Cabral condenado a 14 anos de prisão
14/06/2017 08:47 - Atualizado em 14/06/2017 08:47
Ex-governador Sergio Cabral
Ex-governador Sergio Cabral/Reprodução de vídeo
O juiz Sérgio Moro condenou o ex-governador Sérgio Cabral (PMDB) a 14 anos e dois meses de prisão por corrupção passiva, por pedir e receber vantagem indevida no contrato de terraplanagem do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), e 12 crimes de lavagem de dinheiro. Esta é a primeira condenação de Cabral, que é réu em outros nove processos, mas na 7ª Vara Federal Criminal do Rio, comandada pelo juiz Marcelo Bretas. Adriana Ancelmo, esposa de Cabral, foi absolvida das acusações de corrupção passiva e de lavagem de dinheiro por falta de provas.
Moro decretou que o início do cumprimento da pena deverá ser em regime fechado. A sentença, que ao todo soma 118 páginas, diz que, como as outras ações penais ainda não foram julgadas, Moro considerou que o ex-governador tem bons antecedentes. Segundo Moro, o crime de corrupção envolveu o recebimento de R$ 2,7 milhões em propina, em valores de 2008 — R$ 6.662.150, corrigidos pelo IGP-M —, o que, segundo o juiz, é “bastante expressivo”. Para o juiz, o crime se insere em contexto mais amplo: “de cobrança sistemática pelo ex-governador e seu grupo de um percentual de propina incidente sobre toda obra pública no Estado do Rio de Janeiro”.
Com base em patrimônio de R$ 3 milhões e nos crimes, o juiz da Lava Jato em Curitiba também determinou que Cabral pague multa de cerca de R$ 673 mil. Em depoimento a Moro em abril, Cabral negou ter recebido propina da Andrade Gutierrez e alegou que fez uso de sobras de caixa dois.
O juiz condenou, também por corrupção e lavagem de dinheiro, o secretário de Governo do Rio, Wilson Carlos Cordeiro da Silva Carvalho (10 anos e oito meses), e Carlos Miranda (12 anos), considerado o “homem da mala” de Sérgio Cabral.
Rio — A primeira sentença pelas mãos de Bretas deve sair mês que vem. Extensa documentação aponta que o ex-governador tem fortuna de U$ 100 milhões no exterior. (S.M.) (A.N.)

ÚLTIMAS NOTÍCIAS