ficamos quites
27/09/2018 11:42 - Atualizado em 27/09/2018 11:42

Ficamos quites

Cândida Albernaz

- Estou ficando cansada nessas nossas saídas com o pessoal

- O que sugere? Mudamos de turma?

- Não foi o que eu disse.

- Mas se está cansada de nosso grupo, a solução é trocarmos de amigos.

- Você e suas opiniões radicais. Adora extremos.

- Então entendi. Você quer apenas reclamar um pouco e que eu escute sem tentar arranjar soluções.

- Pode ser.

- Nunca vou compreender vocês mulheres.

- Nem precisa. Basta nos venerar.

- Qual é!

- Estou brincando. É claro.

- Brincando, mas é o que sonha. Ser venerada, obedecida, atendida em todos os seus desejos.

- Que mulher não gostaria? Por falar em brincar, por que não jogamos?

- Jogar o que?

- Jogo da verdade.

- Não acredito. Está querendo brigar.

- Nada disso. É para passar o tempo enquanto os outros não chegam.

- Na última vez em que tentamos isso, quase terminamos.

- Mas agora estou mais segura e tenho certeza de que você também

- Como vamos começar?

- Você faz a primeira pergunta.

- Que seja. Qual o motivo para você estar querendo mudar de grupo? Envolveu-se com algum de nossos amigos?

- Que pergunta cretina é esta?

- Vai responder ou fugir? A ideia foi sua.

- Não é bem isso. Sabe o Marcelo?

- O que tem ele? Desembucha.

- Lembra-se daquele dia em que ninguém apareceu e ficamos eu e ele?

- Continua.

- Bebemos demais e você deve recordar que foi na época em eu havia descoberto o seu caso com Roberta.

- Já falamos sobre isso e concordamos que era passado.

- E é, mas naquele dia eu ainda sofria muito.

- E...

- E Marcelo estava ali, todo triste porque sempre foi apaixonado pela Roberta e ela nem aí.

- E...

- Conversamos muito e nos consolamos.

- O que quer dizer nos consolamos?

- Vou falar tudo de uma vez.

- É bom mesmo.

- Foi você quem perguntou. Aí vai! Acabamos a noite no apartamento dele e não foi ruim não.

- Vocês transaram?

- É isso. Transamos e foi só.

- Só? E eu fazendo papel de bobo este tempo todo?

- Papel de bobo por quê? Então acha que sou boba porque você também transou com Roberta?

- Não coloque palavras na minha boca. Quer desfazer o grupo porque você e Marcelo me cornearam?

- Começou. Se não queria respostas para que fez as perguntas?

- Não imaginei que o motivo seria tão sério.

- Não entendeu. O motivo não é a transa.

- Ah não?

- O motivo é que Marcelo se apaixonou por mim e não me deixa em paz.

- Como é que é? Vocês continuam se encontrando pelas minhas costas?

- Claro que não, querido. Só mais uma vez.

- Mais uma vez?

- Sabe aquele dia em foi a Vitória e antes de sair disse que precisávamos dar um tempo?

- Trepou com Marcelo de novo.

- Que maneira de falar.

- E quer que eu fale como?

- Com calma, do mesmo jeito que pediu que eu falasse quando soube sobre seu caso com Roberta.

- É vingança então.

- Lógico que não, amor.

- Não me chame de amor!

- Que jeito de falar.

- Vou quebrara a cara desse filho da...

- Ah, não vai não. Recorda quando falei que ia desfigurar aquela carinha de boa moça da Roberta? Você disse que eu era superior a estas coisas.

- E você está sugerindo que eu engula a seco essa conversa toda.

- Se vai engolir ou não, não faço a menor ideia. Mas brigar com Marcelo seria ridículo. Já viu seu tamanho e o dele?

- Pois eu esmago aquela mosca.

- Chega! Acabou a brincadeira. Não sabe ouvir verdades.

- Isso não é apenas uma verdade. Isso são dois chifres enormes que você colocou na minha testa e ainda quer que eu fique quieto.

- Olha, aceita minha sugestão inicial e nos afastamos do grupo.

- E esqueço que você e Marcelo me sacanearam? Espera aí. Foi só com ele?

- Chega. Acabou o jogo.

- Não acredito.

- Estamos quites.

- Então foi isso?

- Não foi. Aconteceu. Olha querido, vamos embora. Não precisamos esperar ninguém.

- Embora para onde?

- Sabe o que estou usando embaixo deste vestido?

- ...

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Sobre o autor

    Candida Albernaz

    [email protected]

    Candida Albernaz escreve contos desde 2005, e com a necessidade de publicá-los nasceu o blog "Em cada canto um conto". Em 2012, iniciou com as "Frases nem tão soltas", que possuem um conceito mais pessoal. "Percebo ser infinita enquanto me tornando uma, duas ou muitas me transformo em cada personagem criado. Escrever me liberta".