Saúde de São João com ações efetivas voltadas à mulher
11/09/2019 08:45 - Atualizado em 11/09/2019 13:28
Divulgação
Desde que a maternidade da Santa Casa de Misericórdia de São João da Barra foi reaberta, em janeiro de 2017, no início da gestão Carla Machado, mais de 800 mulheres puderam ter seus filhos no próprio município. A média de partos é de 40 por mês. Para a cuidadora de creche Tamiris dos Santos Gama do Amaral, 26 anos, moradora de Atafona, estar perto de casa significa se sentir mais segura. Mãe de Sophia, 9, e Carlos Ayran, 5, Tamiris está com a cesariana marcada para esta quinta-feira (12). Na contagem regressiva para a chegada de David Miguel, ela decidiu operar para não engravidar mais e está tranquila com a decisão, depois de ter contado com atendimento psicológico do Programa de Assistência Integral à Mulher (Paism) durante o pré-natal, realizado na Unidade de Saúde Félix de Sá.
— Contamos com uma estrutura organizada, com equipamentos e equipe técnica, mas nosso compromisso é também com a humanização, com o esforço para que as pacientes se sintam acolhidas, respeitadas e seguras. Esse é o nosso foco e buscamos evoluir a cada dia, ao mesmo tempo em que avançamos também tecnicamente — explica o ginecologista Leonardo de Sá, coordenador do Paism.
Esse é o motivo que faz Tamiris festejar o fato de poder ter seu filho em São João da Barra. Vai ter a família por perto, poder contar com acompanhante e ser assistida pela equipe com quem tem estado durante todo o pré-natal. “Fiz todos os exames, passei por vários profissionais e, mesmo já sendo mãe de mais duas crianças, aprendi bastante”. (A.N.)

ÚLTIMAS NOTÍCIAS