Respeito ao Verde e o Samba de Raiz da Zona Norte Carioca, no Camarote Folia Tropical na Sapucaí com Arquiteto Rodrigo Dinelli Abrindo a Boca para Marco Barcelos.
16/02/2018 17:15 - Atualizado em 16/02/2018 17:16
Camarote Folia Tropical
Camarote Folia Tropical / Camarote Folia Tropical
Camarote Folia Tropical
Camarote Folia Tropical / Camarote Folia Tropical
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
1-Rodrigo Dinelli, após seis anos consecutivos como Arquiteto à frente do Camarote Folia Tropical, o que levou a escolher o tema Casa do Samba e Zona Norte Carioca neste ano?
O Camarote Folia Tropical sempre valorizou o samba de raiz, e nada melhor que a Zona Norte Carioca para representá-lo. Com o fim da escravidão, em 1888, o samba carioca começou a ser esboçado na Pedra do Sal, no centro do Rio, pelos escravos libertos que alí se reuniam para criar versos e batuques. No final da década de 20, no bairro Estácio, Praça Onze e Morro de São Carlos por toda a cidade. E como todos sabemos, a grande maioria dos cantores de samba são dessa região, assim como a maioria das escolas de samba, por isso na fachada principal, fiz uma homenagem à zona norte, criando 13 grandes volumes empilhados que remetem às casas alegres e multicoloridas dessa região. Além disso, essa quantidade representa as 13 escolas de samba do grupo especial com seus respectivos bairros de origem.
2- Qual o recurso que você usou para não perder o foco da tropicalidade e dos famosos jardins verticais do camarote em meio de um tema mais urbano como a zona norte carioca?
O respeito à natureza continua sempre presente no projeto. No ano passado o foco foi a Floresta Amazônica, o desmatamento e suas plantas tropicais. Neste ano, esse respeito ao nosso verde aparece representado por muitas das plantas típicas da zona norte carioca espalhadas por todo o camarote, como as espadas-de-são-jorge, as comigo-ninguém-pode e as famosas palmeirinhas arecas. Além disso, trouxe centenas de pássaros artificiais “voando” e “pousados” sobre gaiolas de portas abertas, enfatizando a liberdade dos pássaros e dos animais em geral.
3- A diversidade da Zona Norte Carioca é muito vasta, como você conseguirá em apenas alguns metros quadrados aglutinar todas as riquezas encontradas e a energia contagiante dessa região?
Como o camarote possui dois mil metros quadrados, consegui resumir um pouco da realidade da zona norte em cada um dos seis espaços principais. Na fachada, como já mencionei, representei as casas da região; no hall de entrada, criei um grande corredor de folhas secas no chão, com o teto coberto por um jardim suspenso repleto de pipas coloridas; na area VIP, na boate e nos demais espaços essa energia aparece nas cores alegres, nas diversas estampas e nos cantinhos que projetei especialmente para representar as ruas dessa região, como o Beco da Folia e seu famoso banco da praça com postes e caixotes de feira com frutas; e a Vila Tropical, com muitas plantas, gaiolas, cachorro de porcelana e até varal de roupas! Fui pessoalmente à zona norte para pesquisar, passear pelas ruas e sentir essa energia para que, em cada cantinho desses dois mil metros quadrados de camarote, as pessoas vivenciassem essa experiência e pudessem assistir ao maior espetáculo da Terra como se estivessem assistindo da janela de uma verdadeira casa dessa região, com direito a um tratamento mais que vip, desfrutando de sala de massagem, salão de beleza, barbearia, bares e até uma boate com palco para shows de MPB e samba de raiz, onde se apresentaram Alexandre Pirez, Maria Rita, Mosquito, Tereza Cristina e, no Sábado das campeãs irão se apresentar Alcione e Zeca Pagodinho!
4- A família Campista está em festa mais uma vez no Carnaval, pois seu filho pródigo brilha mais uma vez na Sapucaí. Quais os conselhos para quem quer fazer Arquitetura, e está cursando para trilhar o caminho do sucesso?
Humildade e respeito em primeiro lugar! Poucos sabem que por trás de tantos flashes, existe um arquiteto que arregaça as mangas e, literalmente, coloca a mão na massa para que tudo fique bonito no final! Não é simplesmente sentar, projetar e entregar as plantas para a equipe de produção! É preciso vivenciar aquele projeto, acompanhando a obra (que nesse caso dura 3 meses antes do Carnaval) e saber que, da mesma maneira que você quer ser tratado com respeito pelas pessoas que te contratam, você deve respeitar as pessoas que estão trabalhando para você, como pedreiros, eletricistas, marceneiros e todos os outros funcionários. Saber pedir educadamente, ensinar como se faz e até elogiar as pessoas que estão suando a camisa para concretizar a sua ideia são atitudes muito nobres e que, com certeza, garantem o sucesso de qualquer pessoa na sua profissão. Em se tratando dos profissionais de Arquitetura, especificamente, todo projeto surge a partir de algo que vimos ou sonhamos. Todo arquiteto deve saber que quando se sonha algo grandioso, aquele sonho começa a circular pelas nossas veias e, inconscientemente, quando menos esperamos, tudo começa a brotar pelas nossas mãos em forma de rabiscos, que se tornam os esboços de um projeto! Tudo que consegui até hoje foi sonhando e acreditando que todos esses meus rabiscos se tornariam realidade. Por isso, aconselho que sonhem bastante, rabisquem bastante, mesmo sem saber desenhar, pois com certeza conseguirão concretizar os seus esboços e passar para o público, de alguma maneira, alguma emoção com as suas arquiteturas. Boa sorte!
5- Rodrigo Dinelli fiquei sabendo que o camarote tem acessibilidade e inclusão social. Me conte sobre isso?
Sim. O projeto foi pensado para que todos, sem exceção, pudessem aproveitar os espaços com conforto total. Desde a porta de entrada até a área VIP do terceiro pavimento, o camarote oferece rampas, elevador e áreas reservadas para pessoas com deficiências. E não para por aí, não! Desde que o camarote nasceu, em 2013, nas terças-feiras de Carnaval, quando acontece o desfile das escolas mirins, o Folia Tropical proporciona um momento único e mágico chamado Folia dos Amigos do Ton. Esse evento é o encontro de crianças e jovens de abrigos e associações como a ABBR, que cuida da reabilitação de portadores de deficiências e foi criado pelo meu amigo Mickael Noah, irmão do Ton, um anjinho especial, protagonista do dia e filho de Agnes e Newton Mendonça, fundadores do Folia Tropical. Nesse dia, enquanto as escolas mirins desfilam na avenida, dentro do camarote são realizadas atividades de entretenimento para mais de 800 crianças com seus familiares, como shows de mágica, apresentações de teatro e dança, além de comida, bebida e transporte para todos! São momentos emocionantes! Ver o sorriso estampado no rosto de cada uma das crianças e de seus pais é a maior realização de poder participar de um evento como esse.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Sobre o autor

    Marco Barcelos

    [email protected]