Mérida leva pleitos da CDL a Witzel, mas política movimenta bastidores
- Atualizado em 14/05/2019 09:37
Encontro no Guanabara
As alianças políticas traçadas no Rio de Janeiro com o governador Wilson Witzel (PSC) repercutiram bastante no Norte Fluminense, sobretudo no tabuleiro político de São João da Barra (aqui). Mas a política partidária não foi o único assunto tratado por nomes da região com o governador. Presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas (FCDL) do Rio de Janeiro, Marcelo Mérida esteve com Witzel para uma agenda que classificou como institucional, articulada pelo deputado Bruno Dauaire (PSC), atual presidente da frente parlamentar em Defesa do Setor Varejista. 
Pauta institucional
Mérida destacou que vários temas foram debatidos junto ao governador, convidado a participar da Convenção Estadual do Comércio, marcada para agosto. Também falou sobre questões tributárias, a violência na BR 101 e avaliou o encontro como positivo: “O governador foi muito receptivo, entendeu a importância do varejo para o Estado do Rio de Janeiro. Para minha surpresa, ele é conhecedor do setor e a gente está em um projeto de alinhar uma agenda positiva para o Estado”.
Política nos bastidores
Nos bastidores, a informação corrente é que Witzel teria convidado Mérida para deixar o PSD e integrar os quadros do PSC campista. A oferta também teria sido feita ao professor Wainer Teixeira, que estava junto com o presidente da FCDL. Mérida nega: “Nós não tratamos de questões políticas partidárias, estivemos lá enquanto instituição, com preocupação com o setor, que vive grandes dificuldades. Já o professor estava nos acompanhando na questão da assessoria da Convenção Estadual, que será na Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende, com o desenvolvimento econômico do Estado do Rio como pauta de discussão”.
“Rachadinha”
Nas fotos que vieram do Rio de Janeiro, era possível constatar a figura do senador Flávio Bolsonaro (PSL) com bom trânsito no Guanabara. Ontem mesmo, a Justiça do Rio de Janeiro autorizou a quebra dos sigilos bancário e fiscal do senador, filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL), e do ex-policial militar Fabrício Queiroz, que foi assessor e motorista de Flávio, durante o mandato de deputado estadual. Após relatórios do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) apontarem movimentações atípicas na conta do ex-assessor, foi levantada a suspeita de “rachadinha”, negada veementemente pelo atual senador.
Polêmicas
Como Flávio é filho do presidente, é óbvio que a notícia ganha ainda mais visibilidade. Ainda mais pelo fato de ser um governo com muitas polêmicas. Mais uma foi revelada ontem pelo site O Antagonista, informando que Bolsonaro avalia seriamente exonerar o general Santos Cruz da Secretaria de Governo. Santos Cruz tem uma das mais vitoriosas carreiras das Forças Armadas e é visto como membro da ala equilibrada do governo. Como é respeitado pelos demais generais, sua saída pode gerar forte reações. Fato que não seria nada interessante para um governo com tantas preocupações.
Ética
Instalada oficialmente na semana passada, o Conselho de Ética da Câmara de Campos realizou a primeira reunião na manhã de ontem. Durante o encontro, foram definidas algumas diretrizes do trabalho do grupo, composto pelos vereadores Silvinho Martins (PRP), como presidente, Abu (PPS), como vice, além de Cabo Alonsimar (PTC), Rosilani do Renê (PSC) e Enock Amaral (PHS). De acordo com o Silvinho, o princípio da comissão será do diálogo, de tentar resolver possíveis desavenças antes de chegar ao conselho.
Sancionado
O prefeito Rafael Diniz (PPS) sancionou ontem a lei aprovada pela Câmara Municipal de Campos que proíbe as concessionárias de serviços públicos de energia elétrica, gás e água e esgoto de cobrarem tarifas por estimativa de consumo. O projeto é de autoria do vereador Jorginho Virgílio (PRP). Ao levar a proposta para o plenário, aprovada por unanimidade, ele disse que existe precedente do Supremo Tribunal Federal (STF) para que o município possa legislar sobre o assunto.
 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS