Ponto Final - Violência contra a mulher
20/04/2019 10:53 - Atualizado em 27/04/2019 11:53
Violência contra mulher
O crescimento dos casos de violência contra a mulher despertou a preocupação, também, da secretaria de Estado de Polícia Civil. A instituição informou, ontem, que vem intensificando as ações de investigação e prevenção contra este tipo de crime. Como resultado deste trabalho, o número de prisões de autores de agressões contra mulheres chegou a 210 nos três primeiros meses de 2019, o que representa um aumento de 229% em comparação a 2018. A delegada Juliana Emerique, coordenadora-geral das Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher (CGDEAM), a difusão da informação contribui para que mais mulheres denunciem abusos.
Casos em Campos
A violência contra mulher em Campos teve aumento de 55% no primeiro trimestre deste ano, em relação ao mesmo período do ano passado, conforme a Folha noticiou na edição do último dia 7. E os casos de violência no município chamaram ainda mais atenção no início deste mês. Só na primeira semana de abril, uma mulher foi morta e o ex-namorado é o principal suspeito (segundo feminicídio do ano), outra teve um tímpano perfurado e apontou o ex-companheiro, um DJ da cidade, como suposto agressor, e um homem foi preso após ameaçar de morte a esposa.
Deam e polêmicas
Os dados da violência contra mulher em Campos são da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) do município, uma das 14 para atender vítimas em todo Estado do Rio de Janeiro. No entanto, existem algumas polêmicas. No início do mês, a Deam de Campos publicou uma nota de esclarecimento, classificando como leve as lesões sofridas pela ex-companheira do DJ. No entanto, exames complementares do Hospital Ferreira Machado (HFM) apontaram uma perfuração do tímpano. O posicionamento da delegacia gerou críticas, sobretudo porque poderia desestimular outras mulheres a denunciarem casos de agressão.
Denúncias
Na última quarta-feira, integrantes do Movimento Unificado de Mulheres (Movimentum), do coletivo Nós Por Nós e do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher estiveram em um encontro com defensoras públicas, com o objetivo de colher instruções para formalizar as denúncias quanto ao atendimento da Deam de Campos. Os relatos das denunciantes são de desencorajamento às vítimas, negativa de confecção do registro de ocorrência, coação e até mesmo assédio. Os relatos serão levados ao Núcleo Especial de Defesa dos Direitos da Mulher (Nudem) e à CPI do Feminicídio da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj).
Efeitos
Um professor de Geografia do Ensino Médio foi demitido nesta semana, após ser filmado criticando o presidente Jair Bolsonaro (PSL) durante uma aula no Colégio Poliedro, instituição tradicional de São José dos Campos, na região do Vale do Paraíba paulista. Recentemente, em Campos, o professor de Português Marco Antônio Tavares, do Liceu, foi afastado de suas atividades por ter usado em uma atividade, também com alunos do Ensino Médio, uma charge que mostrava Bolsonaro e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, debaixo dos lençóis com a bandeira estadunidense ao fundo.
Reforma
A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados vai retomar as discussões sobre a reforma da previdência na próxima terça-feira. A esperança dos aliados do presidente Jair Bolsonaro é que a votação aconteça nesta semana. Para o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM), a votação na CCJ nesta semana não é uma possibilidade, está garantida. Em seu descanso no feriadão da Semana Santa, ter o texto da Reforma da Previdência ser aprovado na CCJ é um dos principais sonhos de Bolsonaro.
José Renato
Em SJB
O deputado estadual Bruno Dauaire rebateu o posicionamento do ex-presidente do diretório municipal do seu novo partido, o PSC, em São João da Barra. Ao deixar a legenda e a presidência do diretório, Renato Thimoteo afirmou que Bruno entrou no PSC por “oportunismo” e que não dividiria o mesmo espaço partidário com o parlamentar. Bruno, no entanto, aponta que Thimoteo — aliado da prefeita Carla Machado (PP) e atual presidente do regime de previdência municipal — foi infiel ao PSC já que na campanha de 2018 a governador apoiou Eduardo Paes (DEM) e não ao governador Wilson Witzel (PSC).

ÚLTIMAS NOTÍCIAS