Pausa até 6 de março
24/02/2017 | 18h41
Leitores deste blog perceberam que em fevereiro o número de postagens foi menor que a média de outros meses. O motivo: as férias do blogueiro, desde o início deste mês. Agora, que a folia já começou, e São João da Barra oferece a melhor festa do interior do Rio, este blog ficará sem atualização até o dia que retorno à redação da Folha da Manhã, 6 de março.
Para quem gosta de Carnaval, e sabe se divertir em clima de paz, a programação é extensa em SJB, com blocos em Atafona, Grussaí, Barcelos e Açu, além da tradicional avenida do samba na sede. Para quem não curte a folia, o período é proveitoso para o descanso.
Aos leitores, se Deus quiser, até o retorno em 6 de março!
Comentar
Compartilhe
Prefeitura de SJB pagará salário de fevereiro no dia 7 de março
23/02/2017 | 12h40
A Prefeitura de São João da Barra já tem data definida para quitar o pagamento referente ao mês de fevereiro de todos os servidores (efetivos, comissionados e contratados): 7 de março. O secretário de Administração do município, José Antônio Fonseca, confirmou nesta quinta-feira (23), por telefone, que os proventos serão quitados no quinto dia útil do mês subsequente ao trabalhado. Entre os servidores havia a expectativa da liberação do salário até esta sexta-feira (24), quando tem início o carnaval sanjoanense — o maior do interior do Estado do Rio de Janeiro.
No dia 15 de fevereiro a Prefeitura quitou com os efetivos o pagamento pendente da gestão anterior referente ao mês de dezembro do ano passado. Em janeiro, no dia 13, pagou a segunda parcela do 13º salário dos efetivos, também pendente da administração Neco (PMDB). No fim de janeiro foi depositado o salário dos servidores referente ao mês trabalhado — comissionados receberam na semana seguinte. Comissionados e contratados da gestão passada ainda não receberam os valores de dezembro e a segunda parcela do 13º.
Em tempo — No programa Balanço Geral, da TV Record, a prefeita Carla Machado (PP) também falou sobre o pagamento dos servidores, com depósito previsto para 7 de março.
Comentar
Compartilhe
Porto do Açu e Sebrae com capacitação para empresas locais
23/02/2017 | 12h36
O Porto do Açu, em parceria com o Sebrae/RJ, vai abrir uma nova turma do Programa de Desenvolvimento de Fornecedores Locais (PDFL), voltado para empresários da região. O objetivo do PDFL é maximizar os benefícios oriundos da instalação do Complexo Portuário para fornecedores, em potencial residentes nos municípios do entorno do empreendimento, com destaque para São João da Barra e Campos dos Goytacazes. A nova turma será aberta em março e deverá capacitar 12 empresários. Desde que o projeto foi criado, em 2011, cerca de 800 empresas locais foram qualificadas. Uma delas é a Do Couto & Caetano, que começou a participar do PDFL em março do ano passado e já conseguiu prestar serviços para 5 clientes do Complexo Portuário do Açu.
A companhia, que trabalha com a instalação e manutenção de subestações, geradores e serviços elétricos em geral, realizou seu primeiro trabalho em setembro, atuando na manutenção preventiva de geradores. Hoje, a Do Couto & Caetano tem feito a manutenção dos aparelhos de ar condicionado da Naviship (empresa do grupo Edison Chouest - ECO) e acompanhado também os geradores de energia da NOV, para garantir que não haja quedas no fornecimento, o que acabaria prejudicando a produção. Além disso, a companhia realizou mais dois serviços para outra empresa da ECO, a BPort. Ela foi a responsável pelo isolamento térmico da casa de bombas de incêndio e de embarcações que atracaram na base de apoio offshore.
De acordo com a Prumo, ao longo de 2016, cerca de 200 empresas locais foram contratadas para prestar algum tipo de serviço dentro do Complexo Portuário do Açu. Os interessados em se capacitar com o PDFL devem se cadastrar no Sebrae/RJ, pelo telefone (22) 2723-2429.
Fonte: Assessoria
Comentar
Compartilhe
SJB: folia, tradição e subvenções em debate
22/02/2017 | 15h26
Tradição. Sim, o carnaval de São João da Barra tem identidade. A folia reúne milhares de sanjoanenses e visitantes, aquece a economia local. E tão tradicional como o carnaval e a rivalidade entre Congos e Chinês são as opiniões divergentes com relação à condução da festa por parte da Prefeitura. Por anos o debate girou em torno da “baianalização” da festa, com a invasão dos chamados blocos de abádas. Muitos desses só entravam na avenida porque a municipalidade cedia espaço para concentração e ainda custeava trio elétrico com atração musical. Isso foi reduzido e, certamente, terá que acabar. Alguns blocos se sustentam, outros estão fadados ao fim. Neste ano a discussão é outra: poderia a Prefeitura, com decreto de emergência econômica, conceder subvenções as tradicionais escolas de samba que, somadas, chegam a R$ 468 mil? O debate é amplo.
Muitos lembram as declarações recentes da prefeita Carla Machado (PP) informando sobre a impossibilidade de retorno de programas por falta de recursos. Esses sustentam que as próprias escolas de samba deveriam promover eventos para botar “o bloco na rua” com seus recursos, sem incentivo da municipalidade que, não é novidade nenhuma, precisa readequar suas prioridades de gastos.
Por outro lado, existem os que defendem a necessidade de incentivar as atividades culturais, salientando que o valor pago às agremiações é irrizório, mediante ao retorno que o carnaval traz para a economia sanjoanense. Observam, ainda, que a Prefeitura neste ano inovou com a parceria público privada para realização do evento, o que diminui os gastos com relação aos anos anteriores, quando toda a festa era paga com dinheiiro do poder público municipal.
A favor ou contra, não há mais o que fazer. A Câmara já aprovou a lei, que foi sancionada pela prefeita, e as duas escolas receberão a subvenção. Seria de grande valia se os parlamentares ficassem atentos ao objeto desse convênio. A beleza e a tradição dos Congos e do Chinês não bastam para levar quase meio milhão dos cofres públicos. Seria a hora das agremiações realizarem cursos para aprendizes, tanto na confecção de fantasias e alegorias, como ritmistas. Só colocar a escola na rua não é incentivar a cultura. Até porque, não é de hoje, os componentes são em parte membros de agremiações campistas. Incentivar a cultura é levar o sanjoanense para o barracão, despertar o interesse por essa tradição que, infelizmente, há algum tempo vem se perdendo em SJB.
Outra polêmica quase incendiou o pré-carnaval sanjoanense. Começou a circular na rede, de forma irresponsável, que teria de ser pago para assistir as desfiles das escolas de samba em SJB. Neste ponto, todo cidadão da cidade, seja Congos ou Chinês, governista ou oposição, teve de concordar: não houve mudança. Há anos existem arquibancadas que são cobradas. A diferença deste ano é que o dinheiro recolhido com as arquibancadas, bem como com as áreas de estacionamento, ficará com a Prefeitura, não com instituições filantrópicas como outrora. Talvez com esse recurso a Prefeitura consiga reaver o gasto, ao menos, com as escolas de samba. Vejamos o balanço pós quarta-feira de Cinzas (se for divulgado, como deveria, é claro).
Em tempo — A programação do carnaval 2017: “Espalhe alegria como se fosse confete” foi divulgada pela prefeita Carla Machado em coletiva na semana passada (aqui).
Comentar
Compartilhe
Segunda de carnaval e quarta-feira de Cinzas serão ponto facultativo em SJB
22/02/2017 | 14h05
Em decreto publicado na edição desta quarta-feira (22) do Diário Oficial, a prefeita Carla Machado determinou que a segunda-feira de carnaval (27) e a quarta-feira de Cinzas (1º de março) serão ponto facultativo em São João da Barra. Na sexta-feira (24), os órgãos e repartições públicas funcionarão normalmente.
Comentar
Compartilhe
Pezão será testemunha de defesa de Cabral
22/02/2017 | 13h52
O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), será testemunha de defesa do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB) — de quem foi vice e secretário de Obras. Acusado, ao lado da mulher, Adriana Ancelmo, e outras 11 pessoas de desviar R$ 224 milhões de obras públicas, Cabral será julgado pelo juiz Sérgio Moro pelos crimes de lavagem de dinheiro, corrupção, organização criminosa. Em despacho nessa terça-feira (21), Moro informou que as audiências de acusação deverão ocorrer entre os dias 7 e 27 de março. No próximo dia 10 deverá falar no processo o delator Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras.
No último dia 9, a Polícia Federal divulgou um relatório que aponta indícios de que Pezão recebeu propina do esquema de corrupção de Cabral. O nome de Pezão consta em anotações manuscritas encontradas durante busca e apreensão na casa de Luiz Carlos Bezerra, apontado como um dos operadores de Cabral. No relatório, encaminhado à 7ª Vara Federal Criminal do Rio, a PF sugere o envio das informações ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), já que Pezão tem foro privilegiado. Ele nega as acusações.
Fonte: O Globo
Comentar
Compartilhe
Bruno Dauaire cobra solução para problema recorrente com a Vivo em SJB
21/02/2017 | 20h26
Rodrigo Silveira
Deputado apresentou ofício à comissão de Defesa do Consumidor / Rodrigo Silveira
O deputado estadual Bruno Dauaire (PR) encaminhou ofício ao deputado Luiz Martins (PDT), presidente da Comissão de Defesa do Consumidor na Alerj, “pedindo que a operadora não só se explique, como apresente um plano para solucionar o problema, além de ressarcir os consumidores em seus prejuízos”.
Problemas recorrentes com a falta de sinal de telefonia e internet móvel são vivenciados no litoral sanjoanense, em especial na alta temporada. No início do ano, os moradores e visitantes do litoral do Norte Fluminense ficaram incomunicáveis — no ofício, Bruno relata que o problema durou oito dias. No último domingo (19), a falha do serviço ocorreu novamente (veja na Folha). Nesta terça-feira (21), novo problema com a telefonia móvel em SJB.
O questionamento feito pelo deputado em sua página no Facebook é o mesmo de muitos sanjoanense: Vivo ou morto?
Comentar
Compartilhe
Câmara de SJB aprova subvenções para escolas de samba
21/02/2017 | 12h10
Em caráter de urgência, a Câmara de São João da Barra aprovou nesta terça-feira (21) as subvenções destinadas às escolas de samba Congos e Chinês. Segundo os vereadores, foi mantido o mesmo valor destinado às agremiações no ano passado: R$ 234 mil por instituição. A escola de samba Unidos da Chatuba não foi agraciada com o repasse. Em primeira instância (passível de recurso), a escola foi condenada (aqui) pelo uso de 'notas frias', com a impossibilidade de receber recursos públicos. A Trinca de Ouro, de Barcelos, também não terá subvenção. Parlamentares das bancadas de oposição e governistas divergiram na votação dos projetos.
O vereador Franquis Areas (PR) foi contra as subvenções. O parlamentar ressaltou que não é contra o carnaval, mas acredita que um município em emergência econômica deveria ter outras prioridades, não destinar quase R$ 500 mil para escolas de samba. “No município que não pode retornar com o cartão do servidor, Cartão Cidadão, bolsas universitárias, com o direito do servidor em ter seu vale-transporte, também não é a hora de gastar com o carnaval”, disse Franquis, único a votar contra o repasse.
Presidente da Casa, o vereador Aluizio Siqueira (PP) destacou que em menos de dois meses da atual gestão muitos problemas herdados foram solucionados, mencionando o pagamento de dezembro dos efetivos, a segunda parcela do 13º salário, e investimentos na área de saúde. “No ano passado a crise já existia, mas a subvenção neste mesmo valor foi aprovada por todos os vereadores”, afirmou Aluizio. O parlamentar lembrou que a expectativa é que mais de 250 mil pessoas participem da folia sanjoanense. Segundo Aluizio, em um cálculo especulativo, é possível que mais de R$ 5 milhões circulem no município nos dias de festa.
Autorização — A Casa também autorizou a Prefeitura a buscar patrocínios com a iniciativa privada para realização do Carnaval, além de exploração da área pública para estacionamento, arquibancadas, além da cobrança de uma taxa de R$ 250 aos ambulantes. O vereador Franquis contestou a votação do projeto, uma vez que a estrutura para o carnaval já estava sendo montada. Ele contestou o fato de uma matéria pedindo a autorização da Câmara entrar na pauta desta terça, embora o Executivo já tenha iniciado, segundo ele, as tratativas com as empresas sem a autorização. Além de Franquis, o vereador Eziel Pedro (PMDB) votou contra o projeto. A favor, votaram Caputi (PTN), Gersinho (SD), Jonas Gomes (PP), Ronaldo Gomes (PP) e Sônia Pereira (PT). Elísio Rodrigues (PDT) não compareceu à sessão. Como presidente, Aluizio só votaria em caso de empate.
Comentar
Compartilhe
Na Câmara, Carla Machado pede união para tirar SJB 'do buraco'
21/02/2017 | 10h27
Reprodução
Prefeita esteve na Câmara na sessão desta terça-feira / Reprodução
A prefeita de São João da Barra, Carla Machado (PP), participou da sessão da Câmara desta terça-feira (21). Em sua mensagem ao Legislativo, já que não pôde comparecer à reunião da semana passada, quando foram eleitas as comissões, Carla disse aos vereadores que o momento pede a união “de forças para tirar o município do buraco que se encontra”. Ela voltou a afirmar que herdou da gestão anterior dívidas que chegam praticamente ao orçamento de um ano da Prefeitura.
Para aumentar a arrecadação do município, a prefeita informou que vai realizar ainda neste semestre concurso para fiscais. A atual gestão vai realizar ainda um recadastramento imobiliário. Na área da Saúde, ela afirmou ter solucionado problemas como falta de remédios e insumos, além do funcionamento das unidades de urgência.
Carla Machado também criticou a gestão anterior. Segundo a prefeita, grande parte dos secretários da gestão Neco (PMDB) apagou arquivos das máquinas da Prefeitura “para prejudicar a atual administração”. Ela ainda comentou sobre a situação do fundo de previdência própria do município, o SJBPrev. De acordo com Carla, “a questão do fundo de previdência própria é uma aberração”. A prefeita afirmou que houve apropriação indébita, gerando uma dívida de cerca de R$ 25 milhões com o SJBPrev, sem contar débitos com o INSS. Por conta de dívidas, o município está, ainda, impedido de receber recursos federais.
O resultado dos eventos realizados no verão no Balneário de Atafona foi comemorado pela prefeita, que espera bom desempenho também no Carnaval. As atrações foram custeadas em parceria com a iniciativa privada. “Minha vontade não era fazer verão, carnaval, nada. Buscamos alternativas, parcerias com a iniciativa privada. O saldo foi bastante razoável para todas as partes”, comentou Carla.
A prefeita disse ainda que a Prefeitura quando ela assumiu “parecia um pardieiro”. “Não podemos ficar chorando pelo leite derramado, e eu não sou de ficar chorando pelo leite derramado. Mas é preciso saber que tudo tem um preço. Não existe vara de condão, não existe mágica na administração pública”, observou Carla, que finalizou pedindo aos parlamentares que auxiliem para que possam “devolver o sorriso ao povo de São João da Barra” nos quatro anos desta gestão.
Comentar
Compartilhe
MP move ação contra Pezão por improbidade administrativa
21/02/2017 | 09h35
O Ministério Público do Rio ajuizou nessa segunda-feira (20) ação civil pública contra o governador Luiz Fernando Pezão por ato de improbidade administrativa. A ação foi ajuizada pelo procurador de Justiça decano do Conselho Superior do Ministério Público (CSMP), Ricardo Ribeiro Martins.
O Conselho Superior do Ministério Público (CSMP) decidiu, no último dia 26 de janeiro, por 6 votos a 3, pela não homologação da promoção de arquivamento do inquérito civil que investigou a prática de ato de improbidade administrativa pelo governador.
A partir da representação foi instaurado um inquérito pelo Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj), que argumentou falhas nos investimentos na área de Saúde por parte do governo estadual, que não teria repassado as cotas financeiras obrigatórias para o setor, como determina a Constituição Federal.
Na ação, o MP requer perda da função pública e suspensão dos direitos políticos de três a cinco anos; pagamento de multa civil de até cem vezes o valor da remuneração percebida pelo agente; proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de três anos; e pagamento de danos morais difusos, em valor a ser prudentemente arbitrado pelo Juízo.
Fonte: O Globo
Comentar
Compartilhe

BLOGS - MAIS LIDAS