IPTU
08/12/2017 | 16h41
Compartilhe
Petroleiro eleito presidente do PSDB de Campos
02/12/2017 | 18h09
1100% PSDB
Por 94 a  81 votos, o representante da categoria dos trabalhadores no petróleo, Lesley Beehtoven, foi eleito presidente do PSDB Campista. Muda o comando da sigla, e parece mudará a postura doutrinária.  É observar.
Foto do Facebook do Lesley Bethoven
Compartilhe
Licitações
01/12/2017 | 19h46
Compartilhe
Merecido
25/11/2017 | 01h32
Compartilhe
Tomaram de assalto
17/11/2017 | 18h21
Compartilhe
Decreto 'facilita' retirada de licença para construção do Porto Central, no Sul do ES
10/11/2017 | 01h06
"Empreendimento recebeu o status de utilidade pública e a autorização para a retirada da mata na região onde será construído." ()
 
 
 
Mais uma etapa para que o Porto Central, em Presidente Kennedy, no Sul do Espírito Santo, saia do papel foi superada nesta quinta-feira (9). Por meio de um decreto, o empreendimento recebeu o status de utilidade pública e a autorização para a retirada da mata na região onde será construído.
 
O Decreto foi publicado no Diário Oficial da União nesta quinta. O documento, assinado pelo presidente Michel Temer, “declara de utilidade pública obra essencial de infraestrutura portuária de interesse nacional destinada ao serviço público de transporte marítimo”.
 
Ele também autoriza a retirada de vegetação para a construção do empreendimento e faz com que o Ibama prossiga na análise dos documentos para a autorização da licença de instalação.
 
“Esse decreto é uma pré-condição para a emissão da licença da obra. Foi um passo muito importante para que o Ibama, que está na fase final de avaliação documentos, possa finalmente concluir a sua análise, e emitir a licença”, explicou o diretor-presidente do Porto Central, José Maria Vieira de Novaes.
 
O diretor-presidente ainda explica que, depois de emitir a licença, o grupo vai poder avançar com as negociações comerciais com os clientes. “Até então, não consigo fazer acordo, pela falta de uma previsibilidade. Essa medida vai permitir que sejam concluídas as negociações comerciais já em curso”.
 
Agora, a expectativa é de que a obra, que deve gerar quase cinco mil empregos, comece no final do ano que vem.
O porto
O Porto Central é um complexo portuário multiuso, sob regime condominial, de águas profundas e de classe mundial, com infraestrutura para atender empresas industriais e de serviços que dão suporte à indústria do petróleo e, também, para a operação de contêineres, granéis sólidos e líquidos, carga geral e veículos. Durante a obra, o empreendimento deve contratar 4,7 mil pessoas.
Do G1
Compartilhe
Folha de pagamento
03/11/2017 | 19h09
Compartilhe
Falta d'água: Agir é emergencial
01/11/2017 | 16h55
Nascente seca em Rio Preto no assentamento Novo Horizonte
Nascente seca em Rio Preto no assentamento Novo Horizonte
O município de Campos dos Goytacazes é importante polo regional, por sua geografia: “ rios, canais, valados, alagados e lagoas”, quando abastecidos em condições hídricas ideais, oferece diversificadas oportunidades às práticas produtivas, uma das mais importantes, a atividade pesqueira e aquícola artesanal. A região, vem sobrevivendo, já a cerca de 08 anos, com uma situação climática, similar a do semi árido do Nordeste Brasileiro. Vive um ciclo de baixa precipitação pluviométrica, temperaturas acima das observadas historicamente, o que levou toda a bacia hidrográfica do Baixo Paraíba do Sul e Itabapoana a situação de falência hídrica, comprometendo por tal, todo o ambiente territorial[Norte-Noroeste].
 
Restos do gado no fundo seco do Brejo de São Gregório - Sta Ana
Restos do gado no fundo seco do Brejo de São Gregório - Sta Ana
A pesca artesanal continental é exponencial atividade econômica, junto a atividade aquícola familiar, que vinha em evolução a níveis de volumes de produção, envolvem uma população de cerca de 1250 famílias, instaladas em projetos de assentamentos e áreas rurais, vem perdendo com esta situação de seca a possibilidade de sobrevivência. É fundamental, ater-se ao entendimento que não só a atividade econômica está sendo suprimida, acontece além da impossibilidade da manutenção de atividade geradora de trabalho e renda, e a possibilidade de sobrevivência das comunidades tradicionais, a evidente extinção de nichos sociais, culturais e ambientais, provocando óbvia necessidade de êxodo populacional para os grandes centros.
 
Em condições de estabilidade hídrica, cada aglomerado familiar, envolvido na pesca artesanal estaria produzindo média de 150 kg mês de pescado, uma família de produtor aquícola familiar, produzindo num reservatório de 100 m³, contribuiria com cerca de 500 kg mensais, de proteína saudável a alimentação do seu núcleo familiar e comunidade no entorno. Tal situação se mostra inviável e impensável com a evidente falência hídrica. No caos que se encontram todos os meios hídricos no município, o que se aproxima destas famílias é a falência alimentar, é a fome. É a fome hoje considerada extinta, beira os limites urbanos de nosso município.
 
As imagens da calha totalmente assoreada do Rio Paraíba do Sul e Rio Itabapoana, dos Rios, Preto, Urubú, Imbé e Ururaí, dos leito secos dos riachos e canais tributários, do solo ressequido, no “fundo” de grandes lagoas como da Saudade e São Gregório, do 'restojo' de lama na ex gigante Lagoa de Campelo, apavoram a nossa mente e esmagam a visão passada de fartura e pujança da pesca. São só uns poucos exemplos , do inferno que se anuncia. E; só uma ‘lógica’ a ser seguida: “ Não se pode voltar atrás e fazer um novo começo, mas parar agora e agir, na construção de um futuro diferente”. É o perfeito mestre Chico Xavier.
 
Com os fundamentos apresentados, somando-se as mesmas sub condições de subsistência, identificadas para as atividades agrícolas, pecuárias e até da manutenção do abastecimento humano, é que se faz necessária cuidar da água que nos resta e garantir o presente de chuvas, que nos é dado a cada verão.
 
Agir é situação emergencial !
Por Zé Armando Barreto
Compartilhe
Inacreditável
27/10/2017 | 12h58
Compartilhe
Sobre o autor

Murillo Dieguez

[email protected]