Desmascarada a trama do falso diálogo de Rafael Diniz, divulgado por Garotinho
23/06/2017 | 18h03
Ex-funcionária do CCZ, militante de Caio e , agora, militante de Garotinho, Josy Alves teria sido responsável pela farsa
Ex-funcionária do CCZ, militante de Caio e , agora, militante de Garotinho, Josy Alves teria sido responsável pela farsa / Arte/Somos
Bastou uma bem feita pesquisa em postagens do Facebook para que fosse desmascarada toda a farsa do falso diálogo de Rafael Diniz, divulgado pelo ex-co-prefeito de Campos Garotinho, em seu blog e nas redes sociais, sob o título “A conversa constrangedora de Rafael e seus amigos”, um longo e muito mal construído texto, onde se faz graves acusações contra diversas pessoas. Garotinho chegou a afirmar que havia destruído provas (gravação), inexistentes: “Além disso, empenhei minha palavra que a prova seria destruída imediatamente, como foi, e o nome da pessoa preservado, como a lei me garante do “sigilo da fonte”.

A dor da derrota

Ainda amargando a fragorosa derrota para Rafael Diniz nas últimas eleições, que ejetou a sua facção do poder em Campos, o ex-co-prefeito Garotinho não tem medido as consequências dos seus atos no afã de prejudicar o novo governo de Campos, a todo momento inventa uma denúncia. A mais grave foi a divulgação de um imaginário diálogo envolvendo o prefeito Rafael Diniz e amigos, atingindo empresários e autoridades judiciais.

Josy Vaz, ex-funcionária do CCZ montou a farsa, não viu, nem ouviu, só inventou…

Agora, descobre-se que tudo teria sido montado pela ex-funcionária terceirizada do CCZ de Campos, Josy Vaz, uma militante do ex-candidato a prefeito Caio Viana, atualmente aliado de Garotinho, já notória por fazer denúncias fantasiosas nas redes sociais, que postou em seu Facebook a rocambolesca farsa, compartilhando com Garotinho, que viu e gostou da “novelinha”, assumindo a “descoberta” e, com colaborações dos seus áulicos advogado e jornalista, promoveu várias alterações no texto para adaptá-lo ainda mais aos seus escusos interesses.
Tentando isentar a sua verdadeira “fonte”, Josy Vaz, de eventuais responsabilizações, o ex-co-prefeito inventou uma gravação que não existiu para um diálogo que não ouve.
Seria perfeito se não houvesse tantos rastros. Mas todo o esquema pode ser facilmente comprovado com as imagens que publicamos abaixo, que desmentem Garotinho passo a passo, ratificam que ele é um “covarde e mentiroso”, como afirmou com todas as letras o prefeito Rafael Diniz.
Compartilhe
Garotinho diz ter destruído provas das acusações que fez e será processado por Rafael Diniz
19/06/2017 | 09h30
/ Arte / Somos Online
Nessa segunda-feira, Garotinho deverá colher vários novos processos judiciais, como resultado da publicação do texto “A conversa constrangedora de Rafael e seus amigos”, postado em seu blog e nas redes sociais, onde faz graves acusações contra diversas pessoas.
Farsa em Lapa menor...
Essa última façanha de Garotinho, construída para “viralizar” nas redes sociais, não obteve os resultados esperados. A farsa apenas espocou tênue como fogo fátuo após ser incensada no imaginário do contumaz canastrão nessa tão discutível, quanto deslavada, arte da mentira e enganação... Seus maiores resultados ficaram reservados para o judiciário.
Vingança contra a opinião pública
Sem os necessários pudores e cuidados, que nunca teve, Garotinho, ao publicar em seu blog essa suposta conversa, repleta de acusações, deixou vislumbrar um forte sentimento de vingança a qualquer preço.
Não se pode afirmar que foi unicamente pela frustração da derrota eleitoral do seu grupo político, simplesmente pela inveja do poder, ou apenas por algum tipo de vingança contra a opinião pública que repudiou veementemente o seu modus operandis com a revelação do alto salário do filho Wladimir na Alerj, enquanto seguia as suas diretrizes fabricando fracassadas manifestações políticas em Campos, em plena segunda-feira. Mas, também, não se pode afirmar ao contrário...
Denunciado pela arrogância e vaidade
O certo é que Garotinho publicou, em seu blog, um longo, e muito mal construído, texto contra o prefeito Rafael Diniz, seu desafeto apenas por tê-lo vencido de roldão nas últimas eleições, onde, irresponsavelmente, reproduz uma suposta e novelesca “conversa do prefeito com um grupo de amigos” que, para qualquer leitor mais atento, tem exposta a sua participação pela arrogância e vaidade do texto onde gaba-se de ter colocado na cadeia o ex-governador Cabral, na realidade preso pela Lava Jato, e ataca o prefeito, assessores, empresários e representantes da mídia.
Primário?
Ouvidos pelo Somos Online, vários dos citados, envolvidos e acusados, afirmaram que nessa segunda-feira irão procurar a justiça para responsabilizar o marido e ex-secretário de Rosinha, que deverá ficar em uma situação judicial ainda mais complicada do que já se encontra, pois já teria perdido a primariedade por conta de outras condenações.
Autores conhecidos
O texto, considerado uma obra de ficção muito mal construída, está sendo creditado por atentos observadores a advogado e jornalista ligados ao grupo que foi ejetado do poder em Campos.
Contradições
Contraditoriamente, a “historinha” contém 461 palavras, como se alguém que ouvisse uma conversa de tantas pessoas pudesse lembrar-se ao pé da letra de tanto texto.
Ou, na hipótese de uma gravação, agora aventada por Garotinho diante dessa contradição para tentar dar credibilidade a sua ilação, descrever sentimentos e estados de espírito através de um áudio que ele diz já ter destruído.
Isso apenas revela mais uma forte contradição ao seu estilo de atacar todos os seus adversários com tudo que tem e até, vê-se agora, com o que não tem...
Quem o conhece sabe que se tal gravação existisse, e fosse verídica, ele já a teria divulgado. E vindo dele, ela teria que ser obrigatoriamente periciada.
Risco calculado
O que ficou parecendo, é que, na avaliação de Garotinho, o ataque ao prefeito Rafael Diniz e seus amigos valeu o risco dos processos. E ele se dispõe a pagar o preço judicial.
“Autor fantasma”
Na postagem Garotinho afirma: “recebi de um jovem muito humilde a gravação que ele fez no seu telefone de uma conversa onde participaram o prefeito de Campos Rafael Diniz e alguns amigos e assessores. As horas de gravação que eu ouvi são assustadoras, comprometedoras e revelam situações constrangedoras para os citados nas conversas regadas a muita bebida”.
Garotinho diz que destruiu a prova - LEIA MAIS AQUI
Compartilhe
Garotinho tem medo de quê?
03/06/2017 | 15h05
A explicação para os ferozes ataques de Garotinho e do seu milionário advogado Fernando Fernandes contra o juiz Glaucenir Oliveira da 100ª ZE é simples: medo.
 
Colecionando seguidas derrotas e sabendo que o Dr. Glaucenir Oliveira é conhecido pelo peso e rigor da sua caneta, segundo se comenta nos corredores do Fórum ele é muito temido pelo réu e seu advogado, que estão fazendo de tudo para impedi-lo de atuar no processo e para que não realize as audiências programadas, utilizando expedientes considerados procrastinatórios nos meios judiciais.
Compartilhe
Advogado de Garotinho pede arrego a OAB e representante o acompanhará em audiências
25/05/2017 | 17h37
Uma perspectiva precária
Uma perspectiva precária
Seguindo os passos do chefe, Fernando Fernandes, o milionário advogado de Garotinho, tenta reverter as suas sucessivas derrotas apelando para denúncias de intimidação das autoridades do caso Chequinho, onde seu cliente e seus liderados são acusados de compra de votos com Cheques Cidadão pagos com dinheiro público.
Mas Fernandes não fica para trás em suas graves declarações e, a exemplo de Garotinho, acusa autoridades de tortura, mesmo diante dos vídeos em que as testemunhas tranquilamente, mas com firmeza, acusam frontalmente seus clientes.
Denúncias de intimidação
A seccional fluminense da Ordem dos Advogados do Brasil atendeu pedido do criminalista Fernando Fernandes para enviar um delegado da entidade às audiências do advogado em Campos dos Goytacazes (RJ), para garantir que sejam respeitadas as prerrogativas do advogado. Fernandes denunciou abusos de autoridade de membros do Ministério Público local.
Compartilhe
Thiago Godoy, vereador em Campos ou Secretário Parlamentar em Brasília?
24/05/2017 | 20h26
A deputada Clarissa Garotinho (PRB) deixou a Câmara Federal para assumir uma secretaria no Governo Crivella, vagando a sua cadeira para o deputado Dejorge Patrício (PRB).
Candidato a prefeito derrotado nas eleições do ano passado à Prefeitura de São Gonçalo, o ex-vereador Dejorge Patrício (PRB) assumiu, em janeiro, o mandato de Deputado Federal, em Brasília, pois ele é o suplente da Deputada Federal Clarissa Garotinho, do mesmo partido, que assumiu a secretaria de Trabalho na Prefeitura do Rio de Janeiro, após convite do Prefeito eleito da capital, Marcelo Crivela, deixando a vaga para Dejorge até 2018.
Clarissa e Dejorge
Clarissa e Dejorge
Troca de favores
Mas a deputada Clarissa Garotinho parece ter recebido uma generosa contrapartida, já que foram nomeados como Secretários Parlamentares no gabinete do deputado Dejorge vários componentes do grupo do seu pai Garotinho.
Três deles são da linha de frente: Cristiane de Almeida Silva, da equipe de Garotinho no programa na Super Rádio Tupi, Raquel Acherman Abitan, umas das advogadas de Rosinha e Garotinho, e Thiago Godoy (PR), advogado de Garotinho e Rosinha, que poderá assumir a vaga de vereador de Magal.
Compartilhe
Bancada do Chequinho pode entrar por uma porta e sair pela outra
17/05/2017 | 17h53
Gastando foguete à toa...
O juiz natural de Campos Dr. Ralph Manhães, aplicou o que o juiz Sérgio Moro vem praticando. Ou seja, várias prisões e restrições sem julgamento de mérito. No caso de Campos, ele também não diplomou sem julgamento de mérito, impedindo assim a posse dos seis. De forma muito inteligente não proferiu sentença desses seis, pois sabia que poderia cair, como caiu, no TSE. Agora ele decide o mérito e afasta novamente.
Pois afastamento cautelar preventivo e afastamento por crime eleitoral com julgamento são duas coisas distintas. Ou seja, a “Bancada do Chequinho” pode entrar por uma porta da Câmara e sair pela outra.
Só para exemplificar, vai acontecer com eles o mesmo que aconteceu com Thiago Ferrugem, Roberto Pinto, Magal e Vinícius Madureira, que foram diplomados, tomaram posse e foram afastados. A conferir.
Compartilhe
Chequinho 6 X 0 Campos. Que vergonha!
17/05/2017 | 11h52
A semente plantada pela ex-ministra Luciana Lóssio, a fada madrinha de Garotinho, em sua última sessão no TSE, foi irrigada pelo novo ministro Tarcisio Vieira
A semente plantada pela ex-ministra Luciana Lóssio, a fada madrinha de Garotinho, em sua última sessão no TSE, foi irrigada pelo novo ministro Tarcisio Vieira
A semente plantada pela ex-ministra Luciana Lóssio, a fada madrinha de Garotinho, em sua última sessão no TSE, agora irrigada pelo novo ministro Tarcisio Vieira, ex-advogado de Rosinha, germinou entre os outros ministros, que concederam por unanimidade o habeas corpus para a diplomação dos vereadores Jorge Rangel (PTB), Kellinho (PR), Linda Mara (PTC), Miguelito (PSL), Ozeias (PSDB) e Thiago Virgílio (PTC), e também liberaram Garotinho para falar sobre o que quiser.
Bancada do Chequinho
Assim acaba de ser criada, na Câmara Municipal de Campos, a futura “Bancada do Chequinho”, composta por vereadores que já foram presos (exceto Jorge Rangel) e condenados na escandalosa compra de votos com Cheques Cidadão, pagos com dinheiro público, desbaratada pela Operação Chequinho da Polícia Federal.
Leia mais no site SOMOS ONLINE AQUI
Compartilhe
Anulada estranha concessão de Rosinha do estacionamento sob a Ponte
16/05/2017 | 12h13
Área das mais valorizadas no centro de Campos havia sido concedida para exploração empresa ainda não regularmente constituída, entre outras irregularidades
Área das mais valorizadas no centro de Campos havia sido concedida para exploração empresa ainda não regularmente constituída, entre outras irregularidades / anônimo
Sabe aquele grande estacionamento sob a ponte Leonel Brizola (Rosinha), obra do “Minha Cidade Meu Amor”? Pois é, agora deixou de ser parte do “minha cidade” e vai voltar a ser parte da nossa cidade.
O decreto do prefeito Rafael Diniz nº 94/2017, publicado hoje no Diário Oficial do Município, acaba de anular o ato de concessão do espaço denominado “Estacionamento da Ponte” à empresa JR Estacionamento e Serviços LTDA.
Leia mais no site SOMOS ONLINE AQUI
Compartilhe
Jonas Lopes de volta ao Brasil e uma nova operação da PF baseada em sua delação
16/05/2017 | 02h06
Corrupção de pai para filho: Jonas Lopes Filho e Jonas Lopes Neto delatam 70 prefeituras
Corrupção de pai para filho: Jonas Lopes Filho e Jonas Lopes Neto delatam 70 prefeituras / anônimo
Estão de volta ao país os delatores da Lava Jato ex-presidente do TCE Jonas Lopes de Carvalho Filho e o advogado de Garotinho Jonas Lopes de Carvalho Neto.
Pai e filho desembarcaram com a família em dias diferentes do final de semana.
Depois de trazer à luz do dia um gigantesco esquema de corrupção, delatando colegas conselheiros do TCE, que chegaram a ser presos, mas numa delação considerada seletiva, os Jonas foram premiados com 40 dias de férias no exterior.
Apesar do mistério, vazou que os dois estavam muito bem instalados em uma luxuosa mansão em Lisboa, com direito até a academia de ginástica, entre outras mordomias.
Leia matéria completa no site SOMOS ONLINE AQUI
Compartilhe
Manifestação na prefeitura por ilegalidade herdada de Rosinha
03/05/2017 | 14h03
Figuras notoriamente ligadas ao casal Rosinha e Garotinho incitaram os manifestantes
Figuras notoriamente ligadas ao casal Rosinha e Garotinho incitaram os manifestantes
Promessa ilegal da gestão Rosinha
Em nota, a Prefeitura de Campos informou que na gestão passada (de Rosinha) foi encaminhado um projeto de lei à Câmara Municipal de Vereadores, que foi posteriormente aprovada, equiparando os cargos de Auxiliares de Guarda ao cargo de Guarda Civil Municipal, que entraria em vigor a partir de 2017.
Concursos com níveis diferentes de escolaridade
A Prefeitura de Campos entendeu que a lei é inconstitucional, uma vez que viola o Artigo 37, inciso II da Constituição, igualando dois cargos distintos cuja escolaridade exigida em edital foi distinta. Os auxiliares foram admitidos em concurso com exigência de nível Fundamental de escolaridade, ao contrário dos Guardas Municipais aprovados em concurso com exigência de nível de escolaridade de Ensino Médio, além de ter atribuições também diferenciadas.
A Prefeitura informou ainda que o diálogo com todas as categorias segue de forma permanente.
Motivo
Para quem ainda não entendeu o motivo da manifestação de ontem Prefeitura Municipal de Campos, o que houve foi uma reação exacerbada dos auxiliares de vigilância à notícia de que eles não serão transformados em guardas civis municipais. Uma falsa expectativa gerada pela gestão Rosinha ferindo um artigo da Constituição.
Gol contra para os auxiliares da Guarda
E cabe aos funcionários públicos envolvidos na manifestação utilizarem o bom senso para não serem manipulados como massa de manobra pelos derrotados nas últimas eleições...
Compartilhe
Categorias