As faces de Clarice Falcão
paulavigneron 13/10/2016 19:33
Foto: reprodução/Facebook Fortuitos encontros (e desencontros) diários, muitas vezes, servem como empurrão para que tenhamos a oportunidade de conhecer novas produções do mundo artístico, em suas mais diversas formas. Música, livros, teatro, cinema. Com as notícias divulgadas sobre a área de cultura, é possível ter acesso a inúmeros trabalhos que têm sido publicados, tanto nacional quanto internacionalmente. Mas, cá para nós, os brasileiros possuem mais encanto em relação ao que vem de fora.
Olhar para si, para seu povo, sua arte e formação faz com que o indivíduo tenha maior sensibilidade para compreender e admirar (e também criticar, com base) o que é produzido no país em que nasceu. Entre algumas das boas novas surgidas há relativamente pouco tempo, uma das que mais aparece na mídia é Clarice Falcão, que, com suas peculiaridades, compõe canções que despertam a curiosidade dos consumidores mais jovens. E, apesar do lado irônico predominante, a artista tem o aspecto dramático, que é pouco explorado.
Também atriz e humorista, Clarice, filha da escritora e roteirista Adriana Falcão e do diretor João Falcão, ganhou destaque após participar dos vídeos do canal Porta dos Fundos, no YouTube. Os vídeos, de curta-metragem, têm visibilidade devido à exploração de um tipo de humor que não se enquadra na televisão brasileira. Por isso, a plataforma alternativa. A artista fez parte do grupo por alguns anos, mas se desligou em 2015 para, segunda ela, cuidar da carreira musical.
Recentemente, ela lançou “Problema Meu”, o segundo álbum de sua carreira. Ácido, doentio e cômico: três termos que definem as composições do CD. Entre as 14 músicas, o ouvinte encontrará lamentos e ameaças relacionadas a abandonos em um bar; confidências de uma mulher para a ex do namorado, com quem divide angústias e histórias; desejos de vingança transmitidos em uma composição feita pelo pai, João; e autocrítica irônica sobre sua própria produção.
Embora sua carreira esteja mais vinculada ao lado humorístico-sarcástico, o primeiro produto artístico em que Clarice se destacou – e que lhe rendeu prêmios, inclusive no concurso Project: Direct, realizado pelo Google e promovido pelo YouTube – foi o curta-metragem “Laços”, com roteiro de Adriana, sua mãe, e direção de Flávia Lacerda. Lançado em 2007, o vídeo acompanha o trajeto de uma menina pelas ruas.
Perdida após fugir do funeral do pai, ela encontra um rapaz desconhecido que tenta compreender o motivo do choro da garota e animá-la. Enquanto pede ajuda com a gravata, ele fala sobre a força de vínculos e sentimentos que unem os seres humanos, dando à personagem novas formas de encarar a vida, com surpresas diante de descobertas. Em cena, Clarice, ainda um rosto desconhecido, transmite emoções que se tornariam incomuns em sua futura carreira, abrindo mão da ironia característica e fortalecendo a ideia de que, apesar de optar por determinado estilo, o artista deve portar e saber usar suas múltiplas faces.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    BLOGS - MAIS LIDAS