Delegada destaca aumento da violência em SJB com a chegada do Porto do Açu
Ícaro Barbosa 16/05/2019 07:50 - Atualizado em 16/05/2019 16:35
Isaías Fernandes
A delegada Madeleine Farias, titular da 145ª Delegacia de Polícia (São João da Barra), falou, nesta quinta-feira (16), no programa Folha No Ar, da Folha FM 98,3, sobre a situação da segurança pública no município. Segundo a delegada, o espírito de “tranquilidade e veraneio” nas praias sanjoanenses não existe mais. Estudos realizados dentro da delegacia mostram uma ligação do aumento dos índices de criminalidade à instalação do Porto do Açu. O convidado desta sexta-feira (16), a partir das 7h, será o promotor Victor Queiroz.
De acordo com Madeleine, atualmente, já é possível perceber a presença de facções do tráfico de Campos no 5º Distrito (Açu). A delegada disse que houve uma curva de aumento na criminalidade entre 2012 e 2013, com a construção do Porto do Açu, que trouxe muitas pessoas de fora para a região, aumentando a ocorrência de ilícitos. Ela relatou que, quando houve a onda de desemprego, as pessoas ficaram sem perspectivas e se envolveram em atividades criminosas. Segundo a delegada, SJB chegou a registrar 11 homicídios entre janeiro e fevereiro de 2012. Desse total, Madeleine afirmou que nove foram ligados a atividades de facções criminosas.
— São João da Barra é uma cidade que sempre exprimiu a questão da tranquilidade e veraneio, mas agora isso mudou. Há um estudo da delegacia de que houve um aumento na curva de crime entre 2012 e 2013, a partir da construção do Porto. Depois da crise de demissão em massa isso se acentuou. Hoje, vemos facções de Campos dominando o 5º Distrito — afirmou.
A delegada Madeleine fez críticas às “mazelas” dos garantismos da Constituição, que, muitas vezes, levam ao atraso na solução de um crime. Ela também comentou sobre a burocracia de instituições do país.
— Não é culpa do Judiciário, é culpa das nossas leis. Nós temos um país de terceiro mundo com um garantismo que não existe nem em países de primeiro. A polícia brasileira tem tantas restrições burocráticas de investigações, que um homicídio fácil de conclusão fica difícil de ser resolvido. Isso acaba com nossa eficiência.
Apesar da preocupação que a delegada expressou em relação aos registros de violência em São João da Barra, ela expôs dados positivos para os moradores do município. “Aumentamos em 48% o número de prisões em São João da Barra. Isso só é possível graças à confiança depositada pelo povo sanjoanense. O delegado de polícia tem que dar satisfação à população. Nós temos que dar visibilidade e transparência quanto ao trabalho da polícia”, disse.
Decreto de armas — Madeleine também expressou sua opinião sobre o decreto assinado pelo presidente, Jair Bolsonaro (PSL), que facilita a posse e o porte de armas. “Eu não sou a favor do aumento do porte de arma. Quando a pessoa está armada, está disposta a matar ou a morrer. Isso é um prejuízo”, declarou a delegada, enfatizando: “Isso não é uma opinião institucional. Muitos colegas acreditam que o cidadão armado é um aliado da polícia”.
Confira a entrevista:
 
 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS