Semiologia Médica 4 - Doenças por uma nova ótica
- Atualizado em 24/12/2017 21:30
No último domingo do mês, publico no blog verbetes de um dicionário médico-poético.
Havana, 2016
Havana, 2016 / Mariana Luiza
Ansiedade: É o desespero da espera. O precipitar do precipício. Uma respiração que não cabe no pulmão. O excesso de medos e futuros. A falta de ar e do presente. Recomenda-se colocar os pés no chão, sentir o hoje e respirar mais e mais e mais até que o pulmão retome seu tamanho.
----------------------------------------------------//-----------------------------------------------
Caxumba: Também conhecida como parótide ou papeira, a caxumba é uma infecção viral que inflama as glândulas salivares e sublinguais. As pessoas que não têm papas na língua e falam o que pensam sem medir consequências, são as mais propensas a se infectar com o vírus.
Os sintomas são inchaço e dor na região das papadas. Além das comuns dores ao mastigar e engolir aquilo que não deveria ter sido dito. Uma das complicações da caxumba é a meningite, que causa fortes dores de cabeça. Ela acontece quando o indivíduo, impossibilitado de falar sem limites, devido a complicações da doença, tenta transmitir seus comentários grosseiros e indelicados pela força do pensamento.
Em homens, o vírus da caxumba também pode infectar a região dos testículos, uma vez que alguns indivíduos do gênero também pensam grosserias e indelicadezas com a cabeça de baixo.
Como tratar: A caxumba é como a palavra grosseira depois de proferida. Não tem atenuantes. Recomenda-se apenas repouso e alimentação leve com poucos ou total ausência de ácido para não irritar as glândulas salivares, não incitando-as a proferir palavras que possam agravar e postergar a permanência do vírus no corpo do individuo. Como forma de prevenção existem alguns tratamentos como o tele transporte que leva o paciente a se colocar no lugar do outro, com o ouvido e pensamento, antes de proferir as palavras pensadas.
----------------------------------------------------//-----------------------------------------------
Cálculos renais: São as pedras no meio do caminho. A maior parte dos cálculos se forma sem manifestar qualquer sintoma. Instalam-se sorrateiramente nos rins, nos pensamentos ou nas vias urinárias, provocando o desvio de percursos ou a paralisação total de um projeto ou plano. As pedras, assim como a maioria dos problemas e dos medos, começam pequenas. Encontram no corpo um lugar de repouso e desenvolvimento e crescem ao encontrar alimento naquilo que deveria ser excretado pelas vias urinárias e/ou imaginárias.
Diz-se que a cólica renal é uma das dores mais lancinantes, intoleráveis e desumanas sentida por um corpo. Não é pra menos. A interrupção desistência de um desejo é verdadeiramente atroz com qualquer corpo.
A remoção dos cálculos se dá por cirurgia ou eliminação natural pela uretra com consumo excessivo de água. O solvente universal dos problemas e das pedras nos caminhos chega como enxurradas ou tsunamis carregando pra longe o que impede o sonho.
----------------------------------------------------//-----------------------------------------------
Congestão alimentar: Mal estar súbito provocado pelo acúmulo excessivo de presentes e comidas na noite de natal. O corpo entra em estado de congestão porque o consumo desenfreado muda a direção do fluxo sanguíneo para irrigação do estômago e intestino quando deveria na verdade irrigar o coração e o cérebro.
Chás digestivos como o de simancol ajudam a processar com consciência o sentido do nascimento do símbolo do natal. Jesus Cristo.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Sobre o autor

    Mariana Luiza

    [email protected]