A Janela
- Atualizado em 07/12/2018 12:39
Certa vez, dois homens estavam seriamente doentes na mesma enfermaria de um grande hospital. O cômodo era bem pequeno e nele havia uma janela que dava para o mundo. Um dos homens tinha como parte do seu tratamento, permissão para sentar-se na cama por uma hora durante as tardes (algo que tinha a ver com a drenagem de fluido de seus pulmões). Sua cama ficava perto da janela.
O outro, contudo, tinha de passar todo o seu tempo deitado de barriga para cima. Todas as tardes, quando o homem cuja cama ficava perto da janela era colocado em posição sentada, passava o tempo descrevendo o que via lá fora.
A janela dava para um parque onde havia um lago. Havia patos e cisnes no lago, e as crianças iam atirar-lhes pão e colocar na água barcos de brinquedo. Jovens namorados caminhavam de mãos dadas entre as árvores, e havia flores, gramados e jogos de bola. E ao fundo, por trás da fileira de árvores, avistava-se o belo contorno dos prédios da cidade.
O homem deitado ouvia o sentado descrever tudo isso, apreciando todos os minutos. Ouviu sobre como uma criança quase caiu no lago e sobre como as garotas estavam bonitas em seus vestidos de verão. As descrições do seu amigo eventualmente o fizeram sentir que quase podia ver o que estava acontecendo lá fora...
Então, em uma bela tarde, ocorreu-lhe um pensamento: Por que o homem que ficava perto da janela deveria ter todo o prazer de ver o que estava acontecendo? Por que ele não podia ter essa chance? Sentiu-se envergonhado, mas quanto mais tentava não pensar assim, mais queria uma mudança. Faria qualquer coisa!
Numa noite, enquanto olhava para o teto, o outro homem subitamente acordou tossindo e sufocando, suas mãos procurando o botão que faria a enfermeira vir correndo. Mas ele o observou sem se mover... mesmo quando o som de respiração parou. De manhã, a enfermeira encontrou o outro homem morto e, silenciosamente, levou embora o seu corpo.
Logo que pareceu apropriado, o homem perguntou se poderia ser colocado na cama perto da janela. Então o colocaram lá, aconchegaram-no sob as cobertas e fizeram com que se sentisse bastante confortável. No minuto em que saíram, ele apoiou-se sobre um cotovelo, com dificuldade e sentindo muita dor, e olhando para fora da janela viu apenas um muro.
Esta mensagem nos convida a muitas reflexões sobre a forma como encaramos as nossas dores, as nossas alegrias, os nossos problemas e as nossas dificuldades. Vemos como duas pessoas em situações semelhantes reagiram diante das possibilidades que se apresentaram para elas. Cada um de nós vê o mundo sob a ótica dos nossos horizontes.
Se buscamos avaliar as circunstâncias que nos cercam de forma positiva, seremos capazes de visualizar em um simples muro, um filme colorido, em terceira dimensão, e não só trazer alegria para o nosso coração, como também exercer a influência positiva sobre o nosso próximo, fazendo com que ele também seja capaz de partilhar conosco momentos de prazer e de alegria. Se, por outro lado, nos fechamos em nossos problemas e em nossas dores, podemos estar diante de uma das sete maravilhas do mundo e estaremos vendo um mundo preto e branco, onde tudo que há de bom não será capaz de modificar a nossa ótica diante do belo contexto.
Assim somos nós em nossa caminhada. Na maioria das vezes, não conseguimos visualizar como somos privilegiados diante de tantas tragédias e tantos sofrimentos que o mundo vive e que chegam até nós com requintes de detalhes pela mídia, pela internet, e pelas formas mais diversas de divulgação. Em muitos momentos até paramos para comentar o fato, mas não temos o hábito de analisar como somos abençoados diante de tudo que a vida nos oferta. Obviamente que passamos por dores e provações, mas na maioria das vezes nos prendemos nelas, sem força para reação, assistindo o tempo passar pela janela da nossa vida, nos dizer adeus, seguir adiante, e estes momentos nunca mais retornarão, essas oportunidades não serão mais nossas.
Com certeza passaremos por momentos que requerem de nós uma postura de recolhimento para que não sejamos repetitivos em nossas recaídas, freqüentes em nossas frustrações, negativos diante de Deus e do mundo, pessoas que perdem tempo com coisas pequenas. Mas a vida sempre nos convida a novas etapas, e o tempo não nos espera. Temos que levantar a cabeça, reagir diante de Deus, de nós mesmos, da vida, e seguir com firmeza a nossa estrada.
Cada um de nós pode em uma mesma página em branco, com apenas uma frase ou uma figura, escrever um belo conto ou uma bela tragédia. Como você está olhando o mundo que te rodeia neste momento? Você sabia que é responsável não somente por você, mas também por todos que convivem com você no seu dia-a-dia. Quanta responsabilidade!
Que este texto de Ligia Barreto possa nos acordar diante da vida, das oportunidades e nos deixar com a certeza de que a vida é, sempre foi e será aquilo que nós a tornamos.
Desejo a todos uma boa semana, com a certeza de que a aquarela das cores que escolhemos para pintar o muro das nossas vidas possa estar repleta de cores bem alegres e vibrantes, nos trazendo alegrias, esperanças e muita vontade de compartilhar com todos os que nos cercam a beleza da vida que existe dentro de cada um de nós, pois o homem é do tamanho dos seus sonhos, do horizonte que vislumbra!
Com afeto,
Beth Landim

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Sobre o autor

    Elizabeth Landim

    [email protected]