saúde e Educação devem caminhar junto com Segurança Pública, com serviços de qualidade, salários dignos, escolas e postos de saúde com profissionais competentes. Um grande estadista inglês afirmou que :"Um povo educado, é fácil de governar, difícil de dominar, IMPOSSÍVEL de ESCRAVIZAR ".          

Como disseram os moradores e como fala o enredo da  Imperatriz Leopoldinense: " A Senhora Liberdade Abriu as ASAS Sobre NÓS ".  E para a Liberdade não há PREÇO!!  Estão de parabéns o Governo do Estado, Exército, Marinha, Aeronáutica e   todos os policiais que enfrentaram com coragem  sua missão  de resgatar  a autonomia do povo contra a violência  e o tráfico.          

  Liberdade SEMPRE!             

Com afeto,          

Beth Landim          

Comentar
Compartilhe
CAIXA DOS DESEJOS.....
27/11/2010 | 22h04

Desejo, palavra que exprime vontades, querer, sonhos, mistérios... Será que sabemos o que desejamos? Será que somos fortes ou fracos ao perseguir nossos desejos? Mais gostoso do que realizar e conquistar nossos desejos é realizar os desejos de quem amamos. Experimente ver o sorriso largo, os olhos brilhando, o coração saltando pela alma, é realmente uma alegria indescritível.

Às vezes é tão pouco o que precisamos! Na maioria das vezes nossos pequenos desejos é que nos trazem maior felicidade, pois carregam em si emoções indecifráveis, que só o coração pode sentir... Os desejos nos fazem reerguer os ânimos! E é preciso ter ânimo, muito ânimo para viver, conviver e buscar os nossos desejos.

Chamou-me atenção, a ONG Make a Wish que realiza os desejos de crianças com doenças terminais. Que desprendimento! Que sensibilidade! Que alegria indescritível não deve ser? Um pelotão de 30 mil voluntários espalhados por 37 países mobiliza-se rotineiramente para realizar uma missão muitas vezes difícil, mais jamais impossível: tornar viáveis os sonhos de crianças e jovens com doenças graves. Só em 2009, mais de 20 mil pacientes com linfoma, leucemia e distrofia, entre outros males, foram atendidos em todo o mundo pela ONG Make a Wish.

O presidente da ONG, o canadense Jon Stettner, diz que o objetivo de realizar o sonho das crianças com doenças graves é proporcionar a elas a experiência mais incrível de suas vidas. “A maioria das crianças com doenças graves sobrevive. Então o nosso trabalho é fazer com que elas desviem seu foco da doença para algo mais esperançoso, ao mesmo tempo em que lhes damos mais forças para enfrentá-la.”

Criada em 1980, graças ao sonho de um menino, Christopher James Greicius então com sete anos. Ele tinha uma leucemia grave e queria ser policial por um dia. Conseguiu graças à persistência de sua mãe, Linda Pauling, e a boa vontade do policial Tommy Austin. O menino recebeu farda confeccionada para ele, distintivo, chapéu, motocicleta e helicóptero da corporação para desfrutar seu desejo neste dia. Chris se foi, MORREU poucos dias depois, mas não sem antes tornar seu desejo real. Seus últimos dias foram de alegria, força e esperança. Sua mãe, uma das fundadoras da ong, trabalha para continuidade da missão.

Alguns desejos pesquisados por mim, na referida ONG, às vezes são tão simples! Alguns querem ser bombeiros por um dia, outras crianças querem voar pilotando aviões, outras querem ver o mar,ganhar um cachorro de presente e assim vão sendo satisfeitos os sonhos, e muitas vezes os pacientes tem uma sobrevida em 70% dos casos. Achei de uma leveza e sensibilidade à flor da pele, pensar nos desejos de quem realmente está por um fio, mas se agarra a ele e retorna a vida.

Voltando ao nosso mundo “aqui” também podemos realizar desejos... Podemos realizar desejos dos que estão talvez acamados nos hospitais, com nossa presença, nossa leitura, nosso sorriso. Podemos realizar desejos praticando alguma ação social coletiva, que vá ajudar um pouco aos que precisam perto de nós, com gestos pequenos. Mas PODEMOS acima de tudo, realizar os desejos de quem está bem próximo a nós, nossa família, amigos, namorados, etc... Você já parou para pensar no desejo de quem está ao seu lado? Já pensou que pode satisfazê-lo, e na imensa felicidade de quem vai recebê-lo?

Às vezes, um passeio de mãos dadas, na praia, na praça, no cinema... Olhos nos olhos, rever alguém que há muito tempo não vê, matar a saudade... Tomar aquele sorvete gostoso, mandar flores, chegar de surpresa sem anunciar, dar aquele telefonema dizendo: Que saudade!!! Você faz a diferença em minha vida! Ou simplesmente, TE AMO!

Pense nisso, a alegria fortalece o sistema imunológico, porém, mais do que isso, fortalece o afeto que existe em nós, tão em falta neste mundo! Então, não pense muito! Realize os desejos, faça alguém mais feliz, e a Lei de Ação e Reação de Newton o fará ainda mais feliz, pois Papai Noel existe! Basta querermos! Abra sua caixa de desejos! Coloque pra fora, o que você pensa, o que você quer, procure por você mesmo lá dentro! Procure se reencontrar. Temos desejos que nosso consciente desconhece, precisamos ir lá... Na terra dos sonhos, do inconsciente, para buscá-lo e para isso é preciso pensar um pouco no que somos o que queremos para SERMOS nós mesmos!!! Desejar é o primeiro passo para conquistar nossos sonhos. Quando começamos a desejar alguma coisa, é o início da materialização da conquista! Podemos conseguir ou não, mas o friozinho da barriga, as batidas aceleradas do coração, sinaliza para nosso esforço e certeza na busca do desejado...

... então busque seus desejos  e se possível alguém para buscá-lo junto com você, pois os sonhos que sonhamos juntos tornam-se realidade ...  o sabor com certeza será delicioooooooso!!!!!!!!

Eu já fiz o meu pedido para Papai Noel, e você???

Com afeto,

Beth Landim

Comentar
Compartilhe
Quanto vale um sorriso?
25/11/2010 | 16h02

Quando criei o  projeto  HumanISE em 2009, no  ISECENSA, com o Curso de Enfermagem, não pensei o quanto teria de aprendizado pessoal! Pensava mais em ajudar, em levar um sorriso a quem precisasse.

Ledo engano, hoje tenho a plena certeza que aprendi muito mais do que dei!

As coordenadoras Aline Marques (Enfermagem) e Beth Rocha (Laboratório de Arte e Cultura), junto aos alunos do Curso de Enfermagem do ISE, percorrem as enfermarias dos Hospitais de Campos com o projeto HumanISE, que visa levar alegria, descontração, carinho, música e poesia aos doentes hospitalizados de nossos hospitais.

Mas acima de tudo, este projeto visa a humanização do enfermeiro, pois penso que o diferencial de um profissional é o seu lado humano.

Na enfermagem este enfoque vem de sobremaneira acompanhado da cura e da melhora do paciente, pois o carinho é um remédio “fenomenal"!

Saint Exupéry nos leva a refletir sobre as nossas atitudes diante do próximo, quando nos diz...

"Vida... Cada um que passa em nossa vida passa sozinho... Porque cada pessoa é única para nós, e nenhuma substitui a outra... Cada um que passa em nossa vida passa sozinho, mas não vai só... Levam um pouco de nós mesmos e deixam um pouco de si mesmos. Há os que levam muito, mas não há os que não levam nada. Há os que deixam muito, mas não há os que não deixam nada. Esta é a mais bela realidade da vida...

A prova tremenda de que cada um é importante e que ninguém se aproxima do outro por acaso!"

Portanto é muito bom termos um pedacinho de cada um dentro de nós! Pois sempre é tempo de aprendizado, de doação, de carregar conosco, o pedaço que ficou!!!

Uns deixam muito! Outros ficam intrinsecamente misturados a nossa alma e isto faz a grande diferença no que somos, pensamos e fazemos, pois somos esta amálgama constante deste encontro, do nosso EU e do Outro .

Que possamos sempre tirar um tempinho de nossas vidas atribuladas,

para levar um sorriso, um afago, uma leitura a quem precisa!

Que possamos sempre dividir solidariedade e multiplicar alegria, sensibilidade e afeto porque às vezes o nosso pouco se torna muito pra quem nada tem!!!

Você pode! Nós podemos !

Tudo é uma questão de ATITUDE!!!

Basta querer!

Pois quanto vale um sorriso?

Pra mim não tem preço, pois o sorriso é a expressão mais leve da alma!

E pra você, quanto vale um sorriso?

Com afeto,

Beth Landim

Comentar
Compartilhe
COVARDIA!!!
23/11/2010 | 23h19
Não podemos ignorar contínuas violações, devemos nos posicionar sempre. Se abster demonstra fraqueza nas atitudes. Apedrejamento, tortura, mutilações, execuções de menores, perseguições a mulheres e minorias étnicas, e uma persistente ausência do devido processo legal, deterioram cada vez mais os direitos humanos, no Irã. O Brasil ficou entre os 56 países que se abstiveram, da resolução aprovada pela ONU, por 80 países, condenando o desrespeito aos direitos humanos no Irã, pedindo o fim dos apedrejamentos e das perseguições a minorias étnicas no país, dos ataques a jornalistas e advogados de defesa de vítimas de violações de direitos. A censura, que trata de assuntos de direitos humanos na Assembléia Geral, irá a plenária ainda em dezembro. Não podemos ignorar contínuas violações. Para o professor Antônio Marcio da Cunha Guimarães de direito internacional da PUC-SP, o Brasil adotou uma posição “covarde” e afirma ter vergonha da decisão. “Não pode deixar de se manifestar porque tem amizade. Tem que dizer: sou seu amigo, mas você está errado”. (O Globo em 20/11/2010) O professor Eduardo Viola de relações internacionais da UNB destaca a vontade do Brasil de não desagradar aos regimes autoritários para não prejudicar a candidatura ao Conselho de Segurança da ONU. Refletindo sobre tudo isso, fico a pensar o que passa pela cabeça de quem vai ter a mão amputada ou vai enfrentar um apedrejamento. Não podemos nos acovardar de nossas convicções. Ficar em cima do muro, se abster, se omitir, no mínimo é uma demonstração de fraqueza. Alguns valores são invioláveis, intransponíveis, INEGOCIÁVEIS. A vida humana e o respeito a ela, são para mim, um bem INTANGÍVEL. Admiro a coragem da mulher que em protesto contra o Irã, simulou em Paris um apedrejamento, com o intuito de sensibilizar, contra a violação dos direitos humanos, mas sobretudo  sobre a liberdade  das pessoas que não tem voz e vez em regimes autoritários. Que nada possa nos calar, nos comprar, nos tornar mudos ou cegos diante das atrocidades contra a vida. Que a solidariedade e a coragem de lutar permaneçam no espírito do povo brasileiro e que sejamos sempre intransigentes quando o assunto for a “Violação da Vida”. E que essa voz do povo brasileiro seja ouvida e respeitada por nossos representantes. Que possamos ter esperança pelo respeito ao ser humano, como clama os olhos desta mulher!!!

Com afeto,

Beth Landim

Comentar
Compartilhe
QUASE.....
20/11/2010 | 15h08

Li sobre o “quase”, achei interessante e divido com vocês.

Pergunto-me, às vezes, o que nos leva a escolher uma vida morna; ou melhor, não me pergunto, contesto. A resposta eu sei de cor, está estampada na distância e frieza dos sorrisos, na frouxidão dos abraços, na indiferença dos “Bons dias”, quase que sussurrados. Sobra covardia e falta coragem até pra ser feliz. Quem quase ganhou ainda joga, quem quase passou ainda estuda, quem quase morreu está vivo, quem quase amou não amou. Ainda pior que a convicção do não, é a incerteza do talvez, é a desilusão de um “quase”.

É o “quase” que incomoda, que entristece, que mata trazendo tudo que poderia ter sido e não foi. Basta pensar nas oportunidades que escaparam pelos dedos, nas chances que se perdem por medo, nas idéias que nunca sairão do papel por essa bendita mania de viver no outono.

Talvez esses fossem bons motivos para decidir entre a alegria e a dor. Se a virtude estivesse mesmo no meio termo, o mar não teria ondas, os dias seriam nublados e o arco-íris em tons de cinza. O nada não ilumina, não inspira, não aflige nem acalma, apenas amplia o vazio que em alguns momentos trazemos dentro da gente...

Para as coisas que não podem ser mudadas resta-nos somente paciência, porém, preferir a derrota prévia à dúvida da vitória é desperdiçar a oportunidade de merecer. Para os erros há perdão; para os fracassos, chance; para os amores impossíveis, tempo. De nada adianta cercar um coração vazio ou economizar alma.  Não deixe que a saudade sufoque, que a rotina acomode, que o medo impeça de tentar. Desconfie do destino e acredite em você. Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando, porque embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu.

Existe um outro “Quase”, o de quem quase conseguiu bater o record, o de quem quase gabaritou uma prova, etc... Mas estes vêm acompanhados da perseverança, da persistência, do esforço do trabalho diário... Pois só no dicionário, que o sucesso vem na frente do trabalho. Na vida, o sucesso depende exclusivamente de nosso trabalho, dedicação e sentimento de pertença ao que somos.

Este ‘quase’ não nos desanima, pelo contrário, nos impulsiona a irmos além, irmos em frente. Na vida muitas vezes não conseguimos alcançar todos os nossos objetivos, mas temos obrigação de tentar.

Quem quase beija, não beija... Quem quase sorri, não traz a alma leve e tranqüila!

Aliás, este sentimento de pertença, fala muito pra mim. Pois sou inteira e intensa em tudo que faço. Não consigo ser “quase” e nem ter atitudes que não venham com pertença e inteireza. Não falo de impulsividade, pensar muito antes das decisões, é primordial. Falo da “entrega”, tão importante em nossas vidas, não tenho medo de me entregar nas coisas que acredito.

Portanto arrume tempo para ser feliz. É fundamental que você não só repare nas flores, mas tenha tempo para cheirar e apreciar suas cores… e principalmente, disponha de tempo para oferecê-las a alguém.

Arrume tempo para ter paz. É fundamental que você ouça uma boa música, mas é mais importante ainda, deixar que a música limpe a sua alma…

Arrume tempo para organizar-se. Sonhos parados são como água estagnada, criam bichos e doenças. É fundamental ter tempo para organizar as suas coisas, mas é fundamental ter um tempo para organizar as suas idéias, seus desejos e reciclar os sonhos. Arrume tempo para a família. É fundamental criar filhos, namorar (sempre… em qualquer idade), bater papo com os pais, com os irmãos, com os amigos mais próximos… Mas é muito importante que você não guarde mágoas, por isso, a conversa ainda é a melhor resposta contra as dúvidas, dores e separações.

Arrume tempo para DEUS. É fundamental contar com Deus. Seja qual for a sua crença, seja qual for a sua religião, sem Deus é impossível de ser plenamente feliz. Arrume o tempo para o amor. Ame-se!

Ame muito, pois quem quase amou ainda não amou...

Seja inteiro em suas atitudes, erre por tentar fazer e não pela omissão!

Arrume tempo para ser feliz e tire o QUASE da sua vida!

Uma boa semana para todos!

Com afeto,

Beth Landim

 

Comentar
Compartilhe
A PEQUENA MIÚCHA
18/11/2010 | 22h39

AS FOTOS FALAM POR SI!!!!!

E quantas vezes passamos o dia inteiro a reclamar e nos afligir com nossos problemas?

Desejo que saibamos sempre superar, contornar, resolver, mas acima de tudo aceitar as dificuldades, que para cada um é diferente e se torna única e sempre é mais importante que a dos outros.

Digo aceitar, mas diferentemente de se acomodar e se conformar com os problemas.

A pequena Miúcha, com toda dificuldade de locomoção (não possui os membros inferiores) brinca, estuda, é feliz e acima de tudo, não se entregou! Reparem como ela incorporou as madeiras para se locomover, continuando a ser feliz! E na constante busca, deu um grande passo, conseguindo as pernas mecânicas.

Quando colocamos a “naturalidade” em nossos gestos e em nossa vida, os problemas vão junto e se tornam também naturais, sem o peso excessivo que possuem!

Que a luta seja verdadeira força propulsora para vencermos. Que a aceitação não seja dolorida, não nos penalize e nem martirize nossa vida.

Que a fé em Deus esteja presente em nossas vidas! Cada um reza e conversa com Ele da forma que sabe, pois Ele nos entende sempre, em qualquer linguagem!

Que sejamos inteiros perante a vida como a pequena "grande"  Miúcha, e tenhamos sempre ATITUDE de PERSEVERANÇA em nossas dificuldades!

A felicidade não é um lugar ..... é o caminho.....

Uma boa reflexão para todos nós!

Com afeto,

Beth Landim

Comentar
Compartilhe
SABOREANDO... O MORANGO!
16/11/2010 | 22h53

Um sujeito estava caindo em um barranco e se agarrou às raízes de uma árvore. Em cima do barranco, havia um urso imenso querendo devorá-lo. O urso rosnava, mostrava os dentes, babava de ansiedade pelo prato que tinha à sua frente. Embaixo, prontas para engoli-lo quando caísse, estavam nada mais nada menos do que seis onças tremendamente famintas. Ele erguia a cabeça, olhava para cima e via o urso rosnando. Abaixava depressa a cabeça para não perdê-la na sua boca. Quando o urso dava uma folga, ouvia o urro das onças, próximas de seu pé. As onças embaixo querendo comê-lo, e o urso em cima querendo devorá-lo. Em determinado momento, ele olhou para o lado esquerdo e viu um morango vermelho, lindo, com aquelas escamas douradas refletindo o sol. Num esforço supremo, apoiou seu corpo, sustentado apenas pela mão direita, e, com a esquerda, pegou o morango. Quando pode olhá-lo melhor, ficou inebriado com sua beleza.

Então, levou o morango a boca e se deliciou com o sabor doce e suculento. Foi um prazer supremo comer aquele morango tão gostoso. Talvez você me pergunte: “Mas, e o urso?” Dane-se o urso e coma os morangos! E as onças? Azar das onças, coma os morangos!

Sempre existirão ursos querendo comer nossas cabeças e onças, arrancar nossos pés. Isso faz parte da vida, é importante saber comer os morangos, sempre. A gente não pode deixar de comê-los só porque existem ursos e onças. Você pode argumentar: Eu tenho muitos problemas para resolver. Problemas não impedem ninguém de ser feliz.

Coma o morango, não deixe que ele escape.  Poderá não haver outra oportunidade para experimentar algo tão saboroso. Saboreie os bons momentos. Sempre existirão ursos, onças e morangos. Eles fazem parte da vida. Mas o importante é saber aproveitar o morango, porque o urso e a onça não dão tempo para aproveitar. Coma o morango quando ele aparecer. Não deixe para depois. O melhor momento para ser feliz é agora. O futuro é ilusão que sempre será diferente do que imaginamos. As pessoas vêem o sucesso como uma miragem. Vivem esperando o dia em que alcançarão algo que as deixarão felizes. Elas esquecem que a felicidade é construída todos os dias. A felicidade não é algo que você vai conquistar fora de você. A felicidade é algo que vive dentro de você, de seu coração.

A vida é bela. Acorde a cada manhã e lembre-se de agradecer a Deus pela maravilhosa bênção que é a sua vida. Se surgirem, ao longo do dia, onças e ursos, verá que você é capaz de superar todos os conflitos porque você sabe que merece ser feliz e viver o seu dia com equilíbrio e alegria. Sustente-se na paz interior e procure estar sempre alerta e desperto para as suas tarefas em todos os âmbitos: pessoais, familiares e profissionais.

Tire a culpa do seu dicionário, permita-se viver, ser feliz, AMAR...

Tem coisas que nunca passam... O sentimento pela pessoa amada é assim...

Então, coma o morango, não fique se defendendo da vida, VIVA!

Como diz Fernando Pessoa: “O valor das coisas não está no tempo em que elas duram, mas na intensidade com que acontecem. Por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis.”!

Coma o morango, busque-o no pé, pois ninguém o fará por você, e para falar a verdade, você merece! Nós merecemos!

Com afeto,

Beth Landim

Comentar
Compartilhe
Quem não se lembra daquele piquenique?
12/11/2010 | 23h05

 

Quem nunca fez um piquenique? O piquenique nos remete ao frescor da liberdade que a infância nos traz, pois quantas e quantas vezes nos sentamos embaixo daquela árvore frondosa (a de jambo da fazenda) que fica com o chão cheio de suas flores rosa, com a toalha da mesa florida ou de xadrez, as frutas, os pães de queijo, os bolos, todos feitos no fogão à lenha, as flores, que não podem faltar, e o mais importante, a farra ao redor desta mesa tão simples e tão poderosa que nos traz a alegria da convivência, do desprendimento, do improviso, das gargalhadas, dos gritos e do falatório de cada um querendo contar suas estórias!

Aliás, o fogão à lenha é outro ingrediente interessantíssimo da fazenda! A comida ali cozida vai aos poucos ficando pronta e saborosa. No ponto! Assim como deveriam ser os nossos sentimentos e conquistas. Devagarzinho, aos poucos, nos mistérios que nos fazem suspirar, até chegarem à maturidade sem perder o frescor da juventude.

É clima de festa na floresta, cheiro de frutas, flores, borboletas, gravetos, onda romântica que enche os olhos e dá água na boca!

Sentir o cheiro da brisa, da terra molhada que a chuva acariciou colocar os pés nos chão, nos faz mais simples, mais felizes, menos complicados!!

  É desse descomplicar que precisamos tanto!! As horas do relógio parecem não passar, o tempo é medido com o pôr do sol. E quando ele se aproxima o entardecer com suas cores azuis, vermelhas, laranjas e rosas, se enchem para nos brindar com a tarde noite que vem chegando!

O piquenique é só um pretexto para nos juntarmos! Uns vão a cavalo (adoro cavalgar), outros de charrete, mas todos com o mesmo entusiasmo e sentimento. Conversar, rir, rolar na relva, sentir o aconchego dos amigos, dos filhos, da família, do alvoroço singular que é estar sorrindo para a vida, sem hora, sem tempo, simplesmente descomplicado!

E ao cair da noite, o céu se abre como uma festa, para as estrelas apreciarmos. Cada estrela é única e possui seu brilho e beleza singular!

A lua é outro capítulo a parte e com seus mistérios nos enche de inspiração!

Nada mais apropriado do que acender então a fogueira e se aquecer nos braços e no calor que queima não só a alma, mas todo o corpo.

E aí entra no show do céu a viola e o violão. E as músicas que começamos a cantarolar parece que vão nos enchendo e ecoando nos bosques e arredores, chamando todos os bichos para juntos apreciarmos aquele presente de Deus! E então, nossos pensamentos vão longe, vão fazer morada no ser amado!

Um copo de vinho para brindar a alegria do descomplicar, a felicidade que é colocar os pés no chão, se encharcar com a chuva que cai e então, poder voltar pra casa...

Na chuva, na praia ou na fazenda, seja em qualquer lugar, vale a pena o piquenique!

Uns podem achar que é cafona, mas digo lá, é porque estas pessoas não conhecem a simplicidade da vida ... do descomplicado que traz a alegria dentro de si, do improviso...

Os sons da natureza nos fazem muito bem! Os sons dos pássaros, da água, do vento batendo nas folhas são naturalmente regeneradores!

            Por isso é que a simplicidade e a musicalidade do sertão nos fazem tão bem!

            Sentir o cheiro da terra, o canto dos pássaros, o barulho da água corrente, o vento que acaricia as plantas, enfim, a simplicidade da vida que se forma, tão bela por ser SIMPLES!

            Sinto falta da sinceridade da alma do sertão, da fé daqueles que acreditam na terra, na simplicidade das respostas, em Deus que tudo vê e provê!

É como nos diz a música de Victor e Léo – Deus e eu no sertão: “Nunca vi ninguém, viver tão feliz, como eu no sertão. Perto de uma mata e de um ribeirão. Casa simplesinha, rede para dormir, de noite um show no céu, deito para assistir...”.

Não há solidão, queima lenha no fogão e junto ao som da mata nossos ouvidos começam não só a ouvir os grilos, o grunhir dos sapos e os cantos dos sabiás, mas aprender principalmente a OUVIR!

Ouvir o outro, ver o outro, enxergar a beleza da vida, SIMPLESMENTE DESCOMPLICADA!

E aí termino cantando...

E a vida, e a vida o que é meu irmão? A vida é para ser vivida! É a beleza de um coração!

Então bom piquenique pra você neste feriado!

Com afeto,

Beth Landim

 

Comentar
Compartilhe
Um pingo é letra...
11/11/2010 | 16h43

Como bem diz Rubem Alves: “Sempre vejo anunciados cursos de oratória. Nunca vi anunciado curso de escutatória. Todo mundo quer aprender a falar... Ninguém quer aprender a ouvir. Pensei em oferecer um curso de escutatória, mas acho que ninguém vai se matricular. Escutar é complicado e sutil.

Diz Alberto Caeiro que... não é bastante não ser cego para ver as árvores e as flores. É preciso também não ter filosofia nenhuma. Filosofia é um monte de idéias, dentro da cabeça, sobre como são as coisas. Para se ver, é preciso que a cabeça esteja vazia. Parafraseio o Alberto Caeiro: Não é bastante ter ouvidos para ouvir o que é dito. É preciso também que haja silêncio dentro da alma. Daí a dificuldade...

A gente não agüenta ouvir o que o outro diz sem logo dar um palpite melhor... Sem misturar o que ele diz com aquilo que a gente tem a dizer. Como se aquilo que ele diz não fosse digno de descansada consideração... E precisasse ser complementado por aquilo que a gente tem a dizer, que é muito melhor... ”

Nossa incapacidade de ouvir é a manifestação mais constante e sutil de nossa arrogância e vaidade. No fundo, somos os mais bonitos. Os pianistas, por exemplo, antes de iniciar o concerto, diante do piano, ficam assentados em silêncio... Abrindo vazios de silêncio... Expulsando todas as idéias estranhas. Todos em silêncio, à espera do pensamento essencial. Aí, de repente, alguém fala. Curto. Todos ouvem. Terminada a fala, novo silêncio. Falar logo em seguida seria um grande desrespeito, pois o outro falou os seus pensamentos... Pensamentos que ele julgava essenciais. São-me estranhos. É preciso tempo para entender o que o outro falou.

O longo silêncio quer dizer: Estou ponderando cuidadosamente tudo aquilo que você falou.

E, assim vai a reunião. Não basta o silêncio de fora. É preciso silêncio dentro. Ausência de pensamentos. E aí, quando se faz o silêncio dentro, a gente começa a ouvir coisas que não ouvia. Se eu falar logo a seguir...

São duas as possibilidades.

Primeira: Fiquei em silêncio só por delicadeza. Na verdade, não ouvi o que você falou. Enquanto você falava, eu pensava nas coisas que iria falar quando você terminasse sua (tola) fala. Falo como se você não tivesse falado. Segunda: Ouvi o que você falou. Mas, isso que você falou como novidade eu já pensei há muito tempo. É coisa velha para mim. Tanto que nem preciso pensar sobre o que você falou. Em ambos os casos, estou chamando o outro de tolo. O que é pior que uma bofetada.

Para mim, Deus é isto: A beleza que se ouve no silêncio. Daí a importância de saber ouvir os outros: A beleza mora lá também.

Comunhão é quando a beleza do outro e a beleza da gente se juntam num contraponto. (Rubem Alves) Eu comecei a ouvir. Fernando Pessoa conhecia a experiência... E, se referia a algo que se ouve nos interstícios das palavras... No lugar onde não há palavras. A música acontece no silêncio. A alma é uma catedral submersa.

No fundo do mar - quem faz mergulho sabe - a boca fica fechada. Somos todos olhos e ouvidos. Aí, livres dos ruídos do falatório e dos saberes da filosofia, ouvimos a melodia que não havia... Que de tão linda nos faz chorar...

E assim é a vida! Muitas vezes o silencio da perda, da decepção, da gratidão não reconhecida fala mais alto do que qualquer grito! Como também muitas vezes, a emoção e o silencio do desafio alcançado, da vitória conquistada, quando mais não era esperada, esclarece a todos sem nenhuma fala!

Assim é a vida, para quem sabe ler um pingo é letra! E para quem sabe ler, ver e ouvir, um pingo é mais que letra, é a expressão da vontade da alma, dos desejos individuais e coletivos, é a conspiração do universo!

Se a gente cresce com os golpes duros da vida, também pode crescer com os toques suaves na alma... Nada faz sentido neste mundo se não tocamos o coração de uma pessoa. Tenha um lindo dia, com pequenas e constantes alegrias.

Com afeto,

Beth Landim

Comentar
Compartilhe
Amor ou Paixão?
08/11/2010 | 16h36

Todo mundo já se apaixonou um dia. Já sentiu uma felicidade súbita, já contemplou, com mais atenção, o canto dos pássaros. Já viu uma cor no pôr do sol, já pode decifrar, na lua, mais que suas fases, já contou estrelas e viu escrito nelas o nome do seu amor. Mais isso será amor ou paixão? Qual a diferença?

A paixão prescinde o amor. É aquele sentimento arrebatador que tira o ar na menor fagulha de pensamento em direção ao ser amado. O amor vem depois. Como fogo da vida que te consome e te faz viver.

O amor é algo calmo, sereno e, ao mesmo tempo, forte. Rio que queima e aquece a alma. Onde quer que vá, o amor está ali ao teu lado, independente da distância, existe entre você e ele a certeza do amor, a cumplicidade das almas.

A paixão é essencial em todo relacionamento amoroso, homem-mulher. Sem ela, o amor chega a outro estágio: amizade. A paixão faz renascer o amor todos os dias. Já o amor é necessário à vida da paixão. Sem ele, a paixão se perde, se torna sexo, eventualidade, aventura... mostra toda sua fragilidade e se torna fugaz.

Amor e Paixão são amigos inseparáveis que dão razão um ao outro. É o tempero dos relacionamentos que enfrentam a distância, a falta do outro, do carinho, dos olhos nos olhos, do sentir o cheiro, de ver o sorriso. Ninguém é capaz de determinar se vai amar ou se vai apenas se apaixonar, nem muito menos é capaz de decidir se a paixão vai ficar ou receberá a doce visita do amor.

O certo é que os sinais virão, você sentirá. Como diz Arnaldo Jabor em uma de suas crônicas, “O amor não é chegado a fazer contas, não obedece à razão. O verdadeiro amor acontece por empatia, por magnetismo, por conjunção estrelar.

Ninguém ama outra pessoa porque ela é educada, veste-se bem e é fã do Caetano. Isso são só referenciais. Ama-se pelo cheiro, pelo mistério, pela paz que o outro lhe dá, ou pelo tormento gostoso insuperável que provoca.”

Ama-se pelo tom de voz, pela maneira que os olhos brilham, pela fragilidade que se revela quando menos se espera.

Quando amamos, as dores de um são sentidas no outro, que faria de tudo para não ver seu amor triste, impotente! O amor nos permite viver num estado de felicidade, de alegria. As cores ficam mais vivas, o perfume se exala nos pensamentos. Queremos estar perto, abraçar, beijar, conhecer, conversar... enfim, amar! Sentir a felicidade do outro a se misturar na sua!

Muitas vezes, não precisamos de palavras, um abraço, um carinho no rosto, um aperto de mãos, falam por si só.

Há o amor doentio quando a paixão lidera, quando a baixa estima impera, o coração se torna um mero coadjuvante das patologias psicológicas. Mas isso não é amor. É apenas um apelido que deram para essa possessividade.

Quem ama tem um coração limpo. Quer o bem do próximo, o vê em sua plenitude, independente dos defeitos que cada um de nós possui.

Porem, nunca podemos nos colocar emocionalmente inferior ao ser amado.

Para amar o outro, precisamos primeiro nos conhecer e nos amar. Termos atitudes, valores e, sobretudo, não ter medo de correr riscos.

Quando sabemos o que queremos, podemos até esperar um bom tempo, mas, o “tempo bom” chegará, pois o universo conspira a favor do amor!

O amor de verdade existe e, se você ainda não sentiu, vai sentir. E, quando sentir, vai perceber a diferença entre o amor e a paixão. A paixão é um estado de espírito, o amor muda nossas vidas e nunca nos deixa só.

A paixão é o alimento do amor. O amor, alimento da alma!

Com afeto,

Beth Landim

Comentar
Compartilhe
TRAVESSIA ...
06/11/2010 | 18h28

Um dia todo mundo tem que atravessar seus desertos. Momentos onde a solidão se faz tão presente que parece ter um corpo. A dor faz o tempo ficar lento, demorado, e tudo parece parar. É neste momento que o ser humano descobre o que são fardos, os fortes encontram a escada que os fará subir, os fracos se perdem em lamentações, saem buscando os culpados…

Aí está a diferença entre passar pelo deserto e o permanecer nele. Os que resistem, os que persistem, racionam a água, caminham um pouco mais, dão um passo além das forças. Os que desanimam, bebem toda a água do cantil, esperam pelo milagre que não virá, pois todo milagre é fruto de uma ação positiva, de fé. Se hoje você está atravessando o seu deserto, seja ele o mais seco do mundo, não importa, em algum canto dele, você encontrará um oásis.

Na nossa vida, oásis são os amigos que não nos abandonam, são aquelas pessoas desconhecidas que se preocupam com o próximo, é a fé que todos nós temos e renova a esperança. Mantenha a racionalidade e uma certeza: você vai atravessá-lo! Não desista de nada, não desista de você! A poeira vai abaixar, a tempestade vai passar, e depois de tudo, o sol vai brilhar por você. A esperança é essa brisa que sopra seus cabelos, e a força que nos empurra para a vitória, é o amor de Deus que nunca nos abandona. Procure por Ele. Converse com Ele. Mesmo que você às vezes não O escute, Ele te escuta sempre!

Lembre-se: cultive o silêncio, pois muitas vezes o silêncio é o som mais doce para o momento que atravessamos.

O silêncio mantém os segredos, portanto, o som mais precioso é o som do silêncio. É como se fosse uma canção da alma. Alguns escutam o silêncio na oração, outros cantam a oração.

Ouvir nosso coração é o primeiro passo para o equilíbrio. Não podemos reprimir nossos sentimentos todo o tempo, temos que começar por entendê-los.

Mas às vezes, o equilíbrio precisa de um empurrão, ou de um desequilíbrio para acordarmos e ver  o quanto somos felizes, e que se não temos tudo, temos muito!

Saber ouvir a canção da alma nos fortalece para encarar as adversidades como também as alegrias.

Diz um ditado que nunca devemos tomar uma decisão quando sofremos uma grande decepção ou uma grande alegria, pois tanto a euforia quanto a tristeza nos tiram de nosso equilíbrio. Por isso, para atravessarmos o deserto precisamos tanto de EQUILÍBRIO.

Conta-nos a lenda que a águia empurra gentilmente seus filhotes para a beirada do ninho. Seu coração maternal se acelera com as emoções conflitantes, ao mesmo tempo em que ela sente a resistência dos filhotes aos seus persistentes cutucões: “Por que a emoção de voar tem que começar com o medo de cair?”, ela pensou. Esta questão secular ainda não estava respondida para ela.... Como manda a tradição da espécie, o ninho estava localizado bem no alto de um pico rochoso, nas fendas protetoras de um dos lados da rocha. Abaixo dele, somente o abismo e o ar para sustentar as asas dos filhotes. “E se justamente agora isto não funcionar?”, ela pensou. Apesar do medo, a águia sabia que aquele era o momento. Sua missão maternal estava prestes a se completar. Restava ainda uma tarefa final.... o empurrão. A águia tomou-se da coragem que vinha de sua sabedoria interior. Enquanto os filhotes não descobrirem suas asas, não haverá propósito para sua vida. Enquanto eles não aprenderem a voar, não compreenderão o privilégio que é nascer uma águia. O empurrão era o maior presente que ela podia oferecer-lhes. Era seu supremo ato de amor. E então, um a um, ela os precipitou para o abismo... e eles voaram!

Às vezes, na nossa vida, as circunstâncias fazem o papel da águia. São elas que nos empurram para o abismo. E, quem sabe, não são elas, as próprias circunstâncias, que nos fazem descobrir que temos asas para voar.

Pense sobre isto, atravesse seus desertos,pois TUDO PASSA! Só os sentimentos sinceros ficam!

Neste momento de recomeçar temos que nos munir de toda a bagagem que já temos dentro de nós e sermos capazes de sentir que nada nesta vida é em vão.

As nossas dores, as nossas lutas, as nossas alegrias, as nossas esperanças, os nossos sentimentos, os dons que recebemos ao começar esta jornada... toda a nossa essência divina que Ele nos confiou,

desabotoa em nós em forma de muita luz e sustentação, suavizando o nosso fardo e nos tornando fortes e capacitados para todas as batalhas do caminho.

Não somos seres humanos passando por uma experiência divina, somos seres divinos passando por uma experiência humana.

É como nos diz Fernando Sabino: De tudo ficaram três coisas... A certeza de que estamos começando... A certeza de que é preciso continuar... A certeza de que podemos ser interrompidos antes de terminar... Façamos da interrupção um caminho novo... Da queda, um passo de dança... Do medo, uma escada... Do sonho, uma ponte... Da procura, um encontro!

Então ..... voe!!

Com afeto,

Beth Landim

Comentar
Compartilhe
O DOCE ... CAYMMI
05/11/2010 | 13h01

Falo do Danilo, que iluminou  o evento do Grupo Folha da Manhã - O troféu Folha Seca.

Este troféu  resgata sempre a nossa memória a história de campistas que deixaram à cidade e fazem sucesso lá fora, não só escrevendo sua história, mas também contribuindo no mundo com um pedaço de nossa planície. Este ano o troféu Folha Seca foi para o pesquisador e artista plástico Paiva Brasil, nascido em Donana. Parabéns a Diva e Aluysio, Christiano e Aluysio Barbosa, por esse resgate de nossa memória e pela presença do artista espetacular que é Danilo Caymmi.

Mas voltando a Danilo, o doce  Caymmi,  nos levou a sonhos encantadores, viajamos em suas músicas e fomos a lugares indescritíveis!

Seu molejo brasileiro, faz com que a música dance em seu corpo, enquanto seus gestos e seu sorriso também cantam e encantam! Seu corpo fala a voz do coração! E já que você está aqui, cantarole um pouquinho, pois cantar faz bem a alma e quem canta seus males espanta!

Pois quantas vezes cololcamos nossa jangada no mar, e perfumamos a vida com alecrim.....

Minha jangada vai sair pro mar

Vou trabalhar, meu bem querer

Se Deus quiser quando eu voltar do mar

Um peixe bom eu vou trazer

Meus companheiros também vão voltar

E a Deus do céu vamos agradecer.....

Pois a saudade é o amor que fica, que distância nem tempo são capazes de apagar este sentimento tão forte e vasto.

Vagando em verso eu vim, vestido de cetim, na mão direita rosas, vou levar...

Olha a lua mansa..... Me leva amor.....

E então, nosso caminhar jamais termina, pois todo dia é dia de recomeçar,

redobrar os sentimentos,

renovar a vida,

REJUVENESCER,

redescobrir a criança que temos dentro de nós.

E jamais termina o meu cantar.....

Me leva amor.....

Só o amor me ensina onde vou chegar.

Por onde for quero ser seu par!

E então...

Desesperadamente, eu sei que vou te amar

Por toda a minha vida, eu vou te amar

A cada despedida, a cada verso meu será pra te dizer...

Que eu sei que vou te amar

Por toda a minha vida....

E no passo da estrada...

Meu caminhar...

Só o amor me ensina onde vou chegar!

É muito bom a gente aprender a ser inteiro!

Com afeto,

Beth Landim

Comentar
Compartilhe
A FORÇA DE UMA MULHER
03/11/2010 | 12h33
Estive no mês de outubro em Londres, e me impressionou a força da princesa Diana (Princesa de Gales), que marcou o mundo com sua vida solidária, autêntica e pacificadora.  Visitei o memorial construído em sua homenagem no Hyde Park que recebe um milhão de visitantes por ano. A arquitetura interessante me chamou a atenção, por retratar o ciclo da vida de Diana. Construído em círculo, que simboliza o infinito, as águas retratam momentos de turbulência, tranqüilidade, superação, trabalho e deságuam em uma tranqüila piscina ao fundo, que reflete sua maternidade. Cachoeiras, redemoinhos, bolhas, águas que brotam da terra (nascentes), enfim, variadas formas de fluir das águas  simbolizam os sentimentos da princesa. Fazendo uma analogia do movimento da água com a vida, percebemos uma enorme sintonia existente. Assim como as ondas do mar, que vão e vem, ou as ondas mais fortes, que temos que mergulhar fundo para não levarmos um caixote, ou como nas tempestades ou correntezas  que temos que nos manter flutuando para sobrevivermos  ou nos deixar levar pelas correntezas dos rios, para depois sairmos e pegarmos outras águas ...... ou quando nos maravilhamos no mergulho ao fundo do mar com sua infinidade de cores e especificidades de plantas e animais, assim também é a nossa vida! Quando levamos um caldo ou engolimos "muita água", temos que ter a tranqüilidade para voltar a superfície...  Mas a água também nos fala de renovação. Ela se renova a todo tempo e assim deve ser cada dia de nossas vidas! Devemos viver e não apenas existir! Assim como as águas, se cairmos vinte vezes devemos levantar vinte e uma vezes, pois já diz um provérbio chinês: Lamentar o passado é correr atrás do vento. Este monumento retrata muito bem a vida de Diana, que submergiu aos revezes da vida e fez de sua estória uma fonte constante de renovação, energia e cachoeiras em prol das lutas sociais e do amor. Chamou-me atenção, não só a proposta arquitetônica futurista do monumento, mas também o local que ele está no Hyde Park, cultuado por todos os ingleses pela valorização da natureza, da mata, do verde, do meio ambiente. O Hyde Park, assim como os outros, são uma constante em Londres, e simbolizam o pulmão daquela singular cidade. Diana entre tantas qualidades utilizou sua fama em prol da criança, do desarmamento de bombas, da luta pela paz. Não se deixou aprisionar pelos muros dos castelos e palácios e teve sensibilidade para lutar pelas causas sociais. Mulher forte, que enfrentou não só a depressão, mas os escândalos que passaram por sua vida. Da mesma forma que lutava pela vida humana, teve a altivez de deixar seu matrimônio, a realeza, as superficialidades e posteriormente assumir o verdadeiro amor com Dodi al Fayed. Morreram juntos.

Com afeto,

Beth Landim

Comentar
Compartilhe
Sobre o autor

Elizabeth Landim

[email protected]